Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O Freeport pariu um rato

Imagem do Público

 

 

O Ministério Público pediu esta segunda-feira no Tribunal do Barreiro a absolvição dos dois arguidos do caso Freeport, Charles Smith e Manuel Pedro, considerando que durante o julgamento não ficaram provados os factos que lhes eram imputados

 

Depois dos rios de tinta que se gastou com isto, das fugas para a China, depois de tantas acusações e denuncias directas ou indirectas, depois de tantas suspeitas lançadas ao vento, foi preciso que mudasse o governo e que Sócrates fosse estudar para Paris para que no fim tudo isto desse em nada.

 

É curioso como estas coisas acontecem uma e outra vez nos processos judiciais em Portugal, eu não consigo deixar de pensar que tudo isto:

 

1- Não foi mais que uma enorme encenação para denegrir e afastar do poder um ou mais nomes que constam ou que se pretendia que constassem do processo.

 

ou

 

2- A nossa justiça está mesmo ferida de morte e raramente algum processo que envolva actuais ou ex-politicos termina em condenação efectiva porque por trás de tudo o que vemos há quem mexa todos os cordelinhos para garantir a impunidade.

 

Depois de todo o folclore e todo o barulho feito por não sei quantos magistrados e investigadores do ministério público, como podem estes senhores pedir a absolvição dos acusados? Então aquilo tudo foi para quê?

 

O pior é que depois disto tudo e de todo o tempo e dinheiro que já se gastou com todo este filme triste, agora vão de certeza vir os pedidos de indemnização de quem durante anos foi acusado e viu o seu nome ser denegrido junto da opinião pública... indemnizações que irão evidentemente sair dos nossos impostos e não do bolso de quem andou anos a brincar à justiça.

 

Este país é sem dúvida nenhuma cada vez mais surreal

 

Jorge Soares

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:58

O país do faz de conta

por Jorge Soares, em 08.11.09

O país do faz de conta

 

Há bocado lia este post da Abigai e voltei muito atrás no tempo, até aqueles dias em que olhava para Portugal com os olhos dos meus pais, e através dos olhos deles, olhava para um país que há muito não existia. Quando mudamos de lugar levamos connosco uma fotografia de aquele momento e é assim que o recordamos, entretanto a vida segue, os países mudam, evoluem, melhoram ou pioram, mas para nós continuam a ser aquele lugar maravilhoso que guardamos na memória.

 

Entretanto voltei para cá  e como a Abigai, tive que enfrentar a realidade de um país que não conhecia, ideias, mentalidades, usos e costumes, uma nova vida à que me fui habituando. Mas há coisas que resistimos em ver, quando se fala de insegurança e corrupção, eu teimo em continuar a ver aquele ideal, principalmente porque a realidade de onde vinha era de tal forma violenta que acho sempre que por cá, e como dizia neste post, continuamos  a viver no céu.

 

Este ultimo ano foi terrível para as minhas convicções, primeiro foi o caso BPN que arrastou para a lama uma boa parte do PSD, depois foi o caso Freeport que chapinhou o Primeiro ministro e bastante gente à sua volta, depois foi aquela trapalhada toda do PSD antes das eleições, agora foi o caso das sucatas, que mostrou o lamaçal em que vivem as empresas públicas e de novo mostra que o estado vive num mar de negociatas e compadrios.

 

Vivemos sem dúvida no país do faz de conta,  vejamos:Eu faço de conta que vivo num país de gente séria. Durante muito tempo o Presidente da República e o PSD fizeram de conta que no BPN não se passava nada. Depois o Primeiro Ministro e o PS fizeram de conta que no freeport não se passava nada e aquilo não era nada com eles. De novo o Sr. Cavaco Silva a fazer de conta que o país era parvo e a lançar noticias e suspeições, agora, segundo esta notícia do Publico, durante 4 meses o Procurador Geral da República esteve a fazer de conta que não se passava nada e a deixar passar as eleições para mandar investigar o caso das sucatas.

 

Digam lá se Portugal não está convertido no país do faz de conta? 

 

Jorge Soares

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:30


Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D