Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Por ti Menina do Sorriso

por Jorge Soares, em 06.11.08

Flor

 

 

Quando eu era miúdo, havia uma banda desenhada que se chamava Mandrake o mago, ele tinha o poder fantástico de com a sua magia fazer as coisas acontecerem, muitas vezes dava por mim a sonhar acordado que por algum motivo aquele poder fantástico passava para mim e eu mudava o mundo...... hoje lembrei-me do Mandrake e dos seus poderes.

 

Hoje senti uma enorme impotência, sempre fui um bom ouvinte, sempre ouvi os meus amigos e tive uma palavra de alento para eles..... hoje nada disso me serviu. Todos nós temos problemas alguma vez na vida, maiores, menores, mais graves, mais insignificantes, para nós são os nossos problemas, e são sempre enormes...  felizmente a maior parte das vezes tudo se resolve e quando olhamos para trás vemos que afinal...eram só probleminhas.

 

Hoje falei com uma amiga ao telefone e senti-me completamente inútil, acho que foi a primeira vez na vida que me senti assim, sem reacção, vazio, queria poder ser um amigo, queria poder dar força, mas não consegui,... senti que a minha amiga estava a desfalecer do outro lado e tudo o que eu dizia soava a vazio.... hoje aprendi que há coisas na vida para as que não há palavras, por muito que gostemos de alguém, por muito que pretendemos ser amigos e dar força, há coisas que estão mais além de nós... da nossa força e das nossas palavras.

 

A minha amiga despediu-se e aquelas lágrimas que eu estava a sentir do outro lado doeram-me, fiquei uns minutos parado onde estava, senti-me muito mal... porque realmente não consigo fazer nada...... e aquelas lágrimas dela doeram-me a mim....... com dor de raiva e impotência.

 

Amiga, imagino que não tens cabeça nem tempo para cá vir, mas quero que saibas que penso em ti e na Menina do sorriso muitas vezes..... sei que isto vai passar, infelizmente não sou o Mandrake e não posso fazer um passe mágico que resolva tudo, mas sei que a tua menina vai voltar a sorrir e a viver essa vida intensa e preenchida que é só dela e que tanto orgulho te dá... eu sei...... porque sei. 

 

Jorge

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:35

Diga lá outra vez!

por Jorge Soares, em 05.11.08


 

 

 

Ando há uns dias para falar disto, e muito mais desde que li este post da Inês, que é um dos melhores que já encontrei na blogosfera, sem dúvida nenhuma.

 

A Manuela Ferreira Leite era assim que a modos que o Dom Sebastião do PSD, cada vez que havia um congresso lá saia alguém com o fantasma da senhora, de uma maneira ou de outra a coisa ficava em promessas adiadas, lá aparecia alguém que tapava o buraco e ela voltava ao seu  altar, até ao congresso seguinte. Esta vez, já seja porque o nevoeiro era menos denso, ou porque já não resta muito por onde escolher e o partido arriscava a levar com o João Jardim, ela decidiu que estava na altura, e não sei bem porquê, foi acolhida de braços abertos.

 

Eu não sou quem para avaliar o perfil da senhora, mas para mim é o politico com menos carisma que já vi, além de que tem uma herança pesada, do que me lembro, os funcionários públicos estiveram 3 anos sem serem aumentados quando ela era ministra das finanças. E todos sabemos quantos votos valem os funcionários públicos em Portugal.

 

Logo após a eleição, a senhora decidiu estar calada, os restantes membros do partido bem que clamavam pelas suas ideias, mas ela nada, tinha sempre coisas mais importantes para fazer, bom... tanto que pediram que falasse que ela falou..... e o ultimo que disse foi isto:

 

 

Projectos como o comboio de alta-velocidade e o aeroporto internacional de Lisboa na margem sul só servem para baixar a taxa de desemprego, não em Portugal, mas em Cabo Verde ou na Ucrânia. 

 

Convinha recordar a esta senhora que ela fez parte dos governos do PSD que deram o impulso final ao novo aeroporto na OTA, depois veio o PS e achou que era melhor do outro lado, que foi no governo do Durão Barroso que se assinaram os contratos iniciais das várias linhas do TGV e que ela fez parte dos governos do Cavaco, que foi quem espalhou alcatrão e cimento pelo país todo...então e nessa altura os projectos serviam para quê?

 

Para dizer coisas destas, mais valia estar mesmo calada!

