Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os afectos, o amor, não se compra nem se vende

por Jorge Soares, em 19.03.12

Adopção, os afectos não se compram nem se vendem

Imagem minha do Momentos e Olhares

 

Um ano depois da entrada em vigor do apadrinhamento civil, tida como uma oportunidade de oferecer uma família a crianças que estão em instituições, o debate recomeça. O número de candidatos foi “residual” e o próprio mentor da lei teme que não ter atribuído um subsídio possa ter sido um erro. 

 

Foi em Novembro de 2010 que eu aqui escrevi o seguinte:

 

O apadrinhamento civil nasceu há um ano atrás, ante a impossibilidade de fazer a justiça, a segurança social e o acolhimento funcionar a uma só voz e em prol dos benefícios das crianças, o Estado decidiu tirar um coelho da cartola, uma solução que fica a meio entre o acolhimento familiar e a adopção, que não é nem carne nem peixe e que supostamente deveria funcionar como a solução milagrosa para esvaziar os centros de acolhimento. 

 

Passou um ano e meio e tal como era previsível, não há noticia de uma única criança que tenha saído da tutela do estado por esta via, mas ao contrário do que possa pensar Guilherme de Oliveira, isso não se deve à questão económica, nem a falta de divulgação da medida, deve-se sim a que tal como era de prever, quem quer adoptar quer filhos seus, não os quer partilhar com ninguém e muito menos com famílias que na sua maioria são disfuncionais e problemáticas. Convém recordar que a maioria destas crianças estão nos centros de acolhimento porque foram retiradas, muitas vezes à força, à  família.

 

Mas o que realmente me chocou na noticia do Público, foi o facto de Guilherme de Oliveira acreditar que a questão se poderia resolver se pelo meio se metesse um subsidio. O coração, a vontade de amar, a vontade de criar e educar, não é algo que se possa comprar, ou se tem, ou não se tem.

 

É verdade que não podemos olhar para esta questão desde o ponto de vista da caridade, estamos a falar de crianças, de seres humanos que merecem todo o amor e carinho que se lhes possa dar e isso não se consegue com caridades, mas também não se pode ir para o extremo oposto, a solução não pode ser a compra de afectos... porque os afectos não se compram. Fico horrorizado só de pensar que se passem a  entregar as crianças a pessoas que só as recebem porque com elas vem 300 ou 400 Euros por mês, e que na primeira contrariedade ou na primeira falha do subsidio, as devolvam sem pena nem agravo.

 

Está na altura que Guilherme de Oliveira e o estado reconheçam que esta solução não tem pés nem cabeça, a solução para as quase 10000 crianças institucionalizadas tem que passar em primeiro lugar por uma revisão das leis de protecção de menores, por uma revisão e adequação dos processos, não é admissível que as crianças passem anos e anos no Limbo porque há juízes e/ou centros de acolhimento que não atam nem desatam os seus processos. Em segundo lugar, por uma mudança de mentalidades em toda a sociedade, desde as famílias biológicas aos candidatos à adopção, passando pela segurança social... 

 

Eu tenho dois filhos adoptados e um biológico, nem para o biológico nem para os adoptados precisei de incentivo financeiro, a minha vontade de amar, de ser pai, bastou-me... porque haveria alguém de precisar de um incentivo financeiro para distribuir afectos?

 

Jorge Soares

 

 

publicado às 21:18


6 comentários

Sem imagem de perfil

De lagoa_azul a 19.03.2012 às 22:45


Olá Jorge

Vou ironizar, daqui a nada andam a debater as tabelas de subsídios sem terem a noção do que realmente é importante.

Para qualquer criança é traumatizante gerir a perda da família de referência (mãe ou pai), gerir o abandono é ainda mais complicado, às vezes demora uma vida inteira.

Um abraço e parabéns aos teus filhos pelo pai extremoso que têm.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 22.03.2012 às 00:03

É precisamente o que iria acontecer, iriam discutir tudo menos o que importa, que é o bem estar das crianças...

Obrigado pela tua simpatia

Jorge
Sem imagem de perfil

De Joana a 20.03.2012 às 13:45

Quando li a noticia no publico lembrei-me logo desse teu post antigo. O que me faz mais confusão e que ninguém pense nessa revisão que tu falar, e numa resolução do problema das crianças institucionalizadas. Nao quero menosprezar as tuas ideias, mas serás a única pessoa a reconhecer esta necessidade??? Bjs
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 22.03.2012 às 00:05

Olá Joana

Não, de certeza que não sou a única pessoa a pensar assim... o problema é que aquilo que eu penso,.. por muito que possa ter razão..e ou tenho razão ou sou bruxo, já que há ano e meio eu disse que isto não ia dar em nada e a verdade é que não deu... o que interessa é o que pensa quem está no poder..e esses, não querem saber das crianças, só dos números.

jorge
Imagem de perfil

De golimix a 21.03.2012 às 14:01

Já tinha passado por aqui e li este teu artigo, mas para variar a correr.... é mesmo sina!
A notícia no publico deixou-me de cabeça à banda.
Como se pode pensar em "incentivos financeiros"? Então não se vê os riscos que as crianças podem correr?
Não se vê que poderá porventura alguém estar interessado no dinheirito e não no bem estar da criança?!?
Não me parece que existam meios caminhos e sempre achei um pouco, digamos que, estranha este apadrinhamento civil. Tenho algumas reservas quanto à estabilidade emocional que seria proporcionada a crianças que tanto precisam dela.

Jorge não é de mais dizer-te o quanto de admiro pela forma como conduzes estes assuntos! Obrigada pela maneira como o fazes é de facto dignificante ler.

Bj, Maria
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 22.03.2012 às 00:07

Não me aprece que para além do Guilherme de Oliveira, mais alguém acredite que o dinheiro seria a solução.... e o que eu penso do Guilherme de Oliveira.... bom, é melhor estar calado, que de vez em quando passam por aqui criancinhas....

Infelizmente este assunto é sempre tratado pelas ramas pela comunicação social, os jornalistas não sabem ou não querem saber..e limitam-se a repetir sempre o mesmo.. eu tento fazer a diferença ...

Obrigado pela tua simpatia
Jorge

Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D