Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Conto: A Patriota

por Jorge Soares, em 17.09.11

A Patriota

 

Ela é bem gostosa. Tem trinta e tantos mas passa por vinte e poucos, com boa vontade. Não falta nada pra quem gosta de redondezas e fofuras. Sobra um pouco pra quem gosta de peito que cabe na mão. Pra dona da butique do Itaim Bibi, ela não tem classe nem a 50 metros. Pros donos de botecos do Itaim Paulista, a meio quilômetro ela é mais que classuda, é comível. E mora no pedaço.


Mas tem dono. É casada com um cara fechado, que os outros respeitam mais pelo que ameaça calado que pelo que faz ou diz. Quem diz é a vizinhança, agora que a situação arrochou e ela teve que começar a trabalhar fora, pra reforçar o orçamento. Juram que ela foi avistada em outras companhias, na ida ou na volta do trampo. Na verdade a companhia é um só, aliás mais feio que o marido traído, embora regule com ele em tudo o mais, altura, peso, idade e tamanho do pau. Mais feio por causa dum bigode mal aparado, caído nos cantos. A traição até que é discreta pros padrões suburbanos. O outro a acompanha até em casa na volta do trampo, fica um pouco e cai fora antes da volta do marido. Este já desconfia desde o começo, não por causa de avisos ou fofocas, mas pelo comportamento dela na cama e pelos papos daquela hora.


Agora vamos ao dilema do cara. O qual tem muito mais a esconder que a mulher. Já foi bandido, e perigoso. Matou, roubou, quase chefiou quadrilha, mas foi único sobrevivente de guerra com a polícia, capturado, torturado, preso, foragido, procurado. Tudo isso noutro Estado e noutra década. Resolveu começar vida nova, mudar a identidade. Conseguiu despistar todo mundo com documentos falsos, cara diferente (sem bigode), nome de paz. Acha que compensou. Agora é só não se meter em encrenca, não ser fichado de novo, que o velho delinqüente fica esquecido.


Mas nessa de apagar o passado ele vai fermentando uma paranóia, fruto dum cagaço subterrâneo, germinado desde o tempo de assaltante. Matou, é verdade, mas morrendo de medo de morrer. Sempre foi assim. O que pros outros parecia coragem era desespero. Agora o medo vem da lembrança somada com a esperança de que ninguém descubra, a começar pela mulher. Pra isso ele a trata com respeito, não faz tudo que gostaria na cama, ou pelo menos não do jeito que gostaria.


Mete por trás e põe pra chupar, mas com modos, pedindo em vez de mandar, tomando cuidado pra não machucar. Ela corresponde ao tratamento, mas com o tempo a coisa vai ficando meio indiferente. Falta entusiasmo. Isso aparece nos papos, justamente agora que ela começa a trabalhar fora. Não demora e a relação vai pro brejo. Ele deixa claro que desconfia e ela não esconde que não tá satisfeita. Mas falta o flagra.


Pra precipitar as coisas, o outro se insinua como amigo do casal, a pretexto de ser colega de trabalho da mulher. O marido assina atestado de corno manso quando concorda tacitamente que o outro a traga até em casa. A partir daí, é questão de tempo pro desfecho. Ou ele vira corno berrante e lava a honra ou perde a mulher pro outro.


O estopim é algo que ela diz pro marido, tipo "Você não chega aos pés do Fulano, não serve pra engraxar o sapato dele." e algo que o outro disse pra ela e ela repete pro marido: "Ele falou que você não é homem pra mim...". Ele reage, é claro, mas só de boca, com ameaças. Ela faz pouco caso. A essa altura a cama tinha ido pro espaço.

