Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Bairro da Bela Vista, Setúbal

 

Imagem do Público 

 

Hoje soubemos que nenhuma das balas disparadas pelos agentes atingiu o jovem da Bela Vista que morreu no Sábado após uma perseguição pela polícia, o jovem morreu precisamente porque circulava sem capacete, ironia das ironias, era esse o motivo pelo que o tinham mandado parar.

 

A presidente da Câmara de Setúbal pede ao governo mais e melhor polícia para o bairro, para quê? não é com mais polícias que se resolvem os problemas de um bairro que cada vez mais parece esquecido por uma cidade que vive de costas para ele e para quem lá vive.

 

Maria das Dores Meira chegou à presidência da Câmara em 2006, vai terminar o segundo mandato, a Bela Vista era um problema quando ela chegou à Câmara, o bairro tinha um ar degradado, a taxa de insucesso escolar era elevadíssima, e os problemas de delinquência eram constantes, entretanto passaram quase sete anos, estamos a chegar ao fim do segundo mandato e o que mudou?

 

Há partes do bairro que foram pintadas porque alguém ofereceu as tintas e os moradores deitaram mãos à obra, se há algum trabalho social é porque há na comunidade quem se esforçe por fazer a diferença, de resto nada mudou. O bairro continua com o mesmo ar degradado e abandonado de sempre,  com a crise e o aumento das dificuldades por parte de uma franja da população que nunca deixou de as ter, a situação social só piorou.

 

Pedir mais policia é sempre o mais fácil, mas em que é que isso vai melhorar a situação? melhor polícia quer dizer o quê? o Jovem morreu porque ia sem capacete e decidiu não parar quando a polícia o tentou questionar. Outros policias teriam feito o quê? fechado os olhos e ignorado a infracção e falta de respeito à autoridade?

 

Em época de eleições fica sempre bem dizer o que as pessoas querem ouvir, mas demagogias  à parte, gostava que a senhora explicasse o que é que quer dizer  "polícia suficiente", é haver um polícia dentro de cada prédio?, um em cada esquina?, um em cada rua?

 

Não é com mais policia ou com outros polícias que se resolvem os problemas de um bairro social, e muito menos um onde foram amontoados os esquecidos da sociedade, é com mais programas sociais, com mais e melhor escola, com programas de emprego. A Câmara não pode fingir durante décadas que o bairro não existe para depois vir pedir mais e melhor polícia cada vez que há um problema, de que serve a polícia se as pessoas não tem perspectiva de alguma vez terem um futuro decente?

 

Jorge Soares

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:00

Projecto E.scol.A  despejado pela policia de intervenção

Imagem do Público

 

Numa escola primária abandonada há cinco anos, um grupo de jovens decide recuperar as instalações e nelas desenvolver actividades que para além de darem  nova vida a todo um bairro, retiram os jovens da rua e afastam-nos da delinquência, um projecto com evidente sucesso, muita criatividade e em prol da formação da juventude e da comunidade.

 

Numa cidade normal o projecto seria acarinhado, promovido, incentivado, apoiado e até financiado pelos responsáveis políticos. No Porto, uma cidade que tem tanto de bonita como de anormal, a câmara municipal não só não dá o mínimo apoio ao projecto, como envia a polícia para acabar com ele.

 

O projecto ES.COL.A tem como objectivos "criar um espaço autónomo, autogestionado, livre, não discriminatório, não comercial e aberto a diferentes actividades... Daí chamar-se Espaço Colectivo Autogestionado do Alto da Fontinha. Nasceu com o bairro e para o bairro, com a comunidade e para a comunidade."

 

Num momento como o que vive o nosso país, em que as prioridades do estado estão cada vez menos viradas para a vertente social, este tipo de projectos da comunidade e para a comunidade são muito importantes. A verdade é que o estado não pode,  não quer,  ou não consegue chegar a todos os que necessitam de apoio, logo, é muito dificil de entender que situações como estas aconteçam.

 

Não faço ideia quais serão as ideias de Rui Rio e da Câmara do Porto para aquele lugar, a maior parte das noticias que li ou ouvi fala de obras previstas, não diz que tipo de obras nem com que finalidade, sejam estas quais forem, de certeza que haveria outra forma de se resolver a situação, sem policia, sem confrontos e sem destruir pela base um projecto em prol da comunidade que deveria servir de exemplo não só para a cidade, como também para o país. 

 

 

Vídeo retirado do Blog do Projecto

 

Jorge Soares

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:55


Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D