Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Foi a Sónia que através do Facebook me chamou a atenção para este vídeo, é uma reportagem da SIC sobre uma visita de crianças institucionalizadas a um quartel de Bombeiros na Guarda.


Para além de que uma vez mais a SIC se esqueceu que existe uma lei que protege as crianças institucionalizadas e que portanto não deveria nunca mostrar as crianças de forma a que estas fossem identificáveis, há uma parte em que a Jornalista nos conta como por puro acaso, se reencontraram irmãos que já não se viam há mais de um ano.


Ou seja, a mesma Segurança Social que é tão renitente em separar irmãos para adopção de modo a que estes não percam o contacto entre si, e há crianças que graças a esta renitência nunca são adoptadas, permite que irmãos que estão em instituições diferentes, se calhar a poucos quilómetros umas das outras, passem anos sem se verem...


Alguém me explica qual é a lógica disto?...Será que não havendo forma de colocar todas as crianças na mesma instituição, não haverá forma de garantir o contacto regular entre elas?


Como é possível que estas coisas aconteçam e que seja necessário um caso fortuito destes para que os irmãos se reencontrem após mais de um ano sem se verem?





Já agora, quem permitiu que as crianças fossem filmadas desta forma, será que os tribunais que as encaminharam para as instituições e que são os responsáveis legais foram consultados?


Jorge Soares

publicado às 23:01


2 comentários

Sem imagem de perfil

De lagoa_azul a 21.05.2012 às 10:59

Bom dia Jorge

Sobre os aspetos legais das crianças institucionalizadas, assumo que não domino a legislação para emitir opinião.

Mas a avaliar pela peça em que ao minuto 3:46 uma senhora manda um “coice “ a uma criança, está tudo explicado como são tratadas as crianças e os direitos das crianças institucionalizadas.


Sem imagem de perfil

De Mini_Saia a 22.05.2012 às 23:34

Também vi a reportagem. Acho indecente dois irmãos ficarem mais de um ano sem se verem. As instituições devem ter o cuidado de não os separarem, pois tal aberração não faz qualquer sentido.

Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D