Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Votar para abdicar da privacidade?

por Jorge Soares, em 27.09.16

privacidade.jpg

 

Imagem da internet 

 

A noticia é da RTP e diz :  "Suíços abdicam da privacidade em prol dos serviços secretos" no domingo passado, em mais um dos muitos referendos que se fazem no país helvético, mais de 65 % dos Suíços votaram a favor de uma  lei que vai permitir aos serviços  secretos espiolhar as vidas privadas dos cidadãos.

 

Isto acontece na mesma semana em que em Portugal se armou um enorme burburinho porque o governo enviou para aprovação do presidente da república, uma lei que permitirá aos bancos avisarem o fisco de qualquer um que tenha contas bancárias com mais de 50000 euros...  aposto que há muita gente por aí a rezar para que Marcelo vete a lei... é que há coisas que são dificeis de explicar ao fisco.

 

Curiosamente também aconteceu na mesma semana em que a minha filha mais velha ouviu falar de um senhor chamado Edward Snowden, que como se recordarão ficou conhecido porque mostrou ao mundo que  os serviços secretos americanos espiolhavam a vida privada não só dos americanos, como de muita gente mais ou menos importante pelo mundo fora.

 

Ela considera o senhor digno da maior admiração porque foi capaz de gritar ao mundo o que já todos mais ou menos sabíamos mas ninguém se atrevia a dizer e/ou a provar. 

 

Tal como ela aplaudo a atitude de Snowden, mas confesso que ante os últimos ataques terroristas e tendo a certeza que se tal como dizem os países Europeus, é verdade que se tem evitado muitos ataques terroristas nos últimos tempos, isto se deve a que algures há máquinas e sistemas a trabalhar e pelos vistos a funcionar bem. 

 

Tentei explicar à minha filha que entre o preto e o branco, há muitos  tons de cinzento pelo meio e que se calhar há alturas em que os fins justificam os meios....  acho que não tive muita sorte, talvez porque nem a mim me consigo convencer.

 

O problema de tudo isto é que dificilmente se conseguem impor limites ou controlar até onde chega quem tem as máquinas e o poder de as utilizar.. e depois acontece como nos Estados Unidos, começa-se por escutar os terroristas e termina-se a ouvir os telefonemas dos lideres de outros países sem importar muito se são amigos ou inimigos.

 

Na Suíça há algo que querem chamar democracia directa e tudo é referendável, desde os minaretes das mesquitas até à privacidade do cidadão, passando por se podem ou não expulsar  emigrantes... Em muitos casos o populismo leva a melhor e no fim dá asneira... como acho que aconteceu neste caso.

 

Em Portugal felizmente confiamos nas instituições para fazer as leis, o que será que acontecia se se fizesse um referendo para decidir se quem tem mais de 50000 Euros no Banco  tem ou não que explicar ao fisco de onde saiu o dinheiro? Ou se quem, tem património imobiliário com valor superior  a x mil euros tem que pagar um imposto especial?

 

Não é nada fácil decidir o que significa democracia directa ou o que é ou não privacidade.... mas eu teria uma enorme dificuldade em ser Suíço.

 

Jorge Soares

Related Posts with Thumbnails

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:17

Pode a escola educar para a pontualidade?

por Jorge Soares, em 20.09.16

Pontualidade (1).jpg

 

Imagem de aqui

 

Já aqui falei sobre a pontualidade ou a falta dela, foi neste post, hoje vou voltar ao assunto, porque ele foi tema na reunião de pais do inicio do ano na escola da R:

 

Há episódios que nos marcam, andava eu no segundo ano da faculdade no IST e tinha uma cadeira chamada Medida da Integração, era uma coisa super teórica em que se falava de teoria dos números e de muitas outras coisas super abstractas da matemática. O professor era o Manuel Ricou, trabalhava numa multinacional e dava aquela cadeira  às oito da manhã, era sempre super pontual.

 

Um dia, deviam ser oito e quinze quando entram dois alunos atrasados, ele interrompeu a aula e virando-se para eles disse:

 

-Desculpem lá, para eu poder estar aqui às  oito da manhã em ponto, os meus filhos tem que se levantar às seis e meia de modo a que eu os possa deixar na escola, se eles se podem levantar a essa hora para eu estar aqui a horas, vocês pelo menos deviam ter a decência de chegar a horas, façam favor de sair e não voltem a chegar atrasados.

