Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Manifestantes a caminho da Ponte 25 de Abril

 

Imagem do Público

 

A de hoje foi uma greve geral a meio gás que quase terminava em grande. Ao fim da tarde um grupo de manifestantes numa manobra bem pensada e melhor planeada, trocou a esplanada em frente da Assembleia da república pela avenida da ponte. Foi tal a surpresa que nem os repórteres televisivos conseguiram chegar a tempo de dar a noticia em directo, tal como uma boa parte da policia ficaram presos no caos do trânsito e quando lá chegaram já a coisa havia terminado.

 

Eu estava a ouvir as noticias pela rádio e dei por mim a torcer para que a iniciativa tivesse sucesso, lembrei-me de imediato das imagens de dezenas de camiões parados na entrada da praça das portagens, de uma fila a perder de vista de carros parados ao longo da autoestrada do sul e de filas de policias de choque preparados para levarem tudo à frente, sem grande sucesso diga-se de pasagem. Numa altura em que não havia Ponte Vasco da Gama nem Comboio na Ponte, o país esteve literalmente parado durante dois dias. Terá sido esse o momento de viragem e o fim do reinado de Cavaco Silva e do PSD por uns bons anos.

 

É curioso, mas fez precisamente 20 anos na passada segunda feira sobre aqueles dias que de alguma forma mudaram o país, foi a 24 de Junho de 1994 que tudo começou.

 

A julgar pelas fotografias que pude ver por aí, a maioria dos manifestantes que hoje tentaram recriar esse momento, não terá idade para se recordar desses dias, ou para na altura ter tido a noção da importância do que ali se passou, mas é difícil não estabelecer um paralelismo entre o momento político de 1994 e o que vivemos hoje em dia.

 

Hoje, tal como acontecia em 1994, há muita gente que apesar da crise, dos impostos, da insistência por parte do governo da maioria em ir por um caminho que só leva a mais pobreza e desemprego, que continua a encolher os ombros e a olhar para o lado como se não fosse nada com eles, gente que quase de certeza apesar de tudo vai voltar a votar nos mesmos de sempre e contribuir para manter tudo como está..

 

Na altura aqueles acontecimentos serviram para que muita gente percebesse que era necessário mudar de rumo, se calhar é de algo assim que estamos a precisar, de algo que realmente faça as pessoas acordarem... não faço ideia de quem terá estado por trás da tentativa falhada de hoje, mas fiquei realmente com pena que tenha falhado... talvez para a próxima.

 

Já agora, foi sem dúvida nenhuma uma acção muito mais útil e inteligente que o apedrejamento da polícia em que terminou a greve geral de 14 de Novembro.

 

Jorge Soares

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:24


25 comentários

Imagem de perfil

De Equipa SAPO a 28.06.2013 às 08:50

Bom dia,

este post está em destaque na área de Opinião do SAPO.

Cumprimentos,
Ana Barrela - Portal SAPO
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.06.2013 às 12:29

Obrigado Ana

Jorge Soares
Sem imagem de perfil

De António Manuel Dias a 28.06.2013 às 11:02

Acho que estás enganado, não falhou, os objectivos foram conseguidos. Até conseguiram parar o trânsito na saída de Lisboa por umas horas, mas não era isso que verdadeiramente pretendiam. Foram notícia e, pasme-se, continuam a ser notícia hoje, um dia depois da greve. Por mim, parabéns aos organizadores ;^)
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.06.2013 às 12:30

Tens razão, mas se eles tivessem chegado à ponte e os 200 se tivessem tornado em milhares....

Jorge
Imagem de perfil

De golimix a 28.06.2013 às 11:04

Olá!
A greve foi algo triste e sem sabor.... traduz em pleno o que estamos a viver e o que se passa nas mentes da grande maioria (ainda, e infelizmente, a grande maioria), uma indiferença atroz, um silêncio ensurdecedor, um encolher de ombros assombroso e um olhar para baixo que arrepia!! Queres mais adjectivos ou estes chegam, para ilustrar?

Uma grande desilusão.... como tudo que nos está a rodear neste 2013 em que até o verão está confuso!

