Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Madonna e a adopção...razão ou coração

por Jorge Soares, em 05.04.09

Madonna e o seu filho adoptivo

Retirada do Publico

 

Desde há uns anos a esta parte, a adopção tornou-se uma espécie de moda entre os ricos e famosos, não vou tecer juízos de valor, sempre e quando as crianças sejam bem tratadas e lhes seja dada uma família em todos os sentidos da palavra...

 

É claro que no meu espírito ficam sempre dúvidas, como pai e candidato à adopção já ouvi muitas histórias e sei que em muitos paises mais que um acto de amor e coragem, já é de um negócio que se trata.

 

Estes dias o tema veio de novo à ribalta, a Madonna que já tinha adoptado uma criança no Malawi em 2006, decidiu que estava na hora de arranjar um irmão para o seu filho, para isto dirigiu-se de novo ao Malawi e colocou um pedido ao tribunal para adoptar uma criança que está num orfanato desde que nasceu.

 

Existe o detalhe de que no Malawi só pode adoptar quem tem mais de 18 meses de residência no país, coisa que já era válida em 2006 e que deixa algumas questões no ar sobre a forma como ela conseguiu essa primeira adopção. Esta vez o tribunal não foi em histórias de ricos e famosos e negou à cantante a hipótese de saltar a lei.... o que para mim, que sempre defendi que as leis são para se cumprirem, faz todo os sentido. Se eu tenho que passar por um processo de avaliação e tenho que cumprir todos os requisitos... porque raio é que a Madonna deve ser a excepção?

 

Pensava assim até que dei por mim a ler esta noticia do Publico e a ouvir a noticia na RTP, fiquei na duvida, nem sempre as coisas são a preto e branco, por vezes há muitos tons de cinzento pelo meio. Acredito que o Malawi tenha adoptado esta lei para evitar abusos e até o tráfico de crianças, mas quando ouvi na noticia que a criança está num orfanato desde que nasceu e que já tem 4 anos fiquei a pensar.... quais serão as probabilidade de que alguém que vive no Malawi vir a adoptar esta criança com 4 anos? quais serão as probabilidade de que esta criança saia alguma vez daquele orfanato onde está desde que nasceu? Como será a vida de uma criança num orfanato no Malawi? Será que esta lei faz mesmo sentido?

 

Na duvida.... pense-se na criança!.... não?

 

Jorge

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:08


16 comentários

Sem imagem de perfil

De Margarida a 06.04.2009 às 12:06

Ola' Jorge,

Sabes eu como mae partilho a tua apreensao em relacao 'a vida da menina. E' obvio que nunca vai sair do orfanato porque se nao foi adoptada como bebe', nao e' agora que vai conseguir, e infelizmente sabemos bem o destino das pessoas que crescem sem familia...

No entanto, as lei existem, o Malawi podia ser um pais de adopcao, mas escolheu nao entregar criancas a familias que nao vivam la' os tais 18 meses, portanto, cabe ao Malawi rever a sua posicao e fazer mais e melhor pelos seus orfaos, nao cabe a nos passar por cima de leis.
Quando as familias tentam abrir excepcoes 'a lei ou furar, outros seguem.
Os adoptantes internacionais sao peoes da luta contra o trafico de criancas, porque tem a responsabilidade de garantir que as suas adopcoes sao legais, eticas e feitas na maior transparencia.
So' uma opiniao.

Beijinhos,
Margarida
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 07.04.2009 às 23:13

Olá

Sim.. tens razão..mas o Malawi deveria rever essa lei, há outras maneiras de estabelecer controlos .... quantas pessoas haverá no Malawi que queiram adoptar crianças?

Jorge
Imagem de perfil

De Paola a 06.04.2009 às 15:36

Como sabes, amigo, não conheço a fundo estas coisas... Fala a minha intuição, a minha condição de mãe... ou nada disso. A adopção internacional é complexa... é moda... é negócio... é dó .... é tráfego... é ... Neste caso, que contas, e fora qualquer juízo valorativo, a lei é para cumprir, pois é. Estamos a falar de uma criança que nenhuma lei impediu de ser orfã... de uma criança que nenhuma lei impediu de nascer... o Malawi é um país muito pobre... as crianças não frequentam a escola trabalham na agricultura... a taxa de natalidade como a de mortalidade são muito elevadas... as principais causas de morte são a SIDA/AIDS e a fome... Bolas! Até eu que não sou fã da senhora cantora não me importaria que ela me tirasse de uma terra assim!!! A mulher já provou que não "mata" criancinhas. É uma figura pública... O tribunal deveria fazer cumprir a lei... mas para salvar a criança, poderia muito bem tê-la contornado... A lei não pode ser cega!!!

