Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Tem Fome?, vá-se queixar ao primeiro ministro

por Jorge Soares, em 29.02.12

Tem fome?, queixe-se ao passos Coelho

Imagem de aqui

 

A resposta acima foi dada pelo pessoal de um hospital de Lisboa aos familiares de uma idosa que deu entrada nas urgências e que devido ao seu estado de saúde teve que ficar internada nessa urgência.

 

As indicações são que não há dinheiro, logo, quem fica internado nessas urgência, mesmo que seja por dois ou três dias, não tem direito a nenhum tipo de alimentação. A idosa em questão ia acompanhada por familiares que evidentemente trataram de comprar alimentos, mas fico a pensar naquelas pessoas que por algum motivo vão parar a este hospital sem o conhecimento da família, ou naqueles casos em que nem o doente nem a família tem poses para comprar alimentação e levar para o hospital... são deixadas a passar fome até que morram e desocupem a maca?

 

E a resposta foi mesmo essa: não, aqui nas urgências não há comida para os doentes, pode ir queixar-se ao Passos Coelho.

 

Jorge Soares

publicado às 00:04


118 comentários

Imagem de perfil

De sentaqui a 29.02.2012 às 00:08

Só tenho uma palavra: CHOCANTE
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.02.2012 às 22:09

Uma realidade chocante... estas coisas são dificeis de engolir.

Jorge
Imagem de perfil

De naterradosplatanos a 29.02.2012 às 23:18

Jorge, desculpa lá, mas eu NÃO ACREDITO que alguem que ficasse nos cuidados intensivos não lhe dessem de comer!! para acreditar TINHA QUE VER!
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.02.2012 às 23:32

Não é nos cuidados intensivos, é internada nas urgências. Evidentemente que quando as pessoas passam para o internamento hospitalar são alimentadas, isto passou-se nas urgências.

Jorge
Sem imagem de perfil

De Maria a 01.03.2012 às 09:51

Não entendo o que é internamento nas urgências! ou está nas urgências para ser atendido ou passa a internado, para SO ou um piso e aí duvido que não deêm comer a quem está internado.
Agora que digam que não dão comer enquanto se está á espera para ser atendido, isso sim!
Sem imagem de perfil

De CF a 01.03.2012 às 10:58

Internamento nas urgências significa que não tem cama nas enfermarias destinadas ao efeito e portanto fica numa maca, à espera de cama... a semana passada deixei a minha mãe "internada nas urgências" e foi lá que a fui ver no dia seguinte. Esclarecida?
Sem imagem de perfil

De Maria Também a 01.03.2012 às 11:15

Maria, só quero dar-lhe esta resposta, porque a Srª fez uma afirmação, que era bom que fosse verdadeira , mas infelizmente não é. Não é a sua opinião que estou a comentar, nem se acredito ou não, que tenham dado essa resposta
É só um pequeno pormenor: Há os que estão nas urgências para serem atendidos, há os que são internados no SO ou num piso qualquer, e há os que depois de serem atendidos nas urgências, ficam ali no corredor, porque NÃO TÊEM VAGA NO S.O. OU NO PISO QUALQUER, E ALI MORREM, como foi o caso do meu pai e de tantos outros.
Eu também já estive 2 dias nessa situação: atendida nas urgências, ter de ficar internada, e não ter vaga na enfermaria, no S.O. nem noutro piso qualquer. Não morri porque não era para morrer; só estava com as costelas partidas,e com traumatismo craniano. O meu pai estava pior, tinha dificuldade respiratória. Não falo sobre comida, porque não sei. O meu pai não podia comer, nem sequer podia respirar, e eu com as dores que tinha, pensava em tudo menos em comida.
Esta minha resposta á Srª, é apenas para a informar que existe esta terceira situação: À ESPERA DE CAMA, uma situação que quem sai a ganhar dela geralmente são as agências funerárias.
Sem imagem de perfil

De Maria a 01.03.2012 às 16:18

O seu caso foi muito mais de lamentar do que a falta de refeição. Não há justificação para se ficar esquecido dessa forma.
Daquilo que já passei ( e não foi pouco) nunca tal aconteceu, o meu marido, o meu cunhado e o meu pai das vezes que ficaram internados no HSM nunca ficaram no corredor nem ao abandono, daí eu desconhecer o que é internamento nas urgências, daí o meu comentário.
Sem imagem de perfil