Bjs

Sem imagem de perfil

De Jose Rodrigues a 28.06.2013 às 11:30

Mal estamos nós quando se aplaudem iniciativas de Anarquia e de instalação de terror ....deviam ser todos fuzilados.....120 pessoas a prejudicar 2 milhões de utentes ....que democracia estúpida!!!!
Sem imagem de perfil

De João Araújo a 28.06.2013 às 12:43

Antes preferes ter 230 marmelos a prejudicar a vida de 10 milhões mais as futuras gerações deste pais?
Sem imagem de perfil

De António Manuel Dias a 28.06.2013 às 14:57

Terror? Segundo percebi a manifestação era pacífica... Prejudicar 2 milhões de utentes? Como?
Imagem de perfil

De golimix a 29.06.2013 às 12:04

Espere aí. Disse "fuzilados"? Eu li bem?
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.06.2013 às 12:31

É, parece que há gente que ainda tem nostalgia de outros tempos...
Imagem de perfil

De golimix a 30.06.2013 às 10:46

Tens razão, fiquei deprimida....
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.06.2013 às 12:33

Infelizmente neste país só se consegue mudar o que quer que seja com acções a sério... eu era capaz de apostar que se eles tivessem chegado à ponto os milhares de automobilistas em lugar de se sentirem prejudicados se tinham unido ao movimento..e a onda não pararia de crescer e talvez ai o governo e pessoas como o senhor entendessem que realmente estamos fartos

Jorge Soares
Sem imagem de perfil

De Tomas a 28.06.2013 às 13:03

Se querem fazer greve estão no seu direito. Agora nao trabalharem nem deixarem trabalhar nunca. A liberdade dos poucos que tentaram bloquear a ponte acaba na liberdade dos muitos mais que a utilizam diariamente. Totalmente inaceitável. Todos identificados e condenados a trabalho comunitário. Que falta de civismo impressionante.
Sem imagem de perfil

De João Araújo a 28.06.2013 às 13:20

Meu amigo, a ponte 25 de Abril não é a única travessia do Tejo, pelo que me lembro existem ainda mais 2 travessias. Não te esqueças que foi com pessoas na rua que se impôs a democracia que tanto apregoas.
Imagem de perfil

De golimix a 30.06.2013 às 10:48

Sabe, apesar de o compreender, e de realmente achar que pode ter sido aborrecida a iniciativa, pergunto-me se a falta de civismo não seria de quem não se juntou a eles....
Sem imagem de perfil

De Tomas a 28.06.2013 às 13:37

O que e que o numero de travessias tem que ver com o direito de uns prevalecer sobre o de outros? Sinceramente nao percebo quem defende este tipo de manifestações. Que infernizem a vida aos ministros ou que façam grandoladas na ar percebo e apoio perfeitamente. Greves ao ritmo que tem sido feitas ja tenho muitas mas mesmo muitas duvidas ate porque na maior parte das vezes o único prejudicado e o cidadão comum. Agora manifestações nao autorizadas em pontes de maneira a cortar a circulação e estragar o dia aos milhares que por lá passam, nao tem nenhuma da minha simpatia.
Sem imagem de perfil

De João Araújo a 28.06.2013 às 13:53

Realmente Sr. Tomas, talvez seja altura de fazer como fizeram na altura que acabaram com a monarquia, e manter a espectativa que existia na altura de uma guerra civil. De uma maneira ou de outra as decisões tomadas por 230 e mais algumas pessoas influenciam milhões de pessoas. O que estas pessoas estão a dizer é que para tomar o nosso destino e o destino do Pais na nossas mãos temos de ser totalmente unidos e não fraccionarmos em facções de modo a sermos melhor controlados. Já os romanos usaram isso na altura que invadiram a Peninsula Ibérica, é daí que vem a famosa estratégia militar dividir para conquistar. Talvez devamos olhar para o que está a passar no outro lado do Oceano como exemplo, não pelos disturbios mas pelas manifestações pacificas que bloqueiam grandes artérias, mas que faz mossa no Governo. Quanto ao nº de travessias do Tejo tem a ver que se as pessoas quisessem evitar a ponte 25 de Abril podiam bem escolher outros percusos, por isso não influenciaram directamente a vida de 2 Milhões de pessoas mas sim de algumas centenas ou mesmo 1 ou 2 milhares.
Imagem de perfil

De golimix a 29.06.2013 às 12:07


É o que lhe posso dizer!

Agora pergunto.
Será que no 25 de Abril se pediu autorização para interromper as vias?
Sem imagem de perfil

De Francisco Nunes a 28.06.2013 às 13:59

Se as greves resolvessem os problemas, a Grécia hoje estaria melhor que a Finlândia...Quanto á rapaziada da ponte 25 Abril (ponte Salazar, no sentido exato da responsabilidade da sua construção), ironicamente só vieram lembrar a muita gente o homem que pôs ordem na bagunça da 1ª. República, tal qual como agora.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.06.2013 às 12:35

Então e ante o descontentamento de todo um povo com as medidas deste governo, sugere que se faça o quê, que nos sentemos a ver o pais definhar?
Sem imagem de perfil