Beijinhos


Imagem de perfil

De Jorge Soares a 07.04.2009 às 23:17

Olá

A adopção internacional é feita de muitas coisas destas... até a nacional é feita de muitas coisas destas... por vezes apetece-me gritar... gritar ao mundo que estas coisas não podem acontecer.... olha...vou passar a gritar aqui: http://missaocrianca.blogs.sapo.pt/

Tenho esperança de poder fazer algo para que estas historias não se repitam tantas vezes, nem cá, nem no MAlawi..nem em lado nenhum.

Beijinho
Jorge
Imagem de perfil

De Pedro Oliveira a 06.04.2009 às 17:06

Pode ser totózice minha, quero sempre acreditar que estas adoptções são uma forma de alerta para o mundo,ie, para que tenhamos consciência que o mundo ocidental pode e deve fazer mais em relação aos outros"mundos".Que estas crianças sejam felizes, é o meu desejo.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 07.04.2009 às 23:21

Olá Pedro

Sim, por um lado são isso.. mas por outro lado há muitas historias mal contadas, muitas coisas dubias.. há um personagem importante Português que foi a Cabo Verde e veio com duas crianças, sem processo, sem burocracias..sem nada, simplesmente veio com elas..e depois a Segurança Social legalizou a coisa...

O meu processo está a correr em Cabo Verde...e só depois de quase 9 meses a tentar andar por cá é que lá chegou...e agora são mais meses lá, no instituto de apoio À criança e nos tribunais.... mas eu não fui ministro.

É claro que o que interessa é que as crianças sejam felizes,, mas há limites para tudo...

Abraço e boa pascoa
Jorge
Sem imagem de perfil

De Maria Eugénia Pinto a 06.04.2009 às 22:49

Olá
Pois, tens toda a razão... as leis são para se cumprir!
Mas, e há sempre um mas nestas coisas, quantas crianças no Malawi serão por ano adopatadas por Malawaianos (não sei se é assim que se diz)? Quantas crianças existem naquele país na siruação daquela criança? Orfã, Institucionalizada, provavelmente doente e com nenhum futuro pela frente? Quantas pessoas de outros Países estarão dispostas a abandonar as suas vidas para viverem durante 18 meses num País como o Malawi para poderem adoptar uma criança?
É verdade que as leis são para se cumprir... mas também é verdade que existem leis bastante absurdas e, não será esta uma delas?
Como alguém dizia "Um dia quando aquela criança crescer (se isso acontecer sabe Deus em que condições!) e souber desta história, no mínimo troce o pescoço á juíza..."
Beijinhos
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 07.04.2009 às 23:23

Olá

Não sabes o complicado que foi para mim escrever este post... eu sempre achei que as leis são para cumprir.... com o tempo vamos vivendo e aprendendo.

Beijinho
Jorge
Sem imagem de perfil

De Branca a 06.04.2009 às 23:12

Sim jorge , na dúvida deve-se pensar na criança é esse o entendimento que a maioria dos sistemas juridicos faz, o tal " superior interesse da criança "
Sabes o que me espanta ? se adoptou antes indo contra a lei , porque não agora ? que mudou ?
Aliás , se pretende adoptar uma criança já com 4 anos que como bem sabemos tem menos possibilidades de ser adoptada , porque não ? é preferivel continuar a viver num orfanato ?
beijnnho
Sopa de letras
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 07.04.2009 às 23:26

Olá

Pois... não é fácil... mas quem termina por sofrer é a criança.

Beijinho
Jorge
Imagem de perfil

De Júlia a 07.04.2009 às 11:51

Olá.
Também sou muito sensível a esta questão da adopção... por isso, me chamou tanto a atenção.
Concordo contigo quando dizes que a lei existe, para ser cumprida e, geralmente, há reais fundamentos para que esta (a lei) tenha sido elaborada; sejamos nós simples cidadãos ou outros, que se destacam por esta ou por aquela razão. Em relação à criança em causa, que já tem quatro anos, e tendo em conta que à Madonna não se podem apontar falhas na educação das crianças que tem sob sua custódia (que eu saiba, pelo menos), penso que de facto, poderiam abrir uma excepção - a criança seria a mais beneficiada.

