Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Abstenção

 

 

Quem ganhou estas eleições europeias? Não há como fugir à matemática, quem tem mais votos ganha, e esta vez quem teve mais votos foi o PS, ainda que esta vitória seja relativa.

 

O PS estava à espera de uma enorme derrota do governo para já esta semana lançar uma moção de censura e tentar que o presidente da República convocasse legislativas antecipadas, uma diferença de 4% não é uma vitória por aí além, e não me parece que convença alguém de que há legitimidade para fazer cair o governo de Passos Coelho e Paulo Portas.

 

A CDU, tal como em quase todas as eleições, declara-se como um dos vencedores, terá tido perto de 12% dos votos, também não me parece que seja motivo para grandes euforias, afinal supostamente o país está descontente com as políticas do governo e dos partidos do arco do poder, parece-me sim que terá sido este partido quem mais beneficiou da enorme abstenção, os seus votantes são fieis e não faltam nunca.

 

O Bloco de esquerda é sem dúvida nenhuma o maior derrotado destas eleições, para um partido que já esteve acima dos 10% em outras eleições, 4% são a prova de que há algo de muito errado com as linhas políticas escolhidas pelos seus actuais dirigentes, a perda do eleitorado tem sido uma constante ao que se tem juntado o abandono do partido por algumas das figuras mais carismáticas também elas descontentes com o rumo das ideias.

 

Por fim, do meu ponto de vista o maior vencedor destas eleições será Marinho Pinto, que levou o Movimento partido da Terra acima dos  7%, eu não gosto de populistas, não gosto de Marinho Pinto nem comungo com as suas ideias. Mas não deixo de reconhecer que numa campanha vazia de ideias ele terá sido quem melhor conseguiu chegar aos eleitores, mas isso não é só mérito dele, é sobretudo demérito dos partidos políticos, de todos os partidos políticos.

 

Há outras ideias que podemos retirar destes resultados:

 

Em primeiro lugar os partidos do arco do poder, os que nos levaram à situação onde estamos,  tiveram 60% dos votos, e isso só pode significar que afinal, não há assim tanta gente descontente com a austeridade e os cortes como por vezes parece, só isso explica que se continue a votar nos mesmos.

 

Se fosse verdade que quase metade da população está mais pobre e uma boa parte na miséria, de certeza que os resultados seriam outros.

 

Por fim, há muita gente que acha que quem ganhou as eleições foi a abstenção, isso não é verdade, a abstenção só serve para as estatísticas, não elege nem castiga ninguém. O facto de que dois terços do país não tenha ido votar só mostra que as pessoas não se importam com o seu futuro ou que estão contentes com quem governa, de resto, as eleições valem o mesmo quer votem 100% ou um por cento.

 

Por fim, e olhando para o panorama Europeu, começa a ser assustador o avanço da extrema direita na Europa, que em França ganhe Le Pen mesmo depois daquelas declarações sobre o ébola, é mesmo muito assustador.. eu sei que a história não se repete... mas ainda não passou assim tanto tempo desde a segunda guerra mundial como para isto já estar a acontecer outra vez.

 

Jorge Soares

publicado às 22:11

Quem ganhou e quem perdeu estas eleições?

por Jorge Soares, em 05.06.11

Quem ganhou as eleições em Portugal?

Imagem Minha do Momentos e Olhares

 

Ao contrário da maioria das eleições anteriores, esta vez é fácil dizer quem ganhou e quem perdeu, em primeiro lugar eu acho que perdeu o país, 42% de abstenção é uma clara derrota para o país. Estas eram umas eleições muito importantes, talvez as mais importantes desde o 25 de Abril, metade das pessoas não quis saber, metade das pessoas não quer saber quem os governa. É bom que alguém reflicta muito seriamente sobre o que isto significa realmente. Estamos a criar uma sociedade sem consciência civica e politica e isso é muito perigoso.

 

Dos resultados dos votos expressos, acho que está muito claro quem ganhou e quem perdeu, ganharam claramente o PSD e o CDS. Tenho para mim que há nesta vitória do PSD muito mais demérito do Sócrates, que mérito do Passos Coelho, este soube estar no lugar certo no momento certo, a mim ficam-me sérias dúvidas sobre a sua capacidade politica, espero sinceramente estar enganado, a situação do país já é suficientemente grave como para termos à frente alguém sem pulso.