 

Jorge

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:23

E se o mundo mudar mesmo?

por Jorge Soares, em 04.11.08

Obama
 
Desde que me lembro que as minhas ideias tendem para a esquerda, passei a minha adolescência na América latina e tinha amigos Comunistas, alguns que tinham mesmo estado na então União Soviética. Sempre olhei para a América e a sua politica internacional de uma forma algo formatada, via os americanos como um povo algo estúpido e imperialista que tinha a mania das grandezas e que se metia onde não era chamado vezes demais.... convenhamos que se olharmos para a  administração Bush, não ando assim tão longe da realidade.
 
Há precisamente um ano, por motivos profissionais estive 3 semanas nos Estados Unidos, o que encontrei estava algo distante do que tinha imaginado, encontrei um país mais parecido com o que vemos nos filmes e series que aquilo que eu achava ser possível. E os americanos são um povo muito prático, seguem as regras como elas estão escritas, se não estiver escrito não existe e eles não inventam. E isto nota-se em tudo, desde a forma como trabalham até à forma como estão na vida. É claro que Nova York é um mundo à parte, mas também é muito parecida com aquilo que vemos nos filmes e séries.
 
Na altura o fenómeno Obama estava mesmo no início, a primeira vez que ouvi falar do homem estava em Princeton, num daqueles bares tipicamente americanos com o balcão no centro e mesas a toda a volta. Foi uma conversa entre portugueses, e era opinião geral que apesar da inteligência e capacidade politica, não havia hipótese de um negro chegar à casa branca e isso iria pesar e fazer a votação cair para o lado de Hillary Clinton.
 
Muita água correu desde então e está provado que aquele grupo de portugueses estava enganado. Acredito piamente que apesar da confusão que é o sistema eleitoral americano, Obama vai vencer, e que isso irá significar uma grande mudança na maneira como os Estados Unidos estão no mundo... acredito que as coisas irão mudar para melhor e que isso irá trazer uma nova dinâmica à economia mundial. Os Estados unidos vão mudar, e com eles o mundo irá mudar... para melhor.
 
Jorge

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:12

Desafio - alma de poeta

por Jorge Soares, em 03.11.08
Rui Veloso
 
A Nave lançou-me este desafio. É suposto colocar uma foto minha, escolher um artista e responder às perguntas com letras das musicas..... ando com alguma preguiça mental, o desafio veio mesmo a calhar.  Escolhi o Rui Veloso, um artista Português que admiro. Aqui Vai: 
 
1. És homem ou mulher?
          
Porque sou o cavaleiro andante
Que mora no teu livro de aventuras
Podes vir chorar no meu peito
As mágoas e as desventuras
 
2. Descreve-te:
 
Cansado do movimento
Que percorre a linha recta
Fui ficando mais atento 
Ao voo da borboleta 
Fui subindo em espiral 
Declarando-me estafeta
Entre o corpo do real 
E a veia do poeta
 
3. O que as pessoas acham de ti?
 
             O prometido é devido
 
4. Como descreves o teu último relacionamento?
 
Quanto vale o teu sorriso 
Teu siso
Juízo da vida
Essa coisa escondida
Que me faz viajar 
 
Quanto vale o teu consolo
Teu colo
Descolo prà lua
Essa coisa só tua
Para me azucrinar
 
5. Descreve o estado actual da tua relação com a tua  namorada ou pretendente:
 
Quanto vale a tua voz
Todos nós
Somos sós de paixão
Até ver o clarão
O mistério do dia
 
Quanto vale o teu afecto
Directo
Alfabeto do ser
E depois sem querer
Ter o dom da alegria
 
Dá-me luta, dá-me alento
Qualquer coisa pra lembrar
 
6. Onde querias estar agora?
 
 Roendo uma laranja na falésia
Olhando o mundo azul à minha frente,
Ouvindo um rouxinol nas redondezas,
No calmo improviso do poente
 
Em baixo fogos trémulos nas tendas
Ao largo as águas brilham como prata
E a brisa vai contando velhas lendas
De portos e baías de piratas
 
7. O que pensas a respeito do amor?
 
Ontem as águas estavam serenas
Mantinham a distância certa
Éramos cúmplices apenas
Sem ter o coração alerta
 
Amiga era um sentimento
Sem fazer calor nem frio
Tudo entre nós era simples
Como as coisas em pousio
 
Foi qualquer gesto que fizeste 
Qualquer coisa que disseste 
Que mudou a situação 
 
8. Como é a tua vida?
 
 Sei quem canta no trabalho
E mexe no choro e no riso
Sei quem conhece um atalho
Para voltar ao paraíso
 
Há quem limpe chaminés 
Há quem limpe corações
 
9. O que pedirias se pudesses ter um só desejo?
 
Todo o tempo do mundo
para ti tenho todo o tempo do mundo
Todo o tempo do mundo 
 
10. Escreve uma frase sábia:
 
muito mais é o que nos une
que aquilo que nos separa
 
Bom, já está, é suposto passar o desafio..... bom, aqui está, sintam-se à vontade, é só pegar.
 