De maria cecilia brito a 01.03.2012 às 16:05

concordo plenamente com a Maria .
uma coisa é ir ao serviço de urgência e aí acredito que não sirvam refeições - outra coisa é estar internado no SO ....não acredito. estive internada recentemente num H. publico mais ou menos 5 h, no So e, deram-me comida
Imagem de perfil

De parlatorio a 01.03.2012 às 19:11

Só que esse tempo de espera pode durar horas e até de um dia para o outro.E os diabéticos que podem ter uma hipoglicémia por falta de alguma refeição?
Sem imagem de perfil

De georgina a 01.03.2012 às 22:07

boa noite
eu nao conheço a realidade dos hospitais em lisboa, mas nao acredito que estando em so nao lhe dessem uma sopa e fruta eu trabalho numa urgencia e damos alimentaçao aos doentes internados e aos que no proprio dia chegam mas dependa da hora pois tem que s pedir via online ate ao 12.30 a partir daqui nao se consegue pedir nada e depois tem o problema do diabetico ele sempre foi e nas consultas ensinam que tem que trazer algo para comer uma agua e como levar filhos pequenos ao medico temos que ter sempre alimentaçao uma bolacha um iogurte que me digam que isto esta mau sim mas os doentes assim que chegam a urgencia pedem logo comer elesvao ao medico para se tratar ou porque la dao comida
Sem imagem de perfil

De mhel a 01.03.2012 às 12:18

concordo... o "senhor" enfermeiro é que deve ser uma autêntica besta e deu essa resposta.
já agora aproveito e .... "senhores e senhoras" enfermeiras, andam descontentes com o que andam a perder e com o trabalho a mais? não joguem a culpa nos doentes, não os tratem mal, não os tratem aos gritos, mais a mais quando são doentes em fase terminal. estão mal? há tanto enfermeiro em início de carreira que estão ansiosos por trabalhar e dar todo o carinho possível... falo por experiência própria. a mim pediram-me garrafas de água, coisa que não era preciso fazer porque água engarrafada levava eu sempre para o meu familiar.
Sem imagem de perfil

De sigsegv a 01.03.2012 às 14:08

Ora aqui está finalmente um comentário acertado.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.03.2012 às 13:16

Nâo acredita? Vá à urgência do hospital de V. N Famalicão, peça um copo de água e espere pela resposta. Pela água não espere pois não a dão! É preciso passar por elas para ver como infelizmente vai este país e alguns bastardos insensíveis e mal educados que não têm categoria nem educação para trabalhar em semelhantes sítios , pois as qualificações são para lidar com bichos, desconhecendo as boas práticas no ser humano!
Sem imagem de perfil

De A.MARTINS a 01.03.2012 às 14:25

é verdade, já sucedeu com um familiar e no Porto.
Estes senhores que estavam emigrados, vão nos matar à fome ou à doença, pois nem medicamentos nos vão fornecer.
cumpts
Sem imagem de perfil

De catia a 01.03.2012 às 00:11

Não há palavras para descrever este artigo é incrivelmente muito chocante. Cada vez mais o nosso pais esta entrar numa degradação muito grande.
Sem imagem de perfil

De jk a 01.03.2012 às 11:14

Pais desgraçado, gente de nada que deixa que os supostos democratas lhe roam os ossos até ao tutano.
Politicos desgraçados, presidente aguado, que quando era primeiro ministro, entregou o que tinhamos ao manifesto e agora diz-nos para nos virarmos para o mar e para a agricultura. Acho que estou a ficar demente.
Sem imagem de perfil

De Nina a 01.03.2012 às 16:51

amigos, nunca houve comida nas urgências para ninguém, e isto não tem nada a ver com o Passos Coelho. Mas para tudo há um bom senso e um código de ética. quem acredita que aquela senhora ia ficar três dias sem comer é parvo. se os funcionários publicods desse hospital respondem asim aos familiares ou deixariam a senhora à fome, é processo disciplinar já. Esta gente da saúde habituados a fazerem o que querem porque têm o poder de se movimentar num hospital, tem de ser metida na linha rapidamente.
Imagem de perfil

De Sofia a 29.02.2012 às 00:11

Já passou o Carnaval não já?? É que isto parece mesmo uma brincadeira e de muito mau gosto!
Não posso crer que isto esteja a acontecer...
Até quando?!
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.02.2012 às 22:09

Até quando?... olha que eu acho que ou nos pomos a pau.. ou isto é mesmo para sempre.

