Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Guantanamo, quem é o heroi e quem é o vilão?

Imagem da internet

 

Tinha lido a noticia no Público, vai começar o julgamento do 11 de Setembro,  ontem estávamos a jantar e a ver o telejornal e o assunto apareceu, por entre imagens dos ataques com os aviões a embater nas torres, falaram do mentor de toda a operação,  da forma como estava preso em Guantanamo e de como foi interrogado e sujeito à tortura. 

 

Por momentos arrependi-me de estar a ver aquilo, um gráfico animado mostrava como o homem foi sujeito dezenas de vezes a uma tortura em que é colocado de cabeça para baixo e como esta é submergida num recipiente cheio de agua, ...dezenas de vezes.

 

Tinha lido sobre a polémica que o julgamento está a causar nos Estados Unidos, há quem queira que os culpados sejam julgados e condenados, há quem simplesmente pretenda que se esqueça todo o assunto, há familiares que clamam por vingança e outros que simplesmente querem seguir em frente. Imagino que haverá muita gente com medo que se comece a puxar o fio e se destape a panela dos horrores, não sei se haverá muita gente com vontade de ouvir o que realmente se passa em Guantanamo. Como se pode julgar alguém com base em testemunhos obtidos por meio de tortura?, como se pode querer justiça quando se tratam seres humanos, por muito culpados que sejam, daquela forma?

 

Voltando ao dia de ontem, os meus filhos estavam à mesa, fiquei admirado porque não sabiam do que se estava a falar, mesmo a imagem dos aviões a entrar pelas torres, tão familiar para nós, para eles era algo novo... é claro que é natural, eles tinham pouco mais de um ano quando aquilo aconteceu... já passaram 9 anos....e dizem que por cá a justiça é lenta.

 

Depois, como explicamos a uma criança de 10 anos que há um sitio onde se colocam as pessoas de cabeça para baixo com esta dentro de um balde de água? Naquela imagem quem são os maus e quem são os bons? Como explicamos que aquilo se passou no país onde supostamente se defende a democracia no mundo?, como explicar algo em que eu próprio me recuso a acreditar? 

 

Se eu já não consigo entender quem são os bons e quem são os maus, como posso explicar?

 

Jorge Soares

publicado às 22:14


22 comentários

Imagem de perfil

De aespumadosdias a 27.11.2009 às 07:43

Vamos ver o que vai dar o julgamento.
Confissões obtidas com tortura é que não!
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.11.2009 às 22:34

Estamos a falar da América, o julgamento vai ser à americana, .... se ainda não começou e já é noticia.

Pois, tortura não.... é o que deveríamos todos gritar.

Boa semana
Jorge
Imagem de perfil

De Abigai a 27.11.2009 às 08:50

O que aconteceu no 11 de Setembro, matar daquela forma centenas e centenas de pessoas inocentes, só pode ter sido cometido por "maus"...
Mas o que aconteceu a seguir??? "Bons" também não deve ter sido, prender pessoas a torto e a direito, retirar-lhes todos os direitos, presumí-los culpados até prova em contrário, torturá-los, etc...
Não me parece que combater o mal com o mal seja solução. E explicar isso a uma criança não é de facto tarefa fácil, aos olhos das crianças, exitem os bons e os maus, não existem os bons que querem fazer justiça sendo maus! Além disso, a dignidade humana não tem valor, a tortura é um crime, mas quem irá julgá-los? Mas de um país onde a pena de morte é legal, espero tudo! Matar é crime, mas matar em nome de um estado de direito é chamado Justiça!
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.11.2009 às 22:37

Olá

Esse foi o meu problema, para as crianças só há o bom e o mau, e definitivamente aquilo que mostravam na noticia, parecia muito mau.

Quem irá julgá-los?, assim de repente eu diria a história, mas a verdade é que ninguém julgou o que foi feito aos nativos americanos, e ninguém irá julgar isto, afinal, são eles o xerife do mundo... é triste.

Jorge
Sem imagem de perfil

De Leamar a 27.11.2009 às 10:10

Filho - Pai, o que é democracia? .Pergunta o garoto de 4 anos.

Pai – Olha, por exemplo a nossa família.
*Eu tenho a minha fábrica, vendo os meus produtos e entrego o dinheiro à mamã. Portanto represento o capitalismo.
*A mamã que recebe o dinheiro paga todas as contas: Supermercado, escola, roupa etc. Representa portanto o governo.
*A Maria trabalha nesta casa há anos. É ela quem faz a comida, lava, passa, faz a limpeza. Portanto ela representa a classe operária.
*Tu que já estás na escola representas a classe estudantil.
*O teu irmãozinho que ainda é um bebé representa o futuro.

