Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Clube das esposas obedientes

Imagem do DN

 

O mundo não deixa de me surpreender, esta vez a noticia é do El País e vem da Malásia, onde um grupo de mulheres (??) acaba de criar o "Clube das esposas obedientes". O objectivo de tão singular associação passa por ".. ensinar as mulheres a ser submissas e obedientes para desta forma proporcionar felicidade aos seus maridos.. "

 

Maznah Taufik, uma das fundadoras do grupo diz que este foi formado para através da educação das mulheres se diminuir a violência doméstica e os divórcios que são recorrentes e culpa de esposas que não são obedientes e não sabem servir os seus maridos. (sic)

 

A mesma senhora diz o seguinte:

 

" O sexo é um tabu na sociedade asiática .. uma boa esposa é uma boa sexo-servidora do seu marido, que é que tem de mau ser uma prostituta para o teu marido?"

 

A Malasia é um país com 38 milhões de habitantes onde 60% da população é muçulmana, a sociedade muçulmana é completamente patriarcal, sendo que às mulheres é reservado um papel menor, quero crer que este tipo de pensamento e visão do mundo seja a de uma minoria, mas não deixa de ser preocupante.

 

Estamos no século XXI e notícias como esta, ou como a que há uns dias nos dava conta de manifestações na Arábia Saudita pelo direito das mulheres a conduzir os seus carros, fazem-nos pensar em como o mundo evolui a várias velocidades, enquanto no mundo que conhecemos as mulheres cada vez mais trabalham e vivem de igual para igual com os homens, há países, sociedades, religiões, que vivem uma realidade completamente diferente. Uma realidade na que não existe igualdade e está-se muito longe de que esta venha a existir.... deveria existir um limite para a estupidez humana... e uma forma qualquer de evitar estas coisas, o direito à dignidade e à igualdade deveria ser obrigatório, em qualquer lado.

 

Jorge Soares

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:58


17 comentários

Sem imagem de perfil

De Maria a 18.07.2011 às 10:35

É o que eu costumo dizer: em muitos casos são as mulheres as primeiras causadoras da discriminação. Pela postura que desenvolvem, pelo que permitem que aconteça nas suas relações, pela forma como se relacionam... E em Portugal isso acontece. Não são casos tão flagrantes como o relatato aqui mas são outros "pequenos nadas" que, todos somados, apoiam e fundamentam a discriminação ainda existente.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 19.07.2011 às 23:36

De vez em quando quando se fala deste assunto e as mulheres se queixam dos homens, costumo perguntar de quem é a culpa?, quem educa os homens?, quem lhes ensina a serem machistas?,

Não são as mães as que primeiro educam os filhos?, não serão elas a principais culpadas?

Os pequenos nadas começam cedo, muito cedo...

Jorge
Sem imagem de perfil

De lagoa_azul a 18.07.2011 às 10:49

Cada vez que leio noticias dessas fico estupidificada, e tenho que regredir mentalmente e situar-me na condição de animal irracional para, e só assim, compreender e enquadrar no meu discernimento tais assuntos.

Realmente em pleno século XXI faz-me pensar que a raça humana ainda não saiu toda das cavernas, acho eu que já nem é bem uma questão de crenças religiosas.

Cpms

Imagem de perfil

De Jorge Soares a 19.07.2011 às 23:37

Não é só uma questão de crenças religiosas... mas é muitas vezes uma questão de crenças religiosas, porque na maioria dos casos são as religiões as que atribuem um papel menor às mulheres... religião católica incluída.

Jorge

Imagem de perfil

De DyDa/Flordeliz a 18.07.2011 às 16:06

... há gente que gosta de apanhar porrada!!!
Uns gostam de mandar...
Outros que se sentem bem a ser mandados...

Isto é como o casamento.
Primeiro casa-se e depois vê-se se dá certo.
Elas fazem o clube...
Depois rasgam o cartão de sócias se a coisa der para o torto.

Deixa-me brincar ok?!

Abraço
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 19.07.2011 às 23:40

Não percebeste nada... elas casam, depois entram para o clube para aprenderem a comportar-se para que a coisa corra bem... acho que a parte de rasgar o cartão de sócias não está incluída nos direitos do clube...

Jorge
Imagem de perfil

De DyDa/Flordeliz a 20.07.2011 às 00:49

Mas afinal quem cria o bendito do clube dos obedientes eles ou elas?
Claro que não percebo nada.

Ordenado? - Sabe bem se vier ao fim de cada mês.
Imagem de perfil

De sentaqui a 18.07.2011 às 18:17

Fico chocada com estas ideias e procedimentos, mas ao mesmo tempo penso que elas se soubessem o que nós achamos normal , ou seja, respeito e igualdade, possivelmente ficariam tão chocadas como nós.
O que para a grande maioria é correcto para estas mentes deformadas seria um ultraje.
Ainda bem que não nasci na Malásia
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 19.07.2011 às 23:42

São coisas que chocam.. porque apesar de por cá as coisas ainda estarem longe de serem perfeitas, a visão do mundo que temos é muito diferente.. felizmente para melhor.

