Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




bullying.jpg

 

 

Bullying é um termo inglês utilizado para descrever actos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo (bully ou "valentão") ou grupo de indivíduos com o objetivo de intimidar ou agredir outro indivíduo (ou grupo de indivíduos) incapaz(es) de se defender. Também existem as vítimas/agressoras, ou autores/alvos, que em determinados momentos cometem agressões, porém também são vítimas de bullying pela turma.

 

retirado da Wikipédia

 

 

Este é um tema que andava por aqui a pairar há uns tempos, mas há coisas sobre as que não é fácil falar. Sempre fui um miúdo tímido e com falta de confiança, eram outros tempos em que o recreio era o mundo à nossa volta,  a escola ficava a mais de um Km e íamos a pé. Era o mais tímido, o que tinha menos jeito para as brincadeiras e isso tornava-me muitas vezes na vitima....  Com o tempo fui crescendo e aprendendo, a timidez cresceu comigo, mas chegou uma altura em que aprendi que havia uma maneira de enfrentar o assunto.... e eu enfrentei.

 

Um dia, no primeiro ano do liceu fartei-me, estava a ser gozado por um rufia com fama de mau e enfrentei-o, as coisas quase chegavam a vias de facto ali mesmo nos corredores do Liceu, os meus colegas não deixaram, mas a coisa ficou combinada para a rua depois da hora da saída.

 

Passei o dia com a esperança que o outro esquecesse o assunto, mas ele tinha sido enfrentado e não ia esquecer tão facilmente, à saída lá estava ele... e muita gente à volta. Não o deixei pensar, mesmo antes que ele dissesse o que fosse,  levou um murro na cara que quase o deitava abaixo, é claro que veio para cima de mim, mas já não havia nada a fazer, aquele murro em cheio e em frente a meia escola que esperava a minha humilhação, resolveu o assunto, aquela luta tinha sido ganha por mim. Com aquele murro ganhei o respeito dos outros, mais ou menos uma vez por ano lá tinha que enfrentar alguém para lhes recordar que para além da timidez havia algo mais.

 

De vez em quando lembro-me desse dia, acho que os meus pais nunca souberam esta parte, mas a minha mãe continua a recordar-se de mim na escola como o filho que deixava que os outros lhe batessem, e de vez em quando diz aos meus filhos para não serem assim.... 30 anos depois a mim continua a custar-me, há coisas que deixam marcas muito profundas.

 

Hoje uma noticia no telejornal recordou-me como pode ser real este sentimento, em Mirandela uma criança desapareceu no Rio Tua, os amigos falam de Bullyng e de suicídio. É assustador que estas coisas possam acontecer, sei que como pais pouco podemos fazer, normalmente as crianças não falam, resta-nos estar atentos. 

 

Mas a própria escola deve estar atenta a este tipo de situações, o Bullying torna o ambiente escolar problemático, as crianças tornam-se ansiosas e criam aversão às aulas, aos colegas e à escola em geral.

 

Devem ser criadas e tomadas as medidas necessárias por parte das entidades responsáveis. Deverá ser envolvida toda a comunidade escolar de modo a que exista um  convívio saudável e equilibrado, ou seja, para a formação de uma cultura de não-violência na escola, e de uma forma mais geral, na sociedade.   

 

 Link para a noticia da RTP

 

 

Jorge Soares

publicado às 21:27


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.03.2010 às 20:27

Todos nós fomos vitimas desta paneleiri... que agora tantas preocupações dá..

Há 20 anos, quando ia para casa à meia noite, tinha de andar mais 1 km para não passar em frente aos drogados que estavam à porta da farmácia.

E aí de mim que fosse queixinhas, sujeitava-me a ficar de castigo. Castigos sempre duros que normalemente oscilavam entre 15 e 30 dias sem sair de casa...

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.03.2010 às 20:28

Desculpa Jorge, esqueci-me de me identificar.

O irrascível Mário Gomes

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D