Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Adoptar em Portugal..e o sonho vai morrendo

 

Ando há uns tempos a adiar o meu post mensal sobre a nossa espera, durante o verão a nossa esperança por um rápido desenrolar do nosso processo foi crescendo, as noticias eram animadoras.... até ao fim do verão... O verão passou, e nós esperamos. Esta semana a P. ligou para a segurança social de Setúbal, há um ano as perspectivas eram dois anos de espera, agora passou para três.. seria um balde de água fria... não fosse nós já estarmos habituados a este tipo de coisas.

 

Há pouco estava a ler este texto da Susana no blog  nós adoptamos e fiquei a pensar, em como se matam os sonhos. Porque a verdade é que à medida que o tempo vai passando, o sonho vai morrendo... os sonhos não morrem????!!!!... mas pouco a pouco vamos deixando de acreditar.... vamos tendo menos capacidade para sonhar.

 

O caso da Susana é muito especifico, ela quer uma criança até um ano, e todos sabemos que há muito poucas crianças com essas características, mas nós queremos uma criança até à idade escolar, sem descriminação de raça e deixamos claro que poderíamos aceitar uma criança com alguns problemas de saúde....

 

Entretanto a raiva vai crescendo dentro de mim cada vez que sei de mais um caso de alguém que se inscreveu depois de nós e recebeu uma criança com as características que colocamos.... é uma raiva que vai crescendo devagarinho... é claro que todos estes casos são em Lisboa, mas será justo que as pessoas de Lisboa passem à frente de todo o resto do país?

 

Não me vou estender... só deixo aqui um comentário da mesma Susana

 

"Mais uma vez, ontem vi na SIC no novo programa da Fátima Lopes 2 mulheres que adoptaram crianças uma com 19 mêses e outra com 15 dias. Como é possivel adoptar uma criança com 15 dias? Então não nos dizem que até a criança ter o processo resolvido leva cerca de um ano? A Srª que adoptou a criança de 19 mêses esteve 4 anos à espera, a outra não sei porque não ouvi a reportagem desde o inicio. Ao ver estes testemunhos ainda me sinto mais revoltada e desmotivada."

 

Não há maneira absolutamente nenhuma de que alguém receba pela via legal, uma criança de 14 dias..... será que não há quem investigue estas coisas?

 

 

Porque 

não vens agora, que te quero 

E adias esta urgencia? 

Prometes-me o futuro e eu desespero 

O futuro é o disfarce da impotência.... 

 

Hoje, aqui, já, neste momento, 

Ou nunca mais. 

A sombra do alento é o desalento 

O desejo o imite dos mortais.

 

Miguel Torga

 

Jorge Soares

publicado às 21:45


21 comentários

Sem imagem de perfil

De Cristina a 20.09.2009 às 23:09

Olá,

Percebo bem esse sentimento de 'raiva'. Talvez não chege a ser raiva, mas uma revolta muito grande.

A Susana espera há 7 anos por uma criança até 1 ano. Eu esperei 5 por uma criança até 6 anos, sexo e cor indiferente. Esperei e continuo à espera. Agora, estou à espera há 2 anos e há 2 anos que me disseram que era a 1ª da lista distrital. Raiva, revolta? Fala comigo.
E não é por esquecimento, que não deixo que me esqueçam. Só surgem fratrias, crianças com problemas graves ou muito mais velhas? Será, acredito. Mas revolta-me saber que há pedidos de fora do meu distrito em que me excluem só por já ser mãe ou por não me enquadrar no tradicional retrato do candidato 'casado, sem filhos'. O que me revolta é que pouco podemos fazer.
Há situações que estranho, mas que sabemos nós delas? Como protestar, reclamar sem dados concretos? Sobre a Sta. Casa ainda hei-de escrever, reclamar, pois a situação em causa passou-se comigo, mas sem ilusões pois as equipes de adopção têm sempre o faca e o queijo na mão.

Hoje estou num dia mau e só me apetecia falar também da muita hipocrisia que vejo em torno da adopção, mas não vale a pena.

Cristina

Sem imagem de perfil

De P. a 21.09.2009 às 14:18


Do nosso trabalho na Missão Criança (http:// www.missaocrianca.org) posso adiantares.

Nº de Lares no distrito de Braga (concelho de Braga, guimarães e barcelos) - 18, nº medio de crianças e jovens acolhidos nesses lares 500.

Nº de Centro de Acolhimentos temporários :- 6
nº medio de crianças e jovens acolhidos nesses lares 80.

Quanto à reflexão sobre estes números e do facto de em dois anos não haver qualquer crinaça com mensod e 6 anos para adopção...

