Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Todas as revoluções precisam de uma flor

por Jorge Soares, em 22.01.16

marisa matias.jpg

 

Imagem de aqui

 

É  para mim a frase desta campanha eleitoral, foi dita por um popular algures a norte  à passagem de Marisa Matias.

 

- Todas as revoluções precisam de uma flor

 

A campanha eleitoral das últimas legislativas foi marcada por uma mulher, Catarina Martins, esta campanha para as presidenciais ficou marcada por outra mulher, também ela  do Bloco de Esquerda, Marisa Matias.

 

Salvo raras excepções, a politica portuguesa tem estado marcada pelo domínio masculino com o resultado que se tem visto, saúda-se a chegada de mulheres de garra como Catarina Martins, Marisa Matias, Mariana Mortágua e tantas outras que deixam no ar um perfume de mudança

 

Se todas as revoluções precisam de uma flor, da esquerda portuguesa surgem muitas flores... ainda bem.

 

Jorge Soares

publicado às 21:37

Marcelo contra Marcelo

por Jorge Soares, em 05.01.16

 

É com certeza um político português, Marcelo Rebelo de Sousa igual a si mesmo, não percebo porque é que a malta se espanta com saídas destas por parte deste senhor, sempre foi assim, o cata-vento gira sempre a favor do vento... ou neste caso do que dá jeito na altura.

 

Tenho estado com alguma atenção a discursos e debates, do meu ponto de vista nem espremendo bem se consegue aproveitar muito, há muita gente a jogar à defesa e poucas propostas ou respostas directas.

 

Sou só eu que acho que há alguém que está a ser levado ao colo pela comunicação social?

 

Jorge Soares

 

publicado às 21:30

Eu Troiko, tu Troikas, ele Troika...

por Jorge Soares, em 16.09.15

governo.jpg

 

Imagem do Público

 

Sabemos que os portugueses tem memória curta, tão curta que após os não sei quantos anos de crise, mais os 4 de Troika que pelas minhas contas levaram pelo menos um quarto do nível de vida do país, as sondagens dizem que afinal falam falam, mas no fim, votam nos mesmos.

 

Quer-me parecer que sabendo dessa memória curta os senhores da coligação e dos do PS tentam assobiar para o lado e fazer-nos crer que afinal a Troika veio cá parar por iniciativa própria e não porque foi chamada.

 

Meus senhores, a minha memória não é assim tão curta e se bem me lembro, a Troika veio cá parar porque quem (des)governou o país nas últimas décadas gastou como se não houvesse amanhã, não soube, ou não quis, aproveitar as épocas das vacas gordas (acá fundos comunitários) e no fim levou o país a um estado tal em que não havia volta a dar,  a escolha era entre os cortes do PEC 4 do Sócrates ou a austeridade da Troika+coligação.

 

No fim nem importa muito quem os chamou ou quem os recebeu, nesta história não há inocentes, são todos culpados, o governo ( o actual e os anteriores) a oposição e evidentemente quem os elegeu... ou seja, todos nós.

 

Tomem lá nota, a mim não me serve de nada saber nesta altura quem os chamou ou quem escreveu cartas a apoiar essa chamada, a mim o que me interessa mesmo, e pelos vistos não há forma de saber, o que é que os senhores pensam fazer para evitar que ele tenha que cá voltar.

 

O que eu gostava mesmo de saber era o que pensam fazer para remediar os desastres que o Crato está a deixar na educação, a desgraça em que anda a justiça, como pensam resolver o caos na saúde que cada vez que muda e os portugueses se constipam, deixa os hospitais com esperas de horas e horas a fio. O que pensam fazer para atrair investimento que crie empregos reais e não dos que só servem para enganar os números,

 

O que os portugueses queremos é uma campanha a sério que nos esclareça, não jogos destes do empurra que só servem para distrair.... perceberam?

