Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Como escolher um nome para um filho!!!!

por Jorge Soares, em 25.01.11

Nomes estranhos

Imagem de aqui

 

Nós os portugueses temos algumas coisas singulares, uma delas são os nomes, para além de de utilizarmos uma regra diferente do resto do mundo para os apelidos, temos uma lista de nomes válidos... não sei se ainda é assim, mas os filhos dos portugueses na Venezuela, eram registados no registo civil com uns apelidos e no consulado português com outros, conheço pessoas que quando os pais regressaram a Portugal, simplesmente mudaram de nome e de apelidos quando foram tirar o primeiro bilhete de identidade.

 

Escolher os nomes para os filhos é quase sempre uma tarefa complicada, primeiro os pais babados tem que estar de acordo, o que nem sempre é fácil. Há quem deixe os padrinhos escolher e quem só lhes  tente agradar, depois há que escolher um nome que agrade a avós paternos e maternos... complicação a multiplicar por 4... principalmente quando os avós gostavam muito que os netos se chamassem como eles... Há casos em que o nascimento da criancinha termina em zanga com uma parte da família, ou com as duas, e até em divórcio...

 

Eu lembro-me de estar sentado com a minha meia laranja numa esplanada da avenida de Roma e escrever num guardanapo de papel os nomes que eu queria para as meninas e que ela queria para os meninos, ... A coisa até nem começou mal... R. era o primeiro nome da lista... os dois seguintes é que já não foi bem assim, adoptar não é bem a mesma coisa que ter filhos naturais... e agora que penso nisso, um dos nomes não ia passar na famosa lista oficial.

 

Conheço casos de pessoas que no último dia do prazo legal para inscrever a criancinha ainda andavam às turras com o nome, outras que até já tinham escolhido o nome para o rebento... e um dia depararam-se com um babete bordado com todo o amor do mundo pela avó... com um nome de que até não gostavam muito... mas não iam fazer a desfeita... cá por mim desfazia-se o bordado, mas eu tenho mau feitio.

 

Há um casal que tinha um método infalível,  se fosse menino ela escrevia 5 nomes e ele escolhia um, se fosse menina ele escrevia 5 nomes e ela escolhia um... parece-me bem. Há quem passe horas a olhar para listas de nomes a tentar chegar a um acordo... há quem tire à sorte... há muitas formas.

 

Voltando ao inicio do Post, eu sempre achei uma parvoíce o facto de em Portugal existir uma lista de nomes válidos, bem, a vida vai-nos ensinando que nem tudo o que parece parvo o é... no dia em que descobri que alguém chamou a uma pobre criatura Lyonce Viiktórya, só possível porque o pai  nasceu em Bissau e não em Portugal, percebi que sim, que a lista é necessária..e que não deveria mesmo ter excepções... aposto que no Brasil e em Maracaibo na Venezuela, há mesmo crianças que se chamam Skype.

 

E vocês, querem contar como escolheram o nome dos rebentos?...

 

 

 

 

Jorge Soares

PS:Se ainda não o fez, Pode Lyoncificar o seu nome, aqui

publicado às 21:49


28 comentários

Imagem de perfil

De Existe um Olhar a 25.01.2011 às 22:48

Eu acho muito bem que haja uma lista de nomes possíveis e digo isto porque um dia estava na conservatória e apareceu uma senhora que queria registar a criança com o nome de Britaldo. Eu e a senhora que estava a atendê-la fizemos um esforço para não desatar a rir. Só houve uma maneira de a demover daquela escolha, puxar da lista e dizer que aquele nome não era válido. A senhora lá saiu contrariada, mas livrou-se a pobre criança de nome tão estapafúrdio.
Eu não tive problemas com o nome que dei ao meu, pai e mãe estavam de acordo..

Beijos
Manu
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 26.01.2011 às 21:34

Britaldo é giro.... onde será que as pessoas vão buscar estes nomes?

Sem imagem de perfil

De António Manuel Dias a 26.01.2011 às 22:09

onde será que as pessoas vão buscar estes nomes?