 

O outro grande vencedor da noite é sem dúvida alguma Paulo Portas, o Partido do táxi já quase chega a partido do autocarro e está às portas do poder. Quer-me parecer que não vai ser fácil o entendimento, Portas vai vender muito caro o seu apoio ao governo, Passos Coelho falou de um governo com 10 ministros,  bom, a mim quer-me parecer que depois da noite de hoje, Portas vai querer 5 só para ele ...

 

Todos os restantes partidos perderam, e esta vez não há meias derrotas, só derrotas a sério a começar pelo Bloco de esquerda, que de quarto partido passa para quinto. Quanto a mim o bloco deslumbrou-se com o resultado de 2009 e esqueceu o seu norte. O Bloco passou de ser a esquerda moderna para uma cópia, muitas vezes pobre, do partido comunista. 

 

Eu sou votante do bloco desde que este apareceu, esta vez tive uma enorme dificuldade em decidir-me em quem votar, porque senti que o partido deixou de me representar. Eu não me senti representado naquela moção de censura fora de tempo e de lógica, e sobretudo não me senti representado na decisão de não ir falar com a Troika. Não era necessário assinar o memorando ou estar de acordo com as medidas propostas, mas era muito importante lá ir, dizer porque não se está de acordo e quais as medidas alternativas. Eu e muita gente sentimos que ficamos sem voz.

 

Não ouvi o que disse Jerónimo de Sousa, mas esta vez não há vitórias morais, num momento em que o PS caiu para baixo dos 30%, a CDU tinha que crescer muito, tinha que saber mobilizar os votantes da esquerda, tinha que crescer à custa do PS, não cresceu..de resto, foi igual a si mesmo... 

 

Por ultimo, o PS perdeu, deixou de ser governo e face ao resultado do CDS, mesmo com a renuncia do Sócrates, não tem a menor hipótesse de vir a fazer parte alguma coligação. Pior, a saída do Sócrates vai deixar um vazio, não se vê neste momento quem possa ter o carisma politico para voltar a fazer do PS um partido com aspirações de poder.

 

Esperam-nos tempos conturbados, veremos se PSD e CDS conseguem criar uma aliança forte que consiga manter-se no governo pelo menos até ao fim do periodo de intervenção do FMI... veremos quando são as próximas eleições.

 

Jorge Soares

publicado às 21:45

Vandalismo Camaradas, isso é vandalismo.

por Jorge Soares, em 25.05.11

Vandalismo Politico em Setúbal

 

Imagem minha do Momentos e Olhares

 

Antes de mais quero esclarecer o seguinte, este não é um post politico, fosse outro o partido e podem ter a certeza que o meu sentimento seria exactamente o mesmo.

 

É público que eu não gosto de grafittis, vai fazer dois anos em que no post Grafittis, arte ou vandalismo? o deixei bem claro aqui no blog. Não é difícil perceber porquê, basta dar uma volta pela baixa de Setúbal... por toda a cidade, para perceber que não é possível gostar. Nesta cidade não há o mínimo respeito por paredes, montras, janelas, prédios novos, prédios antigos, muros, ... qualquer espaço é bom para mais uns riscos, mais um boneco. 

 

Dito isto é evidente que não posso gostar de imagens como a que apresento aqui, para muita gente será propaganda politica, para mim é puro vandalismo. Pintar uma consigna politica numa parede em pedra de um prédio privado e habitado não é fazer politica, é vandalismo, não é fazer propaganda politica, é vandalizar propriedade privada.

 

escadarias da universidade de Coimbra vandalizadas

E do meu ponto de vista, o mesmo se aplica ao que fizeram em Coimbra nas escadarias da Universidade, para muita gente será propaganda politica, para mim é vandalismo e uma enorme falta de respeito pelo património da universidade e da cidade. Haverá quem diga que isso sempre aconteceu, que acontece em todas as eleições, pois, talvez, mas isso não faz com que não seja errado, há imensas coisas que sempre se fizeram e que agora consideramos errado e não o admitimos, exemplos é o que não falta.

 

E não, este post não é uma tentativa de censura de nada, simplesmente mostra a minha opinião sobre uma prática que não tem justificação possível. Vivemos na era da comunicação, os partidos tem tempos de antena, páginas no Facebook, blogs, twitter, mil e uma formas de passar a sua mensagem, atrevo-me a dizer que em lugar de ganhar votos, coisas como as que vemos na minha fotografia, tendem a afastar as pessoas.

