Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





As questões da adopção - Doenças crónicas

por Jorge Soares, em 02.10.14

Imagem de aqui

 

Apesar de ter o tema adopção não ser muito comum por cá ultimamente, a verdade é que de vez em quando continuo a receber alguns emails com questões para as que nem sempre tenho resposta, esta semana recebi um que me pareceu pertinente e portanto decidi partilhar, haverá de certeza mais gente com as mesmas preocupações, então é assim:

 

Tenho XXX anos, sou solteiro e desde à uns dois anos que penso na adopção, tenho vindo a adiar esta decisão devido a estar a terminar um projecto de vida ... mas estando no final desta etapa da minha vida, comecei a pesquisar e encontrei uns artigos em blogs seus. Achei bastante interessante os artigos que li, até porque na opinião de alguns amigos próximos, é que é praticamente impossível para um Pai solteiro, no meu caso existe uma agravante, sou portador de .........., mas que até ao dia de hoje não tenho qualquer problema de .......

 

Trata-se de uma assunto sensível que terei de introduzir junto de alguma família próxima, pois por mais amor que tenha para dar não posso desprezar a opinião dos que me amam. Mas gostaria de saber a sua opinião, como doente crónico acha que é algo que me deve tirar a coragem ou nem por isso? Já ouviu falar de alguns casos de sucesso, onde doentes crónicos conseguiram adoptar?

 

Pelo que já tinha lido, verifiquei tal como refere num dos seus artigos que o processo burocrático é bastante simples, o que me assusta é a descriminação que poderei estar sujeito, não por mim porque com isso vivo bem, mas sim por poder me ser retirada a possibilidade de adopção.

 

Eis a minha resposta:

As questões são pertinentes, entre os pais adoptivos que conheço há pelo menos um com uma doença crónica, mas não é adopção singular.

Se a doença lhe deve tirar coragem para adoptar?, Só você pode responder, quanto a mim não é impedimento, se em lugar de adoptar decidisse ser pai biológico a doença seria impedimento para si? Se consegue ter uma vida normal e uma profissão, porque é que não há-de poder ser pai?

Quanto à discriminação, vai haver sempre, primeiro porque é adoptante singular e depois pela doença, os processos são geridos por pessoas e as assistentes sociais não são menos preconceituosas que o resto da sociedade, por vezes são até mais, mas de certeza que  está habituado a lidar com isso no dia a dia, não será de certeza por aí que deverá desistir.

Se não me engano entre a papelada a apresentar na segurança social para a candidatura está um certificado médico, o meu conselho é que fale com o seu médico de família e/ou com o médico que o segue na sua doença e lhe coloque a questão directamente, se lhe passarem o certificado em como está apto a adoptar, avance com o processo, sem medo nem hesitações.

 

Jorge Soares

Related Posts with Thumbnails

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:06

Posts relacionados

Related Posts with Thumbnails


4 comentários

Imagem de perfil

De Olívia a 03.10.2014 às 09:27

Bom dia, a sua resposta é sem dúvida a que eu também daria. Sabemos que no nosso país existem muitas crianças para adoptar, mas nem todos as querem muitas das vezes por terem uma doença, que bom seria se ao receberem uma candidatura desta pessoa não vissem ali a doença como algo impeditivo, mas sim o amor e a vontade de ser pai de uma criança... desejo sinceramente, que se esta for realmente a vontade de constituir família que lute por ela com unhas e dentes e que mostre o quanto isto é importante para si (note-se que eu cheguei a ser discriminada por estar grávida imagine-se... mas não baixei os braços e consegui adoptar)!
Olívia
Sem imagem de perfil

De Linda a 03.10.2014 às 11:58

Uma resposta à Jorge! Não estranho... Eu cá sei porque te admiro e gosto muito de ti (De vocês)!
Beijinhos
Imagem de perfil

De mãe de coração a 03.10.2014 às 16:25

Concordo em tudo com o que o Jorge disse. No nosso caso, foi diagnosticada uma doença crónica, ao meu marido, já depois de termos sido aprovados. Quando fomos chamados para nos apresentarem os dados do nosso filho, antes mesmo de elas falarem, eu expus-lhes a situação, uma vez que naquela fase estávamos limitados em termos de tempo, para o ir conhecer. A reacção delas foi de preocupação mas apenas a saúde do meu marido, para elas não era de modo algum impedimento para a adopção. Contudo, no dia em que fomos conhecer o nosso filho aconselharam-nos a não falar do assunto para que "outras pessoas" não nos criassem problemas!!!!
Por isso é mesmo como o Jorge diz, estamos a lidar com pessoas e todas são diferentes. Se encontrar uma equipa de adopção como a nossa só conhecerá apoio e encorajamento!!! Portanto, arrisque!!!
Imagem de perfil

De DyDa/Flordeliz a 06.10.2014 às 00:15

Se todos fossem tão práticos e realistas como tu...
Portugal e o mundo seria mais simples e com toda a certeza mais feliz.
Pena que não é.

Comentar post








Estou a ler

Regressar a Casa

Rose Tremain

 

O Rapaz de Olhos Azuis

Joanne Harris

 

O jogo de Ripper

Isabel Allende

 






Visitas


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D