 

Ele já começa a se apavorar com o rumo da situação, mas pra não entregar tudo de bandeja resolve tirar satisfação com o outro. Ainda trabalha com a chance de que ela esteja inventando pra lhe fazer ciúme, ou que seja verdade mas o outro recue se for chamado às falas. Mas não só não recua como confirma descaradamente: "Falei pra ela e repito na tua cara: Tu não é homem pra ela.". E acrescenta mais: "Ela mesma já confessou que tu não serve pra me engraxar o sapato..." -- e mostra o sapato usado, mas permanentemente lustroso, sua segunda mania (a primeira era o bigode torto). O marido tenta retrucar na base da ironia, depois se faz de sério e parte pra mais um pouco de ameaça. Mas essa de "da próxima vez vai ter" não cola, a moral já era.
Passa a noite em claro (enquanto ela ronca) equacionando o dilema. Se chama o cara pra briga, vai apanhar e fugir da raia, o vexame vai ser pior. Se atirar na mulher, no outro, ou nos dois, vai ser fichado de novo, e nem a honra poderá livrá-lo da cadeia pelos outros crimes que virão à tona. Além disso, vai ser fogo. Ter que abrir mão da sua privacidade pra dar entrevista pro Gil Gomes no "Aqui Agora". Que fazer? De duas uma: ou larga tudo e some, ou se sujeita. Sumir significa ter que começar de novo, e talvez ser pego. Se sujeitar pode ser barra, mas dá tempo de pensar em outra solução, ou de esperar que a sorte mude e o cara resolva deixá-los em paz, ou ela se arrependa. Uma alternativa se desdobra em outras. É só excluir as piores hipóteses. Isso na cabeça dele. Pois na dela a última coisa que passa é voltar atrás. Pra ela a aventura tá começando, as perspectivas são excitantes, e o marido merece mesmo uma lição.
Afinal, ela sempre quis que seu homem fosse mandão, exigente, convencido, sacana. O outro era tudo isso, e ela gozava como nunca. A humilhação do marido é um tempero a mais nessa gororoba: sabor de desforra pelo tempo que esperou pra ter prazer total. Isso ela fala na cara do marido, quando ele, no dia seguinte, antes de sair pro trabalho, dá o braço a torcer e admite que ia propor ao outro um acordo.
Quando volta do trabalho (faz cagada no serviço, leva chupada do superior), a mulher e o outro já estão em casa jantando. O outro nem espera que ele participe do rango. Vai se antecipando e impondo condições: "Tua mulher não é mais tua, cara. Ela já me contou que tu tá pedindo arrego. Pra mim não faz diferença. Se tu quisesse engrossar, ia ser pior. A gente já tinha combinado até acabar com a tua vida, se precisasse. Se tu prefere facilitar as coisas, melhor pra todo mundo. Fica aí no teu canto e não chia, que a gente fica numa boa. Senão, conheço gente que pode ajustar umas continhas com a tua pessoa, cara."
Ele já tá arrasado e ainda leva um susto. "Que contas? Tem mais gente nisso?"
O outro: Por enquanto não tem, mas tenho amigo aí nas bocas que pode me dar uma mão. Uma mão branca, sabe como é? (Ele nem ousa perguntar se os amigos são da lei ou fora. Não faz mesmo diferença. Pode ser blefe, mas o caldo já entornou. Sem querer (querendo), o outro lhe pôs o dedo na ferida da paranóia. Ele atira a toalha.)
Ele: Tudo bem, cara. Não precisa nada disso. Se eu não sirvo mais pra ela, não vou ficar no caminho de vocês. Se eu tivesse pronde ir, saía já. Mas não posso largar tudo, emprego, casa...
O outro: Problema seu. A casa agora é nossa, e ela não vai ficar cozinhando e lavando pra você. (Antes era tu, agora é você)
Ele: Não, não, eu faço tudo, eu sei me virar.
O outro: É, mas se quiser ficar vai ter que fazer também pra ela e pra mim. Isso ela já me falou que faz questão.
Ela: É isso aí, pra ficar vai ter que trabalhar pra nós. (Aparteia pra mostrar que tá sintonizada com o amante. Ele abaixa a cabeça e seu olhar vai cair bem no sapato lustroso do outro.)
