Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

Ontem ligaram para a Mãe da escola do menino a perguntar se o Bruno tinha ido para a escola com os dentes todos!!!! É só impressão minha ou parece que ainda estão a gozar??? Ontem uma menina deu-lhe um "estalo" que arrancou um dente ao Bruno. Eu chamo a isto um murro. O Tesourinho estáva todo cheio de sangue e por isso tiveram que chamar a Mãe.

 

Depois de se averiguar quem foi, a Mãe falou com a responsável da escola e iriam tomar as medidas necessárias. ...

 

...Hoje quando a Mãe o foi levar á escola, pediu para falar com a professora do menino para lhe explicar o que tinha sucedido ontem, pois já tiha sido quase ao fim do dia, e qual não foi o espanto que ela pura e simplesmente recusa-se a falar com os pais a não ser um assunto muito grave, ao qual a Mãe lhe disse que o Bruno estar a levar todos os dias dos meninos mais velhos não era grave o suficiente... Pelos vistos não... Não aceitou falar com a Mãe. Mas o pior ainda está para vir. Quando ela vinha embora, vai despedir-se do menino e a conversa entre eles foi assim:


-"A Mãmã vai embora Tesourinho. Porta bem."

-"Embora não Mãmã.... meninos batem."

-"Isso foi ontem filho. Hoje já não te vão bater."

-"Sim Mãmã. Murro."

 

E uma menina que lá estáva e viu tudo disse á Mãe que um outro menino do 3º ano passou e deu um murro no Bruno.

 

Pedi autorização para copiar e utilizar o post que podem ler no O Tesourinho, tive que ler e reler mais que uma vez, porque me custava a acreditar que algo assim fosse possível. Na reposta ao meu comentário, a mãe do Bruno diz que os outros miúdos não batem no Bruno por ele ter Trissomia 21, ou por ser de outra etnia..  se calhar é verdade, e também não devem bater por ele ser adoptado, mas é difícil esquecer que tudo isto é verdade.

 

No outro dia eu dizia num post em que falava do suicidio de um professor, que não são só as crianças que são vitimas de bullying, este também afecta funcionários e professores, mas se isto é verdade, o contrário também se aplica, se o bullying existe a responsabilidade também não é só das crianças que o praticam, também é da responsabilidade de funcionários e professores que não se podem simplesmente demitir das suas funções de educadores e fingir que não se passa nada.

 

Quanto a mim, a atitude desta professora é inqualificável, se uma agressão a uma criança que a deixa a sangrar e com medo de ficar na escola não é algo grave, então o que será? É verdade que cada dia é mais complicado ser professor, é verdade que as crianças são cada vez mais difíceis e que cada vez mais os pais se demitem do seu papel de educadores, mas também é verdade que atitudes como as desta professora que se nega a receber uma mãe cujo filho foi enviado para casa a sangrar, não contribuem em nada para melhorar a situação.

 

A responsabilidade por fazer com que as coisas não continuem assim tem de ser de todos nós, e não é olhando para o lado como quis fazer esta senhora, que as coisas vão melhorar, então e se um destes dias uma daquelas criança em lugar de agredir o Bruno, a agredir a ela?, Também vai achar que não é suficiente grave e vai ignorar o assunto? E se for ela a que termine a sangrar?

 

Este tipo de coisas não pode passar em branco, não pode mesmo.

 

Jorge Soares

publicado às 21:27


11 comentários

Imagem de perfil

De cigana a 25.03.2010 às 00:06

Eu acho que me passava completamente dos carretos com uma coisa assim! Não sou a favor da violência, mas não é que a professora não merecesse ficar sem dentes! E garanto-te que me ia ouvir nem que eu acampasse na escola!
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 26.03.2010 às 00:06

É que é mesmo de passar-nos, eu nem sei como reagia numa situação destas... mas não devia ser bonito de se ver.

Beijinho
Jorge
Imagem de perfil

De Abigai a 25.03.2010 às 09:14

Não pode mesmo passar em branco, não pode mesmo... Concordo perfeitamente.
Felizmente existem ainda bons professores, e até à data, não tenho razões de queixa, o G. sempre teve professoras preocupadas e interessadas e que sempre atenderam pais a qualquer hora, mesmo sem marcar previamente.
As crianças agressoras devem ser punidas e acompanhadas, também não é normal agirem dessa forma e precisam sem dúvida de alguma terapia, mas parece-me que os professores e auxiliares que assistem impávidos e serenos a cenas de pancadaria são eles também muito culpados!
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 26.03.2010 às 00:17

É preocupante como muitas escolas se tentam desresponsabilizar nestas situações, isto não são simples brincadeiras de crianças, são coisas muito serias...

Jorge
Sem imagem de perfil

De Leamar a 25.03.2010 às 15:04

Hoje em dia, para muita gente (professores incluídos) tudo o que os garotos fazem é normal!
Uma criança bate noutra...é normal!
Uma jovem sova outro...é normal!
Um miudo é gozado sistematicamente por outros...é normal!
É tudo normal...até que lhes calhe na rifa ser o que leva, o que é sovado, o que é gozado!
Lá porque antigamente isso também acontecia não faz disso uma coisa normal! Dantes as mulheres levavam do marido...e era normal...agora já não! Pelo menos não tanto...e há que lutar para que a normalidade dos nossos jovens, adolescentes e crianças passe cada vez menos pela violência. Ela tende a ser crescente e cada vez mais pesada. É que para alguns miudos um simples empurrão já não causa aquela "sensação" nas escola...tem de ser algo mais para serem falados! E qual é a maneira mais fácil para o serem?????? Estudar??? Não, não...isso hoje em dia até dá para ser gozado!
Imagem de perfil

De Pedro Oliveira a 25.03.2010 às 17:48

Como és de boas familias, não fizeste link no teu comentário no VF, mas eu penso que este teu texto merece, como tal vou fazê-lo no texto do Eduardo.
Abraço
Imagem de perfil

De Existe um Olhar a 25.03.2010 às 18:23

Fiquei chocada com o que li e com a atitude da professora. Comportamentos assim devem ser punidos e doa a quem doer.
Se tanto se tem falado na desautorização dos professores, penso que atitudes como esta não abonam nada a favor deles.

