Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Livro: O Bom Inverno

por Jorge Soares, em 25.02.11

O Bom Inverno, João Tordo

 

O livro foi presente de natal.. .. bom, mais ou menos, porque foi um daqueles presentes escolhidos, para ser sincero eu nunca tinha ouvido falar do João Tordo nem do livro. A stiletto falou dele no Clube de Leitura e cá em casa ficámos curiosos, de aí a escolha para a lista de natal.

 

É um daqueles livros em que custa pegar, a mim custou-me, tem um início lento e até algo vago,a história enrola-se mais ou menos em si mesma e acredito que haverá quem desista por ali ... felizmente eu nunca desisto de um livro.. porque chega a um ponto em que pegamos no fio à meada até ao ponto que custa deixar a leitura.

 

Não é uma história linear, não é um daqueles livros de leitura fácil, temos que esperar até à ultima página para saber como se resolve o mistério... e resolve-se.. pensando bem, resolve-se?.. Digamos que tem um desenlace completamente inesperado. A meio caminho entre o romance e o livro de mistério, o mínimo que se pode dizer é que este é um livro diferente... mas definitivamente bem escrito e que a mim me deixou com vontade de revisitar o autor.

 

O narrador é um escritor, solitário, frustrado e hipocondríaco que leva uma vida completamente solitária e quase eremita, numa deslocação a Budapeste conhece um grupo de pessoas que o arrasta para uma estranha casa na costa italiana donde uma morte inesperada faz desencadear uma série de acontecimentos.

 

O verdadeiro enredo do livro desenrola-se dentro e à volta da casa, uma a uma vamos conhecendo as personagens, as suas vidas, o que as levou ali, a sua relação com o falecido e até o que esperam da vida... se conseguirem ter alguma depois de passarem por ali.

 

É um bom livro, não será de certeza um daqueles livros para se ler na praia, está bem escrito apesar do inicio lento e desencorajador.. 

 

Sinopse:

"Quando o narrador, um escritor prematuramente frustrado e hipocondríaco, viaja até Budapeste para um encontro literário, está longe de imaginar até onde a literatura o pode levar. Coxo, portador de uma bengala, e planeando uma viagem rápida e sem contratempos, acaba por conhecer Vincenzo Gentile, um escritor italiano mais jovem, mais enérgico, e muito pouco sensato, que o convence a ir da Hungria até Itália, onde um famoso produtor de cinema tem uma casa de província no meio de um bosque, escondida de olhares curiosos, e onde passa a temporada de Verão à qual chama, enigmaticamente, de O Bom Inverno. O produtor, Don Metzger, tem duas obsessões: cinema e balões de ar quente. Entre personagens inusitadas, estranhos acontecimentos, e um corpo que o atraiçoa constantemente, o narrador apercebe-se que em casa de Metzger as coisas não são bem o que parecem. Depois de uma noite agitada, aquilo que podia parecer uma comédia transforma-se em tragédia: Metzger é encontrado morto no seu próprio lago. Porém, cada um dos doze presentes tem uma versão diferente dos acontecimentos. Andrés Bosco, um catalão enorme e ameaçador, que constrói os balões de ar quente de Metzger, toma nas suas mãos a tarefa de descobrir o culpado e isola os presentes na casa do bosque. Assustadas, frágeis, e egoístas, as personagens começam a desabar, atraiçoando-se e acusando-se mutuamente, sob a influência do carismático e perigoso Bosco, que desaparece para o interior do bosque, dando início a um cerco. E, um a um, os protagonistas vão ser confrontados com os seus piores medos, num pesadelo assassino que parece só poder terminar quando não sobrar ninguém para contar a história."

Jorge Soares

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:45


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.02.2011 às 22:59

“De acordo”

Na verdade não acredito
Podes pensar ser mentira
Sobre dúvidas reflectira
E dera o dito por não dito

Por cada verdade das tuas
Dou-te uma mentira minha
O resultado já se adivinha
Com dúvidas nada concluas

Podemos chegar a acordo
Dou-te apenas uma opinião
Com a qual nem concordo

Mas não me apontes o dedo
Se a tua mentira é a solução
Minha verdade é um enredo.
Sem imagem de perfil

De stiletto a 26.02.2011 às 00:28

Tem graça, eu não senti essa dificuldade em avançar no livro talvez porque já tivesse lido um livro do João Tordo e já soubesse com o que contar. E fico muito contente por teres comprado um livro por causa do que eu escrevi :-)! Boas leituras

Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D