Ele: Tudo bem, vai ser do jeito que vocês quiserem. (O outro ri com um lado do bigode, balança a perna cruzada, mexe o pé dum lado pro outro. E dá o golpe de misericórdia.)
O outro: E tem mais. A partir de agora durmo aqui quantas vezes quiser. Hoje, por exemplo, vou passar a noite com ela, e não quero você por perto, tá entendendo?
Ele: Eu posso dormir na sala...
Ela interrompe: Nada disso. Na sala pode atrapalhar. Vai dormir no quartinho! (Ele não discute. O quartinho fica no quintal, é uma edícula ridícula que serve de despejo. Vai ter que mudar uns troços de lugar, desenrolar um colchonete. Mas antes de trancar por dentro a porta da cozinha/dos fundos (lhe deram tempo de mastigar umas sobras e lavar a louça), ela se empolga com o próprio sadismo. Tem uma idéia, e vem trazendo o par de sapatos do outro, que já tava de chinelo (o chinelo do marido) vendo televisão.)
Ela: Toma, pega esse sapato e devolve amanhã, en-gra-xa-do, tá ouvindo? Assim você mostra que serve pralguma coisa. É bom pra passar o tempo. E não pensa em sacanagem, viu? (Ela ri, mas a gargalhada do outro se escuta mais alto lá da sala. Ele se fecha no quartinho, passado de vergonha. O pior não foi eles se trancarem. O pior é que ela falou sério, porque é no quartinho que fica o material de limpeza, inclusive graxa e flanela. Tudo bem, ele não vai mesmo conseguir dormir. O jeito é não contrariar os dois. Trata de passar a graxa, a escova, o pano. Enquanto segura um pé de sapato, examina bem o tipo, o tamanho, a cor. É um modelo social barato, preto, já deformado pelo uso, mas conservando algum brilho. Tamanho 41, o mesmo seu. Põe-se a divagar: se é verdade que o pé é proporcional ao pau, então o do outro é igual. Não dá pra entender o que foi que ela viu naquele vagabundo. Não tem nada que ele não tenha. Lembra como foi bom no começo, como ela gostava que ele lhe lambesse o peitão, chupasse os bicos que nem neném. Será que o outro podia fazer melhor? Ou será que não é pelo que se faz, mas pelo que se diz enquanto faz? O cara deve ser um desbocado, um sujo, e ela, se não era puta, tinha vocação e tá se revelando agora. Tudo isso ele rumina mais com dor que com ódio, e sem tirar o olho do sapato, enquanto esfrega devagar, apalpando o contorno do solado. Uma lágrima cai no couro e ele de repente vislumbra uma hipótese a mais: se matar. Mas pisca, deixa o olho clarear, encara o sapato em suas mãos e resiste ao pensamento mórbido: não, esse cafajeste não merece mais esse presente, e ela não vale tanto. Vamos viver e ver no que dá. Tem que ter um jeito. Mesmo porque, depois desta, o cara vai se esbaldar às custas dele, cada vez mais. A solução não pode demorar.
E não dá outra. Na manhã seguinte não há maiores incidentes. O marido faz o café, os outros se servem, o cara pega o sapato de volta, checa, faz cara de "dá pro gasto", calça e sai com a mulher. Ele também se manda antes que se atrase e complique sua situação na firma. Mas à noite, quando regressa, os outros ainda estão fora. Ele vai até o quarto. Olha a cama de casal desarrumada, confere os cheiros do ambiente, mas o cigarro do outro é mais forte e predomina. Volta pra cozinha, prepara algo pra comer, janta só (faz tempo que não), depois fica andando pela casa sem conseguir se sentar nem pra mudar de roupa. Nisso eles chegam. Estão animados, bem humorados, e nem lhe dão atenção. Ele se dispõe a sair pro quartinho quando o outro bate palma.)
O outro: Ei, ei, onde pensa que vai?
Ele: Desculpa, eu não queria atrapalhar. Quer comer alguma coisa?
O outro: Comer, nós já comemos lá fora, e eu vou comer mais lá dentro daqui a pouco, né paixão?
Ela: Só. Que tal uma limonada? Tá calor. Ele faz pra nós.