Às listas?
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 26.01.2011 às 22:44

Pois, as listas não permitem nomes como Diego.. mas depois permitem coisas absurdas como Britaldo...
Sem imagem de perfil

De António Manuel Dias a 25.01.2011 às 22:55

Já estou para aqui farto de pensar e ainda não consegui perceber o que queres dizer com "regra diferente do resto do mundo para os apelidos"...
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 25.01.2011 às 23:08

António, a maioria dos países que conheço.. pelo menos nos hispânicos e nos Anglosaxões é assim, a regra é que os filhos fiquem com o primeiro apelido do pai e com o primeiro da mãe, nessa ordem..sendo que nos Estados Unidos é mesmo só o do pai, em Portugal é o ultimo do pai e o ultimo da mãe.

Ora, uma criança que na Venezuela fosse filho do Pedro Silva Reis e da Maria Nunes Pereira, ficava João Silva Nunes, no consulado era inscrito como João Reis Pereira... isto se tivesse um nome Português..

Jorge
Sem imagem de perfil

De Liz a 26.01.2011 às 13:04

Calculo que seja igual para toda Latinoamérica, mas para deixar claro, no caso do Perú, não é bem "o primeiro do pai e o primeiro da mãe" mas sim o paterno do pai e o paterno da mãe, nessa ordem (é igual no México e na Colombia)... se não havia paterno, então ia um materno de pai ou mãe no lugar... a minha filha tem o (apelido paterno da mãe)(apelido paterno do pai) em Portugal e (apelido paterno do pai) (apelido paterno da mãe) no Perú, mas claro, a verdade é que quando estás em Latinoamérica eles não sabem ou não querem ver que os apelidos dos portugueses estão num formato diferente e pensam que é igual e usam como eles estão habituados
BJS
Liz
Sem imagem de perfil

De António Manuel Dias a 26.01.2011 às 14:30

Ok, não fazia ideia. A única coisa que já me tinha apercebido sobre este assunto é que os orientais têm os apelidos no início dos nomes :)

Já agora, a minha opinião é que as crianças não deviam ter apelidos (nomes de família) e, para evitar que mesmo assim se dessem nomes aos filhos em homenagem a alguém, estes deviam ser atribuídos aleatoriamente no acto do registo. Mas isto sou eu...
Sem imagem de perfil

De Patricia a 26.01.2011 às 21:49

Ai António...espero que estas tuas ideias mirabulantes não peguem, porque por esta ordem de ideia, a seguir porpunham que esquececemos os nomes e passarmos a ser apelIdados apenas pelo nº do cartão de Cidadão!!

Patricia
Sem imagem de perfil

De António Manuel Dias a 26.01.2011 às 22:03

Os números teriam a infeliz particularidade de não serem facilmente memorizáveis -- é bem mais fácil distinguir Cátia Carina de Virgulina Maria do que 123456789 de 123456798. Os nomes são apenas isso, "muletas" para que consigamos identificar pessoas. Não têm qualquer significado para além desse, por muito que os pais penem na sua escolha, por vezes com resultados bem mais infelizes que os que escrevi acima.

De qualquer forma não te preocupes -- uma ideia destas nunca passaria. Isso significaria que os pais perderiam mais um poder paternal, o de pôr nomes parvos aos seus (no sentido de propriedade) filhos. E ninguém deseja isso, certo?
Sem imagem de perfil

De xana a 25.01.2011 às 23:58

Livra, olha se não existissem listas... o que por aí haveria...
Temos que dar o devido desconto à Lucy, que coitadinha, gosta muito das criancinhas... menos da dela...
Eu não sei como foi escolhido o meu nome, mas lá que devo ter sido salva bem perto do último minuto... a minha mãe quis chamar-me Difusinda... só porque era o nome de uma freira do hospital... e se eu tivesse tal nome, ia achar que não gostavam de mim, para me terem dado tal baptismo... xispa-te...
Lyoncificadamente: Alexandronce Avehnturaa
bjks
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 26.01.2011 às 21:36

LOL

Gosta muito das criancinhas menos da dela ... é isso mesmo, só não gostando da criancinha se pode aceitar um nome assim.

Xana, Difusinda????... esse ainda é mais giro que britaldo... fantástico.. e acho que nome de freira a ti.... não, não te ia ficar nada bem
Sem imagem de perfil

De Leamar a 26.01.2011 às 09:27

Bom dia Jorge.
Como sabes a minha filha tem um nome que não é aceite em Portugal, mas o pai é canadiano...por isso... lá foi!!
A escolha foi simples. Se fosse menino escolhia eu à minha vontade, se fosse menina escolhia ele à vontade dele. Confesso que às primeiras não me soou muito bem, mas agora estou habituada e gosto do nome!
Afinal são as pessoas que fazem os nomes e não os nomes que fazem as pessoas. Conheço pessoas com nomes que não gostava, mas como são boa gente, o nome passa a soar "normal" e até bem!!
Atenção...o nome da minha filha é lindo...Nahira!!!
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 26.01.2011 às 21:44

Nahira não é lá muito normal... como é que é na escola?