De Tomas a 28.06.2013 às 14:25

A grande diferença essas 230 pessoas e que umas foram eleitas e outras nao. Repare, na monarquia e na ditadura o povo nao escolhia. Agora escolhe. Escolhe mal? Talvez. Eu nao concordo com as medidas que estão a ser aprovadas. Acho este governo um perfeito desastre. E concordo com algumas manifestações, pacificas e planeadas. Dava lhe razão neste caso da ponte, se essa manifestação estivesse devidamente programada. Agora nao estava. Quem estava a ir para a ponte continuou a ir para a ponte. E se tantas vezes se critica este governo nao so no conteúdo mas também na forma, então que nao se caia no mesmo erro. Podemos lutar? Sim. Mas com regras e pensando sempre nos outros. Unidos, como disse. Se assim for sou dos primeiros a apoiar. Dou lhe o exemplo da greve geral dos professores. Nao ouve o mínimos de solidariedade entre professores grevistas e professores nao grevistas e alunos. Prejudicou se o governo? Sim, claro. Mas tambem os alunos que tiveram provas adiadas ou antecipadas e os outros professores que nao se associaram a greve e que durante um ano trabalharam para este exame. E depois esta greve ainda tem mais algumas coisas que me fazem confusão.. Se ministros nao podem tirar cursos por equivalência, então presidentes de associações sindicais também nao podem ter avaliação positiva como professores se nao dão aulas. Mas nao me dispersando, e voltando aos 230 eleitos: se sao maus, que nao tenham o nosso voto. Se os que lá estiveram antes sao iguais que também nao tenham o nosso voto. Que se vote em consciência e em quem acreditamos. Porque isto e democracia. E antes 230 eleitos por todos, que 1 nunca eleito.
Sem imagem de perfil

De João Araújo a 28.06.2013 às 14:40

Sim Sr. Tomas, devemos votar em consciência e nas pessoas e não no partido que representam, para não acontecer como aconteceu com o Relvas e o Socrates, uma vez que as regras funcionam para alguns mas não para todos. Mas também o voto não deve ser um cheque em branco para gastarem o erário público durante 4 anos sem o mínimo de responsabilidade a ser imputada nessas pessoas. Para tal as pessoas deveriam vir à rua exigir a responsabilidade civil e criminal dessas pessoas pelo abuso de poder e confiança. Quanto às greves, bem podem ser descabidas e podem prejudicar pessoas que não tem culpa, mas também fazer uma greve dos professores agora faz mais mossa que fazer uma greve de professores no inicio do ano ou mesmo em Agosto, porque ai o facto está consumado e não já nada a fazer. Usar os alunos como escudos, sim acho um pouco baixo, mas tão baixo como usar o trabalho precário e aumento de impostos para obrigar as pessoas a trabalhar sem contestar para manter a família e manter os dirigentes deste pais, desde a esquerda até à direita, nas suas vidinhas sem sentir na pele o risco da perca de emprega ou da necessidade de trabalhar em qualquer coisa para manter os seus filhos, que a maior parte deles voltam para casa junto dos pais por não terem condições de terem uma vida. No dia em que vir deputados e ex-deputados na porta do IEFP, ai direi que o Pais está a seguir para um caminho verdadeiramente democrático.
Sem imagem de perfil

De João Araújo a 28.06.2013 às 15:08

Sr. Tomas já que fala em não votar nos deputados, que por vezes são eleitos por províncias que nunca lá puseram pés, e por pessoas que nem sequer o conhecem nem conhecem a sua família nem caminho politico e escolar, as pessoas já dizem o que lhes vai na alma, simplesmente engrossando os números da abstenção, mas as pessoas começam cada vez mais a reparar que isso não adianta, porque mesmo com números superiores a 50% de abstenção, esses deputados continuam a ser eleitos pela denominada "maioria de votos", uma vez que quem dita as regras dessa votação são os mesmos. Ora como eles não tem de responder perante ninguém, fazem como diz o velho ditado, "quem parte e reparte e não fica com a melhor parte, ou é burro ou não tem arte".
Imagem de perfil

De aespumadosdias a 28.06.2013 às 16:50

A país não parou mas andou lá perto. De manhã as praias aqui da zona estavam cheias de famílias. Não me parecia que fossem desempregados. Muitos não foram trabalhar ontem.
À tarde também estava "torcer para que a iniciativa tivesse sucesso" nos acessos à Ponte 25 de Abril. Faltaram os camiões.

Um abraço.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 29.06.2013 às 12:36

A malta fez greve para ir para a praia?... e lá se foi a aureola de contestação...

Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D