O outro: Não, faz você. Enquanto isso ele vai dar um lustro no meu sapato, que pegou poeira. (Ela ri da idéia de ver o marido ainda mais humilhado, mas sobra uma pontinha de dúvida: o outro não podia mandá-lo fazer as duas coisas? O amante já ligou a TV e está acomodado no sofá, uma perna esticada e o outro pé apoiado na mesinha de centro, o degrau do salto encaixado na borda da mesa. O marido, calado, vem com a flanela, se abaixa e começa a passar no pé apoiado. Não ajoelhou, só apoiou um joelho no chão e o braço no outro joelho. Mas sua posição não agrada o amante.)
O outro: Sai da frente da tela. Abaixa essa cabeça. Tá com vergonha de ajoelhar? Agacha aí, porra. (Ele sente a cara esquentar de vergonha, chega bem perto do sapato, evita olhar na direção do outro pra não ver aquele bigode rindo. Mas ouve a risada da mulher, que acompanha a cena da cozinha, sem parar de espremer o limão.)
Ela: Puta, meu, que cena! Nunca imaginei meu marido se rebaixando tanto. Conta pra ele o que a gente fez na cama ontem!
O outro: Pra quê? Ele deve imaginar. Vai ver que nem dormiu pra ficar batendo punheta, fala a verdade! (O marido calado. Pra não ter que responder nada, ele se concentra mais na tarefa, procura mostrar afinco, não desvia o olho do sapato.)
Ela: É, vai ver que ele ficou com vontade de participar. Já pensou?
O outro: Nem pensar. Não faço suruba com corno.
Ela: Nem pra fazer ele de viado? Põe ele pra chupar a gente, faz ele assistir enquanto eu te chupo...
O outro: Nada disso. Corno e viado comigo não tem vez. Deixa isso de lado, que nós dois já temos muito que fazer. Se ele quiser virar viado, que se vire sozinho. Chupa o meu sapato, se quiser. (O marido quer sumir pelo chão adentro. Torce pra que os dois parem com aquilo/aquela tortura, e pra sua sorte a mulher já vem com a limonada. O outro se endireita no sofá, dispensa o marido, faz mulher sentar junto e o marido é convidado a se retirar pro quartinho. Já ia saindo, quando o outro se lembra.)
O outro: Antes, traz o chinelo e me tira o sapato e a meia. (Ele desata os cadarços com cuidado, desajeitado, encabulado com a cara de riso da mulher. Descalça um pé, depois a meia, põe dentro do sapato. Faz o mesmo no outro pé. Então percebe que a mania de lustro do cara não confere muito com o cheiro forte do pé suado, que o cigarro tinha disfarçado no quarto. Calça o chinelo no pé do cara e se levanta.)
Ele: Posso ir agora?
O outro: Pode. E leva o sapato pra passar mais graxa. Vê se tapa esse branco do bico. Acho que tá na hora de comprar um pisante novo. (O marido leva o par pro quartinho. Sua por todos os poros. Tira a roupa, se abana com a camisa, ajoelha no colchonete. Lhe vem um ódio da mulher, aquela abusada, um ímpeto de fazê-la engolir aquela arrogância fodendo-lhe a boca. Chega a ficar de pau duro imaginando se na posição do outro, enfiando-lhe o caralho até a garganta, aquela vaca, merece o macho que arranjou. Cai de bruços no colchonete, o sapato está no lugar do travesseiro. Ele desafia a própria desonra. Manda o desmando às favas. Mostra pra si mesmo que tira aquilo de letra, é a única saída. Olha o sapato bem de perto, cheira a meia, cheira de novo, mais fundo. Xinga-se a si mesmo. Corno. Viado. Foi isso que você conseguiu, panaca. Pega no sapato pelo calcanhar, aproxima o bico da boca, abre os lábios e deixa entrar o mais que pode, até a sola doer na língua. Depois tira fora, ofegante, olha com raiva, decidido a se vingar pelo novo e pelo velho, foda-se o futuro. Ele não sabe, mas ela costumava segredar pruma amiga: sua maior frustração é que nunca tinha tido o gostinho de ver dois homens brigando por sua causa.

 

 

Glauco Mattoso

Retirado de Contos Brasileiros

publicado às 21:23



Ó pra mim!

foto do autor


Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D