Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Serviço Público

 

Imagem de aqui

 

Há coisas que são difíceis de explicar, e quando se trata de governantes ou gestores públicos é muito mais difícil ainda, o post da semana passada sobre os salários dos gestores do banco de  fomento deixou muitos comentários, na sua grande maioria parece que as pessoa ou não leram o que eu escrevi, ou simplesmente não querem saber. Quando se trata de dinheiro ou salários públicos todo o mundo critica, na maior parte dos casos sem sequer se parar para pensar, seja quem for, está lá a mais e só pelo dinheiro... e claro, todo o mundo faria melhor por muito menos... 

 

Felizmente há quem pense, o seguinte texto foi escrito por alguém que assina Ricardo Silva e diz exactamente o que eu penso, só que muito melhor escrito:

 

"Deveríamos viver numa sociedade onde deveria reinar a méritocracia mas vivemos numa sociedade de incompetência e compadrio. E a verdade é que muitos dos que criticam, pura e simplesmente fariam exactamente o mesmo daqueles que lá estão.

Ninguém, no seu bom senso, iria sair do privado para ir fazer "caridade" para o público. Sou da opinião que se queremos o melhor, temos que pagar por isso. Uma das lições que aprendi na minha vida profissional foi que o ordenado deve ser proporcional à responsabilidade da função desempenhada! Sim, acho muito bem que um presidente de um banco ganhe um salário que corresponda à responsabilidade que esse mesmo cargo acarreta.

Coloca-se aqui outra pergunta: Será que as pessoas que são nomeadas para estes cargos são as mais competentes? A resposta é simples e directa: Não! Não pela simples razão que quem tem competência, experiência e capacidade para desempenhar estes cargos com elevado nível de qualidade não vai para o sector público, mas sim para o privado e, aliás, muitos até vão para o estrangeiro.

Aos meus olhos, parece-me óbvio que ninguém queira trabalhar para o estado. Porque raio haveriam de se querer misturar com esta corja que governa o nosso país? Já para não falar na questão de, como o nosso grande e maravilhoso ex-primeiro ministro colocou, se sujeitarem à opinião pública. Basta pensar na questão dos swaps, um produto financeiro complexo que poucos conseguem entender, mas todos ficaram muito revoltados apenas porque se falou disso na comunicação social.

Resumindo, este país encontra-se numa espiral descendente onde a incompetência e o compadrio reinam de onde muito dificilmente conseguiremos sair seja por falta de vontade ou por falta de interesse.

O outro é que tinha razão: "Não sejam piegas e toca de emigrar!!"

 

Ricardo Silva

 

É que é mesmo isto, obrigado Ricardo.

 

Jorge Soares

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:28

O BPN custou 3450 milhões de Euros aos Portugueses

Imagem do Persuacção 

 


O banco BPN representará um encargo líquido de 3405 milhões de euros para os contribuintes portugueses.


A Caixa Geral de Depósitos tem 17 ex-gestores que recebem, pela reforma, cerca de 2 milhões de euros por ano.



Diz o Público Online que o Ministério Público não tem meios para fiscalizar os rendimentos dos políticos, talvez isso explique alguma coisa.

 

Certo certo é que no fim quem tem que pagar a crise são os nossos impostos. Dizem eles que a austeridade é necessária porque durante anos vivemos acima das nossas possibilidades, mas a verdade é que aqueles 3400 milhões davam à vontade para devolver os subsídios aos funcionários públicos e ainda sobravam uns trocos valentes.

 

Nós é que temos que pagar mais impostos, mas ninguém se pergunta porque é que os senhores da Caixa geral de Depósitos tem direito a pensões vitalícias de muitos milhões e as podem acumular com outras pensões e salários dos seus empregos actuais.

 

Fomos nós que vivemos acima das nossas possibilidades, mas são os políticos e governantes que tem  direito a reformas e pensões após uns poucos anos e as começam a receber de imediato sem olhar a limites de idades.

 

Eu não sei bem quem viveu acima das suas possibilidades, mas tenho a certeza absoluta de quem governou acima das nossas possibilidades, todos o que passaram pelo poder nos últimos 30 anos.

 

Jorge Soares

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:34


Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D