Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

Terá sido há mais de dois anos que eu recebi um mail de alguém da  SIC em que me era pedida ajuda para encontrar um casal que estivesse a iniciar um processo de adopção internacional e estivesse disposto a ser seguido durante todo o processo. Tal como faço sempre, encaminhei o pedido para os candidatos à adopção que conheço, mas nunca pensei que alguém estivesse disposto a participar em algo deste tipo, a adopção é um assunto muito sério, na maioria dos casos colocam-se inclusivamente problemas legais e de privacidade da criança e dos adoptantes.

 

Tal como a maioria das pessoas que adoptaram fiquei chocado com a reportagem da SIC sobre a suposta "adopção" de uma criança em Cabo Verde.

 

Em primeiro lugar convém perceber que o que se vê na reportagem não é uma adopção, Portugal e Cabo Verde adoptaram a convenção de Haia, para haver adopção a criança tem que ser entregue a quem adopta através de um processo legal que terá sempre que envolver um tribunal. No caso apresentado a criança é entregue ao casal português directamente pelos pais, com a intermediação de um conhecido e sem qualquer intervenção das autoridades de Cabo Verde.

 

Eu não coloco em causa a honestidade de todos os intervenientes neste caso, mas sem a intermediação das autoridades portuguesas e de Cabo Verde, como é que se consegue garantir que a criança não foi entregue a troco de dinheiro? 

 

Mas há muitas mais coisas que me chocam, qual é a ideia de ir entrevistar a família biológica da criança, mostrar que há miséria em Cabo Verde? Qual é a novidade nisso? Mostrar que o que estão ali a fazer está certo? Desculpabilizar quem é capaz de passar por cima de todas a leis para conseguir aquilo que quer?

 

Como é que a senhora pode dizer que não tinha conhecimento da forma em que deveria tratar do processo? Eles eram candidatos em Portugal, não perguntaram às assistentes sociais  o que era necessário para um processo de adopção internacional? Não lhes foi explicado que o processo teria sempre que ir através da segurança social de Portugal para a de Cabo verde? 

 

Durante a reportagem falam várias vezes em justiça, então e a justiça para todas as outras pessoas que estavam à espera antes deles? Não conta? Então e a justiça e as leis que dizem como deve ser tratada  uma adopção internacional entre Portugal e Cabo Verde, não interessa?

 

Passamos a vida a dizer que os processos de adopção em Portugal são demorados, há casais em Portugal à espera há quatro e cinco anos, pelo que percebi a este casal foi-lhes proposta pela segurança social portuguesa uma criança com dois anos e meio, criança que eles não aceitaram. Entre os muitos comentários que li, alguém dizia que aquela criança de Cabo Verde tem direito a ser feliz, então e a criança portuguesa que lhes foi proposta não tem direito a ser feliz? Só eles tem direito a ser felizes?

 

Afinal qual é o propósito da adopção, arranjar bebes perfeitinhos para os casais? Mas não deveria ser arranjar famílias para as crianças que precisam?

 

Eu adoptei em Cabo Verde, pela via legal, o processo foi para Cabo Verde algures em 2008, a criança foi-nos entregue pelo tribunal em 2011, tivemos que lá voltar em 2012 para ser ouvidos pelo juiz que tinha o processo, os pais biológicos foram ouvidos umas cinco vezes, e a adopção foi decretada em 2014... é justo que um processo de adopção tenha estes passos todos? Se calhar não, mas é assim que funciona e é a forma de garantir que não se brinca com a vida das crianças.

 

Era bom que estes senhores se mentalizassem para o que se segue, depois do que eu vi e ouvi na reportagem, tenho muitas duvidas que algumas vez seja decretada esta adopção, entretanto a criança está em Portugal, o visto com que veio é válido por seis meses e dependendo da boa vontade dos funcionários do SEF, será renovável ou não cada três meses, nós desistimos das renovações quando enchemos todas as folhas do passaporte e a nossa filha passou a estar indocumentada... e o nosso processo tinha seguido todos os passos legais..

