Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Marcia.jpg

 

Imagem de aqui

 

A expectativa era grande, nomes como Luísa Sobral, Márcia, Samuel Uría, Rita Redshoes, etc, deviam ser a garantia de que algo ia mudar. São músicos consagrados, que dão cartas na nova música portuguesa, com muito sucesso e que não ficam a dever nada a muita coisa que se faz pelo mundo fora.... desta vez é que era.

 

Afinal, a montanha pariu um enorme rato.... desde a  semana passada na rubrica da Antena 1, "A contar", David Ferreira tem estado a recordar alguns dos festivais dos anos 60... Bom, algumas das músicas que se cantaram nesta primeira meia final poderiam ter sido encaixadas no meio de qualquer um desses festivais sem que ninguém desse pelos quase 50 anos de diferença temporal.... 

 

É verdade que há letras muito bonitas, muito bem escritas... mas que claramente não tem nada a ver com um Festival da Eurovisão, podem ter muito a ver com o Festival RTP da canção dos anos 60 e 70.... mas dificilmente irão fugir aos últimos lugares na Eurovisão.

 

Qual é o problema da RTP com a música portuguesa do século XXI? Porque é que em lugar de escrever uma balada de outros tempos a Rita RedShoes não pode participar com uma das suas músicas em inglês? Porque é que o Samuel Uría, que escreve e canta coisas fantásticas, não pode participar no festival com uma das suas criações do século XXI? 

 

Porque é que o Rui Drummond que tem uma das melhores e mais versáteis vozes do panorama nacional , não pode cantar mais que uma balada insossa e sem jeito?

 

Se realmente queremos participar na Eurovisão e ficar  pelo menos a meio da tabela, porque é que não fazemos um festival a sério com:  os the Gift , os Clã,  os Xutos, os GNR, David Fonseca, The Legendary Tigerman, os Tambor, Isaura, Mimicat, Capitão Fausto, Acordes c/ arroz, Miguel Araújo, os Azeitonas, Marta Hugon, Aurea, etc, etc, etc,..... 

 

Há tanta gente fora de série no panorama musical português que a única explicação que eu tenho para que ano após ano raramente se passe do medíocre, é que as regras de participação estão completamente erradas..... 

 

Este ano esforçaram-se para trazer músicas escritas por jovens consagrados, mas esqueceram-se de mudar as regras... que de certeza são as mesmas de 1960.... se é que não são mais arcaicas. Como é que conseguem fazer um festival tão fraco com tantos nomes sonantes e cheios de sucesso na música nacional? O que é que a RTP tem contra a música POP e o Rock nacional? Esta vez até tivemos música em inglês... tão chata e sem graça como as baladas em português.. porquê?

 

Que tal esquecermos que este fim de semana aconteceu e começarmos de novo?

 

Jorge Soares

 

Related Posts with Thumbnails

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:55

lupercales.jpg

Imagem do El Pais

 

Reza a lenda que o imperador Romano Claudio II Gótico proibiu os soldados das suas legiões de se casarem, soldados casados tornavam-se mais conservadores no campo de batalha e menos aguerridos. São Valentim era por essa altura o bispo da cidade de Iteramna, na itália,  era contrário aos mandamentos do emperador e casava os soldados em segredo. Descoberto o esquema, o bispo foi capturado e decapitado a 14 de Fevereiro de 269. 

 

Foi declarado Santo pelo papa Gelasio I em 498 e o seu dia celebra-se a 14 de Fevereiro.... dia dos Namorados.

 

Esta é uma versão da História, é claro que há outras, uma delas diz que a Igreja inventou o santo e o dia para substituir a festa pagã das Lupercais, que se supõe era festejada mais ou menos nesta altura desde o período pré romano e durante todo o império.

 

Segundo vários autores, durante o período Romano as Lupercais eram umas festas que para os jovens incluíam uma serie de rituais de passagem e de iniciação à vida sexual.

 

O centro das festas estava na gruta de lupercal, que se supõe ser a mesma onde uma loba terá amamentado Rómulo e Remo, os fundadores da cidade de Roma, que teriam sido abandonados pela sua família.