 

Jorge Soares

publicado às 22:04

Toma lá o teu Cocó

por Jorge Soares, em 05.03.14

Gostosa Cóco

 

Imagem de aqui 

 

Se há coisa que me irrita profundamente é que as pessoas levem os seus cãezinhos a passear, já seja à rua ou a um qualquer jardim e deixem os presentes do cão ali mesmo onde o animal se alivia. Eu percebo que as pessoas gostem de animais, mas era bom que gostassem tanto deles próprios e das restantes pessoas à sua volta, como gostam dos bichinhos, e está visto que a maioria não faz a menor ideia do que significa a palavra civismo, basta passear por qualquer rua das nossas cidades ou ir dar uma volta a qualquer bocado de relva dentro das cidades para se entender isso.

 

Tudo isto me irrita tanto que por vezes até faz vir o meu mau feitio ao de cima. Há uns 12 anos atrás levamos a R. que na altura teria pouco mais de um ano a passear à Praça do Bocage, na baixa de Setúbal. No meio da muita gente um casalinho passeava um cão enorme, que à falta de melhor, escolheu o meio da praça para deixar um cocó de umas dimensões acordes com o seu tamanho.

 

O casalinho esperou que o animal terminasse de se aliviar e seguiu caminho como se nada fosse... não aguentei e chamei-os de volta. Ficaram indignadíssimos comigo, que me metesse na minha vida, disseram. Não os deixei sair dali, felizmente havia um polícia por perto e os meninos foram obrigados a limpar a imundice.

 

Há uns meses atrás, no jardim da Algodeia, um avô e o seu neto passeavam o seu cachorrinho junto ao parque infantil onde brincavam várias crianças. À falta de melhor, o animal aliviou-se ali mesmo. Evidentemente o senhor fez como se não fosse nada com ele... de novo não me contive:

 

- Desculpe lá, o cão é seu, a limpeza é da sua responsabilidade!

-... - tentou ignorar-me.

-Ouça, é consigo, o cão sujou, o senhor deve limpar!

-Você é fiscal?

-Não, não sou, mas sou cidadão, há imensas crianças aqui, e o senhor é o responsável pelo cão, assim que tem que limpar.

-Quer que eu faça o quê?

-Se não sabe educar o cão para que não faça isto aqui, tem que limpar...

 

Quando eu já estava a ver que a coisa só se ia resolver com a chamada da polícia, mais alguém que andava a passear um cão chegou-se a nós, puxou de um saco do bolso e disse-lhe:

 

- Tome lá, use este saco, e para a próxima traga sacos.

 

O Homem engoliu em seco, pegou no saco e apanhou.

 

Infelizmente há muitos donos de cães que não tem o civismo suficiente para perceber que a responsabilidade pelo que o animal faz é deles e isso nota-se nas nossas ruas, nos nossos jardins... Existem normas e multas para quem não as cumpre, mas parece que não há multas e normas que resolvam a falta de civismo e educação.

 

Ciente de tudo isto a junta de freguesia de Benfica acaba de lançar o seguinte vídeo com a participação do Nuno Markl, que espero se torne rapidamente viral, pode ser que algumas pessoas percebam a mensagem e o nosso ambiente se torne um pouco melhor... 

 

Jorge Soares

publicado às 22:11

Continuamos à espera

 

 

Continuamos à Espera é uma campanha de Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global, centrada nas temáticas da Saúde Sexual e Reprodutiva, Justiça Social, Igualdade de Género e Oportunidades e baseada nos Direitos Humanos.

 

Uma campanha sensibilização e acção que parte de uma chamada de atenção para as situações de profunda discriminação e desigualdade que continuam a existir em qualquer parte do mundo e face às quais não podemos ficar indiferentes nem a aguardar que os tempos e a mudança de mentalidade resolvam.

 

É da iniciativa de organizações portuguesas da sociedade civil: P&D Factor – Associação para a Cooperação e Desenvolvimento, CCC- Associação Corações com Coroa, AJPAS – Associação de Intervenção Comunitária, Desenvolvimento Social e Saúde e Oikos – Cooperação e Desenvolvimento.