 

A semana passada na reunião com a directora de turma da R., fomos informados que o liceu de Setúbal alterou o regulamento interno, acabaram-se os 10 minutos de tolerância e as faltas por atraso, a partir de agora após cinco minutos as portas das salas são encerradas e quem não tiver entrado já não entra. E os alunos ficam inclusivamente proibidos de andar pelos corredores após  este tempo.

 

Confesso, não pude deixar de sorrir ao ouvir isto, a professora reparou e ficou a olhar para mim... alguns dos pais pediram esclarecimentos mas o assunto foi pacifico. No dia a seguir fiquei a saber pelo Facebook que houve turmas em que os pais que não acharam piada nenhuma e inclusivamente exigiram que ficasse a sua reclamação em acta.

 

Pessoalmente não posso estar mais de acordo com esta medida, que melhor lugar que uma escola para ensinar aos jovens a importância da pontualidade?

 

Imagino que os pais que estão contra são os mesmos que chegam sempre pelo menos 15 minutos atrasados às reuniões de turma, à hora em que devia iniciar-se a reunião, numa turma de 23 alunos,  estávamos: a professora, eu e uma mãe. A reunião começou 15 minutos depois da hora marcada e houve muita gente que chegou depois disso.

 

É claro que quem não consegue ser pontual dificilmente consegue transmitir a ideia aos seus filhos, e quando o exemplo não vem de casa ... 

 

Custa-me entender que os pais sejam contra uma medida destas, se a importância da pontualidade não se ensina em casa e não queremos que seja ensinada na escola, então queremos o quê? Alguma coisa se tem que fazer porque a verdade é que cada vez mais este país é um atraso de vida com tanta gente a chegar sempre atrasada..

 

Jorge Soares

Related Posts with Thumbnails

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:33

Café sem açúcar? Nãooooooooo!

por Jorge Soares, em 19.09.16

café.png

 

 

Imagem do El Pais

 

Há uns tempos li um artigo (este artigo)  num dos blogs do El País em que o autor escrevia que só há dois países do mundo em que ao pedir um expresso há 99% de probabilidades de se tomar um bom café, Itália e Portugal... eu diria que no resto do mundo e principalmente na Espanha, as probabilidades são quase ao contrário.

 

Eu comecei a tomar café aos 11 anos mais ou menos na mesma altura em que os comecei a servir. Não sei como será agora, mas na altura na Venezuela o café tomava-se em copos de plástico. Quando cheguei a Portugal estranhei as taças de cerâmica e principalmente o sabor do café, que pouco tinha a ver com o que eu estava habituado.

 

Com o tempo habituamos-nos a quase tudo... principalmente quando tomamos pelo menos 3 cafés por dia... ainda que na altura da faculdade podiam ser alguns  mais.

 

Com a idade e o aumento de peso passei do açúcar para o adoçante, no inicio estranhei, depois entranhei até ao ponto de não gostar de café com açúcar.

 

De há uns tempos para cá virou moda o café puro, sem açúcar e sem adoçante, a maioria dos meus colegas é assim que o toma, dizem eles que é a única forma de conhecer o verdadeiro sabor do café... 

 

Como estou numa de perder peso e é uma resolução mesmo a sério, uma das medidas foi retirar o adoçante, segundo as últimas teorias, para quem quer perder peso o adoçante é pior que o açúcar, isto porque no açúcar há uma parte que se transforma em energia e outra em gordura, no adoçante não há energia, vai tudo para a gordura....

 

A ideia era mesmo passar a tomar o café sem açúcar em nome da boa forma e do peso certo... como não é fácil comecei por tomar com meio pacote de açúcar.... o objectivo era ir diminuindo até passar a tomar sem açúcar.

 

Segundo os meus colegas em menos de uma semana devia estar habituado ao "verdadeiro sabor do café" .... pois. Passado mais de um mês e após algumas tentativas eu continuava com mais ou menos meio pacote de açúcar, umas vezes mais e outras menos, estava claro que a coisa não estava a resultar.

