Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Conchita WurtzImagem do Público

 

Não vi o festival, das músicas que por lá passaram, para além da vencedora, ouvi a Espanhola, a da Susy e a da Holanda, que curiosamente ficou em segundo lugar, não sei se a vitória de Conchita Wurst é merecida ou não, mas quero acreditar que não foi uma vitória política nem uma vitória do politicamente correcto, e sim a vitória merecida de quem apesar da diferença se consegue impor pelo seu trabalho e pela qualidade naquilo que faz.

 

De resto não é a primeira vez que um travesti se apresenta no festival da Eurovisão nem  a primeira vez que consegue o triunfo, Dana Internacional representou Israel por duas vezes, em 1998 e 2011 sendo que em 1998 ganhou com a música Diva.

 

Não sendo original não deixa de ser um marco e a prova de que apesar dos pruridos e protestos levantados pela Rússia e alguns dos restantes países de leste, há na Europa uma enorme lufada de ar fresco no que respeita à aceitação das diferenças.

 

Não há muito tempo atrás, seria impensável que lhe fosse sequer permitido participar, hoje não só participa como consegue vencer o festival, o mundo é feito de diferenças, todos somos diferentes é bom saber que cada vez menos essas diferenças são impedimento de se conseguir lutar e vencer.

 

A vitória de Conchita Wurtz, a mulher com barba é a prova de que  a sociedade e o mundo são cada vez mais justos e de que se pode vencer apesar da diferença.

 

Para quem ainda não viu, deixo o vídeo:

 

 

Jorge Soares

publicado às 22:54

Deitava o seu bebé numa caixa de papelão?

por Jorge Soares, em 08.01.14

Bebe a dormir numa caixa de papelão

 

Imagem da BBC 

 

É daquelas coisas que nos passam pelo Facebook que meio mundo partilha, que quase ninguém lê e de que ninguém duvida. Também é daquelas que a mim me deixa com a pulga atrás da orelha e que me levam a investigar... e parece que esta vez é mesmo a sério.

 

Diz aqui a BBC, um jornal que se presume sério,  que desde à mais de 75 anos a grande maioria dos bebés durante os primeiros meses de vida dormem numa caixa de papelão. Não, não é por falta de meios dos pais, é mesmo por tradição, ou por comodidade, ou por cultura, ou por bom senso....

 

A Finlândia é um dos países mais desenvolvidos do mundo, por lá desde há 75 anos todas as mulheres grávidas recebem um kit de maternidade do governo. O kit inclui uma caixa com roupas, lençóis e brinquedos, e a ideia é que a própria caixa seja usada como cama durante os primeiros meses de vida do bebé.

 

As mães podem escolher entre receber a caixa e o seu conteúdo ou uma ajuda financeira de 140 euros, 95% optam pela caixa já que os materiais que ela contém valem mais que esse valor.

 

A ideia é garantir a igualdade entre todas as crianças e que todas tem direito ás mesmas comodidades independentemente da classe social dos pais.

 

Será que por cá as mães seriam capaz de usar uma caixa de papelão como cama para os primeiros meses de vida dos seus filhos? Duvido muito, apesar da crise continuamos a ser um povo que vive mais das aparências que da realidade e do bom senso.

 

Do que  não há duvida é que este era um exemplo que bem podíamos copiar por cá, o do kit oferecido pelo governo e o da caixa, até porque tudo o que tem a ver com roupa, mobiliário e cuidados infantis, custa os dois olhos da cara.

 

Jorge Soares

publicado às 22:22

Mandela

 

Imagem de Pontos de Vista

 

Haverá poucos homens no mundo que tenham dado tanto pelos seus e pelo seu país. Durante mais de 20 anos liderou uma campanha pacífica e não violenta contra o Governo da África do Sul e as suas políticas racistas. Com Oliver Tambo depois fundou um escritório de advocacia que dava aconselhamento a negros que não dispunham de representação.


Foi preso em 1956 junto com mais 150 pessoas e passou 27 anos da sua vida preso, tornou-se o prisioneiro mais famoso do mundo e mesmo de dentro da prisão nunca deixou de lutar pela liberdade dos seus. Ao fim de todo este tempo  surgiu como o líder do ANC (Congresso Nacional Africano)  e liderou este partido  para conduzir a transição da África do Sul para a democracia e a igualdade após 46 anos de um regime baseado no racismo e na segregação racial.


