Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Midway - ou as marcas que deixamos na natureza

por Jorge Soares, em 17.06.12

midway5.jpg

 

Imagem de aqui 

 

Midway  fica é uma ilha em pleno oceano Pacífico, que fica a 2.000 km de qualquer costa continental. Esta ilha é desabitada, os seus únicos habitantes são aves marinhas, no entanto... Vejam o que se passa por lá!

 

 

Por vezes não temos a noção das marcas que deixamos na natureza, o que se vê no vídeo, o sofrimento destas aves, o sofrimento e morte de muitas outras aves e de muitos outros animais, só acontece porque nós existimos, são as nossas acções, a nossa incúria, o nosso pouco cuidado com o mundo que nos rodeia quem mata cada dia milhares e milhares de animais e plantas.

 

Todos nós somos culpados pela morte de cada um destes animais, é urgente que interiorizemos isto e que mudemos a nossa forma de estar no mundo ou um destes dias não vai restar nada.

 

Midway Project blog, team details, production diary videos:
http://www.MidwayJourney.com

 

Jorge Soares

publicado às 16:31

Conhecer Portugal: Aldeia do Pontido

por Jorge Soares, em 18.04.12

O Rio Vizela no Pontido

 

Este ano decidimos que a Páscoa seria a Norte, como pelo Minho até há este ano a Capital Europeia da Cultura (já falarei de Guimarães), decidimos que seria por ali. Depois de muita procura, a minha meia laranja, que é quem trata sempre destas coisas, encontrou um lugar fabuloso. A Aldeia do Pontido. Uma pequena Aldeia bem perto de Fafe que após mais de 30 anos de abandono, foi completamente recuperada e afecta ao turismo de Aldeia.

 

Situada nas margens do rio Vizela, que por ali ainda corre limpo e  cristalino, a poucos metros da barragem da Queimadela, é um lugar propicio ao descanso e à comunhão com a natureza.

 

 

Para os amantes do pedestrianismo, da barragem partem vários trilhos pedestres. Para quem quer conhecer o Minho, em poucos minutos estamos em Fafe, ou em Guimarães, ou em Braga. Para quem quer apreciar a fantástica gastronomia minhota, aconselho vivamente o restaurante da Aldeia, ou os muitos outros por ali à volta.  Para quem quer simplesmente descansar, basta ficar por ali a ouvir o rio a correr, os melros a cantar, ou simplesmente a trocar dois dedos de conversa que simpatia e bom acolhimento é o que não falta.

 

 

As casas, completamente recuperadas seguindo a traça da arquitectura minhota, são no seu interior: modernas, acolhedoras e funcionais, as pessoas são muito simpáticas e muito prestáveis.

 

Em suma, para quem quer uns dias de descanso, para quem gosta de fotografia da natureza, para quem gosta de passeios a pé, para quem quer conhecer o nosso verdadeiro país, é um lugar que aconselho vivamente.. nós ficamos fans e vamos voltar de certeza.

 

A Aldeia tem um site.. é aqui .. para quem quer ver mais fotografias, as minhas estão aqui 

 

Jorge Soares

 

 

publicado às 22:40

Ondas

por Jorge Soares, em 06.04.12

As ondas dos alfaiates

 

Imagem Minha do Momentos e Olhares

 

As ondas que passam

As ondas passam...
Os dias passam...
As ondas voltam e revoltam...
Os dias simplesmente passam e não voltam.

Os dias são simétricos e lineares.
As ondas não. São difusas, inconstantes, relativas.
Os dias são previsíveis, constantes, matemáticos.
As ondas são como almas, tão improváveis.

As almas sentem, se emocionam, se enfurecem, se acalmam.
São ondas sensíveis às marés.
As marés variam com a lua.
Às vezes exposta e risonha, outras tristonha.

A alma tempera a mente.
A mente calculista toca a sinfonia d’alma.
A alma passional e a mente racional formam o ser.
O ser pode pender ou equilibrar-se.

Nem alma e nem mente, apenas o corpo.
Malhado ou sofrível.
É a água e a areia das ondas.
Ondas que passam...

 

CARLOS ALBERTO REBOUSAS

 

Alfaiates sobre as águas cristalinas do Rio Pêra.

Castanheira de Pêra

Junho de 2011

Jorge Soares

publicado às 21:31

O Silêncio abre as mãos..

por Jorge Soares, em 02.04.12

Crepúsculo

 

Imagem Minha do Momentos e Olhares

 

Crepúsculo

 

Teus olhos, borboletas de oiro, ardentes 
Batendo as asas leves, irisadas, 
Poisam nos meus, suaves e cansadas 
Como em dois lírios roxos e dolentes... 

E os lírios fecham... Meu Amor, não sentes? 
Minha boca tem rosas desmaiadas, 
E as minhas pobres mãos são maceradas 
Como vagas saudades de doentes... 