Jorge
Sem imagem de perfil

De Isabel a 18.06.2012 às 02:19

Jorge, espero que não seja para sempre e de preferência que não fique pior.
Acabei recentemente de lêr o 1984 de George orwel e fiquei tão mal disposta ao pensar que um dia a sociedade chega a tal estado de degradação e controle, que não seremos mais do que marionetas sem sentimentos completamente comandadas por tiranos.
Precisamos de ser cidadãos muito activos mesmo, para que coisas assim não aconteçam mais.
Abraço para todos*
Sem imagem de perfil

De Susana Carvalho a 29.02.2012 às 00:39

Cada vez pagamos mais para ter menos neste país.
É inconcebível a ideia de que uma pessoa não tenha direito a refeições se for internada num hospital. E pelo andar das coisas, nem medicamentos!
Quando é para pagar ao Estado, tem de ser rápido e às vezes com ameaças. Quando se trata dos nossos direitos, o Estado caga nas pessoas e é mau pagador.
Isto mete-me nojo!!!!!!!!
Sem imagem de perfil

De Sandra Cunha a 29.02.2012 às 01:32

Não confundir Estado com Governo. É que o Estado não é uma qualquer entidade separada de nós. O Estado somos todos nós: os contribuintes. O Governo é que se está a cagar para as pessoas. Não é o Estado.

Sem imagem de perfil

De Susana Carvalho a 29.02.2012 às 02:37

O problema é que não são os contribuintes a decidir o que se faz com o dinheiro dos cofres do Estado.
Isto é só piranhas...
Sem imagem de perfil

De Sandra Cunha a 29.02.2012 às 02:45

Bem, os contribuintes ao escolherem quem vai para o Governo gerir esses dinheiros têm algum poder de decisão (muito, no meu entender).

É uma questão de se informarem sobre como vão ser geridos esses dinheiros e o que cada partido candidato se propõe fazer com ele. Depois é compararem e escolherem aquele que melhor representa as suas convicções.

Esse é um dos problemas deste país. É os contribuintes ainda não terem percebido que a escolha é sua e que o Governo e os Ministros e Secretários de Estado, etc, são apenas seus empregados. E quem escolhe os seus empregados é o patrão. Neste caso, o contribuinte.
Sem imagem de perfil

De pássaro viajeiro a 29.02.2012 às 16:58


Sandra:
Parece esquecer um pormenor.
Pequenino mas que faz toda a diferença.
Admitindo que sim, que era possível antes de decidir em quem votar, perguntar aos candidatos onde iam gastar o nosso dinheiro após eleitos; supondo que sim, que eles davam a informação, … o que os obrigava depois de eleitos a cumprirem a sua palavra?
Conhece, conheceu ou espera conhecer alguma vez, um político cumpridor das suas promessas?
Mas, claro, ir pedir explicações ao governo sobre o nosso dinheiro, onde está, para onde foi e sobretudo, que destino lhe pensam dar, é assunto que ninguém é tão maluquinho para o equacionar sequer, quanto mais levá-lo à prática.
Olhe; humor! É isso! É uma mulher com um sentido de humor muito bonito e saiu-se com esta, assim como eu me saí com a minha.
Tem razão, Sandra; ao menos vamos rindo que se formos mesmo a pensar na coisa a sério morremos todos afogados em lágrimas.
Sem imagem de perfil

De Sandra Cunha a 29.02.2012 às 17:26

Leu o Programa do PSD e do CDS? Eu li. Por isso é que falo. Por isso é que me 'deu para aqui'.

Estão lá as privatizações, as PPP, a liberalização dos despedimentos, a redução do custo do trabalho. Está lá tudo. Mesmo durante a campanha, Passos Coelho e já agora, Paulo Portas também, não se escusaram a informar claramente qual seria o seu caminho e quais seriam as suas escolhas. A escolha seria a Troika, o caminho a submissão à austeridade.

