Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Pessoas fortes e boas

por Jorge Soares, em 09.12.13

Pessoas fortes e boas

 

Imagem do Público 

 

Chama-se José António Pinto, mas todos o conhecem por Chalana, é assistente social e acaba de  lhe ser atribuída a medalha de ouro comemorativa do 50.º aniversário da Declaração Universal dos Direitos do Homem. Medalha atribuída pelo júri do Prémio Direitos Humanos constituído no âmbito da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias da Assembleia da República.

 

Numa altura em que cada vez mais as pessoas olham com desconfiança para o mundo que os rodeia, José António faz da proximidade e da ajuda a sua forma de vida e leva a sua função como assistente social ao limite, não hesitando em mover céu e terra para ajudar quem precisa, ou para denunciar as situações.

 

Amanhã o "Chalana" vai estar na assembleia da República a receber a sua medalha e já tem claro o que vai dizer aos deputados "Troco esta medalha por outro modelo de desenvolvimento económico"  E ele sabe do que fala, ao contrário de quem decide a política de austeridade ou lá longe do país real faz as leis, ele lida todos os dias com o desespero de quem pouco ou nada tem.

 

Do artigo do Público destaco o seguinte:

 

"Chalana" não é inocente. Sabe que a colaboração que tem mantido com a comunicação social, e que considera fundamental “porque sem denúncia, não há transformação” (algo que aprendeu com, o ex-presidente da República Mário Soares), lhe dá um “capital social” invejável. “As pessoas odeiam-me, amam-me ou têm medo de mim”, diz. Um capital que foi conquistado pelas muitas denúncias que fez, mas também por ter sido condenado por promover, reiteradamente, o aborto, em 2002, no mega processo do aborto, na Maia, e em que foram acusadas 43 pessoas, incluindo 17 mulheres que tinham interrompido a gravidez.

 

"Chalana" não se dá com posturas politicamente correctas. Os colegas da mesma área, diz, criticam-no abertamente. Porque transporta os utentes no carro pessoal, um velho Peugeot 206. Porque estabelece relações com eles (“os meus colegas têm muito medo do afecto”). Em casa, também não é fácil. Tem duas filhas, de sete e dez anos, e o tempo entre o trabalho, o voluntariado na associação Cor é Vida, no Hospital de S. João, os projectos em que se envolve e o seu lado boémio não lhe deixam muito tempo para a família. “A mãe das minhas filhas às vezes zanga-se.” A única coisa em que não cede, na busca de algum distanciamento, é no telemóvel. Não tem.

 

Roubei o título do post de um dos comentários à noticia, mas não há duvida que é mesmo isso, este país precisa de muitos José Antónios, de muitas pessoas fortes e boas.

 

Jorge Soares

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:03


1 comentário

Imagem de perfil

De DyDa/Flordeliz a 10.12.2013 às 21:52

Quando se gosta do que se faz. Quando a camisola é vestida por amor ao próximo. A recompensa é o que menos se procura. O que conta, é a resolução de um problema para libertar espaço para resolver outro, não menos urgente.
Este tipo de pessoa, incomoda muita gente, ainda que ajude muitas também.
Levanta questões, faz mexer, dá voz a quem a não tem, e faz trabalhar, quem, em postos idênticos se acomoda ao conforto do seu gabinete e ao tic-tac do relógio de parede.
Conhece os problemas e trata-os por tu. É um resistente. Um lutador. Teimoso.

Vi hoje a reportagem.
O homem está de parabéns e aproveitou bem o momento para continuar a sua batalha ao abanar os acomodados ou esquecidos que se encontravam na sala.

O Chalana é grande.



Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D