Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Eutanásia, sim, há quem a pratique em Portugal

por Jorge Soares, em 29.02.16

Eutanasia.jpg

 

Imagem da Sábado

 

"Eutanásia já é praticada nos hospitais públicos ... Vivi situações pessoalmente, não preciso de ir buscar outros exemplos. Vi casos em que médicos sugeriram administrar insulina àqueles doentes para lhes provocar um coma insulínico. Não estou a chocar ninguém porque quem trabalha no SNS sabe que estas coisas acontecem por debaixo do pano, por isso vamos falar abertamente”, sublinha Ana Rita Cavaco. "Não estou a dizer que as pessoas o fazem, estou a dizer que temos de falar sobre essas situações" 

 

As palavras são da Bastonária da ordem dos enfermeiros e foi dita no programa "Em nome da Lei", da Rádio Renascença, palavras fortes, que levantaram um enorme alvoroço. Acho que a senhora não mediu o peso do que estava a dizer e as consequências da afirmação, durante o dia tentou desdramatizar e até desdizer... já era tarde.

 

Pessoalmente acho que a senhora sabe do que fala, os médicos são humanos e como humanos não serão indiferentes ao sofrimento de outros seres humanos e já seja por pedido do doente ou por simples misericórdia, haverá de certeza quem já seja por acção ou omissão, ajude ao fim desse sofrimento. 

 

A meio da tarde via facebook chegou-me uma reportagem da revista Sábado, o titulo é por mais esclarecedor;

 

Sim, matei quatro pessoas e defendo a eutanásia

 

O artigo é longo e inclui um vídeo, ao longo do texto o médico conta em primeira pessoa e com detalhes a forma como em 4 oportunidades diferentes não conseguiu resistir ao apelo de amigos, conhecidos e até de um doente. 

 

"Não há dilema: ter uma pessoa de quem gosto perto de mim a sofrer? Isso é condená-la. Todas as pessoas que me pediram ajuda estavam em profundo sofrimento, sem esperança de vida que valesse a pena viver. Mantê-las vivas, isso sim seria uma maldade horrorosa."

 

Imagino que cada um de nós terá a sua opinião sobre o assunto e reagirá de uma forma diferente,mas não me parece que seja possível ficar indiferente ao que ali é dito.

 

No fim, o médico, que tem uma doença terminal, reclama para si o direito a uma morte digna e sem sofrimento,... será que não deveríamos todos ter esse direito?

 

É verdade que nenhum destes  4 casos aconteceu no serviço nacional de saúde, mas alguém acredita que o relatado neste artigo seja caso único?

Jorge Soares

 

Related Posts with Thumbnails

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:30

Posts relacionados

Related Posts with Thumbnails


29 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.02.2016 às 22:19

"ou por simples misericórdia"

ora bem com esta esquerdalhada regressamos ao tempo dos abafadores, aquelas pessoas que faziam isso com almofadas, e so ler romances de outras epocas, o "progresso" desta esquerdalhada leva-nos ao retrocesso civilizacional.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.02.2016 às 23:07

Esquerdalhada.. será que não consegues debitar um pensamento sem teres que arremeter dessa forma contra quem pensa diferente de ti? é assim tão complicado vires cá, dizeres o que pensas sem estares a meter a esquerda e a direita pelo meio?

Tu pensas mesmo ou és só do contra? Será que é assim tão difícil perceberes que não é assim que se esgrimem argumentos e que o único que consegues é que as pessoas não te levem a sério?

Jorge Soares
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.02.2016 às 23:19

esta esquerdalhada tem mesmo a celebraçao do culto da morte, em algumas culturas, havia o costume pagão de acelerar a morte de pessoas com doenças graves supostamente incuráveis, por meio do estrangulamento ou da sufocação. miguel torga, no seu livro novos Contos da Montanha, apresenta a personagem alma grande, também chamado de pai da morte ou abafador, que existia em algumas aldeias rurais de portugal.matar, mesmo por motivos altruístas, não dignifica ninguém.mas esta esquerdalhada ve nisso uma soluçao, entao para que investir em cuidados paliativos, se foi esta mesma esquerdalhada que votou contra a lei que criminiza o abandono de idosos. existe um meio de a pessoa decidir como morrer, o testamento vital, nunca essa decisao pode ficar em outras maos.

