Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ninguém espera por mim?


 

Esta carta já por aqui passou, na altura 4 ou 5 pessoas mostraram-se interessadas e pediram-me os contactos do centro de acolhimento, fiquei com esperança que alguma delas fosse mesmo adoptar ...esta semana enviei um mail à responsável do centro de acolhimento para perguntar se tinha havido desenvolvimentos, a resposta foi que tinha havido um mail a pedir informações, nada mais... 

 

Estas coisas deixam-me triste, há tanta gente que me diz que quer adoptar, há tanta gente que se queixa do tempo de espera... no outro dia houve quem me recriminasse porque fui duro naquele post O que é um processo de adopção?, há quem diga que fui injusto com as pessoas, fui? e não estaremos todos a ser injustos com esta criança e com todas as outras que anseiam por uma família?

 

 

Ninguém  espera por mim?

 

Olá,

 

Resolvi escrever-te porque sei que deseja ter um filho. Não, eu não sou o bebé com que tu sonhas….. já não uso fraldas, não como papas….. mas ainda sou uma criança e queria tanto ter um papá e uma mamã. Já não me lembro bem, mas um dia fiquei só …. E ficar sozinho no mundo com a minha idade é muito triste.

 

Vivo desde essa altura (já vão 10 anos) numa casa bonita, com muito meninos e meninas e há muitas senhoras muito simpáticas que tomam conta de nós. Mas continuo a sentir-me só ….. não tenho um papá e uma mamã…. e eu queria tanto….

 

Eu sei, não sou o bebé com que tu sonhas…. Mas sabes? Eu também sou como tu. Também sonho. Sonho que um dia vou ter uma mamã que me vai ajudar a escolher a roupa que vou vestir, que me vai a buscar à escola, que me vai contar historia, a aconchegar os cobertores e a dar-me um grande beijinho de boa noite….

 

Sonho que um dia vou ter um papá que vai andar comigo de bicicleta e me vai ver nas actividades da escola ….   e   …… eu vou ser tão feliz!!...


Quando isso acontecer…..

  • Vou deixar de chorar porque os meus colegas vão deixar de me gozar porque eu não tenho papá nem mamã;
  • Vou deixar de chorar quando me magoo porque a minha mamã vai dar-me um beijinho na ferida e vai passar logo;
  • Vou deixar de chorar quando um colega mais velho me bater porque vou ter um papá  para me proteger;
  • Vou deixar de chorar quando arranjarem papas para os meninos mais pequeninos…. Porque já não vou estar aqui, porque….. vou ter a minha família…. E vou dizer que tenho um papá e uma mamã.

Já sou grande mas ainda sou crianças. Bem sei que o meu futuro está hipotecado seja pela idade, tenho 13 anos, e seja pela saúde, tenho um problema de coração,

 

Mas continuo a desejar de poder ser ainda “um filho amado” …. conheces alguém que queria ser a minha mamã e o meu papá?.....

 

Tenho os contactos da pessoa que me enviou o mail  que facilitarei com todo gosto a quem se mostrar interessado, por favor divulguem, eu não quero perder a esperança de que conseguimos encontrar uns pais para esta criança.. não quero mesmo.

 

O meu mail é: jfreitas.soares@sapo.pt

 

Jorge Soares

publicado às 21:08


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.01.2013 às 23:33

Facto: A larga maioria dos candidatos tem indicado um perfil para adoptar uma criança até aos 3 anos, caucasiana e saudável;
Facto: A larga maioria das crianças em situação de adoptabilidade, são crianças com mais de 3 anos, muitos são irmãos, de várias etnias, com problemas de saúde ligeiros, graves, deficiência;
Facto: Todos temos o direito ao filho imaginário;
Facto: O objectivo da adopção é conseguir dar uma família a uma criança;
Estes são os factos objectivos da questão, a partir daqui tudo o que se fale de adopção é subjectivo, está profundamente ligado e condicionado às nossas experiências, vivências, sentimentos...
Os tempos de espera de futuros filhos e futuros pais vem realmente deste desencontro de imaginários.
É criticável? Não me parece. A interioridade e intencionalidade de quem se candidata é com cada um.
Fui candidata e assim me tornei mãe, a mais feliz do mundo. Dei este passo pelo meu desejo profundo de ser mãe, mas de coração completamente aberto: quero ser a mãe de quem me quiser para mãe. Sem questões de género, etnia, idade, saúde... Foi rápido? Foi. É pequenino, branquinho, saudável? Não. É o meu filho que amo perdidamente, porque assim meu coração o quis ter e sobretudo porque o coração dele assim me quis...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.01.2013 às 09:39

Cuidado com os "factos" ... pois factos falsos não servem de argumento.
Não é verdade que "A larga maioria dos candidatos tem indicado um perfil para adoptar uma criança até aos 3 anos, caucasiana e saudável". Segundo as últimas estatísticas disponíveis apenas 20% dos candidatos colocou o limite de idade nos 3 anos. Pode-se argumentar que ainda é uma percentagem elevada mas o que nunca se pode afirmar é que seja uma larga maioria.
Segundo facto: "A larga maioria das crianças em situação de adoptabilidade, são crianças com mais de 3 anos, muitos são irmãos, de várias etnias, com problemas de saúde ligeiros, graves, deficiência". Também não é verdade. A grande maioria das crianças que aguardam uma família têm mais de 7 anos e passaram quase a sua vida toda institucionalizadas. Muitas são pré-adolescentes ou adolescentes.
Quanto aos outros dois factos, são verdade mas deve-se procurar uma família que tenha real vontade, condições e capacidade de se tornar a família da criança em causa. Encontrar uma família só para tirar as crianças das instituições e melhorar as estatísticas é contraproducente.
Custa-me muito ouvir pessoas que não sabem nada de adopção falar nestes termos mas custa-me ainda mais quando são pessoas que passaram por processos de adopção e deviam conhecer mais sobre a realidade. Não contribuam para deseducar a população. Falem sobre a adopção mas com real conhecimento de causa, sem utilizar clichés do século passado que já estão longe de corresponder à realidade.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 11.01.2013 às 10:11

Desculpe, mas acho que leu as estatísticas ao contrário, a última vez que eu li os números .. e sim, eu leio os números, a percentagem era mesmo essa, 80% querem crianças com menos de 3 anos.

Quanto ao resto, tenho pena que esteja a comentar como anónimo, porque só alguém que não me conhece pode dizer que falo sem conhecimento dos factos... imagino que não seja meu leitor habitual, há neste blog mais de 100 posts sobre adopção, aconselho-o o a ler alguns deles.

Jorge Soares

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Ó pra mim!

foto do autor


Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D