Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Usar a cabeça

Gamado do Café onde alguém o havia gamado do Tresgues 

 

Não tem nada de novo, é o mesmo ano após ano desde que começou a haver provas, esta ano os resultados dos exames foram os piores, para o ano será pior, podem ter a certeza. Se alguém acha que é um novo governo e um novo ministro que vai fazer o milagre, desengane-se, não vai mudar nada.

 

O ano passado cá em casa tivemos que travar uma guerra com os professores, com a escola, com o agrupamento, com meio mundo, porque nós pais decidimos que o nosso filho ia repetir o quarto ano, a nós só nos interessa que ele aprenda, que saiba o mínimo para poder seguir em frente.  Infelizmente parece que a mais ninguém lhe interessa se as crianças sabem ou não.

 

Não sou dos que acham que temos que voltar aos métodos e à escola de antigamente,  não me parece que a minha escola ou os meus professores fossem melhores que os actuais, bem pelo contrário. As escolas e as crianças portuguesas nunca tiveram tão boas condições, nem em casa nem na escola, nem professores tão bem preparados e com tanto apoio como tem hoje em dia.

 

Onde está o problema?, o problema está no paradigma, quando eu andava na escola o objectivo era que as crianças aprendessem, que saíssem de lá a saber o mínimo para enfrentar a vida. Neste momento o objectivo da escola em Portugal é contribuir para os números. As crianças devem estar na escola o maior tempo e até mais tarde possível, se pelo meio aprenderem alguma coisa, melhor, mas se não aprenderem, pelo menos contribuem para que o país esteja na média.... bom, na média de quase tudo, porque na média das notas de exame de certeza que não estamos.

 

A solução é muito simples, aproveitar as excelentes condições da grande maioria das escolas, o conhecimento e preparação dos professores e utilizá-los para aquilo que foram pensados, ensinar os nossos filhos... se pelo meio voltarmos a descer nas médias, paciência... antes um país abaixo da média que um país de analfabetos funcionais.

 

Jorge Soares

 

 

publicado às 21:32

Falemos de chumbos..e da nossa escola

por Jorge Soares, em 02.08.10

O N. a fazer salto mortal

 

Ouvi a noticia no Sábado, estava a ver televisão com o N.,  ele mal ouviu falar do assunto saltou e foi contar à mãe, "Vão acabar com os chumbos", não percebo quem escolhe os timings para dizer estas coisas, mas uma ministra da educação a falar de um assunto destes no dia 1 de Agosto quando está tudo a pensar nas viagens de férias e o que há pela frente é um mês com o país a banhos.... a mim deixa-me a pensar.

 

Por muito que o N. possa pensar no assunto, esta é uma medida que já não o vai afectar, como contei neste post, deu muito trabalho. Primeiro foi preciso convencer a professora, depois a professora de apoio. Foram necessários  relatórios da pedo-psiquiatra que segue a hiperactividade, da psicóloga do centro de apoio ao estudo e que  ambas falassem com as professoras pessoalmente.

 

Mas convencer as professoras não é suficiente, foi necessário preencher inquéritos e pedidos especiais... e aceitar as ameaças da falta de horários, de turmas e até vagas nas escolas,.... foram necessárias muitas coisas até que finalmente convencemos a escola e o agrupamento. Tantas coisas que acredito que a maioria dos pais não teria capacidade psicológica e até financeira (pedo.psiquiatras e psicólogos fazem-se pagar caro) para conseguir o que nós conseguimos, que o N. ficasse retido.

 

A verdade é que este anúncio da ministra não faz o mínimo sentido, há muito que se acabaram os chumbos, porque os professores não estão para ter trabalho, os pais ficam mais felizes fingindo que têm uns filhos perfeitos, a ministra pode mostrar uns gráficos muito bonitos como se fossemos um modelo de educação... é claro que na verdade estamos cada vez mais a criar um país de analfabetos funcionais e de frustrados.. mas ficamos muito bonitinhos nas estatísticas.. que parece que é o que interessa.

 

Olhando para trás, e mesmo que o N. ainda tenha algumas dificuldades em aceitar o assunto, cada vez mais sinto que fizemos o mais correcto, ele não está preparado, não tem conhecimentos suficientes e ir nesta altura para o quinto ano era criar um enorme problema. Mas foi uma luta complicada, existiram momentos em que me senti atado de pés e mãos e com um enorme sentido de frustração, porque achava que a minha opinião de pai não servia para nada, era como se o futuro do meu filho estivesse completamente fora das minhas mãos ,.. acreditem, descobrir que as coisas possam ser assim é um sentimento para além de frustrante, bastante estranho.. e houve um dia em que dei por mim desesperado.. porque quando achava que a professora estava finalmente convencida, apareceu a professora de apoio a dizer que ele tinha cumprido os objectivos... ainda estou para perceber como é que uma criança que tem não satisfaz em mais de 80% das avaliações, pode ter cumprido algum objectivo... juro que pensei em enfrentar a senhora e exigir uma explicação.

 

Diz a senhora ministra que se vão substituir os chumbos com mais acompanhamento e atenção mais personalizada, bom, se o apoio extra for como o que o N. teve na escola  nos dois últimos anos.... bem que pode a senhora ministra ficar sentada à espera que algo mude...

 

Antes de tomar decisões destas há que olhar para a realidade das nossas escolas, para as nossas  crianças e os seus problemas e pensar. Nós não somos a Finlândia ou a Suécia, não vivemos como eles, não pensamos como eles, temos muito pouco a ver com eles, porque raio é que os modelos deles se haveriam de aplicar por cá?

 

Dito isto, acho esta medida de acabar com os chumbos um completo disparate, algo que não faz o mínimo sentido... chumbar não é desprestígio nenhum, por vezes temos que parar para pensar.... e isso é válido em qualquer altura na vida.. e se dúvidas houvesse que chumbar nem sempre é sinal de menos capacidade, basta ler este artigo do ionline

 

Chumbar na escola não os impediu de ter sucesso

 

Jorge Soares

publicado às 22:14


Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D