“Entrava, atravessava impávido e silencioso a multidão que há três dias, na sala, esperava impaciente o último alento do agonizante, metia-se pelo quarto dentro, fechava a porta, e pouco depois saía com uma paz no rosto pelo menos igual à que tinha deixado ao morto.” (M. Torga, «O Alma Grande», Contos. Lisboa: Dom Quixote, 2001)
Sem imagem de perfil

De Makiavel a 01.03.2016 às 09:45

A sua inteligência já não precisa de eutanásia. É um verdadeiro nado-morto.
Quer que refira pessoas de direita que defendem a eutanásia?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.03.2016 às 10:38

os nados mortos andam por aqui, nem precisam de eutanasia, foram abortos falhados.
Sem imagem de perfil

De Makiavel a 01.03.2016 às 11:50

Não sei a quem se refere, mas convém esclarecer que qualquer ser vivo se trata de um aborto falhado.
A capacidade de raciocínio não se encontra num qualquer sítio. É preciso mesmo tê-la. Uns têm-na outras nem por isso.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.03.2016 às 14:25

Tu nem por isso nem sem isso.
Sem imagem de perfil

De Alberto a 01.03.2016 às 12:35

Caro Anônimo, também conheço a "Abafador" de Miguel Torga. A eutanásia é um tema muito sério e claro que necessita de debate na sociedade pois mexe com convicções, sentimentos, vivências ... Mas, será que essa de esquerdalhada acrescenta algo de positivo ou útil? Claro que não! A sua mente ou intelectualidade (se é que a tem) está complemente desorientada. Um conselho, peça ajuda, mas trate-se.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.03.2016 às 12:55

Aconselho-lhe o mesmo. Mas nao lhe tinha recomendado tratamento, agora vejo que precisa
Sem imagem de perfil

De Alberto a 01.03.2016 às 14:54

Como esperava, não acrescentou nada de útil! Confirmado isso, não perco mais tempo com...sigo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.03.2016 às 19:10

tal como o senhor que entrou aqui e nao fundamentou a sua opçao pela eutanasia, nao discutiu o tema, deu-me um conselho que eu retribui e retribuo trate-se. se queria discutir o tema abordava-o e podia classificar-me ideologicamente nao ficava ofendido com a esquerdalhada.
Imagem de perfil

De golimix a 29.02.2016 às 22:45

Jorge, como sabes, sou enfermeira, há cerca de 21 anos. Eu nunca vi nada relacionado com eutanásia. Acho que a Bastonária deveria ter medido muito bem o que dizia, até porque, se viu, foi conivente, não sendo permitido por lei é cúmplice, por omissão, de um crime. Isto por mais que concordes com a eutanásia! É crime aos olhos da nossa lei. Ponto!

Agora se eu acho que a lei deveria ser aprovada, sem qualquer sombra de dúvida, acho que sim. Aliás, já falei sobre o tema lá no meu canto
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.02.2016 às 23:25

espero que nunca tenha que passar pela situaçao, em que procurando zelar pela situaçao de um familiar se dirija ao medico e este lhe diga que esta a ser muito egoista.ou seja deixe-o morrer em paz nao se preocupe com isso, deixe de ser egoista.
Imagem de perfil

De golimix a 01.03.2016 às 09:12

Desculpe, mas não percebi o que quer dizer.