 

Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 com vista à promoção e defesa de um ambiente social e político favorável ao exercício dos direitos humanos em igualdade de todas as pessoas, sobretudo as mais invisíveis e que mais facilmente estão em situação evitáveis de vulnerabilidade, pobreza, doença e exclusão: as raparigas e as mulheres.

 

Continuamos à espera de ver as pessoas no centro das políticas e agendas de desenvolvimento e assegurar que todas as pessoas, sobretudo as mulheres e as adolescentes, têm acesso à informação, aos serviços e à protecção de que precisam para ter uma vida segura, saudável e gratificante.

 

Apesar dos compromissos assumidos na Declaração do Milénio (que definiu em 2000 os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio -ODM- assinada pela totalidade dos países então existentes), revisões e documentos posteriores, Continuamos à espera de ver as pessoas no centro das políticas e agendas de desenvolvimento e assegurar que todas as pessoas, sobretudo as mulheres e as adolescentes, tenham acesso à informação, aos serviços e à protecção que precisam para ter uma vida segura, saudável e gratificante.

 

Continuamos à Espera é um movimento que apela a um papel mais interveniente e activo na construção da Agenda de Desenvolvimento Pós 2015 que atenda aos Direitos Humanos e às desigualdades mais gritantes e que são esquecidas:

 

• A saúde sexual e reprodutiva (saúde materno- Infantil, planeamento familiar, saúde de adolescentes, prevenção do VIH e Sida, parto e maternidade segura;

• A educação das raparigas (que promova o conhecimento, a manutenção no sistema de ensino e formação, que previna os casamentos precoces e forçados, a gravidez adolescente, a mutilação genital feminina, a violência e a discriminação);

• A igualdade de género e de oportunidades (que assegure a participação e reconhecimento dos contributos políticos, sociais e económicos das mulheres); e

• A justiça social que, no respeito pelos direitos humanos, promova e defenda o trabalho digno, a protecção social e o empoderamento como essenciais ao desenvolvimento das pessoas, das famílias, das economias e do mundo.

 

Todas as informações em:

http://www.popdesenvolvimento.org/continuamosaespera

https://www.facebook.com/continuamosaespera

 

Fonte Oikos

publicado às 22:24

Ela é a Joana e quer pagar impostos

Imagem do Público

 

Ela é a Joana, e quer pagar impostos, e ter direito a férias, e à segurança social e à protecção no trabalho que tem qualquer outro cidadão em Portugal, à reforma e a trabalhar sem estar sujeita ao insulto,  ao escárnio e à discriminação... ela quer ter direito a ganhar a vida com o corpo dela, o que tem isso de mal?

 

A Joana é prostituta, mas podia ser  stripper ou  operadora de linha erótica, ou acompanhante de luxo.. tudo profissões que em Portugal não existem... ou será que existem?


Será que as coisas que não queremos ver deixam de existir? Durante anos em Portugal não existia aborto, quer dizer, todos conhecíamos alguém que já tinha abortado, ou que contribuiu para que uma mulher abortasse, mas na realidade o aborto não existia... ou existia?


É evidente que a prostituição existe em Portugal, basta uma qualquer viagem que não seja por auto-estrada para percebermos que sim, que a prostituição existe, ou comprar um qualquer jornal diário e olhar para as páginas dos classificados, mas há muita gente que insiste em fazer de conta que ela não existe.


É claro que estas coisas existem e ao contrario do que muita gente acha, nem sempre são causadas pela pobreza e as drogas, há quem o faça porque escolheu esse modo de vida, nem todos são vitimas e coitadinhos, há quem o faça porque gosta de o fazer e porque acha que essa é a melhor forma de viver bem. 

 

E nestes casos, porque é que quem escolhe viver assim, não pode ter direito a que se lhe reconheça a sua profissão? 

 

A campanha “Trabalho sexual é trabalho” pretende contribuir para contrariar “o estigma que recai sobre quem faz trabalho sexual”, porque o estigma tem “um impacto negativo nas condições de trabalho, na saúde, na segurança”.


