Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





A verdadeira imagem da emigração

por Jorge Soares, em 28.02.13

Emigração Portuguesa

Imagem de aqui

 

Ultimamente cá por casa fala-se muito da emigração, um destes dias após mais uma das reportagens num dos noticiários a R. perguntou:

 

-Nós também temos que emigrar?

-Esperemos que não, o teu pai já emigrou duas vezes e não me parece que tenha gostado lá muito.

 

A resposta da P. deixou-me a pensar, não tinha olhado para o assunto desta forma, para os meus pais foi emigrar e regressar, para mim foi mesmo emigrar duas vezes, e atrevo-me a dizer que a segunda vez, quando vim para Portugal, foi muito mais dolorosa que a primeira... e se houve alguma vez que me senti estrangeiro e fora de lugar foi quando cheguei a Lisboa.

 

Há pouco no programa Linha da frente no canal 1, mostraram os primeiros dias de um casal jovem que decidiu emigrar para Londres. Uma reportagem interessante sobre uma realidade que se calhar escapa a muita gente. 

 

Foi interessante ver como a abordagem inicial dos jovens passava por manter distância da comunidade portuguesa, eles queriam fazer amigos sim, mas não portugueses. No fim quando já começavam a desesperar porque atá as coisas mais básicas, como arranjar um local decente onde dormir, podem ser complicadas para quem cai de pára-quedas num sitio, foram precisamente os contactos portugueses quem lhes foi facilitando as coisas, e foi graças a dicas de outros portugueses que arranjaram casa e emprego.

 

A casa era um pequeno anexo sem casa de banho, sem janelas e sem televisão e  que mesmo assim custava mais ao mês que um apartamento grande por cá. Seria interessante ver quantos dos jovens que agora emigram aceitariam viver por cá  numa casa como aquela, ou arranjar um emprego qualquer a ganhar pouco mais de 7 Euros à hora... 

 

A meio da reportagem entrevistaram o responsável de uma agência de emprego, foi a primeira vez que ouvi de outra pessoa algo que eu já disse algumas vezes e que por norma irrita quem me ouve, "Se os portugueses aceitassem em Portugal os empregos que aceitam cá e a trabalhar as horas que trabalham cá, não precisavam de emigrar".

 

Toda a reportagem me fez lembrar a forma como vi chegar à Venezuela há 25 ou 30 anos muita gente, a imagem da emigração que eu guardo, desde os meus país a familiares e conhecidos é  esta. Por vezes ouço as pessoas falarem e fico a pensar que há muita gente que acha que a emigração é seguir o El Dorado,  que se chega a um sitio qualquer se mostra o titulo universitário e se abrem todas as portas... era bom que tivessem a noção de que a realidade é mais parecida com o que vimos hoje. A diferença que vemos no cartoon é a realidade à saída de Lisboa, em muitos casos não haverá assim tanta diferença à chegada ao destino e muita gente termina mesmo a fazer o que faziam os emigrantes de há umas décadas.

 

Link para a Reportagem

 

Jorge Soares

 

Related Posts with Thumbnails

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:05

Posts relacionados

Related Posts with Thumbnails


4 comentários

Imagem de perfil

De energia-a-mais a 01.03.2013 às 21:03

Sabes, eu reconheço que possa parecer aliciante para os jovens licenciados sairem deste país e tentarem a sorte noutro local mas sinceramente acho que a maior parte não faz ideia do que se vai meter. E sei de casos concretos em que o casal resolveu sair e mesmo sendo ambos licenciados, acabaram por aceitar trabalho, ele numa fábrica e ela como mulher de limpezas (horas) só porque não quiseram regressar por vergonha, estando neste momento a viver da caridade de outros portugueses pois o que recebem lá não chega para alimentação, casa e todas as despesas inerentes.

Teresa
Imagem de perfil

De sentaqui a 01.03.2013 às 22:51

Admiro as pessoas que emigram, que deixam a sua terra, família e os que amam.
Dos casos que conheço, todos estão bem, mas sabemos que nem todos têm a mesma sorte, basta ver o que se passa na Suíça.
Agora há uma coisa que me deixa pasmada...gente que está inscrita nos Centros de Emprego, são chamados para trabalhar, vão uns dias e depois vão embora, ou porque têm de trabalhar aos fins de semana, ou porque o marido não quer, ou simplesmente porque não gostam do trabalho e lá vão de novo para os Centros de Emprego. Conheço por aqui gente que se vê grega para conseguir pessoas para trabalhar. Penso que o que querem é emprego e não trabalho e como tu dizes, se vão para o estrangeiro , muitos sujeitam-se a fazer o que aqui nunca fariam. Vá-se lá entender isto.
Eu sei qual a seria a solução, mas não convém expô-la aqui, é melhor ficar
Sem imagem de perfil

De Fernando a 18.03.2013 às 21:12

Balelas, msm que procures activamente trabalho, que não deixa de ser digno, e se porventura encontras ( 1 a 3 meses encontras procurando da msm forma em Londres) a realidade é que só não viverás nas mesmas condições que no estrangeiro se te apoiares na família. Senão repara, 2€ e tal/hora em Portugal para o msm tipo de trabalho em Londres vais viver numa ilha e com muitas dificuldades. Emigrar não é viajar, mas sim procurar melhores oportunidades e posso garantir que se demonstrares que vales e te esforçares, pelo menos os Britânicos valorizam quem desempenha funções com vontade de crescer e apostam na competência. Claro que como em Portugal é uma selva mas em maior escala e ganha sempre o mais forte.
A minha esposa dizia exactamente o msm que citou:""Se os portugueses aceitassem em Portugal os empregos que aceitam cá e a trabalhar as horas que trabalham cá, não precisavam de emigrar", mas agora que conheceu as realidades já não subscreve o que dizia, até pelo contrário.
Não condeno as opiniões mas gosto de contribuir com o que conheço para que se possa criticar um assunto tão sério como este.
Sem imagem de perfil

De Jorge Silva a 30.08.2013 às 17:53

Hi! – Nice Post!
I agree whith You, namely the way it runs ad can afect each one of us nowadays couse of growing unemployment….
Im very interested in this subject, namely because i would like to know more and more info about working across borders, becouse we never know if it really can be the better for us! ad even ifwe feell it, we must be sure of the country and working conditions befre we go to work abroad! thats some info i found in www.getjobabroad.blogspot.com
Get Your Job Abroad – Search and Find Job abroad – Find out how we can search, submit, analyse, find and get job offers to work abroad! Simple steps can get big opportunities for people who want to work in others countries! Be my guest! – and never forget about searching and searching again before going abroad! oportunities are all aroun us, we just have to, consciently, take good advantage of them!
never give up, always on the run!
good luck everyone!
Cheers my Friends!
JJ

Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor






Estou a ler

Regressar a Casa

Rose Tremain

 

O Rapaz de Olhos Azuis

Joanne Harris

 

O jogo de Ripper

Isabel Allende

 






Visitas


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D