Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Adopção, um ano de felicidade

por Jorge Soares, em 01.02.11


1 ano de amor

 

 

Amor: presta-se a múltiplos significados na língua portuguesa. Pode significar afeição, compaixão, misericórdia, ou ainda, inclinação, atracção, apetite, paixão, querer bem, satisfação, conquista, desejo, libido, etc. O conceito mais popular de amor envolve, de modo geral, a formação de um vínculo emocional com alguém, ou com algum objecto que seja capaz de receber este comportamento amoroso e alimentar as estimulações sensoriais e psicológicas necessárias para a sua manutenção e motivação.

 

Passou um ano desde aquele dia em Cabo Verde em que conhecemos a  D., um ano em que ela cresceu, em que passou da menina mais calma e doce do mundo à terrorista mais teimosa e alegre que já conhecemos.

 

Adoptar uma criança é sempre um momento de ruptura, para ela que deixa para trás o mundo em que até então viveu e para nós, que vemos como de um momento para o outro nos entra pela casa dentro um estranho, pode ser um processo muito complicado e com adaptações difíceis e dolorosas, ou como no nosso caso, muito simples. A D. adoptou-nos de imediato, a nós, aos irmão, à nova casa, ao novo país, tudo. Passados poucos dias ninguém dizia que aquela criança meiga e alegre alguma vez tinha vivido noutro lado e com outra família.

 

Desde então algumas coisas mudaram, ela mudou, a criança amorosa e dada dos primeiros dias, pouco a pouco foi-se tornando numa  reguila, que adora música e dançar, a alegria continua ali, mas agora é muito senhora de si e do seu nariz. Teimosa como só ela, mas obediente e super organizada como nunca foi nenhum dos irmãos... um amor de criança, uma filha amorosa que veio encher esta casa de alegria e felicidade.

 

 

Não há raças, há seres
Não há religiões, há crenças
Há fome, muita fome
Há doenças imensas
Sem nome

Não há seres, não há raças
Não há crenças nem religiões
Há fome, muita fome
Há doenças imensas
Sem nome

Há tantos seres de todas as raças
Cheios de fome
Armas imensas sem nome
Doenças e tantas desgraças
Com nome

 

(Poema de João Sevivas)

 

Jorge Soares

publicado às 22:21


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D