Na madrugada seguinte o garoto acordou com o irmãozinho a chorar.
Aproximou-se de berço e percebeu que o pequeno tava todo borrado.
Foi ao quarto da mãe chamá-la mas a mesma estava dormindo profundamente e o pai não estava lá.
Foi chamar a Maria e o pai tava lá ...a “aviar” a empregada.
Voltou para a cama devagarinho sem fazer barulho, entrou debaixo das cobertas, tapou os ouvidos e dormiu.

Durante o pequeno almoço da manhã seguinte disse para o pai:
- Pai, agora eu entendí o que é democracia!
- Muito bem, então diz lá.
- É assim: enquanto o governo dorme, o capitalismo vai “aviando” a classe operária, a classe estudantil fica perdida sem saber o que fazer e o futuro padece todo borrado!
Ehehehe...
Agora a sério... A Justiça é um fenómeno social. A justiça e injustiça, portanto, não pertencem à lista das faculdades naturais do espírito ou do corpo, como acontece com os sentidos ou as paixões. Torna-se por isso algo imposto de acordo com a ideologia de cada nação. O que é justo para um torna-se injusto para o outro. Para mim a tortura é crime, devendo por isso também ser julgada e punida. Mas em países onde se pensa que através da mesma se alcança a verdade, a tortura serve como meio para atingir um fim...aceitável portanto! Devemos lutar para que isso não se difunda nem se espalhe, como vem sendo hábito com tudo o que vem dos Estados Unidos. Eu não quero que a minha filha se reveja num conceito de justiça daquele tipo, embora explicar-lhe isso em tenra idade será sempre uma tarefa mmmuuuuiiiiiiitoooo difícil. Ela ainda só tem três aninhos...Vou esperar.
Já me vejo à rasca para lhe travar as birras, nem imagino como será explicar tais conceitos!! Vamos a ver como corre...
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.11.2009 às 22:41


Há muito que não via essa anedota.

Pera... o que queres dizer com:

A justiça é um fenómeno social?

A justiça não é aplicada segundo regras e leis?, como pode ser um fenómeno social?

Talvez a forma como as leis são aplicadas e interpretadas seja um fenómeno social, mas isso não é a justiça, são as pessoas.... acho eu!

Tenho uma amiga que diz que é por estas e por outras que não se vê televisão ao jantar... o mundo está a ficar complicado demais.

Boa semana
Jorge
Sem imagem de perfil

De Leamar a 30.11.2009 às 09:23

Quando digo que é um fenómeno social estou a referir-me a que o conceito existe porque há uma sociedade. Quando o "pessoal" era nómada e não havia fronteiras...há "bué bué bué tempo"...o conceito justiça com regras de acordo com a mentalidade de cada nação não se aplicava!
Sendo um fenómeno social é obvio que tem de ter regras e leis...mas como sabes estas variam muito de país para país...por isso essas regras e leis não são universais. Dependem bastante daquilo que os "seres pensantes e fazedores de leis" pensam...
Pronto...o meu cérebro deu um nó...
Como explicar isto de maneira a que faça sentido??
Sem imagem de perfil

De Leamar a 30.11.2009 às 09:44

Sabes Jorge...esta coisa do fenómeno social aplicado ao conceito justiça, vem dos meus tempos de escola numa aula de filosofia!
Passámos também uma aula inteira a tentar defenir o termo e penso que o meu cérebro deu um nó também naquela altura... Não se chegou propriamente a uma conclusão definitiva. Apenas se chegou à parte do fenómeno social...
A partir daqui era uns a puxar para um lado, depois outros com exemplos a demonstrarem o contrário, depois lá vinha o "stôr" a por mais uma lenha na fogueira...chegou-se a uma altura que ninguém se entendia!
Aula idêntica em embrulhada mental foi sobre a diferença entre ser-se inteligente e ser-se esperto! Deu pano para mangas...
Sem imagem de perfil

De DH a 27.11.2009 às 11:09

Só de ler a tua descrição da tortura já estou com o estômago embrulhado e os olhos húmidos. Eu não teria coragem nem de ouvir a notícia...
A minha sensibilidade disparou no dia em que fui a Auschwitz, no dia em que (em plena adolescência) descobri que havia maldade pura. Ainda resisto, hoje, a ver filmes, ler livros, ou ouvir notícias assim...