Beijos
Manu
Imagem de perfil

De aespumadosdias a 25.03.2010 às 18:42

Todos somos culpados por tudo o que se tem passado nos últimos tempos nas escolas. Muita coisa tem de mudar mas não vai ser fácil.
Sem imagem de perfil

De Sónia Pessoa a 26.03.2010 às 22:53

Conheço o Tesourinho, e acreditem que é mesmo um Tesouro, e a mãe do Tesourinho... e conhecê-los é uma honra, pois ensinaram-me que o amor pode tudo, mas tudo mesmo. Fiquei triste ao saber desta situação, revolta-me qualquer situação como esta e, infelizmente, isto acontece nas nossas escolas todos os dias, várias vezes ao dia, e pode mesmo acontecer com os nossos filhos... a nós pais compete-nos reflectir sobre este assunto e tentar perceber onde estamos a errar na educação dos nossos filhos. Beijo
Sem imagem de perfil

De Maria João Pereira a 31.03.2010 às 16:41

Eu sou a Mãe do Tesourinho.
Realmente, não têm sido tempos muito fáceis, mas as coisas já começam a acalmar.
Naquele dia em que a professora titular da turma não me recebeu, tentei falar com o orgão de gestão do agrupamento, que também não estava disponível e acabei por fazer queixa na DREL.
Sei entretanto a escola já respondeu à DREL, mas ainda não tenho quaquer feedback desta entidade. Sei que me vão responder porque um amigo meu tem conhecimentos na DREL e disseram-lhe que o assunto foi levado a outro nível.
Na escola, entretanto, já notei diferenças. Na hora do almoço não havia auxiliares no patio, ou quanto muito andava por lá uma (junto ao portão). Desde a minha queixa, há sempre, pelo menos, 3 auxiliares a circular pelo pátio. E o Bruno, tem sempre uma auxiliar de olho nele (quase parece uma sombra: para onde o menino vai, a senhora vai atrás).
O meu Tesourinho já anda mais calmo e tenho confiança que o regresso à escola, para o 3º período vai correr bem.

Sónia: Temos de combinar qualquer coisa. O menino está a falar muito mais e mais perceptível do que quando estiveste com ele. Vais gostar de o ver...
Beijoquinhas
Sem imagem de perfil

De Maria José Caetano Modesto Daniel a 14.05.2013 às 22:28

Infelizmente, entristece-me a forma como a escola se desresponsabiliza pelas situações de Bulling no espaço escolar. A minha filha tem sido uma vitima silenciosa... faz mais de um ano. Desde o dia 7 deste mês (altura em que foi oficialmente reportado) está medicada para uma depressão grave. Não dorme, não come, vomita sempre que confrontada com a possibilidade de voltar á escola... Hoje estive numa reunião surpresa na escola e as soluções apresentadas passavam pela sua mudança de turma e uma "escolta" dentro do recinto escolar... Quando confrontei o Director da escola sobre o fato de ter sido dito (por um elemento do conselho directivo) que era uma situação normal nestas idades, a palavra da minha filha foi posta em causa dizendo que "é a versão dela"... Mais foi dito que independentemente de estar doente e medicada, o não ir á escola era abandono escolar... Ou seja, devo levar a minha filha á escola, mesmo sem ter condições físicas e psicológicas (ainda que comprovadas) capazes de enfrentar os agressores, pois caso contrário sofreríamos as consequências desse abandono. Quanto aos responsáveis por tais atos, so poderão ser chamados na presença dos Enc. de Educação, contrariamente ao que sucedeu com a minha filha. Foi dito ainda que não existem provas sobre essas agressões... os alunos calaram-se por temerem ser as futuras vitimas. As transcrições policiais que têm como conteúdo a confirmação do bulling em recinto escolar e os principais intervenientes, não são meios de prova porque (segundo Diretor da escola) foram mensagens enviadas após o horário escolar... á hora de jantar. Ou seja, o Diretor da escola considera meio de prova tudo o que for dentro do recinto escolar, ainda que os agressores reconheçam no sms enviado, que escreveram nomes no quadro, no decurso de uma aula de ciências (na presença da prof), a mando da líder do grupo.
É triste! Obviamente que não pode ficar impune. Mas quando a escola pactua com esta situação, há que se fazer justiça, seja de que forma for. Pois a própria D.Turma passou a informação que alguns alunos achavam licito a minha filha responder ás agressões com agressões...
Estou perplexa, pois jamais imaginei que esta lamentável e penosa realidade nos pudesse bater á porta. E em especial quanto á forma como a escola descaradamente contorna, deturpa e responsabiliza a vitima, não tratando o assunto com a equidade e cuidado que deveria ter.
Em que país estamos? Que escola é esta???

Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D