Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Portugal, um país de parvos costumes!

por Jorge Soares, em 27.04.16

mustafa.png

 

Imagem do DN 

 

De manhã na revista de imprensa da Antena 1, a propósito da capa do Correio da manhã, falava-se de um "Arrastão no centro de Lisboa". Está visto que os jornalistas(??) deste Jornal(??) estão cada vez mais esclarecidos. O suposto arrastão afinal foi um infeliz episódio de violência em que alguém tentou defender o seu trabalho e a sua vida da violência gratuita de um bando de energúmenos.

 

Durante o dia  à medida que iam circulando os vídeos, a internet e as redes sociais por vezes são mesmo úteis, fomos percebendo melhor o que se passou, e segundo o DN o que se passou pode resumir-se assim:

 

"Peguei na faca de cortar kebab (espetada de carne) e tive de me defender. O que mais eu podia fazer? Um deles pegou na pistola ainda dentro do restaurante, outro tinha uma faca."

 

Já fomos um país de brandos costumes, agora somos um país cada vez mais igual a muitos outros, este tipo de coisas não deve acontecer, infelizmente acontece, segundo li alguns dos agressores foram identificados, espero sinceramente que se faça justiça,

 

Mas  há outras coisas que me chamaram a atenção na reportagem do DN, coisas como esta: 

 

"Podem escrever aí que eu desconto para Segurança Social, para tudo, e ainda não tive a autorização de residência do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF)."

 

Somos um país estranho, Mustafa trabalha, tem um negócio próprio, paga impostos, paga a segurança social, cumpre com os seus deveres de cidadão como qualquer outro cidadão, como qualquer outra pessoa tem deveres e pelos vistos cumpre-os, mas isso não lhe dá direitos.

 

Portugal vende vistos sem fazer muitas perguntas a quem tem dinheiro e quer arranjar uma porta de entrada para a Europa e para o ocidente, mas  é incapaz de reconhecer os direitos a quem para cá vem com vontade de trabalhar e de construir coisas.

 

Mustafa é Curdo, tem um restaurante em Lisboa, tem direito a ser agredido por energúmenos, mas não tem direito a um visto de residência para poder trazer a sua família para junto de si,  para o  país que escolheu para poder ter uma vida.

 

Já fomos um país de brandos costumes, agora somos um país de parvos costumes.

 

Jorge Soares

 

 

publicado às 22:05


32 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.04.2016 às 11:43

Terão direito a fazer o que quiserem como qualquer outro cidadão, a questão é que facilmente poderão ser localizados e responsabilizados (ou não), caso contrario, são filhos do ar e pelo ar desaparecem, ou acha que quando lhe pedem dados biométricos para entrar/legalizar a residência num qualquer país é só para enfeitar um papel?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.04.2016 às 12:11

"terao direito a fazer o que quiserem como qualquer outro cidadao",e muito bem dito, so que isso da-lhe o direito a ter um agregado familiar igual aos nossos, nao varias mulheres, tios primos avos e toda uma caterva de familiares que e costume entre eles, nao podem vir para ca viver toda esse gente como subsidiodependente, esse e um dos grandes problemas na questao de atribuir residencia e reconhecer o reagrupamento da familia ca, problema que ja se verificou noutros paises.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.04.2016 às 16:40

Hmm,
Nada como ler uns belos disparates para ver o atraso que somos...

De facto, é "anormal" os emigrantes quererem a familia por perto, seja ela numerosa ou não.
E o facto de se assumir que um refugiado será um "subsidiodependente" só espelha o preconceito que ainda mancha grande parte da população, que ignora a historia mundial.

Temos o pais que merecemos e a europa que merecemos, e um dia iremos (e já estamos) a pagar pelas escolhas que hoje estamos a fazer.

Fico ainda a pensar o que será isto "da-lhe o direito a ter um agregado familiar igual aos nossos"..

viva o preconceito. (só faltou dizer - que não venham homosexuais)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.04.2016 às 17:53

os homosexuais nao, porque eles la nao admitem isso e tratam-lhe da saude, agora que o senhor nao conhece nada da realidade europeia e um facto senao perceberia como bairros inteiros em paris bruxelas e londres ja sao muculmanos e nao foi por acaso que os terroristas de paris vieram da belgica atacar em frança e refugiaram-se novamente em "casa" . quanto a subsidio dependencia e um facto e havia muculmanos em frança vivendo com com mais que uma mulher recebendo subsidios como se tivessem varias familias, para alem do restante agregado. o senhor se calhar ao focar o passado pensa que estamos no tempo do atila ou gengis kao que levavam tudo na frente e se estabeleciam, nao, nao e assim mas que e uma batalha demografica la isso.

Comentar post



Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D