Não é preciso ir-lhes perguntar. Para isso é que existem campanhas eleitorais. As pessoas é que andam distraídas ou acham que isso da política não lhes diz respeito. Futebol ou telenovelas é que estão a dar. Não quer dizer que os candidatos não mintam. Com efeito, Passos Coelho foi exímio nisso, mas também foi dizendo muita verdade pelo meio, justiça lhe seja feita.

As escolhas informadas fazem-se ouvindo com ouvidos de gente, lendo, comparando, usando espírito crítico, reflectindo e claro, votando. Coisa que mais de 50% dos eleitores Portugueses nem se dá ao trabalho. Passa-se toda a infância e adolescência em «guerra aberta» com os pais porque se quer ter poder de decisão e se quer ser senhor do próprio destino. E depois, quando finalmente se podem tomar as decisões que mais influenciam e determinam a nossa vida, desiste-se.

PS: Efectivamente, tenho de lhe dar razão. Ainda não conheci políticos que mantivessem a sua palavra, se bem que uns aproximaram-se mais do que outros. Contudo, devo dizer, em defesa dos políticos, que não tive ainda oportunidade de os comparar a todos. Até agora só vivi com PS e PSD-CDS no governo...
Sem imagem de perfil

De Delfim a 01.03.2012 às 09:06

Éxcelente comentário Sandra. É precisamente isso que se passa com o nosso povo e que os políticos desses 3 partidos mencionados sabem muito bem e do qual tiram proveito. A maioria dos portugueses não lê e não tem espirito crítico.
Sem imagem de perfil

De Susana Carvalho a 29.02.2012 às 18:42

Mas eu não votei em nenhum dos que está no Governo! Juro que não! Nunca mais voto nos suspeitos do costume. Finito!
Sem imagem de perfil

De pássaro viajeiro a 29.02.2012 às 19:00

Então votou em quem?
Ou também foi das que ficou sentadinha a curtir o bem bom? :)

Então é assim; para a Susana e para a Sandra, e para quem eventualmente estiver interessado em saber.

Não há sinceridade maior no mundo do que a do político quando mente. Se se conseguir fingir-se tê-la, o poder está assegurado.

Mas também não se pode criar-lhes muita raiva, porque embora acreditem ou não, é a profissão de político; (eles dizem vocação mas eu acho que é mesmo profissão), é, portanto, essa sublime profissão de político a mais incerta, perigosa, verdadeiramente terrificante quanto ao futuro diz respeito.
O político no fim da sua carreira enfrenta com as mesmas probabilidades, dependendo do político que estiver nesse momento no governo, tanto uma estátua de mérito como um pelotão de fuzilamento.

Eheh...
Sem imagem de perfil

De Susana Carvalho a 29.02.2012 às 20:46

Pois, a tentar adivinhar, era mais provável dizer que seria das que fiquei sentada em vez de votar, mas eu votei. Só que ao contrário das ovelhas que votam nos partidos do costume, eu votei num naqueles partidos que nunca chega a ter assento parlamentar.
Já vi como é ver Portugal governado pelos partidos do costume e eu tomei a decisão de votar diferente. Vi alguns debates, li alguma coisas e tentei fazer um voto consciente, e votar naquilo que eu já sei que não funciona é ser inconsciente.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.02.2012 às 22:14

Pois Susana, o problema é que em lugar de cada vez sermos mais, aprece que somos é menos, porque entre os que nem lá põe os pés e os que votam pela cor da camisola como se de um clube de futebol se tratasse, eles chegam quase aos 90%...

Jorge
Sem imagem de perfil

De Susana Carvalho a 29.02.2012 às 23:33

Eu sei Jorge... as coisas são mesmo assim.
O meu voto é basicamente lutar contra a maré, mas tem de ser.
Eu quero que as coisas mudem...
Sem imagem de perfil

De Maria a 01.03.2012 às 10:29

Eu já tomei uma decisão! não volto a levantar o meu rabinho do sofá para ir votar, assim não corro o risco de me acusarem da situação do país.
É fácil acusar o povo por terem votado neste governo ... a vontade manifestada na mudança foi grande, mas agora ninguém votou neles ...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.03.2012 às 12:25

O problema é que eles para irem para o governo mentem, e depois quando lá estão fazem tudo ao contrario. enquanto não forem responsabilizados criminalmente pelo que apregoam e depois não cumprem isto continua sempre a mesma brincadeira. Quanto ao não terem dinheiro nos hospitais ate da vontade de chorar.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.03.2012 às 13:24