Jorge
Sem imagem de perfil

De xana a 18.07.2011 às 23:59

Eu estou a ler o segundo livro de uma escritora malaia, onde as descrições das pessoas, da vida, da mentalidade, das crenças é feita de uma forma muito intensa, com muitos pormenores, que nos transportam para os cenários. Um e outro livro retratam épocas diferentes, e este segundo tem outros personagens de diferentes nacionalidades, e parte da história passa-se em Inglaterra, embora as personagens principais sejam malaias, e tudo gira á volta delas. Num e noutro livro, as relações entre homens e mulheres são descritas com muito pormenor, e se há essa tal de submissão em algumas personagens, a maior parte mostra a natureza forte, decidida, e a força das mulheres no comando das famílias e das relações familiares, incluindo as relações amorosas. Claro que são livros ficcionados, mas dá para retirar algumas lições sobre a história da Malásia e das suas gentes, as suas crenças, a sua cultura, a sua visão do mundo Ocidental, que para eles em muitos casos é desconcertante, levando-os a achar estranho, e noutros desperta curiosidade.
Essa submisão das mulheres, não tem nada a ver com a visão que nós temos, porque funciona de uma forma completamente diferente. A submissão das mulheres é só mesmo no que toca a lides domésticas, tendo tudo em ordem, e comida pronta, no sexo não há submissão, há consentimento e respeito, e há o amor que por cá se faz, onde o papel da mulher é tudo menos submisso. O que não pode haver é traição por parte da mulher, o que no caso do homem já não é totalmente assim, se bem que a maioria não o faz porque em casa se sente realizado, o que na sociedade ocidental se passa de igual modo, ou é até bem pior no que toca a traição, porque o homem ocidental trai, só porque se sente desafiado, e não quer ser chamado de fraco, mesmo que em casa tenha tudo.
Eu é que ainda fico espantada, por tu ainda te espantares com estas e outras coisas, quando nesta altura do campeonato já tudo é possivel.
bjks
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 19.07.2011 às 23:47

Xana.. o problema é que a estas alturas do campeonato, este tipo de coisas já não era suposto existir. Vivemos numa sociedade global, as pessoas tem educação, informação, que se sujeitem a viver de uma forma que as anula por completo faz-me impressão, que abdiquem de ser pessoas, de pensar, de fazer coisas só porque são mulheres, faz-me confusão.. que se juntem num clube onde se ensina a ser assim, choca-me.

Jorge
Sem imagem de perfil

De xana a 20.07.2011 às 00:22

Jorge, este caso, pode-se comparar com o dress-code. Neste caso é um behave-code, que tem de se visto á luz da cultura e educação do país onde está a ser usado. O que estas mulheres passam ao exterior, é em tudo diferente da realidade interior. Elas não deixam de ser femininas, de se maquilhar, de vestir bem por baixo das enormes túnicas e lenços com que vem para a rua. E não deixam de viver uma sexualidade igual às mulheres ocidentais, o facto de falarem em serem prostitutas para os maridos, não siginifica que o façam como submissão, sendo capacho dos maridos. Quando falam em ser prostitutas para os maridos, falam na mentalidade aberta perante o sexo, na vivência do sexo de forma mais abragente. E não ouvimos nós portuguesas, muitas vezes os homens comentarem entre si, e até as nossas avós a dizerem-nos que a mulher deve ser uma lady na mesa... e uma prostituta na cama...??? Claro que nós interpretamos tudo isto, à luz da sociedade em que vievemos, da experiência de vida que temos, e daquilo que achamos por certo, mas isso, não invalida que noutra ponta deste enorme globo as coisas sejam vista de um modo diferente, ainda que isso nos deixe a pensar. Além disso, Jorge, sociedade global, é um mito, isso é coisa do Ocidente, e pouco mais... Muito pior que tudo isto, eu acho que é o que se passa em África com a mutilação genital das raparigas, isso sim, é preocupante, e muito pior que a era das cavernas...
bjks
Imagem de perfil

De Kok a 19.07.2011 às 00:40

Lendo o teu post e lendo o comentário da Xana, tudo (tudo? nada de exageros...), se compreende melhor.
Há imensas diferenças neste mundo porque há imensas culturas e diversas formas de estar!
Numa perspectiva ocidental (diga-se assim) situações como a que relatas não se compreende nem se aceita.
Mas (neste caso) as malaias entendem ser a melhor forma de estar.
Todas as malaias? Não creio!

1 abraço.
Imagem de perfil

De Fátima Velez de Castro a 19.07.2011 às 18:28

Eu também concordo. Conheço o caso de colegas minhas malaias que nem sequer usam lenço, vestem jeans . Quando lá estive, pareceu-me um país relativamente aberto... mas não sei avaliar se estas minhas colegas avant-garde " são a tendência futura ou apenas uma minoria.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 20.07.2011 às 00:35

Os muçulmanos são 60% da população na Malásia.. imagino que estas mulheres serão parte de uma minoria, mas há países bem piores, na Arábia Saudita as mulheres não podem conduzir... e mesmo as ocidentais tem que cobrir a cabeça ....

Jorge
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 20.07.2011 às 00:32

Não me parece que seja assim tão simples, haveria que ir e falar com as mulheres uma a uma..e ver na realidade quantas aceitam assim tão facilmente , quantas não desejariam viver de outra forma, ter direitos, poderem pensar e exprimir-se

Acredito que haverão algumas que acreditem que é o seu destino, mas quantas haverá que desejariam viver doutra forma e não o podem fazer?

Jorge
Imagem de perfil

De Cláudia a 22.07.2011 às 11:41

Infelizmente é assim. Já tive bastante contacto com esta cultura e (muit)os homens nunca aceitaram que eu debatesse algum tema com eles. Se a minha opinião fosse diferente, só me diziam que eu era mais nova e por isso não tinha nada a dizer, ou então acusavam-me de os estar a insultar (sem que estivesse) só por ter uma opinião contrária.

Também conheci outros muito simpáticos com a mentalidade muito mais aberta. E reparei que este comportamento se reflectia nas esposas. Homens de mente aberta tinham, no geral, mulheres mais inteligentes.

Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D