Estamos no século XXI e era bom que a mentalidade das pessoas evoluísse à mesma velocidade que evolui o mundo, para que de uma vez por todas deixemos de olhar para o lado e aceitemos que estas coisas existem mesmo e não, não é só lá fora, por cá também.



 

Jorge Soares

publicado às 21:24

cão vivo que aguarda ser queimado juntamente com os restantes cadáveres de animais mortos

Imagem retirada do Suspeitas

 

 

Aquilo que nos separa dos animais é a racionalidade, a mesma racionalidade que nos converte em selvagens quando decidimos enfrentar um touro com cavalos, ferros e espadas numa tourada, ou utilizar um chicote para domar um animal selvagem e colocá-lo ao nosso serviço num circo, ou para utilizar uma arma e caçar um animal no seu habitat natural pelo único prazer de matar.. ou simplesmente achar que podemos dispor da vida de qualquer animal para primeiro o acolhermos e depois o abandonarmos só porque ele cresceu, ou porque nos cansamos de brincar com ele.

 

Os animais não são coisas, são seres vivos e é como seres vivos que os devemos tratar, não como obejctos ou coisas das que podemos dispor ao nosso prazer.

 

Por uma nova lei de protecção dos animais, pelo fim das touradas, pelo fim dos animais nos circos, pelo fim da caça por prazer, pelo fim do abandono dos animais vamos dar "Um Passo em Frente" - Campanha ANIMAL "Nova Lei de Protecção dos Animais".

 

Vídeo de Lançamento da 2.ª Fase da Campanha "Por uma Nova Lei de Protecção dos Animais em Portugal"

"Um Passo em Frente".

 

 

Eu apoio esta campanha por uma nova lei de protecção dos animais em Portugal

 

Jorge Soares

publicado às 22:13

Vandalismo Camaradas, isso é vandalismo.

por Jorge Soares, em 25.05.11

Vandalismo Politico em Setúbal

 

Imagem minha do Momentos e Olhares

 

Antes de mais quero esclarecer o seguinte, este não é um post politico, fosse outro o partido e podem ter a certeza que o meu sentimento seria exactamente o mesmo.

 

É público que eu não gosto de grafittis, vai fazer dois anos em que no post Grafittis, arte ou vandalismo? o deixei bem claro aqui no blog. Não é difícil perceber porquê, basta dar uma volta pela baixa de Setúbal... por toda a cidade, para perceber que não é possível gostar. Nesta cidade não há o mínimo respeito por paredes, montras, janelas, prédios novos, prédios antigos, muros, ... qualquer espaço é bom para mais uns riscos, mais um boneco. 

 

Dito isto é evidente que não posso gostar de imagens como a que apresento aqui, para muita gente será propaganda politica, para mim é puro vandalismo. Pintar uma consigna politica numa parede em pedra de um prédio privado e habitado não é fazer politica, é vandalismo, não é fazer propaganda politica, é vandalizar propriedade privada.

 

escadarias da universidade de Coimbra vandalizadas

E do meu ponto de vista, o mesmo se aplica ao que fizeram em Coimbra nas escadarias da Universidade, para muita gente será propaganda politica, para mim é vandalismo e uma enorme falta de respeito pelo património da universidade e da cidade. Haverá quem diga que isso sempre aconteceu, que acontece em todas as eleições, pois, talvez, mas isso não faz com que não seja errado, há imensas coisas que sempre se fizeram e que agora consideramos errado e não o admitimos, exemplos é o que não falta.

 

E não, este post não é uma tentativa de censura de nada, simplesmente mostra a minha opinião sobre uma prática que não tem justificação possível. Vivemos na era da comunicação, os partidos tem tempos de antena, páginas no Facebook, blogs, twitter, mil e uma formas de passar a sua mensagem, atrevo-me a dizer que em lugar de ganhar votos, coisas como as que vemos na minha fotografia, tendem a afastar as pessoas.

