Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Morre lentamente.. Ou Quem morre?

por Jorge Soares, em 19.07.10

Martha Medeiros

 

Já aqui falei das famosas Pedras no caminho uma frase que faz parte de um poema que meia internet atribui a Fernando Pessoa e que na verdade foi escrito por Augusto Cury, um poeta brasileiro.

 

Quem não recebeu um power point muito bonito com um texto que se chamava A Marioneta?, o texto era atribuído a Gabriel Garcia Marquez que supostamente o teria escrito para os seus amigos quando descobriu que tinha cancro. O escritor negou que alguma vez tivesse escrito tal coisa e que o que o poderia realmente  matar era que alguém pudesse acreditar que aquilo tinha sido escrito por ele.

Hoje vou falar de um outro poema que a maioria de nós já leu e que todos atribuímos a Pablo Neruda, como a própria fundação Pablo Neruda esclarece aqui, é na verdade da escritora brasileira Martha Medeiros.

 

A Internet é cada vez mais a fonte de informação por excelência, nela podemos encontrar praticamente qualquer assunto ou pessoa. Mas é também cada vez mais uma fonte pouco fiável e junto com muita informação verídica há também muita coisa que não é real ou não foi confirmada... devemos ter muito cuidado com o que tomamos por real.

 

O Poema de que falo é conhecido pela maioria de nós com o titulo Morre lentamente, na realidade o seu titulo é Quem Morre? e a sua versão real é esta:

 

QUEM MORRE?


Morre lentamente 
Quem não viaja, 
Quem não lê, 
Quem não ouve música, 
Quem não encontra graça em si mesmo 

Morre lentamente 
Quem destrói seu amor próprio, 
Quem não se deixa ajudar. 

Morre lentamente 
Quem se transforma em escravo do hábito 
Repetindo todos os dias os mesmos trajeto, 
Quem não muda de marca, 
Não se arrisca a vestir uma nova cor ou 
Não conversa com quem não conhece. 

Morre lentamente 
Quem evita uma paixão e seu redemoinho de emoções, Justamente as que resgatam o brilho dos 
Olhos e os corações aos tropeços. 

Morre lentamente 
Quem não vira a mesa quando está infeliz 
Com o seu trabalho, ou amor, 
Quem não arrisca o certo pelo incerto 
Para ir atrás de um sonho, 
Quem não se permite, pelo menos uma vez na vida, Fugir dos conselhos sensatos... 

Viva hoje! 
Arrisque hoje! 
Faça hoje! 
Não se deixe morrer lentamente! 

NÃO SE ESQUEÇA DE SER FELIZ.

Martha Medeiros

 

Jorge Soares

PS: Imagem minha do Momentos e olhares

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:41


9 comentários

Sem imagem de perfil

De P. a 19.07.2010 às 23:40

"Viva hoje!
Arrisque hoje!
Faça hoje!
Não se deixe morrer lentamente!"

Mais palavras para quê?
P.


Imagem de perfil

De DyDa/Flordeliz a 20.07.2010 às 02:05

VIVE Martha Medeiros
Aqui a fizeste renascer de novo
Através da sua escrita
Das palavras
E desta bela homenagem
A não menos belos pensamentos
Da autora

Vou acreditar em ti. Não confirmei em lado nenhum a informação. Se me mentes, vais parar ao inferno. Seja isso o que for e onde for.

Abraço, foste feliz na escolha da ilustração das palavras.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 21.07.2010 às 23:52

No inferno sempre deve ser mais quentinho no inverno..e a companhia deve ser menos chata de certeza!

Beijinho
Imagem de perfil

De Existe um Olhar a 20.07.2010 às 11:16

Há uns bons anos atrás recebi este poema, ainda sem o tal power point bonito. Na altura decorei-o, para que nunca esquecesse que tudo o que não queria era..."morrer lentamente".
Pensei que fosse Pablo Neruda o autor, hoje e aqui descobri que não, mas seja de quem for é para mim um poema sempre lindíssimo.
Na internet há sempre informações pouco fiáveis, como dizes, mas há sempre a maravilhosa possibilidade que se possam corrigir erros e partilhar coisas bonitas, como o que aconteceu por aqui.

Ah...já agora, não te esqueças de ser feliz!
Beijos
Manu
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 21.07.2010 às 23:54

Independentemente do autor.. é um belo poema e a autora merece todo o nosso respeito e admiração.

Os blogs são para muitas coisas.. uma delas é a divulgação... serviço público
Sem imagem de perfil

De stiletto a 21.07.2010 às 02:02

A internet veio alargar os nossos horizontes e acelerou o acesso à informação mas temos que ter um olhar crítico porque a entrada de histórias ou artigos na rede não são avaliados por ninguém. Isso torna-se grave quando estamos a falar da saúde das pessoas, estou constantemente a dizer aos meus utentes que não se pode acreditar em tudo o que veêm na internet...
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 21.07.2010 às 23:55

Olá

Chamaste a atenção para um ponto muito importante .. .. um ponto que deve ser levado mujito a sério... porque na internet as pessoas não só se auto avaliam, como se receitam e até compram os medicamentos... o que é algo muito perigoso.

Jorge
Imagem de perfil

De Maria Alfacinha a 25.07.2012 às 11:00

Já Oscar Wilde dizia:
"nao se pode confiar cegamente em tudo o que é publicado na Internet"
:-)))))

Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D