Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Conto - A lenda do demónio fêmea

por Jorge Soares, em 17.05.14

A lenda do demónio fêmea

 

Conta a lenda que, em épocas que repousam na neblina do passado, uma pequena comuna da região da Lombardia viu-se assolada por um mal tão voraz que homens e mulheres morriam sem tempo sequer para pedir ajuda. Um súbito revirar de olhos, um grito que ecoava nos campos e um estertor prolongado por convulsões de arrepiar os pelos. Pronto! Ia-se mais um vivente. Os sinais eram sempre os mesmos, como sacramentos macabros. E não havia beberagem ou bênção que impedisse a trajetória funesta, salvando aqueles homens de um destino tão horrendo. Tombavam em casa, nos parreirais, nas ruas, ou desabavam sobre os lombos dos cavalos que, instigados pelo grito, se empinavam, derrubando-os ou arrastando-lhes os corpos. Olhos esbugalhados e mãos esticadas como a pedir ajuda, os cadáveres mostravam em suas feições o pânico que carregavam para a eternidade.

 

Um fato curioso, no entanto, chamou a atenção dos locais: nem crianças, nem animais eram levados pela morte. A notícia cresceu mais do que a fome da praga, estimulando conjecturas e certezas.

— Isso é coisa da justiça divina! — garantiam os mais tementes.

— Ou é arte do Tinhoso... — desafiavam os mais ousados.

 

Mas nada os convencia de um motivo sem retoques. Enquanto isso, ao fim de cada dia, nunca menos que três ou quatro mortos eram preparados para o solo santo.  

 

Morava na cidade um certo Padre Baptisto, que aparecera pelas redondezas havia tantos anos que nem mesmo os habitantes mais antigos eram capazes de precisar a data de sua chegada. Viera para ser vigário, mas, homem de muita meditação e pouca pregação, durou pouco tempo à frente da paróquia. Os fiéis, necessitados de palavras que os perdoassem dos pecados revelados em confissão, e de pregações que os orientassem na missa de domingo, para que pudessem enfrentar a semana árdua de trabalho, sentiram-se indignados com os modos sóbrios do padre. Apressaram-se a solicitar à Arquidiocese de Milão que outro pároco lhes fosse enviado.

 

Apesar de substituído, Padre Baptisto já havia criado fama em toda a região pelo dom especial que possuía de conversar não apenas com Deus e com os anjos, mas também com os espíritos imundos. Pessoas vinham de muito longe pedir-lhe ajuda e livramento para dores e males, retornando às suas casas com o fardo da vida mais leve. E ele foi se deixando ficar na comuna, com as bênçãos do arcebispo, que não desejava ver aquele dom alardeado.

 

 

 

 

Cinthia Kriemler

 

 

Retirado de Samizdat

publicado às 20:46


Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D