:)
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 07.04.2009 às 23:33

Olá

Como dizia na resposta a outro comentário... não foi fácil escrever este post,..eu sou dos que acha que as leis devem ser sempre cumpridas..mas este caso abalou algumas das minhas convicções..porque sei que dificilmente essa criança será feliz.

Beijinho
Jorge
Sem imagem de perfil

De S@rit@ a 07.04.2009 às 14:43

Pois... nestas coisas nunca se pode ver apenas a preto e branco não é? Por isso acho que o processos de adopção nunca devem ser vistos de forma global mas que cada caso é um caso! Na minha opinião, grande parte das vezes não pensam de facto na criança...

Prefiro sempre pôr as coisas em perspectiva e pensar se quem vai adoptar, consegue ter condições para melhorar a vida da crinça, ou não. E grande parte das vezes... a resposta é sim!
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 07.04.2009 às 23:34

Olá

Pois, era assim que as coisas deveriam ser vista..

Beijinho
Jorge
Sem imagem de perfil

De Maria João a 10.04.2009 às 18:47

Conheço muito bem a adopção internacional. Travei uma grande luta em Portugal há quase 10 anos, adoptei a minha primeira filha no âmbito da adopção internacional e continuei a lutar. Dois anos depois adoptei a minha segunda filha, também internacionalmente.
Foram meses de avaliação e mais outro tanto tempo de espera. Pela minha segunda filha esperei 1 ano e meio. Não me meti num avião certo dia e voltei passados 3 dias.

Concordo em pleno com a Margarida: nós (quem adopta internacionalmente) somos os primeiros responsáveis para que a adopção internacional seja olhada como um bem para os milhões de crianças no Mundo e não como um meio de tráfico de crianças.

ADOPÇÃO INTERNACIONAL, SIM. TRÁFICO DE CRIANÇAS, NÃO.

Conheço muito da adopção internacional, conheço quem tenha adoptado em Cabo Verde, Timor, Brasil, Macau, Tailândia, Polinésia Francesa e Vietnam. Tudo processos com respeito pela legalidade mas muitos haverão por esse mundo fora que não respeitaram os trâmites legais, claro.

A adopção internacional é uma resposta a mihões de crianças que, como diz o Jorge, se não formos nós dos países desenvolvidos jamais serão adoptadas.

A adopção internacional é um bem para muitos Meninos do Mundo e por isso luto, lado a lado com outras pessoas, por uma adopção internacional séria e digna, na qual os mecanismos de controle da legalidade são uma necessidade.

Quem passou por um processo de adopção internacional sente na pele e impotência de nada poder fazer perante a fome, a doença e o abandono de muitas crianças nos países em desenvolvimento. Vamos buscar uma mas muitas ficam para trás. Percebo que quando se fale de adopção internacional, o tráfico seja o problema que vem à cabeça das pessoas, em geral, mas a adopção internacional encerra em si muitas outras questões.

A adopção internacional desperta consciências ou deveria despertar. Quem passa por um processo de adopção internacional nunca mais é a mesma pessoa. Em certos países, e não muito longe de nós, morrem crianças por abandono e negligência que acabam por ser comidas pelas moscas.

Num Mundo sério todos os Estados se empenhariam em proteger os Meninos do Mundo e garantir-lhes a possibilidade de adopção, criando sérios controles ao tráfico de crianças mas ao mesmo tempo investindo na adopção internacional, permitindo, assim, aos milhões de meninos espalhados pelo mundo uma vida digna conforme vem estabelecido na Declaração dos Direitos da Criança.

Como diz o Jorge, na dúvida opte-se pela criança, sim é verdade. O mundo seria um mundo bem melhor se os Estados assumissem a adopão internacional como um bem para milhões de crianças.

JUlgo que foi o Pedro que falou em outros "Mundos". Grande verdade, Pedro. Outros Mundos que passam completamente ao nosso lado, que não temos consciência deles mas eles existem e todos fazem parte deste nosso Mundo, o Palneta Terra!!!!!!!

Controles de legalidade internos, acordos bilaterais, acompanhamento em período de pré-adopção e se necessário pós-adopção mas dêm às crianças do Mundo inteiro a oportunidade de VIVEREM...porque muitas delas, simplesmente morrem...COMIDAS PELAS MOSCAS...
(www.meninosdomundo.org)

Maria João
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 13.04.2009 às 23:02

João.... tu deverias ter um blog.... este comentário vai ar um post.... porque merece... porque tu mereces.
Jorge

Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D