Patricia
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 21.09.2009 às 23:52

Olá Cristina.

Pois é, há muitas situações estranhas, muitos casos estranhos...nós vamos ouvindo, vamos lendo..e vamos calando.. porque não sabemos, não queremos, temos medo... e isto continua assim..e a nossa raiva vai crescendo...e nós desanimamos, ou desistimos, e as crianças continuam a crescer sozinhas nos centros e acolhimento...e nós envelhecemos sem os filhos com os que sonhamos, e os meus filhos mentalizam-se que a mana não vai chegar... e depois eu de vez em quando pergunto-me.. porque é que isto tem que ser assim?

Raio de vida!

Jorge
Imagem de perfil

De Pedro Oliveira a 21.09.2009 às 08:55

Um país cheio de injustiças que se preocupa e centra atenções Só no acessório.
boa semana, um abraço de solidadiedade a todas as "susanas" deste país.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 21.09.2009 às 23:55

Olá Pedro... está em nós, em ti, em mim fazer com que mude....

Abraço
Jorge
Sem imagem de perfil

De Carla silva a 21.09.2009 às 13:56

Caro Jorge...
É de lamentar todas estas questões inerentes ao sistema que é sempre injusto para a maior parte das pessoas, mas uma coisa é certa OS SONHOS NÃO MORREM, nós os humanos é que os matamos...Tens de ir espreitar um texto que coloquei no meu blog há uns dias: carocinhoseeu.blogspot.com
Fica bem e um bem haja!
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 21.09.2009 às 23:58

Olá

Os sonhos não morrem.. é verdade, a nossa capacidade de acreditar neles é que vai morrendo.... é a vida.

Eu li,.. tenho o carocinhos no reader.. leio sempre

Jorge
Sem imagem de perfil

De Essência a 21.09.2009 às 14:53

Olá Jorge,

É tão revoltante essa situação.
Soube qur no destrito de Leiria uma casal devolveu um dos irmãos que tinha adoptado com a idade de 12 anos, porque simplesmente estava a ter problemas na escola com ele. Este casal voltou a inscrever-se e foi informado que como estava inscrito à muito tempo tinha prioridade e poderia escolher uma criança até 2 anos que lhe seria entregue muito rapidamente.

Não sei se esta historia é completamente verídica, o que sei é que realmente este casal devolveu uma menina de 12 anos e estão agora à espera que lhes seja entregue outra com idade até 2 anos.

Bjs
Imagem de perfil

De C.M. a 21.09.2009 às 17:00

Devolver crianças adoptadas?!! Mas isso é possível? Valha-nos Deus! Ele há com cada uma....
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 22.09.2009 às 00:03

Sim... há gente para tudo.. há até quem devolva crianças porque não se dão com o cão...e este caso de crianças devolvidas porque não são alunos exímios.. é quase recorrente... mas eu não sei quem tem mais culpa, se eles, ou quem lhes entrega crianças... é muito triste.

Imagem de perfil

De Jorge Soares a 22.09.2009 às 00:01

Espera... eles devolveram um dos irmãos... isso quer dizer que ficaram com um irmão e devolveram outro?... sabes uma coisa.. espero que essa gente nunca me apreça à frente.. porque não sei se me contenho... e depois voltaram para a lista?... nem vou comentar... este tipo de coisas deixa-me revoltado... há coisas que não tem nome....

Beijinho
Jorge
Sem imagem de perfil

De Essência a 22.09.2009 às 09:07

Sim, devolveram um dos irmãos, nesta caso a menina com 12 anos e ficaram com o irmão um rapaz que já tem 16.

E mais uma vez sim, voltaram para a lista, não como se de um processo novo se tratasse, mas sim na continuação do 1º.

É revoltante, mas é verdade. E mais não digo, pq são só boatos, mas se tiver forma de comprovar venho acrescentar algo ainda mais revoltante.

Mas com isto tudo, não percam a esperança, porque as crianças neste processo todo são aqueles quem sofre mais nesta espera de uns pais, de uma família e depois a única salvação delas são mesmo famílias como a tua...

Bjs
Imagem de perfil

De C.M. a 21.09.2009 às 16:59

Há coisas que não se entendem.
Admiro muito a tua família por querer amar mais um membro. E não deveria haver tantos entraves ao amor, não é? Sometimes, life sucks, right?

Não percas a esperança ( já sei que não!!)
bj
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 22.09.2009 às 00:04

A esperança é a ultima a morrer.... mas vai definhando.. pouco a pouco...