 

Em 494, o Papa Gelásio I proibiu e condenou oficialmente a festa pagã. Numa tentativa de cristianizá-la, substituiu-a pelo 14 de Fevereiro, dia dedicado a São Valentim.

 

Passaram 1500 anos... e assim de repente parece-me que , mais ou menos corações e querubins com setinhas,   estamos cada vez mais próximos das origens......

 

Jorge Soares

Related Posts with Thumbnails

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:31

espirito santo.jpg

Imagem de aqui

 

Ontem à noite o noticiário abriu com imagens da Cidade de Espírito Santo no Brasil, com a policia em greve a violência e o crime desataram-se. No ecram sucedem-se as imagens de violência, lojas pilhadas, tiroteios e corpos espalhados. Não soubéssemos que tudo isto se passa no Brasil e bem que podiam ser imagens das guerras civis da  Síria ou do Iraque, tal o grau de violência que nos entra pelos olhos dentro.

 

As últimas imagens são as dos camiões militares a despejar soldados armados até aos dentes enviados pelo governo brasileiro para tentarem tomar conta da situação. 

 

Por momentos voltei à Caracas de 27 de  Fevereiro de 1989, quando os protestos pelo aumento dos transportes degeneraram numa espiral de violência que deixaram centenas de mortos e milhares de lojas saqueadas. Recordo que a situação só começou a acalmar quando o governo despejou milhares de soldados como os da fotografia por toda a cidade.

 

Ontem não foi fácil explicar aos meus filhos o que se estava a passar nas imagens da televisão, após perceberem a questão foi imediata: 

 

- Cá pode acontecer?

 

Não, cá não pode acontecer, primeiro porque por cá a policia não pode fazer greve e segundo, porque, mesmo que a polícia fizesse greve, o nível de violência e civismo da sociedade portuguesa não tem nada a ver com os do Brasil ou da Venezuela.

 

Há quem ache que em Portugal há criminalidade e insegurança, é nestas alturas, quando temos um nível de comparação com o que se passa noutros países e noutras sociedades, que percebemos que afinal... vivemos no céu... só que não sabemos.

 

Jorge Soares

Related Posts with Thumbnails

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15

Afinal, o que é isso de ser Português?

por Jorge Soares, em 03.02.17

Bandeira

 

Ontem no Parlamento foram discutidas (ver noticia) duas propostas de alteração à lei da nacionalidade, por um lado o Bloco de Esquerda propunha que qualquer pessoa que nasça em Portugal seja Portuguesa sem interessar quem são os seus pais, por outro lado o PSD propunha que os netos de Portugueses sejam portugueses de forma automática nasçam onde nasçam.

 

A proposta do Bloco foi rejeitada por todos os restantes partidos, a do PSD foi aprovada com uma pequena alteração, os candidatos devem falar português e mostrar ligação a Portugal.

 

Alguém me explica porque é que alguém que nasce e vive em Portugal é menos português que outra pessoa qualquer que nasceu e viveu noutro país,  só porque esta tem avós portugueses  e fala Português?

 

Eu vivi 10 anos na Venezuela, a grande maioria dos filhos de portugueses que por lá conheci não falam uma única palavra de português, nunca puseram os pés em Portugal e se lhes perguntarem, dizem com muito orgulho que são Venezuelanos... no entanto, por lei, como filhos de portugueses, tem direito automático à nacionalidade portuguesa... como é que podem ser mais portugueses que alguém que cá nasceu e sempre cá viveu? Que sentido é que isto faz?

 

Depois dizem que não somos xenófobos nem racistas.... pois.

 

Afinal, o que é isso de ser Português?

 

Jorge Soares

 

 

Related Posts with Thumbnails

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:27

Posts relacionados

Related Posts with Thumbnails


Ó pra mim!

foto do autor






Estou a ler

Regressar a Casa

Rose Tremain

 

O Rapaz de Olhos Azuis

Joanne Harris

 

O jogo de Ripper

Isabel Allende

 






Visitas


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D