Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A verdadeira origem do Halloween

por Jorge Soares, em 31.10.09

A verdadeira origem do Halloween

Imagem da internet

 

 

Durante a maior parte da minha vida o Halloween era uma espécie de carnaval que aparecia nos filmes americanos e não passava disso, nem em Portugal nem na Venezuela se festejava o dia. Nas culturas latinas o dia 1 de Novembro é o dia de todos os santos e durante muito tempo era uma enorme chatice, porque se há lugar que eu detesto mesmo, esse lugar é um cemitério.

 

Fiz um pouco de investigação e algures na internet encontrei o seguinte:

 
"A origem do Halloween, na Irlanda e nas Ilhas Britânicas, remonta há mais de 2 mil anos. Na noite de 31 de Outubro, os celtas comemoravam uma de suas maiores festas, o Samhain. Ao mesmo tempo, o dia 31 de Outubro era o último dia do ano velho. Os celtas acreditavam que, nesse dia, o mundo dos vivos se encontrava com o mundo dos mortos.


Sacerdotes celtas tentavam expulsar os demónios com uma grande fogueira. Para se proteger contra poderes malignos, os celtas usavam máscaras amedrontadoras.


No século 8°, o papa Gregório 4° transferiu para o 1° de Novembro o Dia de Todos os Santos, destinado a homenagear os mortos, a fim de cristianizar a festa celta de Samhain. Apesar disso, o "All-Hallows-Eve" – ou "véspera do Dia de Todos os Santos" – continuou sendo celebrado durante séculos na Irlanda católica."

 

Ou seja, como a maioria das festas católicas, também esta tem uma origem pagã, as grandes  vagas de emigrantes irlandeses levaram a festa para a América e algures no tempo os americanos encarregaram-se de tornar o dia num enorme negócio que a partir de meados dos 90 começou a invadir a Europa, primeiro através da venda de brinquedos e como tudo o que vem da América, tornou-se um hábito até ao ponto que já não é estranho ver crianças a bater às portas e a pedir doces.

 

Já agora, a utilização de abóboras com velas iluminadas teve origem noutra lenda irlandesa que fala de um bêbado, do diabo e de um nabo iluminado, as grandes vagas de novo os emigrantes irlandeses levaram a tradição para a América e algures decidiram substituir o nabo por uma abóbora.

 

E pronto, agora os nabos somos nós que importamos as festas americanas e todo o comércio associado...mas antes festejar a noite de bruxas que  ir passear para o cemitério.

 

Jorge Soares

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:39


7 comentários

Sem imagem de perfil

De xana a 31.10.2009 às 23:29

Eu não acredito em bruxas, mas lá que "andem aí, andem..." e abóboras,tenho muitas no quintal, hão-de servir para alguma sopa, e para o Natal, lol.
Bom fim de semana, bjks
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 01.11.2009 às 22:22

Ora lá está, a utilizada certa para as abóboras...

Eu não acredito mesmo... quer dizer, há por aí algumas, mas eu costumo chamar-lhe outras coisas

Beijinho e boa semana
Jorge
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.10.2010 às 08:12

acho que as bruxas nao existem mas acredito que antigamente os cheltas acreditavam que os mortos saiam das suas campas para assustar ou matar os familiares
Sem imagem de perfil

De stiletto a 01.11.2009 às 10:31

Na realidade, o dia de visitar os cemitérios, liturgicamente, é o dia 2 de Novembro. Nesse dia, a Igreja celebra os Fiéis Defuntos em que se lembra as pessoas que já morreram. No entanto, como o feriado calha ao dia 1 de Novembro, as pessoas habituaram-se a ir ao cemitério no dia de hoje.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 01.11.2009 às 22:22

Olá

Por acaso não sabia isso...
Imagem de perfil

De Miss Pepper a 01.11.2009 às 21:35

Eu sou como tu, não aprecio cemitérios. Gosto muito mais do Halloween. Até porque aproveito para mostrar a bruxa que há em mim: ponho umas unhas compridas, uma verruga no nariz e um chapéu na cabeça. como não tenho gato, levo o Bóbi que também é preto. e lá vou eu festejar pelos céus afora! :))))))

Beijokas!
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 01.11.2009 às 22:24

LOl

Vejo que tu estás mesmo com o espírito todo da coisa



Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D