Estive ao lado de muitos pacientes à beira da morte, a minha mão estava lá a segurar a deles nas noites em que o silêncio era cortado pelos gemidos. E, muitas vezes, mesmo sabendo que nada havia a fazer passávamos a noite a tentar aliviar, a tentar salvar o impossível. Desisti do serviço hospitalar porque dormia e sonhava com os olhares de sofrimento em que eu me sentia completamente impotente! A única coisa que podia fazer era dar a mão e fornecer palavras calmas e sussurradas. Cheguei a casa muitas vezes a chorar...Portanto, faça o favor de se explicar melhor!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.03.2016 às 10:37

nao e o seu caso que me interessa nem se tinha sensibilidade ou nao para enfrentar os dramas terminais da vida humana. o que quero dizer e simples, ja se pratica a nao reanimaçao de doentes em certas circunstancias e suspensao medicamentosa , casos terminais. sera nao uma eutanasia activa mas "passiva e desconhecida"

mas o problema da eutanasia para mim e outro, todos veem a eutanasia pelo lado da misericoridia, o que nos leva a utilidade da vida e do sofrimento, e quem decide isto e por fim a isto, se a vida tem que ser levada a cabo sempre com ou sem sofrimento e em qualquer estado, a vida entao passa a ser uma obrigaçao em que nos e imposto viver, esta entao nao nos pertence e tanto nos podem obrigar as viver nas melhores condiçoes como nas piores condiçoes, num caso nao ha eutanasia noutro pode haver , em ambos os casos a vida nao nos pertence nao depende de nos mas da sociedade. que nos pode impedir de morrer condenando a eutanasia , assim como nos pode obrigar a morrer em certos casos havendo eutanasia

ora bem mas sera mesmo assiim, a vida sera uma obrigaçao e eu terei que a viver ou nao dependendo da sociedade, se nao pedi para nascer e viver sera que tenho o direito de pedir para morrer, pois bem e aqui que entronca a vida como uma obrigaçao ou um direito, se a vida for uma obrigaçao esta nao me pertence e eu nao posso dispor dela, mas sao terceiros que podem fazer isso, mas se a vida for um direito este e meu e so meu, eu posso dispor dela viver morrer quando quiser e se nao puder fazer isso, pedir ajuda a quem me auxilie nessa tarefa, a vida e minha e um meu direito posso livremente dispor dela sem pedir autorizaçao a ninguem, mas e isto eutanasia? nao me parece, a eutanasia e alguem decidir por mim se eu devo viver ou morrer, segundo tenho lido por aqui aplicando o golpe de mesiricordia,e acabar com o sofrimento de uma vida inutil, na eutanasia alguem avalia a minha vida por mim, no meu direito de morrer ou morte assistida sou eu mesmo que decido como quero morrer e quando e tenho essa liberdade de dispor da minha vida e de mim nao da avaliaçao de terceiros..


hoje em dia mesmo em casos de doentes terminais ja nao se passam os casos relatados de sofrimentos atrozes, as pessoas tem acesso a cuidados paliativos e a ser medicamentadas com drogas que praticamente tiram as dores, podendo muitas levar uma vida digna ate ao seu termino, conheci um caso na minha familia que assim levou uma vida digna e sem grandes sofrimento com pensos a base de drogas. de qualquer modo acho que deve caber na legislaçao a morte assistida e ja existe o chamado testamento vital onde a pessoa dispoe da sua vida como dispoe da sua herança. ou ser dador de orgaos, e como quer morrer se certas situaçoes se tornarem realidade, reconheço o direito de cada um dispor da sua vida nao de terceiros por uma via legal, pois isso leva a vida para o campo de uma obrigaçao nao reconheco estes "abafadores modernos". etica ou moral para decidirem sobre a vida dos outros.

o caso da bastonaria e um caso grave porque aquilo que ela disse pode ter sido falado informalmente sei la em conversas, mas o ela o tornar publico assume outra dimensao e ou ela tinha provas cabais e agora obrigava cada um a assumir as sus responsabilidades pelo que se disse ou entao enfrenta um lobby onde quem disse vai dizer que nao disse e por ai fora, a fazer lembrar a historia de uma cliente de uma advogada vinha ontem, que foi por esta prejudicada , procurou processa-la e em treze advogados ninguem quis pegar no caso contra a colega, isto de corparaçoes protegem-se os bons e os maus
Sem imagem de perfil