 

Quanto à  SIC, com esta reportagem que puxa à  lágrima fácil mas que mais que informar desinforma, deviam ter vergonha de chamar a este caso adopção, meus senhores isto não é uma adopção, o que mostraram na reportagem não tem nome, e a forma como expuseram a vida desta criança e da sua família biológica mostrando os lugares e as pessoas daquela forma, é uma enorme falta de respeito.

 

Já agora deveriam ter esclarecido que esta criança não veio para Portugal adoptada, terá vindo entregue em confiança judicial e que isto não tem nada a ver com adopção e vai passar muito tempo até que esta criança seja adoptada... se é que alguma vez o será.

 

Para quem estiver interessado a reportagem pode ser vista aqui

 

Jorge Soares

publicado às 21:40

Blog Action Day 2010 - A água em Portugal

por Jorge Soares, em 14.10.10

 

 

 

Lembro-me de quando fizeram o poço no quintal dos meus pais,  quem escolheu o local foi a minha mãe, andou de um lado para o outro com um galho de macieira na mão, andou, andou.. até que disse: - É aqui. E foi, e fizeram o poço ali, e aos seis metros a água apareceu.. muita água, doce e do que me lembro, fresca e deliciosa.

 

Alviães, pequeno lugar de Oliveira de Azeméis, no Distrito de Aveiro,  é um sitio com muita água, os poços tem por norma menos de 10 metros e há muitas fontes, nada que ver com os poços dos meus tios, do outro lado do rio Caima, onde era necessário escavar mais de 20 metros para se ter alguma água. Desde há muito que se diz que é ali, bem perto da casa dos meus pais, que serão feitos os furos de captação para abastecer de água toda a freguesia de Palmaz. Passou muito tempo desde que abriram o poço, muitas coisas mudaram em Alviães, mas há algo que não mudou, a única água a que tem acesso os meus pais é a daquele poço, é claro que apesar da falta de análises, há muito que sabemos que não é própria para consumo... e não se bebe... mas não há muito a fazer, porque abastecimento de água na freguesia é algo de que se houve falar mas que não há modo de se ver.

 

Não, não estamos a falar de uma freguesia do interior, estamos a falar de um concelho litoral e que até tem pretensões de vir a pertencer à área metropolitana do Porto...e de um lugar onde há muita água, muitas fontes.. o que falta?

 

No outro dia na grande reportagem da SIC, o tema era a água que se bebe em Portugal, segundo um relatório do estado, 98% da água que se consome no nosso país cumpre as normas de qualidade..a reportagem encarrega-se de mostrar como  esses números são uma enorme mentira.. e eles só controlaram a água da rede.. não faço ideia qual será a percentagem do país que não tem acesso a água de rede, agora, se a água que supostamente é controlada não cumpre os parâmetros, imagine-se o que acontece nos locais onde não há qualquer tipo de controlo. Qual será a percentagem da população deste país que só tem acesso a água imprópria para consumo? Quantas Alviães haverá em Portugal?

 

A água é um bem essencial para a existência da humanidade,  há lugares no nosso planeta onde é um bem escasso, felizmente no nosso país ainda existe em abundância, mas como podemos ver na reportagem da SIC, ainda não há a consciência do seu valor e da necessidade de um consumo pensado e responsável, faz falta educação e sobretudo consciencialização da importância de um consumo regrado, sob pena de estarmos a mal gastar um bem precioso e de não estarmos a cuidar da nossa saúde.

 

O dia 15 de Outubro é o Blog Action day de 2010, este ano dedicado à água, desde aqui faço um apelo aos responsáveis do conselho de Oliveira de Azeméis... e o Sr Hermínio Loureiro, presidente da Câmara, até é natural de Alviães, para que vejam bem o que se passa com o consumo de água na freguesia de Palmaz... e a todos nós, para que sejamos responsáveis no consumo diário da água.

 

A reportagem da SIC para quem não viu:

 

 

 

Jorge Soares

publicado às 21:19


Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com


Posts mais comentados





Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D