 

Como o que tem que ser tem muita força, e eu não sou de deixar resoluções a meio, um dia decidi que não devia ser tão difícil e deixei mesmo de colocar açúcar.. A realidade é que para mim o café sem açúcar sabe mesmo mal, é amargo, horrível... de inicio achei que tinha que dar tempo.. aquela semana de que todos me falavam....

 

Passado uma semana o sabor continuava a ser horrível, um dia dei por mim a pensar que tinha que tomar uma decisão, ou voltava ao açúcar, ou deixava de  tomar café... Para mim tomar um café era um prazer, agora é um suplicio, acho que basta olhar para a minha cara para se perceber que há algo de errado.

 

Ainda não voltei ao açúcar, fixei uma meta para o meu peso ideal e não vou sair da linha até lá, todas as restantes alterações alimentares que tenho vindo a fazer são fáceis de seguir e não são sacrifício nenhum, o verdadeiro sacrifício, o que custa mesmo,  é o raio do sabor do café sem açúcar e sem adoçante.

 

Os meus colegas continuam a dizer que gostam do café assim, desculpem lá, mas não acredito que alguém goste mesmo de uma coisa que só sabe a amargo e a queimado...  horrível.

 

Sejamos sinceros, o verdadeiro sabor do café inclui açúcar ou algo que o torne mais suave e bebível, se o verdadeiro sabor do café fosse o que eu tenho estado a sentir nos últimos tempos, não haveria artigos como o do El país e ninguém gostaria de tomar café expresso. A minha meia laranja sugeriu adicionar canela... fica melhor, menos amargo, mas não o suficiente.

 

E sim, vale a pena o sacrifício, perdi quase 7 quilos em dois meses.... mas podem ter a certeza que das duas uma, ou volto ao café com qualquer coisa doce ou deixo de tomar café... assim não dá!

 

Jorge Soares

Related Posts with Thumbnails

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:33

Eu Pokemon Go!

por Jorge Soares, em 06.09.16

Pokemon Go.jpg

 

Imagem retirada dos settings do Pokemon Go no meu telemóvel

 

Há quem seja indiferente, quem deteste, quem adore... eu simplesmente acho que é um jogo como outro qualquer que tem algumas virtudes e defeitos, mais ou menos como qualquer outro jogo seja ele de telemóvel ou de outra coisa qualquer.

 

Tudo começou quando a R. herdou o meu velhinho Iphone 4 e descobriu que este já está tão ultrapassado que nem dá para instalar o Pokemon Go, no meu 5S novo dá (como podem ver eu não ando lá muito actualizado) , e foi lá que ela o instalou... nos primeiros dias achei piada, com o tempo fui ganhando o bichinho e uns dias depois já era um jogo partilhado pelos dois.... 

 

Eu já tinha o hábito de dois ou três dias por semana andar entre meia hora e uma hora ao fim do dia, depois foi unir o útil ao agradável. Os passeios nocturnos passaram a ser mais frequentes e a seguir percursos que incluíssem Poke paradas e ginásios... o resultado está ali à vista na fotografia.

 

Desde meio de Julho até agora, não só cheguei ao nível 20 no Jogo, como andei a pé 110 Kns à caça de Pokemons... na realidade andei mais, porque como é sabido de quem joga, a menos que se ande sempre em linha recta, aquilo mede menos que o que realmente andamos. 

 

Sim, também já perdi alguns quilos, mas isso é porque além de andar mais também mudou muita coisa nos meus hábitos alimentares... mas disso falo noutra altura.

 

Podemos gostar mais ou menos do jogo, mas como dizia um dos meus colegas um destes dias, tem pelo menos a virtude de tirar miúdos e graúdos de casa....

 

Jorge Soares

Related Posts with Thumbnails

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:01

Posts relacionados

Related Posts with Thumbnails


Ó pra mim!

foto do autor






Estou a ler

Regressar a Casa

Rose Tremain

 

O Rapaz de Olhos Azuis

Joanne Harris

 

O jogo de Ripper

Isabel Allende

 






Visitas


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D