Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Homem morre atropelado pelo metro enquanto as pessoas veem

 

Encontrei a noticia no El País, numa estação de metro de Nova Iorque após uma discussão com outra pessoa, Ki Suk Han um homem de 58 anos, foi empurrado para as vias do metro. levantou-se e tentou voltar a subir para a plataforma mas não o conseguiu fazer antes que o comboio chegasse e foi esmagado, vindo a morrer pouco tempo depois num hospital ali perto.


Tudo isto aconteceu na presença de um fotógrafo profissional que tirou várias fotografias e de várias outras pessoas. Houve inclusivamente quem tenha gravado a discussão com quem o empurrou, mas nas várias imagens publicadas no New York Times apesar de que se podem observar várias pessoas na plataforma, ninguém se acercou para tentar ajudar o homem a subir.


O fotógrafo Umar Abassi, que teve tempo para apontar a máquina e tirar várias fotografias, alega que tentou utilizar o flash para chamar a atenção do maquinista.

 

Há quem questione o Jornal por publicar as imagens, mas para mim a maior questão é, como é que chegamos a uma situação em que várias pessoas foram testemunhas da discussão, do empurrão para a linha e da tentativa do homem para salvar a sua vida e ninguém se acerca a ajudar?

 

Que tipo de sociedade é esta em que as pessoas se dão ao trabalho de gravar uma discussão entre dois adultos mas não são capazes de se mexerem para tentar salvar uma vida humana?

 

Como é que chegamos a um ponto em que a prioridade é tirar fotografias e não correr para salvar quem sabemos que vai morrer?

 

Que futuro existe para uma sociedade e uma raça humana que não está para se chatear ou simplesmente nãos abe definir prioridades?

 

Jorge Soares

publicado às 21:08


8 comentários

Sem imagem de perfil

De Susana Carvalho a 05.12.2012 às 23:24

Caraças, tinha bastado dar a mão ao homem e isso teria feito toda a diferença... as pessoas perderam coração e humanidade...
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 06.12.2012 às 22:50

Pois, é mesmo isso, bastava dar a mão ao homem..e ninguém o fez.

Jorge
Imagem de perfil

De poetazarolho a 05.12.2012 às 23:47

“Povo que se segue”

O povo vai acordar
Quanto já tiver morrido
Estado está a asfixiar
O que mexe, sem prurido

Que o pior não passou
E está longe de passar
São muitos os que matou
E mais que há-de matar

Nesta louca correria
Ao bolso do contribuinte
Leva mais do que devia

Torna tudo em pedinte
Povo morto por asfixia
Que venha o povo seguinte.
Imagem de perfil

De golimix a 06.12.2012 às 18:06

Já não é a primeira vez que acontecem estas situações em que a fotografia se interpõe ao valor moral.
O futuro?
Quando vejo situações destas acho que não se vislumbra muito auspicioso. Já dizia Einstein "Existem apenas duas coisas infinitas - o Universo e a estupidez humana. E não tenho tanta certeza quanto ao Universo."
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 06.12.2012 às 22:51

Não é só a fotografia.. porque havia mais gente por lá..e como já disse alguém, bastava dar a mão ao homem... e ninguém o fez.

Jorge
Imagem de perfil

De golimix a 07.12.2012 às 09:36

Do que li na reportagem o fotografo tirou a foto porque estava com a câmara na mão em trabalho, e numa fração de segundos aconteceu o acidente e não deu para ele poder fazer algo de onde estava (o que acredito) sem ser tentar chamar a atenção do motorista com o flash, mas o que me põe perplexa é o que ele conta, muitos estavam ali e ninguém ajudou o pobre homem e ainda por cima enquanto ele estava a ser socorrido só estavam interessados em filmar e fotografar com o telemóvel em dar espaço para que a médica actuasse.
Que tristes...
Imagem de perfil

De miilay a 06.12.2012 às 20:29

É realmente, uma Soc iedade doente. Nem se pode reflectir sobre certos assuntos , pois são tão medonhos que não temos resposta.
um abraço
miilay
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 06.12.2012 às 22:52

Devíamos todos parar para pensar... porque é nisto que nos estamos a converter.. e somos todos nós que temos que fazer mudar as coisas.

Jorge

Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor


Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D