Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Gripe A, somos um país com uma mentalidade pequenina

Imagem retirada do DN

 

Depois de toda a paranóia à volta da gripe A, depois das milhares de horas de informação na televisão, depois de páginas e páginas nos jornais, milhares de posts em blogs e em tudo o que é site na internet, o mínimo que se espera é que a sociedade esteja minimamente informada. Está bem, a sociedade portuguesa nesta altura quer é férias, futebol e telenovelas e no verão não vê as noticias nem lê jornais que não sejam desportivos... por isso se calhar não está assim tão informada, mas no meio disto tudo, espera-se que pelo menos os médicos e restantes profissionais de saúde estejam informados e não caiam no ridículo da mentalidade pequenina...certo?.... errado.

 

Tinha visto a noticia em rodapé na televisão e depois confirmei no Dn de Sábado, o pior é que esta é a segunda vez que vejo uma noticia parecida, noticias onde o comportamento dos médicos e pessoal de saúde deste país é no mínimo inadmissível, senão vejamos:

 

"o médico perguntou-me se a minha filha tinha mais algum sintoma, vómitos diarreia ou dores. Disse-lhe que não, mas ele ausentou-se de imediato e reapareceu equipado com máscara e vestes protectoras. A partir daí foi o inferno....!

 

Isto foi no centro de Saúde Boticas, em Vila Real, mas a descrição do que aconteceu no Hospital de São João no Porto, um dos hospitais de referência para o tratamento da doença em Portugal é assustador e digno da idade média, de novo copiando a noticia do DN

 

Apesar de a médica ter afastado a hipótese de gripe A, disse ser necessário fazer exames para ter a certeza, o que só veio a acontecer cerca das duas da manhã. " Entretanto a menina sentiu necessidade de novo de utilizar material sanitário. Saí da sala e recebi esta resposta de um funcionário: Não sai da sala, se a a menina quiser defecar que o faça no chão. Às três da manhã mandaram-nos para casa". O DN tentou contactar sem sucesso os responsáveis do S.João.

 

Diga-se de passagem que afinal a miúda estava apenas constipada, como disse antes, o Hospital de São João é um dos hospitais de referência para o tratamento da Gripe A em Portugal, e os profissionais de saúde deviam ter o mínimo de formação e informação, já para não falar em decência e bom senso, estamos no século XXI e a falar de uma gripe, não no século XVIII e da Lepra. Tratar as pessoas desta forma só mostra incompetência, falta de profissionalismo e de sensibilidade.. e esta é a situação quando temos umas dezenas de infectados, eu pergunto-me como será quando tivermos milhares ou milhões se realmente se cumprirem as piores previsões.

 

Incrível e lamentável.

 

Jorge Soares

publicado às 20:56


20 comentários

Imagem de perfil

De aespumadosdias a 19.07.2009 às 22:16

Há médicos que são uma vergonha para a classe.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 20.07.2009 às 22:30

Sem duvida, uma autêntica vergonha, médicos e não só.
Sem imagem de perfil

De xana a 19.07.2009 às 23:39

Eu quero ver quantos médicos irão de férias para o estrangeiro e ajudar a importar o virús e espalhá-lo por cá.
Vamos ver no que isto vai dar, se as previsões se concretizam, ou se não passa de um alarmismo exagerado. Eu faço a minha parte, mas nada me garante que não vá ficar infectada, afinal não me vou trancar em casa, mas também este ano vou abdicar dos planos de férias no exterior, não quero contribuir para que se concretizem as previsões.
bjks
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 20.07.2009 às 22:32

Olá Xana

Mesmo que as previsões se concretizem, estamos a falar de uma gripe, não da peste negra. Como em qualquer outra gripe, a grande maioria das pessoas fica curada em poucos dias e volta à sua vida, não se pode cair neste exagero,

Beijinho
Jorge
Sem imagem de perfil

De José A a 20.07.2009 às 00:29

Isto é de uma imensa gravidade...
Quem deve fomentar a tranquilidade e a informação, como um profissional de saúde, não pode reagir desta maneira.
Existem limites...mas nestes casos, foram muito ultrapassados.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 20.07.2009 às 22:35

Sem duvida, há limites para tudo, e se esta é a reacção dos profissionais da saúde, o que podemos esperar da restante população?

Eles deveriam dar o exemplo.

Abraço
Jorge
Imagem de perfil

De DyDa/Flordeliz a 20.07.2009 às 01:28

A resposta está em "ensaio sobre a cegueira" eu já te disse...
Lê ou vê o filme. Ficas sem dúvidas!
Beijo
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 20.07.2009 às 22:36

Hummm ok, tenho mesmo que ler o livro

Beijinho
Jorge
Sem imagem de perfil

De DH a 20.07.2009 às 09:31

Inacreditável!... Eu, que não vejo televisão nem ouço/leio notícias, estou mesmo em choque!... Então se os médicos entram em pânico com um vírus da gripe, o que acontecerá ao resto da população? Que comportamento deplorável.
Também a atitude da parte dos pais ir com uma menina constipada para o centro de saúde... Teria ela sintomas tais que fizessem os pais dar esse passo? Bom, sem comentários.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 20.07.2009 às 22:43

Sim, inacreditável é a palavra certa.

Eles deveriam dar o exemplo, se reagem assim, que mensagem transmitem para o resto da população?

