Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Conto - O homem que amei

por Jorge Soares, em 15.02.14

O HOMEM QUE AMEI
                                                                     

Houve uma época em minha vida que pensei ter voltado à terra para ir em busca do homem que amo. Era jovem e acreditava nessas coisas de outras vidas, retornos, enfim... Essas coisas que tornam mais digerível a existência. Então, procurei por ele. Procurei, procurei, até que, finalmente, o encontrei. E como o amei! Ainda hoje, em minha memória, parece que o vejo.
   
O homem que amei tinha olhos que guardavam o mar em tarde de chuva.

O homem que amei tinha passos firmes e gestos largos. Por vezes assumia um ar arrogante que tentava disfarçar sua timidez e insegurança. Mas, embora tímido e inseguro, o homem que amei era extremamente arrojado em seus sonhos, projetos e realizações.

O homem que amei tinha a voz aveludada que nada dissimulava e um semblante melancólico. Sua voz e semblante revelavam as emoções que sentia: da mais doce ternura à raiva mal contida; da pureza quase infantil à ironia mais sutil; da profunda tristeza à alegria que contagia. Por falar em emoções – é espantoso – mas o homem que amei conseguia vivê-las todas num mesmo dia.

O homem que amei tinha extremos loucos. Aproximava-me de Deus com a mesma facilidade com que me fazia conhecer o demônio. Com a mesma facilidade dizia impropérios ou revelava pensamentos sublimes. Por vezes agia e reagia como criança e, quase sempre, com a grandeza do homem vivido e sofrido.

O homem que amei conseguia me fazer curvar de tristeza ou explodir de alegria porque, como ninguém, ele sabia chorar quando era preciso e rir quando era o momento.

O homem que amei desabava diante das mazelas do mundo, mas crescia ao defender suas ideias com contundência.

O homem que amei tinha sonhos lindos, desejos simples e gosto sofisticado. Existia um ponto de interrogação no semblante meigo e forte do homem que amei, tipo, por que complicar o que é simples? A bem da verdade, o homem que amei era uma confusão e, por isso mesmo, me confundia e conseguia me surpreender sempre.

O homem que amei deslocava-se feito peixe fora d’água em meio à parafernália moderna, mas era rei em meio à natureza e no mundo das palavras. Era perspicaz e observador. Escrevia o dia a dia e comovia. Transformava asfalto em poesia.

O homem que amei era sedutor. Tinha paixões e provocava paixões.

O homem que amei era fascinante e delirante.

O homem que amei era intenso e raro.

Eu o conheci em seu reino, o das Palavras, o da Poesia, diante de uma máquina de escrever, e o amei desde então. Encontrei nele reflexos da minha alma. Nele havia o amor que tanto buscara. Torcia para que aquele homem conservasse a mágica do primeiro instante. Torcia porque, se perdesse a magia, ele perderia sua alma. Se perdesse a alma, não seria mais um homem raro. Se não fosse mais um homem raro, não seria mais o homem que eu amava. E daí, bem, daí minha vida teria perdido o sentido da volta.

Mas tudo isso foi há muitos e muitos anos. Perdi o homem que amei no tempo e no silêncio. Enviei um telegrama, não obtive resposta. Mandei um livro, não obtive resposta. O silêncio foi enorme, brutal. Há silêncios que são eloquentes, mas o silêncio ditado pelo homem que amei eu não soube interpretar. Afinal, se até Inês – aquela do Adoniram - deixara um recado pro Mané, ainda que num papel jogado no chão perto do fogão, por que eu não mereceria qualquer explicação?

Vida que vem, vida que vai, vida que leva... E a vida me levou até que aquele amor se desfizesse no tempo, tempo que se alongou, fazendo-me pensar, volta ou outra, se o homem que amei existira mesmo ou se eu o inventara.
 
Foi então que, hoje, ao abrir minha caixa de recados, encontro uma mensagem do homem que amei. De repente, assim, do nada. E foi como se ouvisse sua voz macia, chegando de algum pedaço remoto do passado.

Contou de sua vida, de seus amores e dores, de sua saudade e de utopias.

“Somos utopias. Utopias não deveriam falar, olhar, dizer, se expressar, se mostrar. Utopias deveriam apenas ser utópicas. Sonhadas, imaginadas, desenhadas, pintadas ao gosto de cada um. Nós dois nascemos utopias. Vivemos todo o tempo como utopia. Toda uma vida. Utopia é coisa linda para se levar na alma. Porque coração vai embora, a alma não. Utopia quando você ouve uma música, um som, um tom, um grilo. Utopias quando você, dentro de um avião, vê lá embaixo um belo horizonte e lembra que ali tem utopia. Quando você lê um verso, um conto, um livro, a biblioteca inteira e lembra utopias. Quando você passa num lugar e é atropelado por um utópico pensamento. Talvez a utopia venha num ônibus elétrico com letreiros apagados de um imortal Machado de Assis...”  A essa altura, as letras já embaçadas embaralhavam-se, parecendo dançar numa poça d’água. Bateu um cansaço infinito. Então desisti de ir até o final e deletei a mensagem.

Tirei os óculos, pensando nessa catarata que insiste em me lacrimejar os olhos. A velhice tem cada coisa... Preciso consultar um neurologista para saber a causa desse repentino tremor nas mãos. E um cardiologista também porque esta batida descompassada não é normal. Mas, antes, tenho que ver outro especialista, vai que esse nó na garganta seja coisa ruim...

 

Cecília Maria De Luca

Retirado de Samizdat

Related Posts with Thumbnails

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:17

Posts relacionados

Related Posts with Thumbnails



Ó pra mim!

foto do autor






Estou a ler

Regressar a Casa

Rose Tremain

 

O Rapaz de Olhos Azuis

Joanne Harris

 

O jogo de Ripper

Isabel Allende

 






Visitas


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D