Lindo de morrer! Então os politicos são nossos empregados?! Quando posso chamar o motorista do meu empregado ( entenda-se um qualquer ministro) para levar a minha mãe ao hospital, pois oss bombeiros não t~em gota de gasóleo no depósito, ou para que o filho não nasça numa estrada , o Falcon dos meus empregados?! Quando votamos, neste país, é na gravata do tipo x que foi bem vestido e fala bem ( os jornalistas que expliquem) . A tropa que o gajo escolhe para ministro e secretário de Estado, não a apresenta antes e por isso leva para lá os tipos a quem deve favores e andaram com ele ao colo! Nas próximas só voto se o candidato apresentar todos os artistas e não apenas o argumento, cujo guião vai variando, conforme a circuntância e o oportunismo! Sorriso de Relvas e caviar do Bloco de Esquerda está Portugal cheio!
Sem imagem de perfil

De Sandra Cunha a 01.03.2012 às 13:55

Portugal está cheio é de gente que só sabe repetir frases feitas mas não sabe mexer uma palha para lutar por aquilo que considera considera correcto.

Portugal está cheio é de gente que não consegue entender que sim, os políticos são nossos empregados e só estão no poder porque nós os colocamos no poder (indo votar ou abstendo-se e deixando que os outros escolham por si). Não se trata de chamar um motorista. O Governo é contratado pelos Portugueses para gerir o País e representar os nossos interesses. Se contratamos um contabilista para nos fazer as contas não podemos querer que também nos limpe a casa ou leve os miúdos à escola.

Portugal está cheio é de gente que não entende a democracia. Portugal está cheio é de gente que se finge de morto enquanto dura a batalha e deixa os companheiros a lutar sozinhos. Portugal está cheio é de gente que se mantém na sombra enquanto os outro dão a cara mas depois recolhem os louros ou os benefícios das lutas.

Se nenhum partido nos representa, temos bom remédio. Arregaçar mangas e ir ao trabalho, apresentar um programa com as nossas ideias, um grupo de pessoas para as por em prática e concorrer. É a vantagem de vivermos em democracia.

Mas Portugal está cheio é de gente cheia de palavras e vazia de acções.
Imagem de perfil

De margarydas a 01.03.2012 às 15:28

Concordo consigo, e acho que pela maneira que escreve é uma daquelas pessoas que teria sucesso na politica, proponho aqui a formação de um novo partido, com pessoas que não tenham ligações a qualquer sociedade secreta, nem que tenham se de poder, mas que governem o dinheiro do Estado da melhor maneira possivel, para que possamos ter um Estado Democratico, para todos e de todos.
Sem imagem de perfil

De Sandra Cunha a 01.03.2012 às 15:51

Mas eu já estou nessa luta. E o sucesso que almejo é um país melhor, um futuro, pelo menos algum futuro (!!) para a minha filha e para as novas gerações que vão ter uma vida muito pior que a nossa e que recebem, sem culpa nenhuma a herança das nossas escolhas (ou da falta delas) e da nossa apatia.

Já agora, gostava que todo o sofrimento pelo qual passaram as gerações anteriores à minha para que eu até hoje vivesse uma vida com alguma dignidade não tivesse sido em vão.

E mesmo para quem não se quer envolver tão activamente, há coisas a fazer. Como escolher o que querem para a sua vida e para a dos seus filhos. Não deixar que outros escolham por si. Ter opinião e votar. Ir para a rua, participar, revoltar-se. Estarem 200 ou 300 mil pessoas na rua é muito diferente de estarem 1 ou 2 milhões.

E não fazer como diz a cantiga:
"- Agora não, que me dói a barriga...
-Agora não, dizem que vai chover...
-Agora não, que joga o Benfica...
e eu tenho mais que fazer...

Vão sem mim, que eu vou lá ter..."