Os meus filhos no outro dia falaram-me do 11 de Setembro porque viram no Magalhães (acho, mas não tenho a certeza!, que aparece um pequeno filme com as imagens para descrever o terrorismo.)

Aqui não há bons e maus, aqui há seres humanos que se esqueceram de quem são... E de que quem está à sua frente podia ser seu filho, seu pai, sua mãe, seu irmão... Há coisas que simplesmente estão vedadas à minha compreensão. Eu não fui talhada para "este mundo".
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.11.2009 às 22:45

Já não sei onde, mas ouvi algures um dia que:

"O ser humano é o único animal que tropeça duas vezes na mesma pedra."

Se olharmos para trás, a nossa evolução social é feita de avanços e recuos, antes da idade média, a era das trevas, existiram civilizações muito avançadas, a verdade é que não aprendemos nada com a historia, assim de repente assusta-me pensar onde nos levará este tipo de coisas.

Boa semana
Jorge
Sem imagem de perfil

De Leamar a 30.11.2009 às 09:25

Duas vezes???.....;)
Mesmo só
Imagem de perfil

De Pedro Oliveira a 27.11.2009 às 11:46

Não é fácil.Mas penso que facilmente perceberão que não há inocentes...
abraço
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.11.2009 às 22:46

Olá Pedro

Não, não há inocentes, mas onde nos leva a justiça do olho por olho dente por dente?

Jorge
Sem imagem de perfil

De Rosalino a 27.11.2009 às 13:36

Números possíveis oficiais ( já que ainda existem pessoas desaparecidas apôs o atentado): Vítimas: As perdas humanas nos ataques de 11 de Setembro de 2001 foram elevadas: 265 nos aviões; pelo menos 2752 pessoas, incluindo 242 bombeiros, no World Trade Center e 125 no Pentágono. Total directo, 3234 pessoas faleceram.
Noticia retirado do TVI 24horas de 12/11/2009: http://www.tvi24.iol.pt/internacional/11-de-setembro-ground-zero-nova-iorque-eua/1102792-4073.html
Depois de ler tudo isto…
Quem são os culpados e os que sofrem?
Quantas famílias não ficaram privadas dos familiares e quantas do sustento que dava estabilidade á família?
Provavelmente nunca saberemos a quem realmente atirar cm as culpas.
Mas para mim a única dificuldade e mesmo conseguir fazer entender ás crianças o porque de tais actos de crueldade durante as torturas.
Mas cada um de nós decerto também pensa nas famílias que perderam seus entes queridos e da dor que agoniza milhares deles.

Quem sou eu para atribuir culpas...
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.11.2009 às 22:50

Olá

Eu não tentava branquear os crimes de ninguém, é evidente que deverá ser feita justiça, não pode é ser feita com base no olho por olho dente por dente, porque aí caímos tão baixo como eles e aos olhos de muitos milhões de pessoas, aqueles actos passam a estar justificados.

É verdade que não somos ninguém para atribuir culpas, mas se há algo que caracteriza o ser humano é o facto de que temos consciência, e ante a minha consciência, eu não posso aceitar a utilização da tortura, a partir do momento em que o fim justifica os meios, estão justificados os actos terroristas, todos!

Jorge
Imagem de perfil

De mafalda-momentos a 27.11.2009 às 19:59

Ó pra ti!
E eu sem te ver! Ás vezes ando mesmo no mundo da lua.
Conhecia muito bem o teu espaço das fotos, mas nunca tinha dado por este, nem pelo nosadoptamos. Não percebo como é possivel se até já visitei e comentei no Clube de Leitura.
Ele há cad uma!!!
É como o teu post de hoje. Extraordinário como condenamos os actos de violência e os julgamos cometendo igualmente idênticos actos de violência, chamando-lhe de justiça.
É este o mundo que temos e em que vemos nossas crianças crescer. Oxalá haja uma reviravolta e elas possam ter outra visão do mundo quando forem adultos como nós.
Bom fim de semana
Mafalda
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.11.2009 às 22:54

Olá

Tu és bem-vinda em qualquer um dos meus sítios

Está em nós fazer com que os nossos filhos sejam melhores que nós, e que tornem o mundo um lugar melhor, para eles e para nós.. mas este mundo está a tornar-se complicado demais.... mesmo

Boa semana
Jorge
Sem imagem de perfil

De Óscarito a 28.11.2009 às 17:15

Vou (se calhar) dizer um disparate: na idade média não faziam coisas destas? Ou, vá lá, parecidas?
Abraço/Óscar

ps: evidentemente que me refiro a tudo o que está envolvido: as torturas e o ataque às torres.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.11.2009 às 22:56

Era isso que eu dizia na resposta a outro comentário... a nossa sociedade costuma andar em ciclos... mas é mau sinal quando começamos a imitar as coisas que se faziam numa época que ficou conhecida como a idade das trevas...