 

E antes que me acusem de ser movido por motivos políticos, não, não sou filiado em nenhum partido, nunca fui e não penso ser...  e continuo sem saber em quem vou votar no dia 5 de Junho.

 

Jorge Soares

 

publicado às 21:27

A política dos grandes argumentos

por Jorge Soares, em 14.04.11

Soledad Sánchez Mohamed e as suas poderosas razões

Todos sabemos que vivemos numa época que não prima pelos argumentos políticos, pela competência e nem pela honestidade, é muito difícil escolher em quem votar, quantas vezes, como nas ultimas eleições presidenciais, terminamos por votar no menos mau dos candidatos?

 

Soledad Sánchez Mohamed, candidata do Partido Democrático a presidente da Câmara da cidade de Ciudadela, em Menorca, decidiu que à falta de argumentos políticos, teria outros tão ou mais merecedores.

 

O lema da campanha é: Dois Grandes argumentos,  os cartazes mostram a candidata numa pose no mínimo original para uma campanha politica.

 

Os restantes candidatos acusaram a Soledade de fazer uma campanha sexista e obrigaram à retirada do cartaz da sede do partido, mas ela não se fica, para além de acusar os outros candidatos de retrógrados, contraargumenta: "Ninguém é mais feminista que eu, cada pessoa é livre de se expressar como entende, os peitos são meus e utilizo-os como me apetecer"  .... e quem fala assim não é gago.

 

Senhoras dos partidos políticos portugueses, estão à espera de quê para seguir o exemplo, afinal o nivel desta pré-campanha é tão baixo que pior não ia ficar..e pelo menos haveria para onde olhar.

 

Jorge Soares

publicado às 21:54

Portugal vai da mentira ao disparate pegado

por Jorge Soares, em 13.04.11

25 de abril sempre

Imagem de aqui

 

Vou começar pelo disparate,  "Se soubesse como o país ia ficar, não fazia a Revolução" (Otelo Saraiva de Carvalho), com todo o respeito que me merecem ele e as pessoas que tornaram possível o 25 de Abril, isto só pode ser visto como um disparate dito por alguém que está a perder a noção da realidade, é verdade que a situação é complicada, mas mesmo no meio de toda esta crise, não há comparação possível... é muito diferente um país com  alguma miséria que um país que é uma miséria.

 

Quanto às mentiras, bom, o difícil é escolher, os líderes dos dois maiores partidos têm-nos brindado cada dia com um novo capítulo de uma telenovela mexicana que à medida que o tempo passa vai descendo de nível.  Toda esta história do PEC IV e da sua discussão ou não antes da sua apresentação pelo governo, é de bradar aos céus. E o mais incrível é que já é difícil perceber se o mais mentiroso é o Sócrates, que nos dizia que estava a correr tudo bem e que não eram necessárias mais medidas ao mesmo tempo que discutia e preparava mais um PEC, ou o Passos Coelho, que primeiro não sabia de nada, depois tinha sabido por telefone, e afinal tinha estado a discutir a coisa com o ainda Primeiro ministro... isto para já não falar do "deitamos o governo abaixo porque as medidas são más demais", que agora se transformou num, "As medidas apresentadas pelo governo no PEC eram insuficientes"

 

Segundo as últimas sondagens, o PS e PSD no seu conjunto tem mais coisa menos coisa, 70% das intenções de voto dos portugueses... alguém me explica o que se está aqui a passar? como é que as pessoas conseguem pensar em eleger algum destes senhores?, como é que alguém pode pensar em votar em quem diz e desdiz como se nada fosse?, como podem querer a governar pessoas que brincam assim com o futuro do país e de todos nós?

 

Não sou dos que acham que os políticos são um bando de corruptos e mentirosos, mas o que é demais é moléstia, e o triste espectáculo que estes dois senhores tem dado ao país é tão evidente que nem tem nome... será que as pessoas não vêem?

 

Jorge Soares

publicado às 23:14


Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D