Imagem de perfil

De parlatorio a 01.03.2012 às 19:24

Digam onde é que eu já estou caminhando.E estou cheia de vontade porque já estou farta de tanta inércia.Digam-me por favor onde vamos reunir 1 ou 2 milhões que eu lá estarei.
Sem imagem de perfil

De "Mãos desesperadas" a 01.03.2012 às 19:55

Contem comigo, que eu também lá estarei, pronto para o que der e vier, até para mais do que isso!!!
Sem imagem de perfil

De "Mãos desesperadas" a 01.03.2012 às 19:51

Muito bem Sandra Cunha!!! Parabéns pelo belo comentário cheio de verdades, bem verdadeiras...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.03.2012 às 00:58

Uma resposta acertada. há gente que invoca o estado por qualquer coisa. Nós somos o verdadeiro estado. Somos nós que pagamos tudo. Essa velhinha não pedia nada que não fosse dela. Ela já tinha pago a comida. Foi apenas roubada e humilhada. Só humilham os pobres. Os patifes que dão ordens de qualquer forma sem saberem nada de nada pois não saiem do bem bom, esses pulhas chamo-lhe aparelho de estado. P de quem os cá pôs neste mundo..
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.02.2012 às 22:11

20 Euros de taxas moderadoras logo à entrada ... comida não há, mas pagas à entrada não vá ser que a fome te leve dali antes de seres atendida.

Sem imagem de perfil

De MARIA ANALFABETA a 01.03.2012 às 13:14

isso é tudo mentira, pode haver alguma contenção mas toda a equipa médica tratam bem os utentes.
Os portugueses é que só têm uma lingua muito má




Imagem de perfil

De Kok a 29.02.2012 às 00:46

Jorge, estou tentando encontrar palavras para escrever um comentário ao que descreves no teu texto mas para além de um chorrilho de asneiras e gestos obscenos, nada mais me ocorre.
Fica para a próxima vez; porque de certeza não faltarão ocasiões!

1 abraço!
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.02.2012 às 22:14

A julgar por como vão as coisas...de certeza que não vão faltar ocasiões.... mesmo

Abraço

Jorge
Sem imagem de perfil

De pássaro viajeiro a 29.02.2012 às 01:19






E de que adianta ir alguém esfomeado queixar-se ao PM?
Sim!!! De que adianta!!??? Francamente!
Como se não se soubesse a resposta. Só pode ser uma, ora essa!
Ele vai dizer que é um desgraçadinho, vítima das circunstâncias e que com essa malvada Troika a meter o bedelho nos nossos assuntos ele mal ganha para comer, que isso de ser PM já foi chão que deu uvas e se soubessem a miséria que vai lá por casa dele até iam roubar para lhe dar, que só Deus e ele é que sabiam os sacrifícios que fazia para servir desinteressadamente o povo, que era só mesmo a necessidade premente de salvação nacional que o obrigava a tanto e inglório esforço; que não, não era pelo dinheiro e sim só mesmo por abnegação; que sim, que era mesmo isso e nascido altruísta, altruísta toda a vida.
Isso é malta que sabe-a toda. Aliás o nosso PR já nos cantou a mesma canção do bandido, não foi?
Que só Deus e ele é que sabiam como podia viver com uma pensão miserável, verdadeiro atentado à mais ruinosa pobreza de uma vergonha de uns dez mil euritos e tal.
A solução mesmo é o doente morrer de fome que assim fica tudo na paz do Senhor e todos saem prestigiados.
A Saber:
Doente morre e deixa de chatear a sobrecarregar o Estado com verbas incomportáveis para comida e afins. Vá-se lá saber se o grande malandro não se habituava mal e pedia para repetir a dose de sopa, hem!?
Pronto, este está arrumado e por este lado estamos conversados.
O Hospital preserva a sua honra e proclama orgulhosamente a sua competência que ali, nesse estabelecimento de saúde, há médicos à altura que não deixam morrer ninguém. Que culpa têm eles se os parentes do enfermo são uns cínicos estupores semíticos que só pensam no dinheiro e nem um prato de sopa compraram para o velho e preferiram deixá-lo morrer de fome? Sim! que culpa tem o hospital.
A SIC planta-se lá com a devida antecedência e faz a cobertura da coisa enaltecendo o esforço hospitalar e denegrindo os miseráveis familiares.
Por este lado, tudo resolvido, portanto e não se fala mais nisso que águas passadas não movem moinhos e o tempo é de trabalho e já se perdeu até de mais.
O Governo, esse safa-se brilhando a grande altura.
Ai é? Mas afinal de que estavam à espera? Estava-se mesmo a ver no que isso ia dar. Ah pois é, não ouvem as recomendações do governo, que os tempos são de crise e há que fazerem todos sacrifícios, mas não! Pensam que a mama não acaba, que é só abanar a árvore que ele cai do céu, põem-se a gastar à tripa farra como nababos , sapatos novos para o cachopo, pois então! Viva o luxo de quem pode. Se calhar meias solas não remediava, pois não?
Agora aí estava o resultado, nem uns miseráveis cêntimos para um quarto de broa de Avintes para o infeliz.
A TVI faz a cobertura com pompa e circunstância, voltam a apoiar o Governo e a encarniçarem-se contra os familiares e no dia seguinte o Goucha mostra ao mundo as vantagens do poupar e aconselha a sogra a ter aprendido a lição para lhe servir para a próxima.
Et Voilà...
Sem imagem de perfil

