Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Conto - Destinos

por Jorge Soares, em 05.12.15

destinos.jpg

 

Morar em bairro violento é assim: você tá chegando em casa vindo da escola e de repente um carro para ao teu lado, uma porta abre e um peso é jogado no chão, quase em cima de você: buf.

 

Você vê que é um corpo, seu coração para no peito por alguns segundos (enquanto você reza pra não ser ninguém conhecido, o carro voa cantando os pneus), e então volta a bater. Nesse momento, outras pessoas, seus vizinhos, já estão correndo em direção ao corpo, como se sentissem o cheiro da morte, e alguns são tão ousados que não se importam em virar o corpo com o pé, de modo que fique mais fácil identificá-lo.

 

Se for alguém conhecido, você pensa uma pena, fulano era um cara... ou algo do tipo.

 

Se não for conhecido, você simplesmente respira aliviado.

 

Nesse caso era conhecido, mas do tipo que inspira alívio, não lamentos. Seu nome ninguém sabia, mas todos o conheciam por Bugalu, um viciado metido a dono da rua que vivia puxando encrenca com todo mundo. Seu rosto estava inchado, os lábios cortados e o olho roxo, havia um furo de bala no lado esquerdo da testa.

 

Dei de ombros e fui pra casa, aliviado por saber que Bugalu não encheria mais o saco de ninguém. Ao chegar, tirei a roupa da escola e me deitei com os fones de meu walkman enfiados no ouvido e comecei a ler um gibi do Cebolinha, cuja história principal era uma paródia da peça do Edmond Rostand: Cebolô de Belgelac, onde Cebolinha fazia o papel de Cyrano, Cascão de Cristiano, e Mônica de Roxane. Eu adorava aquela história.

 

Era 1995, e eu tinha 10 anos. Muitos dos meus amigos que morreriam posteriormente por causa de algum envolvimento no tráfico de drogas local ainda estavam na idade escolar, como eu, e ocupavam o tempo livre jogando futebol na rua ou no terreno baldio mais próximo. Às vezes fugiam um pouco da rotina e substituíam o futebol por alguma outra coisa, mas no geral era futebol mesmo e eu bem que tentei acompanhá-los com minhas pernas de pau e meu fôlego curto, sem obter nada sequer próximo do sucesso. Assim, o que fiz foi me isolar cada vez mais com meus gibis e meus desenhos animados, além dos filmes dublados do Van Damme que eu alugava nos finais de semana.

 

O tempo foi passando e o bairro foi ficando cada vez mais violento, e com o bairro meus amigos também foram ficando mais violentos, e isso só fez com que eu me isolasse cada vez mais. Um dia aconteceu de meus amigos já não serem meus amigos, e de eu nutrir por meu bairro quase nenhuma afeição, além de uma vontade gritante de dar o fora na primeira oportunidade. E foi o que fiz. Sem olhar pra trás e com medo de virar estátua de sal se o fizesse.

 

 

Anos mais tarde voltei ao bairro, encontrei por acaso um velho amigo que jamais saíra de lá e nos mandamos pro bar mais próximo. Pouca coisa havia mudado lá, ele disse, mas a principal era que a galera das antigas ou morrera ou caíra fora ou estava comendo o pão que o diabo amassou. Então começou a discorrer sobre destinos trágicos e sonhos perdidos, e a noite terminou principalmente em tristeza.

 

Roberto Denser

 

Retirado de Samizdat

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:13



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D