Valeu João!
 
Jorge
PS:A minha foto está ali no topo do blog.... aqui só podia ser o Rui Veloso

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:00

Há palavras que nos beijam ....

por Jorge Soares, em 02.11.08

 

No outro dia estava a partilhar umas fotografias com a Flor e quando ela viu esta, a conversa foi mais ou menos assim:

 

- E o que é esta coisa laranja? - Pergunta a Dona Flor.

-Uma cabaça

-Na na, uma cabaça é aquela que se seca para fazer de odre do vinho

-Sim, isso é uma cabaça, mas esta também é,  de outro tipo, mas é cabaça.

-na na, cabaço, ou abóbora!

-Também, mas também é uma cabaça, nunca ouviste falar da Cabaça menina?

 

A conversa prolongou-se e a Flor até escreveu este post, onde há cabaças e chilas, e eu fiquei a pensar em como há palavras que ficam, porque apesar de eu ter saído há 30 anos da terrinha, há palavras que continuam comigo, palavras que só ouvi lá e que me trazem recordações de sabores, de cores, palavras que me fazem sentir de lá, palavras minhas.

 

Quando eu era pequeno mais ou menos nesta época depois das primeiras chuvas, ia aos tartulhos com o meu pai, que  abríamos e assávamos na brasa de alguma borralheira.. era só juntar umas pedras de sal, uma delicia.

 

A minha mãe fazia o estrugido com o unto que ficava dos rejões e tapava a panela com o testo. O meu irmão gostava do pão trigo barrado com unto, mas eu preferia a trigamilha com pêssegos carecas, ou o pão de Ul com uvas maduras.

 

No natal a minha mãe fazia bilharacos de cabaça menina, são deliciosos com canela, mas eu prefiro as rabanadas de vinho tinto, feitas de cacetes duros que o padeiro traz na semana anterior.

 

Ainda hoje quando vou de visita à terrinha, gosto de beber o vinho americano por uma malga de caldo, mas dispenso sempre o caldo de couves que o meu pai prefere com arroz. O que não dispenso é a chouriça feita com a carne da matança do porco e que eu acompanho com a melhor broa de milho. E para sobremesa ou para o lanche, regueifa com marmelada e queijo.

 

Há uns anos, já eu namorava com a P., fomos a Braga e no bom Jesus havia um letreiro que dizia, "É proibido calcar a relva"... tive que ir buscar um dicionário para lhe mostrar que calcar existe mesmo...

 

É isso, há palavras que nos beijam...e nos deixam um aroma de frescura. Agora desculpem lá se nada disto faz sentido, mas apeteceu-me despejar as palavras, e atrás delas vieram as nostalgias, os aromas e os sabores... se não perceberam nada.... devem ser do Sul.

 

Se forem para os lados de Oliveira de Azeméis, não deixem de provar o pão de UL, a Regueifa e a chouriça.... com vinho americano.

 

Jorge

PS:Imagem minha.. é uma cabaça menina.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:59

As mulheres gordas não zangam com a vida

por Jorge Soares, em 01.11.08

Gorda

 

Rosalinda era retaguardada, fornecida de assento. Senhora de muita polpa, carnes aquém e além roupa. Sofria de tanto volume que se sentava no próprio peso, superlativa. Já fora esbelta, dessas mulheres que explicam o amor. Magreza sucedida em seus tempos. Pois que, desde que enviuvou, ela se desentreteu, esquecida de ser. Rosalinda, agora, se cansava de tanta hora: Mascava mulala, enrolando a saliva-laranja. As mulheres gordas não zangam com a vida: fazem lembrar os bois que nunca esperam tragédias.


No desfolhar das tardes, ela se aprovava em triste rotina. Visitava o cemitério. E isso fazia muito diariamente. A campa do falecido marido, o Jacinto, ficava bem no fundo do cemitério. Condizia com o lugar que ele sempre tivera, nas traseiras da vida.

 

Mia Couto in Cada homem é uma raça

 

Jorge

PS:Imagem retirada da internet

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:41

Pág. 3/3



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D