Jorge
Sem imagem de perfil

De Leamar a 27.01.2011 às 10:08

Muito bem...
Sabes que em Portugal é aceite Nair...mas não Nahira. Tem que levar o "h" para a silaba tónica ser no "i" senão seria como se pronuncia "Paiva"!!!
Mas não é assim tão complicado...soa a princesa
Imagem de perfil

De Rosinda a 26.01.2011 às 10:25

Já me ri ao relembrar o baptizado a que assisti há alguns anos, quando o padre disse: eu te baptizo Birgolina... metade das pessoas sairam da igreja para se rirem! Coitadas das pessoas que tem de carregar com as parvoíces de nomes assim.
Um abraço
Rosinda
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 26.01.2011 às 21:45

Já tinhamos um Britaldo, uma Difusina.. agora uma Birgulina.... afinal Lyonce nem é assim tão mau :-)

Eu não sei se conseguia chegar até cá fora, acho que me desmanchava mesmo dentro da igreja...
Sem imagem de perfil

De xana a 26.01.2011 às 22:58

Junta lá mais este à lista... Olione, o nome que a minha falecida avó paterna queria que o meu tio desse à minha prima mais nova.
:)
Sem imagem de perfil

De cbo a 26.01.2011 às 12:32

Como não tenho filhos e sempre exigi que fossem os pais a escolher os nomes dos meus afilhados, nunca me vi nesses assados. Mas mais vale Skipe que Facebook!
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 26.01.2011 às 21:46

Pois é.. e mais vale Facebook que Virgulina :-)
Imagem de perfil

De shark a 26.01.2011 às 14:29

Eu e a mãe da marafilha resolvemos problema de forma muito simples: tem o nome próprio que surgiu por escolha consensual dos progenitores e um apelido de cada avó e de cada avô (maternos e paternos que não há cá preponderâncias).
Ficou com um nome comprido, cinco palavras, mas coerente com a forma como lhe é incutida a noção do equilíbrio entre géneros.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 26.01.2011 às 21:48

Olá

Essa é outra originalidade Portuguesa.. podes ter os apelidos que queiras... sabias que o standard no software é de 18 caracteres para nome e 18 para apelidos.. no máximo?... é claro que em Portugal há sempre chatices e a maioria dos programas tem 40 caracteres para nomes e 40 para apelidos..

Jorge
Sem imagem de perfil

De António Manuel Dias a 26.01.2011 às 22:08

Isso era quando as bases de dados aceitavam apenas campos de texto de tamanho fixo. Entretanto o mundo do software evoluiu e qualquer SGBD hoje aceita campos de texto de tamanho dinâmico :)
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 26.01.2011 às 22:21

Standarts António, eu estava a falar de standards... e não é assim tão raro.
Sem imagem de perfil

De São a 31.01.2011 às 21:48

Eu acho é que as pessoas vão muito por modas e depois dizem que é porque gostam... Mas o que é certo é que parece mas é moda... De há 8, 9 anos para cá começou uma chuva de Beatrizes e Marianas que nunca se tinha visto. Não digo que sejam nomes feios e tanto Beatriz como Mariana sempre existiram... Mas não tão "em massa"... Em meninos, começaram a chover os Afonsos e os Lourenços... Eu tenho 42 anos e no meu tempo e mesmo depois, era raro uma pessoa se chamar Afonso, principalmente um bebé... nunca tive um colega Afonso na escola ou na Universidade... Aliás, Afonso, na minha universidade era a alcunha ou designação usada em forma de gozo para aqueles estudantes que já lá andavam há 8 ou 9 anos e não havia forma de acabarem o curso... Nós diziamos "Aquele já é um Afonso!" precisamente porque era considerado um nome muito antigo... quando muito via-se alguns de nome José Afonso, que os pais diziam sempre que era em homenagm ao cantor da revolução. Afonso, não se via ninguém. Nem Lourenço. Agora é uma chuva... As pessoas vão por modas...