Enfim, é o retrato da sociedade em que vivemos, um retrato deprimente.

Jorge

Sem imagem de perfil

De entremares a 20.07.2009 às 11:47

Fico pasmado... e preocupado.
É pressuposto as pessoas possuirem uma formação de base adequada às tarefas que vão realizar, uma preparação que garanta que eles cumpram as tarefas com profissionalismo...

Medo ? Pânico ? Exageros?

Onde aprenderam eles isto?

Vamos no caminho certo, não há dúvida...
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 20.07.2009 às 22:55

Vamos no caminho certo...rumo ao abismo

Custa-me entender este comportamento por parte de profissionais de saúde.. mais não seja porque deveriam dar o exemplo.

Abraço
Jorge
Sem imagem de perfil

De Fulano a 20.07.2009 às 12:30

Ontem recebi visita de um jovem polaco e uma jovem lituana que vivem em FARO. Informaram-me da sua epopeia nas urgências de FARO. Por mor de uma dor aguda e persistente dirigiram-se à referida urgência . Após sete (7) horas foram atendidos. O médico que os atendeu receitou paracetamol. Como a dor persistisse voltaram às urgências novamente para desta vez esperarem: ONZE (11) horas para serem atendidos. Como são estrangeiros amocham e não pedem o livro de reclamações. Digo eu!
Estes jovens estrangeiros passarão que informação nos seus países a possíveis turistas? Bem, se fossem de países mais sexy que não a Polónia e a Lituânia talvez a consulta tivesse sido mais rápida ainda assim faço notar que cada vez mais polacos visitam Portugal. Enfim, é o serviço de urgências hospitalares da "capital do turismo" nacional.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 20.07.2009 às 23:03

Onze horas? Eu pensei que esse tipo de coisas já não acontecia.... onze horas não é admissível, de forma alguma.

A imagem que o nosso sistema de saúde deixa é sempre deplorável, mas eu no lugar deles, não aconselhava ninguém a cá vir.

Jorge
Sem imagem de perfil

De Óscarito a 20.07.2009 às 16:07

Nestas, tal como noutras situações, ainda há quem tenha comportamentos retrógrados.
Nuns casos impera a ignorância pura e simples; mas noutros é pela ausência de informação de quem tem a responsabilidade dos serviços e que tem (ou devia ter) a obrigação de esclarecer os que trabalham nessas áreas.
E, consequentemente, quem se apresenta para receber cuidados de saúde.
Ainda assim, acrescento que tenho ouvido (ultimamente) alguns comunicados nesse sentido. Resta saber se chegam aos profissionais.
Abraço/Óscar.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 20.07.2009 às 23:07

Os médicos tem a obrigação de ter bom senso, mesmo que não se tenham informado do que é uma gripe, há o mínimo de inteligência e bom senso de modo a não causar receios infundados.

Afinal estamos a falar numa gripe, não na peste negra.

Abraço
Jorge
Sem imagem de perfil

De Fábio Pio a 20.07.2009 às 19:15

Olá Jorge!

Aqui estou eu novamente, para comentar um assunto interessante e actual .

Discordo que os médicos e restante pessoal de saúde em questão, tenham tido um comportamento inadmissível, se calhar como em tudo, com tanto alarmismo, acaba-se por "pecar" por excesso de zelo como é nosso timbre.
Achei ridículo foi a resposta da funcionária quando a menina queria utilizar os serviços sanitários, pura estupidez e ignorância, além de reflectir falta de senso.

Se os médicos tivessem tomado outra atitude seriam considerados negligentes e irresponsáveis ..." preso por ter cão..."

Já tenho lido alguma coisa sobre a gripe e não é nenhuma peste negra do século XXI, nem assemelha-se a do séc. XIV que dizimou a população mundial, como é obvio devemos ter cuidados essenciais e principalmente de higiene, que outrora não eram dado o devido valor, como lavar as mãos, porque segundo estudos e pesquisas o perigo deste vírus é permanecer em partes físicas como maçanetas de portas, varões de apoio dos transportes públicos, canetas, aperto de mãos...porque ele permanece menos tempo no ar que uma gripe normal, daí o alerta/atenção porque já é inato em nós, quando espirramos pomos logo a mão à frente da boca!

E muita sorte tivemos, porque se a pandemia tivesse chegado ao Hemisfério Norte no Outono/Inverno , eventualmente seria um desastre...espero é que as nossas empresas, escolas,entidades públicas, comecem é a pensar em tomar atitudes e medidas, para uma maior conscialização , tipo vacinas para empregados, pulverização de áreas de ensino e saúde e não pensem na mais fácil como também já ouvi que é fechar ou adiar a abertura das escolas!

Um abraço !
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 20.07.2009 às 23:14

Fábio, eu acho que eles exageraram, não podem reagir assim, atitudes destas por parte dos profissionais de saúde causam alarme desnecessário.... estamos a falar de uma gripe. Há doenças bem mais perigosas e complicadas no nosso país, algumas bem mais contagiosas e perigosas e eles não regem assim. A mim isto parece-me pura ignorância por parte de pessoas que deveriam estar informadas..e nem é preciso muito para se estar informado hoje em dia.

Abraço
Jorge
Sem imagem de perfil

De Carla a 22.07.2009 às 02:03

Quando pensamos que já ouvimos tudo... eis que de repente...

Até estou sem palavras!

Comentar post


Pág. 1/2



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D