 

E antes que me acusem de ser movido por motivos políticos, não, não sou filiado em nenhum partido, nunca fui e não penso ser...  e continuo sem saber em quem vou votar no dia 5 de Junho.

 

Jorge Soares

 

publicado às 21:27

Metade dos eurodeputados portugueses não abdica de viagens em executiva

 

Metade dos eurodeputados portugueses não abdica de viagens em executiva

Por cá a noticia passou mais ou menos despercebida, na Espanha por exemplo foi o tema do dia no Twiter, a proposta até foi de um deputado Português, Miguel Portas do Bloco de esquerda e em nome do grupo Esquerda Unitária Europeia, e que defendia a alteração dos critérios de viagem de modo a que as deslocações aéreas inferiores a quatro horas fossem feitas em classe económica) acabou rejeitada pela maioria dos membros do Parlamento Europeu (por 402 votos contra, 216 a favor e 56 abstenções).

 

A proposta foi rejeitada, a maioria dos senhores eurodeputados não admite ter que viajar com o povo e insiste em viajar em primeira classe. Entre os 22 deputados portugueses 9 votaram a favor da moção, os três deputados do Bloco de Esquerda (Miguel Portas, Marisa Matias e Rui Tavares), os dois deputados da CDU (Ilda Figueiredo e João Ferreira) e quatro eurodeputados do PS (Luís Paulo Alves, Elisa Ferreira, Ana Gomes e Vital Moreira).

 

Votaram contra do PSD: José Manuel Fernandes, Paulo Rangel, Regina Bastos, Carlos Coelho, Mário David, Maria do Céu Patrão Neves e Nuno Teixeira. Do lado do PS, votaram contra os socialistas Luís Manuel Capoulas Santos e António Fernando Correia de Campos. Os deputados do CDS faltaram à votação.

 

Convém recordar que cada Eurodeputado ganha  7.956,87 Euros por mês, mais 304 Euros por cada sessão do parlamento em que participe, a isto pode acrescentar mais 4.299 euros para gastos de gabinete. Tudo somado pode chegar até aos 19000 Euros por mês... nada mal.

 

Convém registar quem votou a favor da moção e quem votou contra, num momento em que por cá se vai pedir ao povo português para apertar ainda mais o cinto, exemplos como este de alguns deputados do PS e dos deputados de PSD e CDS, mostram o que realmente interessa aos nossos políticos.

 

Um destes dias ainda vamos ver algum destes senhores que agora votou a favor de se continuar a malgastar os dinheiros públicos, a pedir aos portugueses para pouparem.... afinal, parece que vale tudo

 

Jorge Soares

publicado às 23:05

Bloco de esquerdaHá uma coisa que não muda nas eleições portuguesas, é sempre difícil perceber quem perdeu, por norma todos cantam vitória, esta vez não é excepção.

 

Para além da vitória do PS, eu acho que há dois grandes vencedores, o CDS e o Bloco de esquerda, ainda que a mim me pareça que esta votação do CDS pode ser enganadora, muitos dos votos que saíram do PSD irão voltar, por outro lado acho que o crescimento do bloco é sustentado, a grande maioria destes votos veio para ficar e o bloco será a terceira força do país.

 

Grande derrotado, sem duvida o PSD, e a derrota é tão grande que inclusive na Madeira o PS elegeu um deputado e o CDS outro. Durante muitos anos havia muita gente que via em Manuela Ferreira Leite uma espécie de Don Sebastião, que emergiria do nevoeiro para salvar o partido, o resultado está à vista. 

 

A falta de ideias politicas, de carisma e até de bom senso da líder do PSD era mais que evidente, e a sua actuação nas duas ultimas semanas de campanha levaram a que as pessoas simplesmente não acreditassem  que ela era capaz de governar. Uma coisa é certa, estas eleições constituem o fim do cavaquismo em Portugal..e era capaz de apostar que nas próximas eleições presidenciais, vai haver muita gente dentro do partido que tentará que apareça outra figura para candidato... 

 

Quanto ao futuro do país,  a estabilidade politica do país irá depender da capacidade de negociação de Sócrates, depois dos comentários da ultima semana, não será fácil que surja um acordo politico com o BE ou a CDU, acho que serão feitos acordos caso a caso e acredito que o PS cumpra a legislatura... isto se o presidente da república deixar.

 

Jorge Soares

PS:Não falo da abstenção.. só conta quem lá vai!

publicado às 21:52


Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D