Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Adopção

Imagem minha do Momentos e Olhares

 

Há uns tempos num workshop sobre adopção em que estavam elementos de alguns centros de acolhimento, alguém veio falar comigo sobre uma criança de 11 anos que já tinha sido rejeitada e para a que  a segurança social não encontrava candidatos. Entre os muitos candidatos que eu conhecia não haveria alguém disposto a aceitar esta criança?... Por acaso havia, até mais que um... candidatos aprovados pela segurança social e que estavam à espera há anos, vá lá saber-se porque a segurança social não os tinha encontrado. Mais estranho ainda é que mal apareceram os candidatos, a segurança social do distrito onde estava a criança arranjou logo outros do mesmo distrito... vá lá a gente perceber porque não o tinham feito antes.

 

Não era a primeira, nem foi a ultima vez que vi situações destas, raramente aparecem candidatos para crianças maiores de seis anos e muitas vezes a forma de os encontrar é esta... ir perguntando se alguém conhece candidatos que os aceitem...  às vezes eles aparecem e lá se encontra a maneira de convencer a segurança social a permitir a adopção, coisa que nem sempre é fácil, porque as suas crianças são para os seus candidatos.. mesmo que estes não existam.

 

Outra forma é arranjar uma família amiga para a criança, alguém que o visite, que de vez em quando o leve a passar um fim de semana, com o tempo as pessoas afeiçoam-se à criança e terminam por optar pela adopção, pessoas que nem eram candidatos mas que dada a situação da criança são mais ou menos avaliados à pressão e terminam por adoptar. É só mais uma forma de encontrar uma família para crianças que de outra forma nunca a teriam.

 

A julgar por algumas coisas que li, terá sido isto que aconteceu com o Carlos, a criança da reportagem da TVI de que falei no post de há três dias e que foi devolvida, li em mais que um sitio comentários de uma ou várias pessoas que diziam que o casal conhecia a criança desde antes.

 

Apesar de ter passado por dois processos de adopção e de em ambos ter estado bastante tempo à espera, não consigo ser contra este tipo de procedimentos, se há coisa que sempre critiquei é a inércia que existe em muitos dos centros de acolhimento, inércia que no fim se traduz em que as crianças passem a vida institucionalizadas sem que ninguém perceba porquê. É de louvar quando as instituições se preocupam e tentam encontrar uma solução mesmo para aquelas crianças que a própria segurança social já abandonou à sua sorte.

 

É claro que este tipo de situações leva a que as crianças sejam entregues a pessoas que nem sempre foram avaliadas convenientemente, e nem sempre a suposta boa vontade é suficiente para quebrar barreiras. Muita gente vai para a adopção acreditando que está a ajudar as pobres criancinhas e esquecem-se que estas são seres humanos que muitas vezes já passaram por coisas terríveis e quando se deparam com crianças que tem vontade e vida própria não fazem a menor ideia de como enfrentar a situação.

 

Adoptar não é ajudar uma criancinha abandonada, adoptar é ter um filho, com todas as alegrias e tristezas que tem qualquer outro filho e alguns desafios extra com os que vamos aprendendo a viver todos os dias. Adoptar não pode nem deve ser uma questão de bom coração e boa vontade, adoptar não é um acto de caridade, quem adopta tem que começar por entender uma coisa, não há filhos biológicos e adoptivos, só há filhos.

 

Este post saiu um pouco ao lado do que era a minha ideia incial... mas pronto, é o que há.

 

Jorge Soares

publicado às 22:07


10 comentários

Imagem de perfil

De sentaqui a 18.01.2012 às 23:04

E o que há foi muito bom e esclarecedor.
Nesta tua cruzada para que as pessoas compreendam que um filho adoptivo é para ser tratado como se fosse biológico, eu espero sinceramente que as tuas palavras tenham eco e se acabe de uma vez por todas com as devoluções e outras atitudes que só aumentam o sofrimento de tantas crianças.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 22.01.2012 às 23:33

Olá

Oxalá que sim... era bom que nenhuma criança tivesse de passar por isto

Jorge
Imagem de perfil

De efoi a 19.01.2012 às 09:59

Tenho seguido com alguma atenção este assunto nos últimos dias aqui no teu blog
Queria apenas agradecer-te Jorge, pois são pessoas como tu, que conseguem de alguma forma mobilizar as ideias e preconceitos instalados.
A tua razão é muito justa e só peca por pela falta de mediatismo, outros assuntos existem com reduzida importância que se os aqui expusesses terias dezenas de comentários.
Um abraço
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 22.01.2012 às 23:34

Olá

Obrigado pelas visitas e pela simpatia... era bom que estes posts fossem destacados.. mas a verdade é que nunca são... mesmo assim eu tenho esperança que as pessoas cá venham parar e que pouco a pouco vão interiorizando... desistir é que não pode ser.

Boa semana
Jorge
Imagem de perfil

De golimix a 20.01.2012 às 08:32

Pois é! Muitas pessoas esquecem do verdadeiro significado da adoção, que tão bem focaste, aqui no "teu jantar"!
Só existe uma palavra, FILHO.
Quanto a estas tropelias da segurança social, e até de algumas instituições, ainda não consegui entender algumas conexões neurónicas que eles estabelecem...
Quem paga são os filhos à espera de pais, e os pais que desejam um filho.
Boa sexta, isto já a pensar que vem aí o fim de semana :)
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 22.01.2012 às 23:35

Quem paga são sempre as crianças, disso não há dúvida...

Boa semana para ti e os teus

Jorge
Sem imagem de perfil

De Joana a 22.01.2012 às 00:34

Nos estamos em lista de espera, e por isso nao sei ainda dizer o que e a adopção. Nao percebo estes processos que me parecem kafkianos. Continuo a achar, embora sem grande conhecimento de causa, que a adopção e mal gerida e mal pensada, como muitas outras coisas em Portugal. Mas, posso confessar, nunca pensamos em adopção para ajudar crianças abandonadas, embora me agrade pensar que posso dar a uma criança uma vid feliz. Sempre senti a adopção em mim como uma vontade algo egoísta, e egocêntrica. Mas quando confesso isto costumam dizer que sou doida. Até ver, quando puder ter um filho por quem espero!
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 22.01.2012 às 23:36

É bom saber que há mais pessoas que pensam como eu.

Desejo a melhor sorte do mundo para o vosso processo, que seja rápido e feliz.

Jorge
Sem imagem de perfil

De Joana a 23.01.2012 às 09:57

Obrigado Jorge :) Até lá vou aprendendo com os teus post e reflexões!
Sem imagem de perfil

De carlos a 26.01.2012 às 13:12

Pois é a Seg Soc nunca encontra candidatos para crianças mais velhas e eu sei bem disso, 4 anos como
candidato a adotante com critérioas alargados e ainda continuo a espera

Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D