Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Conto, Fado de Coimbra

por Jorge Soares, em 08.09.12
Rosa branca

Imagem minha do Momentos e Olhares


Rosália tinha dezoito anos quando foi violada. Andava a apanhar lenha para casa num pinhal perto de Coimbra, quando um resineiro a agarrou. Mesmo que gritasse, de nada serviria, no ermo onde andava. Nunca contou a ninguém; guardou a mágoa para si.


Fernanda, filha de Rosália, tinha vinte anos quando foi violada. Era camareira num hotel de Coimbra; o patrão encurralou-a num dos quartos do terceiro andar, ameaçando-a de morte se gritasse. Não fez queixa dele, com receio da exposição pública. Guardou a revolta para si.


Vanessa, filha de Fernanda, tinha vinte e um anos quando foi violada. Era estudante universitária em Coimbra; foi atacada por um colega do mesmo curso, ao anoitecer, e obrigada a entrar numa casa em obras sob a ameaça de uma faca. Não teve oportunidade de denunciar o atacante porque ele cortou-lhe a garganta no estertor final da violação.


O acontecimento comoveu toda a cidade e milhares de pessoas acompanharam a rapariga à última morada. Há muito que não se via tão deslumbrante mar de lenços brancos a acenar. Na hora da despedida, Coimbra tem sempre mais encanto.


Joaquim


Retirado de Samizdat

publicado às 21:49


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Luis C a 09.09.2012 às 11:35

De facto existem pessoas sem nível, que por politiquices , ressabiagem, inveja, falta do que fazer, desdém, falta de informação, crítica destrutiva ou apenas movida por um sentimento de ignorância e ódio, falam mal de cidades. Mas ainda bem que os crimes que mencionou só acontecem em Coimbra, significa que no resto do país é só paz, amor e tranquilidade.
Enfim, se a burice pagasse imposto, há muito que o país tinha saído da crise.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 09.09.2012 às 22:51

Não fui eu que escrevi.. mas sinto-me na obrigação de esclarecer, o texto é um conto, não tem a ver com a cidade em si e sim com a violência sobre as mulheres que é recorrente no nosso país, tem a ver com a forma como nós como sociedade olhamos para o tema e para a forma como tantas vezes fechamos os olhos à existência destas coisas.

Jorge Soares
Sem imagem de perfil

De Luisa a 09.09.2012 às 11:58

Tão romântico este texto ...até me deu vontade de chorar!
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 09.09.2012 às 22:52

É mesmo, um texto que nos deveria deixar a reflectir.

Jorge
Imagem de perfil

De Kok a 10.09.2012 às 12:32

Quando os valores sociais deixam de ter valor sendo atropelados indiscriminadamente e cada vez com mais intensidade, é indício de uma sociedade doente que vai perdendo o "norte" em meandros de injustiças, de obscuridades, de deseducação, onde a brutalidade ganha forma e formas cada vez mais violentas. Sejam elas físicas ou psíquicas!
E é neste meio que o medo se instala ao ponto das vítimas decidirem calar em vez de gritar. Também porque a regra é menos de apoio a quem sofre do que a quem faz sofrer!
Só assim se entende que nem uma, nem outra, tenham denunciado a violação. E o fim sendo trágico não é propriamente surpreendente!


1 abraço!

Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D