De Maria Lopes a 01.03.2016 às 11:04

Ó Anónimo, seja misericordioso com todas as pessoas que pensam de forma diferente. É insultuoso e até dramático que esteja a ser tão agressivo para quem não pense como o Anónimo (não sei se é homem ou mulher). Não fale para os outros com tanto rancor, desprezo e animosidade. Um debate faz-se, ouvindo-se os lados que se opõem. A sua incapacidade para lidar com o outro lado, tornou-o uma pessoa amarga. Se calhar precisa de um paliativo que se chama Paz de Espírito. E isso deve ser algo que lhe anda a faltar há anos. Respire fundo e experimente ser um pouco mais respeitador das opiniões alheias, sem ser insultuoso(a). As diferenças não são de esquerda ou de direita.
Maria Lopes
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.03.2016 às 11:14

exactamente e eu quero ver argumentos para a eutanasia ser um golpe de misericordia, cada um tem a sua opiniao, mas tem que ter alguma justificaçao. nao vamos abater o cavalo porque partiu uma perna no deserto e os abutres andam no ceu em circulos, aqui nao ha abutres, pelo contrario investe-se em cuidados paliativos e continuados e a medicina tem meios de aliviar os sofrimentos, mata-se e utilizo a palavra, justifiquem. quem e que votou contra a lei de criminalizaçao de idosos, foi a esquerdalha repito com intençao.
Imagem de perfil

De golimix a 01.03.2016 às 12:29

Sr. Anónimo não me conhece, logo não teça comentários sobre a minha pessoa.

Engane-se se acha que mesmo nos cuidados conseguem aliviar todo e qualquer sofrimento. Existe um limite terapêutico que se deve cumprir a partir do qual, e se for excedido, aí sim, poderá haver morte. Portanto, não é excedido! E como, tal o sofrimento, entenda-se por dor insuportável, permanece. Há casos assim. E se teve alguém na sua família em que a dor se conseguiu controlar, ainda bem, é esse o objectivo, que muitas vezes, e infelizmente não se consegue atingir. Já eu tive alguém que se atirou de uma janela por não aguentar sofrer.

Ah! Em Portugal a lei diz que TODOS somos dadores à partida, quem não quiser ser é que tem que "escrever" tal.

Outra coisa, parece-me confundir um pouco conceitos, como eutanásia, matar sem o outro decidir se quer ou não morrer, NUNCA jamais defenderia isso! Distanásia e abandono terapêutico .

No caso da Sr.ª Bastonária, como pode ler no comentário que já fiz. Achei grave o seu comentário! Se é processada merece-o! Aliás, eu fui mais longe e disse que até poderia ser considerada cúmplice de um crime, aos olhos da lei em vigor, por omissão!

Já eu, com 21 anos de serviço, sempre vi toda a gente, incluindo eu, fazer TUDO pela vida.

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.03.2016 às 13:01

Hoje mesmo um enfermeiro no jn veio dizer que presenciou eutanasia em hospital central e que se faz desde meados anos 70.como? Injecoes de ar por exemplo. Voce nao consegue clarificar se a vida e um direito ou uma obrigacao. Porque a eutanasia que esse enfermeiro menciona nao se aplica a pessoas bem informads na vida mas andrajosos sem eira nem beira abandonados. Um estorvo social.
Imagem de perfil

De golimix a 01.03.2016 às 23:48

Sr. Anónimo não posso ser responsabilizada pelo que colegas meus viram ou fizeram. A eutanásia não é permitida no nosso país. Ponto.

As afirmações que faz dizendo que se faz limpeza social são do mais grave que há! Por isso, reservo-me no direito de não lhe responder mais.
Imagem de perfil

De golimix a 01.03.2016 às 23:51

Jorge estás com comentários moderados! Está mal a educação?
Imagem de perfil

De golimix a 01.03.2016 às 23:53

Ok. Já apareceu o meu comentário! Pensei que estivesses com comentários moderados!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.03.2016 às 11:26

isto ja ultrapassa um bocadinho a troca de opinioes acerca da eutanasia, quem falou em responsabilidades em relaçao a si ou a quem quer que seja? e coisa que nao me preocupa minimamente, so notei que a senhora falou que se sentia "incomodada" na profissao "desgastante emocionalmente" por lidar com alguns casos desses, nao e unica, conheço muita gente que abandonou a profissao que tirou e foi parar onde vao todos, professores.