Pelo que sei, porque tive uma colega venezuelana (filoha de pais portugueses, mas nascida na venezuela), o que acontece é que nos países de expressão castenhana, incluindo a prórpia Espanha, o apelido do pai surge em primeiro do que o da mãe, enquento que nós usamos ao contrário. No entanto, também para eles é o nome (apelido) do pai que prevalece. Eles são conhecidos pelo nome próprio e o apelido paterno, embora tenham mais nomes a seguir. Temos do caso da nossa princesa aqui do lado que conhecemos como Letízia Ortiz, porque Ortiz é o apelido paterno, mas ela tem outros nomes depois desse. Eles dizem que, por o nome do pai ser o que é considerado quase universalmente o mais importante, deve vir primeiro... Bem, eu então posso dizer que, sendo assim, se é por ser o mais importante (o que prevalece), tem mais lógica vir em último, pois é aquele que fica no ouvido, quando a pessoa diz o nome . Por exemplo: se perguntamos o nome a um homem e ele diz José Manuel da Silva Santos... E há uma pessoa que não percebe e nos pergunta, quando nós também não percebemos bem e a respota normalmente é "Também não ouvi tudo: José qualquer coisa Santos... Porque o primeiro e o último são os nomes que ficam mais facilmente no ouvido....
Então e naqueles países em que as pessos só tÊm dois nomes e que as mulheres, quando casam, deixam de ter o nome da família paterna, para terem SÓ o nome do marido? enquanto que nós, aqui, acrescentamos (se quisermos), mas continuamos a ter também o outro, eles não... Se, por acaso depois se divorciaram não sei como fazem.

Uma coisa que está a cair em desuso é o segundo nome. Eu continuo a ser de acordo em que as pessoas tenham dois nomes próprios, porque acho que é uma opção que se dá à pessoa. Comecei a concordar mais com os dois nomes quando comecei a conhecer cada vez mais pessoas que usavam o segundo nome, precisamente por não gostarem do primeiro. Tenho uma amiga que sempre conheci como Cristina (e não deixa de ser Cristina) e um dia, eu estava a dizer que não achava que ela tivesse só 1,56 m (parecia-me mais alta) e ela mostrou-me o BI para provar... foi aí que vi o nome dela: Ilda Cristina... Então disse "Tu és Ilda?!" .. Ela respondeu assim meio enjoada "Sou... mas prefiro Cristina. Também sou, portanto..." E tal como ela, conheço várias pessoas que usam o segundo nome, por não gostarem do primeiro...

Enfim... eu prefiro nomes mais tradicionais e que nunca passaram de moda tal como Pedro, João, Miguel, Edardo, Daniel, Ana, Sofia, Lúcia, Leonor...
Sem imagem de perfil

De kiki a 10.06.2012 às 03:07

Concordo plenamente eu nasci nos anos oitenta em que as Vanessas eram aos pontapés e detesto o meu nome por só me chamam Cristina ou cris.
Mas os nomes que vocês disseram por favor é de fugir, a minha filha é Inês Beatriz e gostava que a próxima fosse Isabella Leonor mas Isabella só é permitido com um L não com dois.
Qualquer dia vai tudo chamar-se Petronilha de Jesus
Sem imagem de perfil

De Helio a 19.02.2012 às 00:55

Ao contrário de muita gente! Discordo plenamente de haver um pré lista com nomes para escolher em Portugal! porque é só mesmo em Portugal! Que eu saiba os filhos são nossos nós temos o direito de escolher qualquer nome para os nossos filhos! Seja de origem portuguesa, chinesa, inglesa e por ai diante. Acho uma estupidez de sermos obrigados a escolher os nomes vulgares! Conheço caso de amigos meus, que quiseram por nomes menos vulgares ou de outras origens e funcionários recusara-se, agarraram nos filhos e foram regista-los a Espanha. Nada mais fácil! E eu faço o mesmo se não me deixarem fazê-lo, quem fica a perder é Portugal que fica com menos 1 português! Isso dos nomes as pessoas deviam ter o direito de por o que quiserem, isto assim não é liberdade nem democracia, é imposição.
Sem imagem de perfil

De Vivi a 09.01.2016 às 20:05

Para quem gosta de nomes bíblicos, em hebraico...
Eu tenho um post completo com dicas de nomes masculinos, femininos e unissex.
http://blog.israelcompras.com/2016/01/como-escolher-o-nome-nomes-em-hebraico.html

Att
Vivi

Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D