O Silêncio abre as mãos... entorna rosas... 
Andam no ar carícias vaporosas 
Como pálidas sedas, arrastando... 

E a tua boca rubra ao pé da minha 
É na suavidade da tardinha 
Um coração ardente palpitando... 

Florbela Espanca, in "Livro de Sóror Saudade"

 

 

Alviães, Oliveira de Azemeis
Março de 2011
Jorge Soares

publicado às 21:24

A veia do poeta

por Jorge Soares, em 15.08.11

A veia do poeta.. o voo das borboletas

Imagem Minha do Momentos e Olhares

 

 

Cansado do movimento
Que percorre a linha recta
Fui ficando mais atento 
Ao voo da borboleta 
Fui subindo em espiral 
Declarando-me estafeta
Entre o corpo do real 
E a veia do poeta

Mas ela não se detecta 
À vista desarmada
E o sangue que lá corre
Em torrente delicada 
É a lágrima perpétua
Sai da ponta da caneta
Vai ao fim da via láctea 
E cai no fundo da gaveta

Ai de quem nunca guardou
Um pouco da sua alma
Numa folha secreta
Ai de quem nunca guardou
Um pouco da sua alma
No fundo duma gaveta
Ai de quem nunca injectou
Um pouco da sua mágoa 
Na veia do poeta

 

Rui Veloso

 

 

Borboletas no jardim...

Setúbal, Outubro de 2008

Jorge Soares

publicado às 12:25

Sentimental

por Jorge Soares, em 24.06.11

Borboleta

 

Imagem Minha do Momentos e Olhares

 

Tenho tanto sentimento 
Que é freqüente persuadir-me 
De que sou sentimental, 
Mas reconheço, ao medir-me, 
Que tudo isso é pensamento, 
Que não senti afinal. 

Temos, todos que vivemos, 
Uma vida que é vivida 
E outra vida que é pensada, 
E a única vida que temos 
É essa que é dividida 
Entre a verdadeira e a errada. 

Qual porém é a verdadeira 
E qual errada, ninguém 
Nos saberá explicar; 
E vivemos de maneira 
Que a vida que a gente tem 
É a que tem que pensar.


Fernando Pessoa


style="

text-align: justify;">Acreditem ou não, a fotografia está na posição certa, aquela vegetação verde do lado esquerdo é musgo no pé de um carvalho... tive a tentação de rodar a imagem, colocar a flor de pé... mas a natureza é como é, não como nós a queremos ver. A Borboleta é uma Melanargia lachesis ou borboleta Mármore


Praia Fluvial de Poço Corga, Rio Pêra
Castanheira de Pêra
Junho de 2011
Jorge Soares







publicado às 23:04

Quem tem medo do Caracol?

por Jorge Soares, em 15.06.11

Quem tem medo do caracol

Imagem minha do Momentos e Olhares

 

O Medo é uma manifestação mais ou menos irracional da expressão de um sentimento de receio que manifestamos ante uma determinada situação da vida.

 

De uma forma ou outra todos temos medos, há quem tenha medo dos aviões ou de voar, quem tenha medo das alturas, de andar à noite, dos fantasmas, dos mortos, dos vivos. Eu tenho medo, pavor, impressão, chamem-lhe o que quiserem, das cobras. Cresci numa aldeia e no verão andava livre pelo campo, mais que uma vez tive encontros imediatos com elas e até hoje, até quando aparecem na televisão mudo de canal.

 

Cá em casa há medos para todos os gostos, a minha meia laranja tem medo de ratos e roedores, o N. tem um pavor terrível dos cães, é mais forte que ele, qualquer bola de pelo de poucos centímetros o deixa em pânico. Até à pouco a D. era uma miúda destemida e sem medo de nada, ultimamente deu em ter medo de tudo o que seja insecto, mal vê uma mosca desata aos berros:

 

- Medo do bicho!

 

Mas não tem medo de todos os bichos. Não sei de que modo descobriu que a R. tem medo de caracóis, vai daí entre ela e o irmão, arranjaram maneira de numa das saídas ao jardim trazerem para casa uns dois ou três caracóis que foram estrategicamente guardados num dos vasos de orquídeas da varanda.

 

Num destes dias, estava a R. a ver televisão e aparece a D. com um caracol na mão:

 

-Olha mana!

 

A outra quando viu o que era desatou a gritar e a correr pela casa, e de repente tínhamos uma matulona de 12 anos que está mais alta que a mãe,  a correr entre a sala e a cozinha aos gritos com uma pirralha de três anos atrás dela morta de riso e a gozar o prato.

 

Fizemos desaparecer os caracóis.. não serviu de muito, este fim de semana na visita ao Castelo de Penela, o diabinho encontrou um caracol e lá tivemos a repetição da cena para gáudio de miúdos e graúdos ... 