De Sandra Cunha a 29.02.2012 às 01:30

Bem, não acredito que se se desse o caso de alguém ser internado sozinho, não lhe dessem comida. Os hospitais também são feitos de pessoas e até eu que sou tão céptica em relação ás pessoas, tenho a certeza que não deixariam ninguém passar fome...

Quanto à resposta, pois, eu compreendo-a e devo dizer que a tenho dito (já há algum tempo!) de cada vez que me vêem pedir 'esmolas'. Digo que já dei. Dou todos os meses desde há 20 anos. Pago todas as contribuições devidas tanto de impostos como para a Segurança Social. Portanto, eu não posso dar mais. Podem ir pedir à Troika ou ao Sr Passos Coelho. E da próxima vez pensem bem onde poẽm a cruzinha ou então pensem lá mesmo bem se compensa ficar sentadinho em vez de ir cumprir o seu dever e direito de cidadão e se compensa ficar à espera que 'alguém' resolva os seus problemas enquanto ficam na sombra.

Temos pena. Defendo um Estado Social que provenha a todas estas necessidades e todos os dias, sacrifico a minha família, o meu tempo pessoal, a minha profissão, o meu lazer, os meus (outros) compromissos, para lutar por ele. Para que não exista necessidade das pessoas pedirem esmolas. Essa é a minha contribuição. Esmolas não dou. Temos pena.
Sem imagem de perfil

De Sandra Cunha a 29.02.2012 às 01:48

E não percebo muito bem qual é o choque (alguém aqui disse que era chocante). Já há milhares de pessoas a passarem fome. Em Portugal. Há crianças a desmaiarem nas aulas de Educação Física porque não tomaram pequeno almoço e jantaram meio pão na noite anterior. Já faltam medicamentos nos hospitais. Em casa, já há muito que muita gente deixou de ter os medicamentos essenciais à sua vida. Basta falar com um qualquer funcionário de uma qualquer farmácia no país para confirmar isto. A população de sem-abrigo mudou radicalmente nos últimos meses e cresceu. Assustadoramente. De casos de toxicodependência, alcoolismo ou doença mental, passou-se a casos de pessoas que simplesmente já perderam tudo. Emprego, casa, as últimas poupanças...tudo.

Na Grécia, diversas famílias estão a deixar as suas crianças nas creches, infantários, instituições 'esquecendo-se' de as ir buscar, porque já não têm nada para lhes dar. Nem comida, nem tecto, nem segurança. Nada. Em Portugal, começam a surgir alguns casos. Não tardará que aumentem dramaticamente.

Suspeito que muitos dos leitores do Jorge não estejam a passar propriamente por estes cenários e provavelmente, nos seus círculos mais próximos também não terão ainda, felizmente, o contacto com estas situações. Mas não podemos olhar só para o nosso umbigo e pensar que por ainda conseguirmos pagar a casa, andar de carro e até ir à pastelaria para um café e um pastel de nata, toda a gente o conseguirá fazer. Por vezes, estes dramas até acontecem na porta do lado ou no andar de cima. Nós só não sabemos deles. O que não quer dizer que não existam. E cada vez existem mais e mais e mais.

E lá do cimo, continuam a dizer-nos que é preciso continuar a empobrecer. Que só com mais austeridade vamos vencer a austeridade. Que estamos no bom caminho. Que Portugal é um caso de sucesso.