o caso e que eu nao consigo perceber num meio civizacional como a nossa sociedade alguem falar em eutanasia como um meio ou golpe de misericordia para acabar com a vida e so ter este argumento, lembra-me desumanidade de uma facçao social que criminaliza o abandono e maus tratos a animais e muito bem, mas depois vota contra leis que procuram criminalizar o abandono de idosos, quando e assim os valores estao trocados e os animais valem mais que as pessoas para uma certa esquerdalhada cheia de humanismo retorico.

o problema e que eu sou a favor da morte com dignidade morte desejada e pedida pelo seu possuidor, nao "decretada", mas essa escolha cabe ao proprio sendo a vida um direito dele e nao da sociedade, porque se for da sociedade ele tem uma obrigaçao de viver ou morrer, para os catolicos quem dispoe da vida e deus, nao e um direito nosso, para os estatistas a vida acaba por pertencer ao estado que pode decidir da morte a semelhança de deus, e neste campo podemos nao andar muito longe da eugenia. sou contra os "abafadores legais" a minha vida e um direito meu que posso dispor como entender, nunca uma obrigaçao.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.03.2016 às 11:32

e ja agora para terminar parece que nao esta a acompanhar a discussao, a eutanasia ainda e um crime em portugal,mas ha quem queira que deixe de ser, e isto que se discute estas ideias de virem a ser pratica futura.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.03.2016 às 11:43

quanto a limpeza social tenha calma que eu nao disse nada disso porque nao faço parte do meio, nao conheço, mencionei um enfermeiro que falou para o jornal jn e disse,

os "varios casos" que este enfermeiro conheceu aconteceram "normalmente com pessoas muito idosas, sem apoio e sem qualquer esperança"

quem quiser pode ler no jornal, eu nao limpo ninguem pelo contrario o meu argumento e que ninguem tem o direito de limpar ninguem se este nao quiser ser "limpo". entendeu.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.03.2016 às 11:23

A eutanásia é uma questão que tem vindo a ser mal colocada a vários níveis, dando origem a polémicas desnecessárias.
Isto porque, enquanto acto de acabar com a vida, determinado por uma pessoa em plena consciência, jamais poderá ser realizado por um médico. Uma vez que contraria o principio base da profissão de médico, que é tratar pessoas e tudo fazer para as manter vidas.
Posto isto, basta definir se o procedimento de terminar com a vida, por solicitação do próprio, deve ou não ser aceite numa sociedade dita civilizada e tolerante com as liberdades individuais.
Caso seja aceite, o procedimento deverá ser feito com toda a dignidade e rigor clínico que se impõe, mas fora da alçada de quaisquer ditos "médicos", acabando desta forma com quaisquer problemas deontológicos e afins.
Pessoalmente, gostaria de ver os médicos mais interessados em ajudar quem lhes pede ajuda, do que se preocuparem tanto com quem infelizmente já não precisa deles.
Sem imagem de perfil

De Taiana de Maria a 01.03.2016 às 12:28

Ninguem reflete sobre o que está realmente por tras dessa pressão para aprovar a eutanásia!

http://temaspolemicosigreja.blogspot.pt/2016/02/manifesto-pela-eutanasia-em-portugal-o.html
Sem imagem de perfil

De Taiana de Maria a 01.03.2016 às 12:30

http://observador.pt/opiniao/eutanasia-resposta-um-manifesto/
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.03.2016 às 12:41

façam um testamento vital e nao se preocupem mais com o assunto


https://servicos.min-saude.pt/utente/Repo/Feeds/files/Rentev_form_v0.4.1.pdf

Comentar post








Estou a ler

Regressar a Casa

Rose Tremain

 

O Rapaz de Olhos Azuis

Joanne Harris

 

O jogo de Ripper

Isabel Allende

 






Visitas


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D