 

Jorge Soares

 

publicado às 22:13

Praia fluvial de Poço Corga

 

"O parque de campismo existe há dez anos e é especialmente dedicado para pessoas que gostem da natureza e tranquilidade, mas também para crianças que se podem divertir muito neste lugar maravilhoso. A nossa intenção ao criarmos o parque de campismo foi de mantê-lo pequeno e acolhedor para assim podermos dispensar a devida atenção com os nossos hóspedes.Existem aproximadamente 60 lugares ....."

 

É esta descrição que podemos encontrar no site do Parque de Campismo o Moinho, e é exactamente o que encontrámos quando lá chegámos, um camping rodeado de natureza, um lugar tranquilo, simpático e acolhedor. É claro que ao nível dos serviços tem o mínimo indispensável: casas de banho limpas e funcionais, um pequeno bar e pouco mais. 

 

Mas estando no meio da natureza tem tudo o que é necessário à volta: um restaurante com bar e esplanada à porta, um café com mercearia a 300 metros e a excelente praia fluvial de Poço Corga composta por várias piscinas no rio Pêra, com direito a nadador salvador e tudo e que fica a 10 metros do parque.

 

Este será talvez o parque de campismo mais calmo e mais bucólico em que já estive. Fica a 3 Kms da Vila de Castanheira de Pêra, nas margens do Rio Pêra. É um parque sem residentes, onde tudo à volta é verde e natural, tem imensas sombras e mesmo em época alta tem preços bastante acessíveis, incluindo os Bungalows e grandes tendas.

 

De realçar a simpatia do seu proprietário e pelo menos nesta altura, único funcionário, sempre bem disposto e disponível....

 

Está mais que visto que fiquei cliente e já está decidido que para o ano por esta altura vamos voltar, para conhecer novas trilhos na natureza e outras das muitas praias fluviais que há nos arredores.

 

Jorge Soares

publicado às 22:16

Praia das Rocas, Castanheira de Pera

 

Imagem minha do Momentos e Olhares

 

Somos um país pequeno, mas mesmo assim cheio de enormes assimetrias, por muito que se diga que cada vez mais estamos de costas para o mar, a verdade é que a  grande maioria da população vive numa pequena faixa do litoral a menos de 30 Kms do Mar, é lá que se concentram as indústrias, os centros comerciais, os eventos culturais, e sobretudo, o Poder. Um país de costas para o mar que vive praticamente com os pés na Areia.

 

Entretanto o resto do país vai definhando, no interior falta quase tudo, falta indústria, falta organização na agricultura arcaica e feita de minifúndios, faltam acessos, faltam perspectivas ... e com tudo isto, cada vez mais, faltam as pessoas. 

 

Mas há quem teime em lutar contra a situação, quem saiba tirar partido do muito que o interior do país tem, quem saiba aproveitar muito bem o que mais sobra, natureza e beleza natural.

 

Este fim de semana estive em Castanheira de Pêra, uma pequena Vila bem no centro do País, longe do betão das auto-estradas, longe das praias, longe do litoral, o que por lá vi deixou-me deveras surpreendido. 

 

Não sei de quem terá sido a ideia, mas  se a praia fica muito longe para as gentes de Castanheira e arredores, nada como levar a Praia até Castanheira e constrói-se uma, magnifica, com ondas e nadadores salvadores e tudo. Dá pelo nome de Praia das Rocas e garanto que pelo menos em Junho é um local muito agradável de se estar.

 

Conjugando este magnifico equipamento, com o circuito das aldeias de Xisto, os inúmeros circuitos de passeios pedestres que se conjugam com as muitas praias fluviais em rios de águas límpidas e cristalinas, a gastronomia e a beleza natural, temos ali um excelente pólo do cada vez mais na moda, Turismo da natureza.

 

Ouvimos muitas vezes falar dos malefícios da interioridade, Castanheira de Pêra pareceu-me um excelente exemplo de como se contraria a interioridade, com ideias que privilegiam o aproveitamento da natureza, criam emprego e dinamizam a economia. Um exemplo a seguir, um local que aconselho vivamente a visitar e a revisitar.

 

Jorge Soares

publicado às 22:21

O florir do encontro casual

por Jorge Soares, em 21.04.11


Borboleta na folha de palma

 

Imagem minha do Momentos e Olhares

 

O Florir

 

O florir do encontro casual

Dos que hão sempre de ficar estranhos...

 

O único olhar sem interesse recebido no acaso

Da estrangeira rápida ...

 

O olhar de interesse da criança trazida pela mão

Da mãe distraída...

 

As palavras de episódio trocadas

Com o viajante episódico Na episódica viagem ...

 

Grandes mágoas de todas as coisas serem bocados...

Caminho sem fim...

 

 

Álvaro de Campos

 

Borboleta numa folha de palma

Setúbal, Abril de 2010

Jorge Soares

publicado às 21:11


Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D