Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




escola2.jpg

 

Imagem do DN

 

Tenho seguido com alguma atenção as noticias sobre a a suposta proibição de que se fale português nas escolas do Luxemburgo.

 

Logo da primeira vez que ouvi a noticia na televisão estava com a minha filha R. e a surpresa e curiosidade dela fiquei sem resposta, o único que me lembrei é que e que lhe expliquei foi que  luxemburguês é uma língua em vias de extinção e haveria por parte das autoridades escolares alguma vontade de a proteger... não faz muito sentido.

 

Depois dei por mim a pensar, eu emigrei em criança, tinha 10 anos quando cheguei a Caracas, não falava uma palavra de castelhano, passado um mês entrei para a escola pública e a verdade é que raramente voltei a falar português, na escola, na rua com amigos, incluindo os portugueses, até em casa com o meu irmão, sempre falei castelhano...  se calhar será também muito por isso que sempre fui bom aluno e que sempre me integrei completamente até ao ponto de para quem não me conhecia, passar sempre por venezuelano e nunca por estrangeiro.

 

É evidente que estamos a falar de um país diferente, de uma cultura diferente e de formas de integração completamente diferente e opostas. Na Venezuela todos nos sentíamos venezuelanos e sempre nos sentimos completamente integrados no país e na cultura... o que a julgar pelo que tenho visto e ouvido, nem sempre acontece com quem emigra para o Luxemburgo e outros países da Europa.

 

De tudo o que ouvi, o que mais impressão me fez foi o seguinte:

"Para o presidente da Confederação da Comunidade Portuguesa no Luxemburgo (CCPL), a proibição pode levar também a um sentimento de desvalorização da língua materna"

 

Língua materna? Será que alguém parou para penar o que será a língua materna para uma criança que viveu a maior parte da sua vida num país estrangeiro? Será que é mesmo o português?

 

De novo posso falar por mim, passados dois ou três anos de viver em Caracas a minha língua materna era o castelhano, era nessa língua que eu tinha que estudar, namorar, viver... é evidente que continuava a ler e a falar português quando era necessário, mas a minha língua não era nem podia ser o português.

 

Quando aos vinte anos voltei para Portugal, a minha língua passou naturalmente a ser o português, passados dois ou três meses até aos "ãos" me tinha habituado .. e a vida seguiu em frente.

 

Sinceramente não entendo toda esta polémica, acho que no Luxemburgo se as crianças não estão numa escola bilingue, se são avaliadas em luxemburguês, faz todo o sentido que falem na língua da escola e percebo perfeitamente que os professores não gostam e/ou não queiram, ter no meio das aulas crianças a falar entre si numa língua que na maior parte dos casos nem eles nem as restantes crianças entendam.

 

É evidente que há aqui excesso de zelo quando se proíbe também no recreio, mas para ser sincero, eu não vejo vantagem nenhuma que as crianças que vivem no centro da Europa não tenham como língua principal outra qualquer que não o português, queiram os pais ou não, a verdade é que na sua grande maioria é lá e não cá que eles vão ter que se desenvencilhar na vida... e para vir cá nas férias, o português que se fala em casa basta e sobra.

 

Jorge Soares

publicado às 22:45


7 comentários

Sem imagem de perfil

De Cristina M. a 05.11.2014 às 10:10

Pelo que me parece, o problema está mesmo no excesso de zelo. De resto, e concordando com o que dizes, não vejo que faça sentido em proibir a utilização do português seja em contexto for. Se é como dizes, naturalmente a criança irá falar a língua do país onde se encontra, ainda que possa ser incentivada, é verdade, por professores e outros educadores.

Cristina M.

Imagem de perfil

De Jorge Soares a 06.11.2014 às 23:34

Concordo

Jorge
Imagem de perfil

De Padrinhos Civis a 05.11.2014 às 15:57

Oh Jorge, mas castigar?

Eu percebo as suas palavras, mas há aí um dado na comparação da emigração portuguesa na Venezuela com o Luxemburgo, que penso que falha (já visitei os dois países, encontrei portugueses nos dois). É que a percentagem de portugueses no Luxemburgo relativamente à dos luxemburgueses é incomparavelmente maior que de portugueses na Venezuela face aos venezuelanos. Isto significa que a tendência para continuar a falar em português é maior. Na rua, encontram-se portugueses a cada passo. A dada altura, estive num evento de rua, onde a maioria dos presentes eram portugueses... Falar na língua local, é menos necessário que na Venezuela. É disto também que se queixam outros povos hospedeiros em relação a grandes comunidades que nunca chegam a aprender a língua local - nos Estados Unidos, por exemplo, encontrei várias pessoas que não sabiam falar inglês, apenas castelhano ou chinês, porque vivem maioritariamente na sua comunidade, embora num país estrangeiro. Quem recebe essas comunidades sente-se acossado - anúncios publicitários na língua estrangeira por todo o lado, no seu país, incomoda alguns e eu compreendo as razões desse incómodo.

Fundamentos à parte, para o facto dos meninos portugueses insistirem em conversar em português, quando afinal estão em país estrangeiro e de eu perceber as razões do incómodo luxemburguês (talvez seja uma sensação de invasão), a história do castigo é que me incomoda. Se querem que os meninos fiquem devidamente integrados na cultura e língua luxemburguesas, poderão tomar outras medidas que não os castigos, vale?
Imagem de perfil

De golimix a 05.11.2014 às 17:37

Concordo em pleno com o seu comentário!
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 06.11.2014 às 23:42

Há uns anos fui ao Algarve em Março ou Abril, recordo-me que na praia da luz entrei em dois ou três bares onde não se falava português... era época baixa e havia poucos empregados, e pelo menos num ninguém falava português.. confesso que apesar de toda a minha abertura de espírito, não gostei,...

Na Venezuela há mais de 500 mil portugueses, saia de casa e encontrava-os na padaria, nos supermercados, nos transportes públicos, nos cafés, etc, etc, etc... acho que tem a ver com a forma como nos integramos ou não

Num destes dias vi uma reportagem num dos canais generalistas sobre os portugueses no Luxemburgo e fez-me impressão ouvir falar um senhor que está lá há mais de 20 anos e continua a viver num quarto... nunca teve uma casa sua... a ideia com que fiquei é que as pessoas vivem no seu "gueto" e não querem sair de lá... é portugueses por um lado e luxemburgueses por outro.... eu nunca senti isso na Venezuela.

Jorge
Imagem de perfil

De Existe um Olhar a 06.11.2014 às 11:31

Fiquei a saber pelo que escreveste, sobre a realidade Luxemburguesa, penso que proibir é uma medida demasiado forte e desnecessária.
Uma das situações que conheço melhor é a da Suíça e lá todos sabem que nas escolas, nas lojas, ou seja em que local público for , não se fala português, é um dado adquirido e ninguém o contesta.
As crianças aprendem facilmente o alemão na escola e em casa fala-se português.
Quem quiser arranjar um emprego a primeira pergunta que fazem é se sabem alemão, se não souberem, adeus emprego, excepção feita aos que trabalham na construção.
Curioso também é verificar que as mulheres esforçam-se e conseguem aprender, o mesmo não se pode dizer dos homens e quando estes têm de resolver algum problema, têm que levar a mulher atrás para servir de tradutora.
Concordo contigo, se vamos para um país estrangeiro há que aprender a língua, só traz benefícios.
Imagem de perfil

De Jorge Soares a 06.11.2014 às 23:43

Lá está, é uma questão de integração ou não, e não me parece que os portugueses que vivem no Luxemburgo se queiram integrar, eles querem é levar Portugal para lá

Jorge

Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D