Beijinho e obrigado
Jorge
Imagem de perfil

De Existe um Olhar a 21.09.2009 às 21:16

Olá Jorge
É sem dúvida uma situação revoltante.
Em breve e se me autorizarem contarei a história de um casal amigo , que esperaram anos por uma criança. Como não foram atendidos resolveram ir bem longe buscar uma e em boa hora o fizeram. Aqui em Portugal dá ideia que só consegue quem tiver uma boa "cunha".
Gosto da maneira como denuncias situações injustas que não deveriam ter cabimento num país que desejamos seja justo.
Beijos
Manu
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 22.09.2009 às 00:06

Olá

Há muitos casos desses,... a adopção internacional termina por ser uma opção para quem pode... mas é pena, porque há muitas crianças neste país que nunca conhecem a vida para além de um centro de acolhimento.. não conhecem o amor ou o carinho de uma família.

Espero que possas contar.. até porque são sempre precisos textos para o nos adoptamos.. :-)

Eu sou assim..digo o que penso.. porque é preciso falar.

Beijinho
Jorge
Sem imagem de perfil

De DH a 22.09.2009 às 10:20

Se nós que somos adultos vemos os sonhos morrerem e a raiva crescer, o que dizer de quem vê os dias passar, privado de uma família, privado de um colo, privado do amor de mãe/pai... Esses sonhos sim, a mim importam-me mais do que qualquer outros.
Admiro-te, e a todos os que têm filhos biológicos e adoptados, porque o que vos move é, para além do desejo de serem pais, a vontade enorme de dar uma família a uma criança (que nasceu para ser vossa filha...).
Para a maior parte das pessoas, ter um filho significa 9 meses de espera... E sabendo isso vocês entram numa "gravidez", sem saberem quanto tempo irá durar a "gestação".
A criança que tu esperas precisa que o teu sonho não morra.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 23.09.2009 às 23:07

Tocaste num ponto muito importante... mais que os nossos sonhos, mais que o nosso egoísmo e vontade de ser pais, deveriam contar os sonhos e desejos de tantas crianças que não sabem o que é o amor, o que é o calor familiar... esses sim, deveriam ser a nossa preocupação... mais de 11000 de essas crianças... e tantos sonhos perdidos.

Jorge
Imagem de perfil

De Escondida a 27.09.2009 às 00:15

Como sabes (sabes?) eu não sou mãe. Ainda assim, tenho como sonho adoptar uma criança. E não digo isto por ser moda, por os ditos famosos o fazerem, muito menos pelo que se escreve sobre a adopção.
Nunca disse que queria estar grávida, nem quando era pequenia, disse sempre que queria adoptar.
Estranho! A maioria das miudas até diz que tem um bebé na barriga.
Pois, mas eu cresci com crianças que habitavam num lar, e sempre, desde pequenina, entendi a falta que uma familia fazia.
Via o sorriso triste com que elas me observavam enquanto eu me despedia da minha mãe, e a alegria estampada no rosto quando alguem lhes dava carinho. Todas tinham uma história dificil. Soube que um mais tarde fugiu do lar e nunca mais se soube nada dele. Outra, aos 16 anos, já tinha dois filhos. Perdi-lhes a todos o rasto, mas tenho a certeza que nunca nenhum conseguirá sorrir com felicidade nos olhos ao relembrar a infancia, e isso até a mim me entristece.

Não quero um filho tão cedo, mas pelo panorama, acho que vou iniciar o processo agora. Assim, quando estiver com ideias de ter uma familia, pode ser que falte pouco para poder adoptar uma criança como as com que eu cresci.
(a brincar que o diga...)

Não desistas (e eu sei que não), porque há algures uma criança, que mais cedo ou mais tarde estará contigo, e irá poder sorrir, ao dizer que tem uma familia.

Beijinhos
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 27.09.2009 às 12:16

Olá

Conheces a nossa associação?... não queres participar? dá uma olhadela aqui:http://missaocrianca.org/

Jorge
Imagem de perfil

De Escondida a 27.09.2009 às 14:07

Claro que conheço!

Sabes, já ajudei activamente várias instituições, algo que me fez sentir muito bem comigo mesma.
Infelizmente, por motivos de força maior, tive mesmo de abdicar de prestar essa ajuda.

Actualmente ainda voltei a ajudar, porque quando o fizer quero faze-lo "a sério", com tempo suficiente para poder ajudar directamente, que é o que mais gosto.

Neste momento não posso aceitar o teu convite, mas quando estiver em condições de o aceitar, aceita-lo-ei com muito gosto.

:)

Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D