Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




E se o referendo fosse cá?

por Jorge Soares, em 02.11.11

Grécia quer referendo às medidas da Troika

Imagem do Público

 

 

O governo Grego entre a espada (do povo na rua) e a parede (da troika) decidiu que a melhor saída era mesmo uma fuga para a frente, vai perguntar ao povo se quer ou não continuar com as medidas de austeridade da Troika. 

 

Acho que não restam dúvidas a ninguém sobre qual vai ser o resultado a tal pergunta, nem sobre quais vão ser as consequências disso, ainda não se sabe qual a data da consulta, mas aposto que muito antes haverá uma série de bancos um pouco por toda a Europa na falência, tal como as nossas esperanças de sairmos desta crise a curto prazo.

 

Há quem chame a isto democracia, eu prefiro chamar-lhe suicídio, qual serão as hipóteses de uma saída da crise para uma Grécia fora do Euro e da União Europeia? Estará o governo Grego a pensar incluir no referendo uma pergunta sobre qual das alternativas deverá seguir?

 

Eu acho que este é o tipo de coisas que nunca se deve perguntar ao povo, até porque por cá o referendo já foi feito, foi em Junho quando cada um de nós teve que escolher entre as diversas alternativas propostas por cada partido, e o povo escolheu em consciência aquela que lhe parecia a mais apropriada... mesmo que ainda a semana passada eu tenha ouvido da boca de alguém que votou PSD que o que devíamos fazer era renegociar a dívida, quando lhe perguntei porque não tinha votado Bloco de Esquerda ou PCP, já que essas eram as propostas desses partidos, a senhora mudou de assunto.

 

Mas se por hipótese o referendo fosse cá, quais deviam ser as perguntas que se deveriam fazer?

 

Jorge Soares

publicado às 11:39


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Sandra Cunha a 03.11.2011 às 10:42

Compreendo a ideia de que o povo já teve a sua oportunidade nas eleições e colocou a cruzinha (ou não colocou nenhuma e é igualmente responsável) onde bem entendeu, legitimando assim a actuação do governo. Até acho que nunca é demais recordar isso às pessoas, que enquanto cidadãos que fazem escolhas, também têm a sua quota parte de responsabilidade, A culpa não é só "dos políticos". É também de quem, ano após ano após anos, há 37 anos (!!!!) os pões sucessivamente lá. Chega de sacudir a água do capote!

Por outro lado, este é um assunto gravíssimo. Como tu próprio dizes, uma coisa é decidir entrar num grupo de países que se sabe à partida que vai ser benéfico (pelos menos a curto e médio prazo). Outra é sair desse grupo e em situação de completa desvantagem, de total miséria e com uma tonelada de dividas às costas.

Mas olha que já me passou pela cabeça que isto foi tudo combinado. Uma reviravolta tão repentina do senhor Papandreou cheira-me a esturro. Já pensaram que o referendo na Grécia serve, a fingir para dar voz ao povo, quando na verdade serve para legitimar o saque? Ou seja, com a chantagem de agora congelarem as tranches de ajuda que já estavam em curso e sem dinheiro para salários e pensões, os gregos entram em pânico e claro, como a opção de sair do Euro pode ser ainda pior do que ficar, escolhem a ajuda do FMI, legitimando-a e acabando assim com a contestação social. Pronto. Probleminha resolvido. Toda esta surpresa de Merkel e Sarkozi seria, evidentemente, encenada, já que, neste cenário, eles estariam por dentro de toda a tramóia. Ou eu tenho a mania das teorias da conspiração. Também pode ser.

Bom, de qualquer modo é uma decisão muito difícil e eu não escolho nenhuma delas. Há outras alternativas. A coisa não tem de ser uma escolha dicotómica entre ficar no euro e aceitar a agiotagem do FMI (tu já viste bem as condições do 'perdão' da divida à Grécia?) Não é perdão coisa nenhuma!! Isto é pior ainda do que aqueles filmes de Mafiosos que víamos na TV em que eles emprestavam dinheiro, para depois poderem escravizar as pessoas para toda a vida. Cada vez que iam 'colectar' o dinheiro a divida era maior e as pessoas ainda apanhavam, invariavelmente, uma valente tareia. As dívidas passavam para os filhos e assim sucessivamente.