Foi o primeiro presidente da África do Sul eleito democraticamente e o primeiro presidente negro, em 1993 ganhou o Nobel da Paz. O Dia Nelson Mandela foi instituído em 2009 para celebrar a sua vida e a chamada à acção que fez ao longo da sua vida. Celebra-se a 18 de Julho e, propositadamente, não é um feriado para que inspire todas as pessoas em todo o mundo a trabalharem pelos valores que Nelson Mandela defendeu ao longo de toda a sua vida.

Hoje o mundo ficou mais pobre, morreu Madiba, um símbolo da democracia, da liberdade, da igualdade, o seu exemplo perdurará para sempre e a sua história servirá de farol a todos os que acreditam na liberdade e na igualdade entre todos os seres humanos


Jorge Soares

publicado às 21:59

I have a dream

 

I have a dream that my four little children will one day live in a nation where they will not be judged by the colour of their skin, but by the content of their character.


Martin Luther King


Passaram 50 anos sobre o discurso em que foram proferidas estas e muitas outras palavras de esperança para um futuro muito diferente para melhor, um futuro de igualdade, sem discriminações, sem injustiças baseadas na cor da pele.


Hoje o mundo e os Estados Unidos são diferentes em muitas formas, e até há um homem negro sentado na cadeira do poder do páis mais poderoso do mundo, mas a verdade é que lá, como cá, como na maioria dos países, o sonho de Martin Luther King segue por cumprir.. e ainda há muitíssimas vezes em que os homens continuam a ser julgados pela cor da sua pele, ou pela sua ideologia, ou pelas suas escolhas sexuais, ou... em lugar de pelo seu carácter...


Passaram 50 anos e ainda falta tanto para que se cumpra o sonho


Jorge Soares

publicado às 22:37

Em Nova Iorque as mulheres já podem fazer Topless

 

Imagem do Público

 

É uma questão de igualdade: em Nova Iorque as mulheres podem fazer topless


Qual é a noticia? a noticia é que em Fevereiro e para evitar desigualdades entre homens e mulheres, a polícia de Nova Iorque emitiu um memorando interno a recordar que há uma lei de 1992 que em nome da igualdade de direitos, reconhece às mulheres o mesmo direito de andar despido da cintura para cima que aos homens. Como parece que os polícias americanos comem muito queijo e são duros de ouvido, o memorando foi repetido e enviado 10 vezes.

 

"Os agentes não devem incomodar "os indivíduos, homem ou mulher, que se mostrem em público sem roupa da cintura para cima", diz o memorando a que a AFP teve acesso nesta segunda-feira.


Não é novidade nenhuma que a sociedade americana é muito mais conservadora que igualitária, só isso explica que seja necessária uma lei para decidir a igualdade e que os polícias tenham que ser repetidamente recordados dessa pretensa igualdade.... mas, alguém me explica porque é que o Público ilustra uma noticia sobre topless femenino com uma fotografia de um homem de peitos à mostra? 

 

Jorge Soares

publicado às 22:05

 

Imagem do Público 

 

Ouvi falar do assunto durante a semana na Rádio Espanhola, na altura mais que a noticia, eles comentavam o facto de se ter passado um mês desde o assassinato de Trayvon Martin, até que a pressão da sociedade fez com que fosse aberta uma investigação... e isto só aconteceu depois de Spike Lee e outras figuras importantes da comunidade negra (desculpem mas eu não gosto do termo Afro-Americano) terem vindo para a rua e os meios de comunicação, clamar por justiça.

 

A história é simples, num dia de chuva, um jovem com um capuz na cabeça volta a pé para casa, é interpelado na rua por um senhor armado que não se sabe bem porquê, o mata com um tiro no peito. Chamada a policia, esta deixa ir George Zimmerman, o assassino,  em liberdade com base  numa lei que prevê que nos Estados Unidos qualquer pessoa ao sentir-se ameaçada, pode puxar de uma arma e disparar.

 

De mais está dizer que o morto é negro e quem matou é branco. Alguém tem alguma dúvida que caso fosse ao contrário, a polícia americana não teria o menor pejo em prender o negro que matou o branco e não haveria lei ou alegação que o protegesse?

 

Apesar de que os brancos são cada vez mais uma minoria nos Estados Unidos, a sociedade americana continua a ser profundamente racista onde negros e hispânicos continuam a ser olhados de lado. Não importa muito o que irá resultar das várias investigações que a pressão pública obrigou a que se abrissem, a realidade é que Trayvon morreu porque era negro e teve a infeliz ideia de andar a pé à noite por um bairro de brancos... morreu porque em pleno século XXI, mesmo com um presidente negro nos Estados Unidos, o país que é suposto servir de exemplo para a Democracia, não há uma verdadeira igualdade, continua a haver uma enorme segregação e qualquer jovem negro é visto como um potencial delincuente.

