Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Barquinhos de papel num país sem remos

por Jorge Soares, em 28.11.13

Estaleiros

Imagem do Público 

 

Depois da festa que foi o anuncio de que alguém ia ficar com uns estaleiros que há muito estavam parados, agora Viana do castelo teve um presente de natal envenenado. Ao contrário do que se estava à espera, a Martifer não ficou com a empresa dos estaleiros, ficou sim com os terrenos onde estão os estaleiros e pretende ficar com o negocio que por lá se faz.

 

Tenho estado com alguma atenção às noticias e sinceramente custa-me entender como é que há tanta gente surpreendida com este desfecho, desde o inicio dos anos 90 que a construção naval se mudou de armas e bagagens para o oriente. A Coreia, Taiwan e a China controlam a tecnologia e os preços, são eles que constroem praticamente tudo o que se mexe em mar alto, dificilmente alguém consegue fazer mais rápido, mais barato e melhor que eles.

 

Desde há muito que o único cliente a sério dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo era o estado, ora estando o estado falido, sem rumo e sem remos, para que servem uns estaleiros com uma estrutura estatal que dificilmente conseguem ser competitivos frente à tecnologia e preços que chegam do Oriente e até dos países do Norte da Europa? 

 

Chavez era amigo do Sócrates e além disso já morreu, além de que não se esperam mais favores Bolivarianos, não sei se Nicolás Maduro terá vontade e/ou dinheiro para pagar uns asfalteiros que teimam em não sair do papel e que mesmo que se cheguem a construir, são sérios candidatos a juntar-se na doca de Lisboa ao Ferry que ia para os Açores e que espera por melhores ofertas.

 

Entendo o desespero dos trabalhadores e da restante população de Viana do Castelo, acho terrível que as coisas tenham terminado assim, mas num país sem dinheiro e sem rumo, a menos que se reconvertam para a construção de barquinhos de papel e botes a remo, não há forma de manter abertos os estaleiros.

 

E agora vou fazer futurologia,  ao contrário do que dizia à pouco Paulo Portas, não acredito que o projecto da Martifer saia alguma vez do papel, é que dizem as notícias que os supostos 400 postos de trabalho dependem das encomendas, quais encomendas? Vamos ver quanto demora até haver o primeiro projecto imobiliário naqueles terrenos.

 

Jorge Soares

publicado às 22:26

Guerra e Paz em Gaza

 

Na segunda feira Israel atacou em águas internacionais uma frota de barcos turcos que pretendiam fazer chegar à faixa de Gaza a ajuda que não pode chegar por terra devido ao bloqueio imposto por este país desde há mais de um ano. No ataque, que repito, foi em águas internacionais morreram 9 pessoas e muitas mais ficaram feridas.

 

Na segunda feira os telejornais dos 4 canais abriram com a noticia do Mourinho a ser apresentado como treinador do Real Madrid, na RTP foram mais de 10 minutos de Mourinho, nem sei se falaram dos barcos e do assalto de Israel, entretanto tinha mudado de canal. Ontem foi dia de jogo da selecção nacional, falou-se de futebol e do fecho das escolas com menos de 21 alunos... e da crise.... dos barcos, de Gaza, dos palestinianos, de todo um povo que sofre, pouco se falou.

 

Gaza é uma porção de terreno de 45 Kms de comprimento por 10 kms de largura onde desde há 4 gerações vivem 1,4 milhões de Palestinianos, pessoas que foram expulsas das suas terras e casas e confinadas em campos de refugiados. Em Gaza não há espaço para mais nada que para as pessoas, não há vida, não há empregos, não há economia, não há nada, só há miséria humana e raiva.... muita raiva.

 

Há mais de um  ano e a propósito do ultimo ataque israelita em que morreram mais de 700 pessoas, escrevi o seguinte neste post:

 

Israel sabe que a mudança de presidente nos estados Unidos vai trazer ventos de mudança, a diplomacia Israelita sabe que mais tarde ou mais cedo, Obama vai trazer ventos de mudança que vão fazer abanar muitos equilíbrios precários. Vai daí, e enquanto é tempo, decidiu aproveitar todas as provocações para fazer uma limpeza do terreno antes que seja tarde.

 

O principal suporte do estado de Israel tem sido os Estados Unidos, só com a protecção do gigante Americano tem sido possível ignorar as dezenas de resoluções da ONU, só com a protecção dos Estados Unidos, Israel pode ignorar a censura do mundo durante tantos anos...e com Obama, mais tarde ou mais cedo, essa protecção vai acabar.

 

Está visto que eu, e já agora o mundo, esperávamos mais de Obama, para as pessoas da Palestina não mudou nada, Israel continua a fazer o que quer e lhe interessa, hoje as nações unidas condenaram o ataque aos barcos.... imagino que em Israel se devem rir do assunto, assim como desde sempre se riram de todas as resoluções e condenações das nações unidas e do mundo

 

O bloqueio israelita aos territórios da Palestina dura há mais de um ano, segundo noticia do Público, Israel nega-se a levantar o bloqueio, parece que o mundo, todos nós, decidimos olhar para o lado, até quando?

 

 

Jorge Soares

publicado às 21:27

URGENTEMENTE

por Jorge Soares, em 26.08.09

É Urgente 

 

Fotografia minha de Momentos e olhares 

 

URGENTEMENTE

 

 

É urgente o amor.

É urgente um barco no mar.

 

É urgente destruir certas palavras,

Ódio, solidão e crueldade,

Alguns lamentos,

Muitas espadas.

 

É urgente inventar a alegria,

Multiplicar as searas,

É urgente descobrir rosas e rios

E manhãs claras.

 

Cai o silêncio nos ombros e a luz

Impura, até doer.

É urgente o amor, é urgente

Permanecer.

 

Eugénio de Andrade, Antologia Breve

 

Moinho das marés das Mouriscas, Setúbal,

Março de 2008

 

Jorge Soares

 

Câmara: OLYMPUS IMAGING CORP.FE-140,X-725, ISO: 80, Exposição: 1/800 seg.,Abertura: 4.6, Extensão focal: 6.3mm

 

 

publicado às 15:59


Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D