Isto é EXACTAMENTE a mesma coisa. A solução de sair do Euro é, neste momento desastrosa. A desvalorização da moeda teria consequências devastadoras, representando uma perda de salários/rendimentos/valor do dinheiro na ordem dos 40 a 50%. Acontece que as dividas ao estrangeiro, mantém-se em Euros. Por outro lado, ficar neste cenário, com um garrote cada vez mais apertado ao pescoço e em que, ao estilo dos agiotas de Hollywood, a nossa divida cresce em vez de descer, é uma solução igualmente desastrosa. Estamos portanto na merda.

Mas há formas de minorar estes problemas. E eles chamam-se concertação dos países que estão nesta situação (uns melhor, outros um bocadinho pior, mas estão todos no mesmo barco): os famosos PIIGS. O problema é Europeu, logo, só uma solução Europeia o pode resolver. Se estes países todos em vez de cada um lutar pelo seu lado, se juntassem e fizessem frente à agiotagem de que estão a ser alvo, teriam muito, mas muito mais força, poder de negociação e a sua posição seria outra. Para já, Alemanha, França e os interesses financeiros não querem perder os seus filõezinhos de ouro. É mantê-los ali na miséria, mas ainda assim capazes de irem cumprindo minimamente os compromissos. Se todos se unirem e disseram NÃO a este assalto, a coisa muda de figura. Já dizia o outro, que a União faz a Força.

E depois, dentro de cada país, as escolhas do Governo para cumprirem estes compromissos também podem ser outras: TAXAÇÃO DA BANCA!!!! DAS TRANSAÇÕES FINANCEIRAS, DERRUBE DAS OFFSHORE, TAXAÇÂO DAS GRANDES FORTUNAS; EQUIDADE FISCAL. Há dinheiro neste país (e nos outros). Só não querem ir por essa via porque estariam a ir contra os interesses financeiros, da banca, patronato, nacional e internacional, que lhes alimenta o ego e, principalmente os bolsos.

Não sei se já vista a quantidade medonha de ex-ministros que saíram dos Governos para carreiras de administração de grandes empresas (que beneficiaram claro das políticas que eles implementaram enquanto ministros).
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 03.11.2011 às 23:33

Sandra, eu por principio sou contra qualquer perdão, perdoar a divida à Grécia ou a Portugal, ou à Itália ou a quem for e deixar tudo como está é como dar um peixe a alguém e não lhe ensinar a pescar.

Todos sabemos o que aconteceu na Grécia, durante 20 anos os sucessivos governos andaram a enganar o mundo, hoje estão numa situação em que não conseguem sair do buraco por si só... podem até perdoar 100% da dívida, mas se não fizerem perceber aos gregos que tem que mudar o seu modo de pensar e até de viver, daqui a 10 ou 15 anos vão estar na mesma.

E o mesmo se aplica por cá, e não, a culpa não é só dos políticos, a culpa é de todos nós.. cada um de nós contribuiu para o que se está a a passar, todos somos responsáveis e todos temos que fazer a nossa parte.

Que há outras alternativas a estas medidas, é claro que há, mas não há soluções milagrosas, qualquer alternativa vai ter custos que todos vamos pagar, disso não tenhas dúvidas.

Neste momento a diferença entre a tua forma de ver as coisas e a minha é que eu acho que para além das medidas que se estão a tomar, deveriam tomar-se também as que tu nomeias.... e não sei se já não será tarde, se mesma com a soma de tudo isso ainda iremos a tempo.

Mas uma coisa é certa, se a Grécia decidir que não vai pagar as dívidas, vai haver um grupo de países que vai cair como um baralho de cartas... eu não tenho dinheiro em banco nenhum, mas se tivesse, neste momento estaria a tentar arranjar um bom colchão, porque já estou ver pelo menos dois bancos que não se vão segurar ...e basta cair um para que o caos se instale.

Jorge
Sem imagem de perfil

De António Manuel Dias a 05.11.2011 às 01:21

"qualquer alternativa vai ter custos que todos vamos pagar"

Isto é repetido até à exaustão, mas cada vez que o ouço só me lembro do início dos livros do Astérix: "Toda? Não. Uma pequena aldeia..."

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D