Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ainda as pensões, como seria um sistema justo?

por Jorge Soares, em 16.10.13

Reformas

Imagem do Público

 

Ainda ninguém me esclareceu se os deputados descontam para a segurança social ou não, continuo sem perceber como é que são as contas da ex-deputada Celeste Correia de que falei há dois dias.

 

Entretanto hoje ficamos a saber pelo DN que não são só as figuras ali na fotografia que acumulam reformas milionárias,  Rui Machete, sim, o das acções do BPN e das confusões com Angola, acumulou durante o ano 2012 um total de 132 484 euros, o que dá uma media de mais de 11 mil Euros por mês... não sei se percebi bem, mas acho que são três as pensões que o senhor acumula, incluindo uma vitalícia por ter sido político por e ter estado mais de 8 anos a contribuir para a situação em que estamos.... agora alguém me diga que o senhor descontou para isso e que acha estes valores justos.


Falando de justiça, deixo à vossa consideração um vídeo que alguém me deixou nos comentários do post sobre as pensões de sobrevivência..é sobre o sistema de pensões na Suíça, um país que muitos portugueses escolhem para viver e que muitos mais admiram pela forma como as coisas funcionam muito melhor que por cá.... eu não sou Suíço e nem sou dos que acha que a Suíça é o arquétipo da perfeição... mas no que toca a pensões, eu não me importava que por cá se copiasse o bom exemplo.... porque como se diz algures no vídeo, O importante é que o estado garante o essencial aos mais carenciados, evitando a pobreza na velhice.


Ouçam com atenção e pensem se faz ou não sentido

 

Um país bem diferente do nosso.... sem dúvida, acham que para melhor ou para pior?
Jorge Soares

publicado às 22:33


7 comentários

Imagem de perfil

De poetazarolho a 17.10.2013 às 00:20

“Fabulástico”

Era um burro comilão
Na fábula não era humano
Cortaram-lhe na ração
Um bocado a cada ano

Ao princípio foi fantástico
Era enorme a poupança
Mas um efeito bombástico
Depressa colou a pança

Burro deu em emagrecer
Fraquinho já nem pensava
Por fim perdeu o trambelho

Mesmo antes de morrer
O burro já não trabalhava
Isto é obra dum coelho.
Sem imagem de perfil

De Leamar a 17.10.2013 às 11:06

Bom dia Jorge!

Eu gosto pouco de me pronunciar sobre o que não entendo bem. Naquele post de há uns dias sobre Pensão de Sobrevivência eu ainda não entendi uma coisa. Se me souberes explicar agradecia imenso:
Exemplo:
1º Uma mulher de 28 anos trabalha à 3 anos e meio numa empresa, fazendo os respectivos descontos, auferindo 600 Euros.

2º Essa mulher é casada e tem um bebé com 1 ano.

3º Essa mulher é casada com um administrador de uma empresa que aufere 3000 Euros mensais.

4º A mulher sofre um acidente e morre. O marido passa a receber uma pensão de sobrevivência? Ou a criança de 1 ano? Então mas ela apenas descontou 3 anos e meio. Como se processam as contas e como se relaciona o que irá receber o marido/filho com aquilo que ela descontou? Se eu não estou em erro a criança tem direito até ao fim do percurso escolar. São mais de 20 anos a receber.

Desculpa se esta questão for do mais estapafúrdio que encontraste, mas é algo que eu realmente não sei.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 17.10.2013 às 22:38

Olá

Segundo a lei: A pensão de sobrevivência é atribuída, se o beneficiário falecido tiver preenchido o prazo de garantia de 36 meses com registo de remunerações, aos familiares ...

Ou seja, a hipótese que colocas é mesmo plausível, e o filho tem direito até aos 27 anos se estiver a estudar até essa idade.

São contas como estas que as pessoas consideram direitos adquiridos, e tu colocas um exemplo em que o administrador ganha pouco.. porque normalmente ganham bem mais que isso.

Jorge
Sem imagem de perfil

De Leamar a 17.10.2013 às 11:43

Ups...desculpa novamente a ignorância, mas eu gostava de perceber o porquê de haver pessoas que recebem 2 ou 3 reformas. O contribuinte apenas recebe 1 nem que tenha tido 10 trabalhos diferentes. Porque é que os políticos/juizes se podem reformar ao fim de muito menos anos de serviço que o comum contribuinte?
Porque insistem na questão...se descontou muito tem direito a muito (quando me custa a crêr que tenham descontado o suficiente para receberem tais exorbitantes quantias como são anunciadas)...se descontou pouco tem direito a pouco e se nada descontou tem direito a nada. Nesse caso uma pessoa com deficiência profunda será sentenciada à miséria antecipadamente. Bem sei que tem direito a algo mas também sei que é algo anedotico!
Por vezes penso que haver um tecto máximo nas pensões daria para colmatar essas situações. Mas quem sou eu...percebo tanto disto como de agricultura!
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 17.10.2013 às 22:41

Porque há pessoas que são muito activas.. e conseguem trabalhar para muitos sítios ao mesmo tempo.. e além disso ainda conseguem ser políticos.

Já ouviste aquela frase de "Estão a mexer no meu queijo"?... pois, a maioria das pessoas preocupa-se com o seu queijo... ou simplesmente deixam-se ir na conversa sem pensar nem questionar...

Como podes ver pelos comentários ao post do outro dia, há muita gente que acha estas coisas correctas... e direitos adquiridos... direito a ter tudo e a que os outros não tenham nada... mas isso é o que eu acho.

Jorge
Imagem de perfil

De DyDa/Flordeliz a 18.10.2013 às 00:25

Um sistema justo?
Não tenho dúvidas: é o de Portugal!
- Cada dia que passa fica mais apertadinho.
Não era disso que falavas?
Desculpa
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 20.10.2013 às 14:34


Há anos, que defendo que as pessoas devem ser ajudadas quando estão na reforma, isto é, quem menos tem deveria ser compensado.
Um sistema mais justo, este, da Suíça.
Deveriamos, sim, seguir o exemplo. E já.
Cumprimentos.

Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D