Abraço e boa semana
Jorge
Imagem de perfil

De DyDa/Flordeliz a 29.11.2009 às 01:53

Andei aqui a "matutar" sobre o que escreveste.
Mas posso responder à pergunta que deixaste no ar...
"quem são os bons e quem são os maus?..."
ÀS CRIANÇAS DEVE SER EXPLICADO QUE:
O mundo não é perfeito. Não é justo.
Que se cometem crimes para as quais muitos de nós não tem explicação. E aqueles que os cometem, fazem-no, no cumprimento do que acreditam ser um dever, missão ou um chamamento divino (isto quando é feito em nome de um qualquer deus).
Que em nome do apuramento da justiça se cometem actos injustos e cruéis (como o que eles assistiram na reportagem), na tentativa de apurar ou evitar novos massacres.
Aos teus filhos (nossos), temos de contar apenas e só a verdade. Sem esconder ou evitar que eles se apercebam que nós, humanos e seres racionais, somos vezes demais injustos, quer quando tiramos a vida a um semelhante (ou a milhares deles) ou então quando usamos métodos violentos, mesmo que a intenção seja a de proteger ou evitar novas mortes ou atentados.
É isso que eles devem entender: cometem-se todos os dias injustiças em nome dessa mesma justiça. Até porque a minha justiça não é igual à justiça do meu irmão. Não temos os mesmos ideais. Não a entendemos todos da mesma maneira.
Seja aqui, nos E.U.A., em África, num país Árabe ou num noutro local qualquer.
Tu perguntavas ainda: "no país onde supostamente se defende a democracia no mundo?"
Eu também me questiono: Se fossem familiares nossos? Se estivéssemos à frente da segurança de um país, será que faríamos estas perguntas e pensaríamos da mesma maneira?
Se houver novo atentado, não perguntaremos se foi feito tudo que havia para ser feito?
Questões…Incertezas?!...
O que eu não tenho dúvidas é que às crianças deve ser ensinado o bem e o mal, não escondendo que ele existe e que é O MUNDO QUE TEMOS. E que é neste mundo que eles devem aprender a viver, tentando ser felizes e evitando sempre que possível pisar ou ser pisados, acreditando que, se pelo menos tentarem, vão contribuir para que a vida seja um pouco menos INJUSTA.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.11.2009 às 23:05

Não é fácil educar hoje em dia, o meu filho tem 10 anos e quando ele viu uma imagem de um homem a ser torturado, o que ele perguntou foi porque é que estavam a fazer aquilo, sendo que para ele, os maus eram quem estava a torturar...

Será que devemos mesmo transmitir a crianças que a tortura pode ser algo bom? do meu ponto de vista ... Não!!!!!

Não sei se as torturas contribuíram ou não para evitar mais ataques, o que sei é que para os milhões de muçulmanos, elas contribuem para justificar mais actos terroristas.

Há umas centenas de anos estes meios eram utilizados para fazer as pessoas confessarem que eram bruxas, que tinham pactos com o diabo, e as pessoas confessavam... coisas que agora sabemos que não faziam sentido nenhum.... será que queremos justiça com base em confissões deste tipo?... eu não quero!

E não quero que este seja o mundo que temos, porque eu não me revejo neste tipo de coisas..e muito menos as posso aceitar... porque se aceitar as torturas, tenho que aceitar os actos terroristas...

Beijinho e boa semana
Jorge
Imagem de perfil

De DyDa/Flordeliz a 30.11.2009 às 00:32

TORTURA NÃO! ATENTADOS NÃO!

EU quero.
TU queres.
NÓS queremos.

ELES não querem!

EU;TU;NÓS não temos a força DELES.

Tentemos pelo menos incutir na educação dos nossos filhos a palavra TOLERÂNCIA.

Beijinho e semana boa também para ti.

Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D