Mas foi isto que os Portugueses escolheram. Devo estar a ficar velha, que os velhos é que se lembram destas coisas, mas não consigo deixar de pensar num ditado que diz assim: "Na cama que farás, nela te deitarás".
Sem imagem de perfil

De Cris a 29.02.2012 às 08:36

Está explicado o pico de mortes em Portugal... É como diz a Susana Cunha, há muita gente que já não tem sequer dinheiro para comer. E, consequentemente, sem dinheiro para se aquecer, porque as nossas casas são frias como um raio (a construção é uma porcaria)!!!! Como pode um organismo assim debilitado combater uma simples gripe? Não há comida para dar ao doente? São sempre os mesmos a encher os bolsos. Mas eu não acredito que seja no boletim de voto que mude o que quer que seja. Eu não votei no energúmeno que lá está agora e também não votei no anterior. Acham verdadeiramente que se fosse outro partido além daqueles que têm ido que não ia acontecer a mesma coisa ou pior? O que está mal é o sistema, a forma como está montado para beneficiar quem anda pelos partidos. O que está mal são os partidos. Nós devíamos poder votar em pessoas, em equipes. E, já agora, uma vez que somos nós a pagar a essa gente toda, que tenham um contrato de 6 meses renovável ou não. Somos ou não somos a entidade patronal desses pulhas????
Sem imagem de perfil

De Cris a 29.02.2012 às 08:37

Pequena correcção: Sandra Cunha (peço desculpa pelo erro).
Sem imagem de perfil

De António Manuel Dias a 29.02.2012 às 19:00

Em respostas curtas, porque o tempo não é muito:

"Acham verdadeiramente que se fosse outro partido além daqueles que têm ido que não ia acontecer a mesma coisa ou pior?"

Se não achasse isso, tinha bom remédio -- fundar um partido. Desde as primeiras eleições em Portugal que temos escolhido três partidos. Podemos dizer, com um elevado grau de certeza, que sabemos como esses funcionam... faltam os outros.

"O que está mal é o sistema, a forma como está montado para beneficiar quem anda pelos partidos. O que está mal são os partidos. Nós devíamos poder votar em pessoas, em equipes."

Votar em pessoas e equipas é o que se faz cada vez que há eleições. Votamos numa lista de pessoas para representar o nosso distrito na AR. Mas tão importante como analisar o carácter das pessoas em quem votamos, para aferir sobre a sua capacidade (e vontade) de cumprir os programas eleitorais, é reflectir sobre as suas ideias, sobre esses programas. Não podemos estar constantemente a votar naqueles que sabemos desonestos nem a defender um modelos de sociedade e votar no oposto.

"Somos ou não somos a entidade patronal desses pulhas????"

Somos! Mas os seus contratos são por quatro anos, a não ser que queiramos mesmo que eles saiam a meio do contrato -- nesse caso temos que vir para a rua, todos, para os forçar à demissão. Este é o sistema em que vivemos. Chama-se "democracia representativa", não é perfeito e dá muito trabalho ao cidadão comum. Se tens uma alternativa melhor, avança.
Sem imagem de perfil

De Cris a 29.02.2012 às 20:28

Não me sinto representada nessa suposta democracia. Tenho uma alternativa melhor e pode ter a certeza que vou lutar por ela.
Sem imagem de perfil

De António Manuel Dias a 29.02.2012 às 23:18

E pode-se saber qual a alternativa? Se for melhor, estou disposto a lutar ao teu lado.
Sem imagem de perfil

De Maria a 29.02.2012 às 15:23

Este meu comentário é quase um não comentário. Não tenho palavras. Não sei que dizer. Nada me sai ...

Imagem de perfil

De nunomontanha a 01.03.2012 às 01:02

O POVO E QUE TEM DE MANDAR MAS NÃO DEIXA ELES FAZER TUDO !
Sem imagem de perfil

De CANA RACHADA a 01.03.2012 às 13:38

É melhor aprender primeiro a ler, depois vai governar o país, de certeza que ficavamos muito bem entregues, gostaria muito de ver toda a ingnorancia aqui posta nestes comentarios a governar sequer a casa quanto mais as finanças de um país.
Alguém morreu de fome nos hospitais, se há pessoas de idade que tiveram alta há anos e a familia não os vai buscar, com seria se estes disparates fossem verdade.
Tirem a limpo essa história, depois comentem mas com verdade.

Comentar post


Pág. 1/7



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D