 

Infelizmente, em pleno século XXI, esta é a sociedade que construímos e da que fazemos parte, uma sociedade em que não há uma verdadeira justiça e igualdade e em que ainda há quem acredite que existe uma coisa chamada raça, como se não fossemos todos seres humanos...

 

Jorge Soares

publicado às 22:07

A (i) moralidade também cabe numa página A4?

por Jorge Soares, em 21.11.11

A imoralidade da reforma de 7000 Euros

Imagem do Público 

 

Diz Assunção Esteves ao Público que para construir uma nova Europa não seria necessária mais que uma folha A4, as palavras foram "É uma questão de acertar em cheio. Esta crise já nos obrigou a ver as evidências, agora falta só a coragem de as passar ao papel"

 

Senhora Presidente, que tal começarmos com uma frase lapidar?, Terminar com a imoralidade das reformas principescas.

 

Segundo o SOL, a senhora Presidente da Assembleia da República abdicou do direito ao salário de pouco mais de cinco mil Euros inerente ao seu cargo, para continuar a receber a reforma de 7255 Euros a que tem direito devido aos 10 anos em que foi juiza no Tribunal constitucional, do que não abdicou foi dos 2133 Euros mensais em ajudas de custo.

 

Desde há muito que eu acho que deveria haver um limite máximo para o valor das reformas, talvez o valor de cinco ou seis salários mínimos, que alguém receba uma reforma de 7255 Euros por mês após trabalhar 10 anos num cargo que ainda por cima é de nomeação por compadrio politico, parece-me, para além de um absurdo, uma enorme imoralidade. Há que recordar que uma enorme parte da nossa população passa a vida toda a trabalhar a troco de um salário mínimo e de reforma pouco mais recebe que uma miséria.

 

Portanto senhora presidente, se quer mesmo acertar em cheio, se quer mesmo criar uma nova Europa, uma Europa coerente e mais justa, escreva lá no topo da folha. "Terminar com a imoralidade no valor e no cálculo das reformas, trabalhar 10 anos para o estado não pode significar uma reforma principesca para o resto da vida."

 

É claro que a Presidente da assembleia da República é só um dos muitos exemplos, porque há muitos mais em quase todos os partidos politicos que passaram pela assembleia nos últimos 35 anos.

 

Jorge Soares

 

 

 

publicado às 21:26

O Nóbel da paz para quem luta pelo direito das mulheres

Imagem do Público

 

"Não podemos alcançar a democracia e a paz duradoura no mundo a menos que as mulheres tenham as mesmas oportunidades do que os homens"

 

Uma frase lapidar que foi utilizada pelo comité que faz a escolha dos prémios Nobel, uma enorme verdade que tarda em ser interiorizada, um mundo em que uma parte da população seja inferiorizada, um mundo sem direitos e deveres iguais para todos os seus habitantes, nunca será um mundo justo.

 

O comité norueguês decidiu atribuir o Nobel da paz três mulheres - as liberianas Ellen Johnson Sirleaf e Leymah Gbowee e a iemenita Tawakkul Karman - pela sua luta pacífica em nome dos direitos das mulheres. Se anos há em que nos perguntamos que terão feito os agraciados para merecer a distinção, este ano apesar de para a maioria de nós estas três mulheres serem umas perfeitas desconhecidas, basta  lermos a frase acima para percebermos que este é um prémio que pelo seu simbolismo já deveria ter acontecido há muito tempo, porque mais que os nomes, importa o simbolismo e o significado do prémio e a luta pela igualdade de géneros está longe de ser ganha.

Jorge Soares

publicado às 13:32

Clube das esposas obedientes

Imagem do DN

 

O mundo não deixa de me surpreender, esta vez a noticia é do El País e vem da Malásia, onde um grupo de mulheres (??) acaba de criar o "Clube das esposas obedientes". O objectivo de tão singular associação passa por ".. ensinar as mulheres a ser submissas e obedientes para desta forma proporcionar felicidade aos seus maridos.. "

 

Maznah Taufik, uma das fundadoras do grupo diz que este foi formado para através da educação das mulheres se diminuir a violência doméstica e os divórcios que são recorrentes e culpa de esposas que não são obedientes e não sabem servir os seus maridos. (sic)

 

A mesma senhora diz o seguinte:

 

" O sexo é um tabu na sociedade asiática .. uma boa esposa é uma boa sexo-servidora do seu marido, que é que tem de mau ser uma prostituta para o teu marido?"

 

A Malasia é um país com 38 milhões de habitantes onde 60% da população é muçulmana, a sociedade muçulmana é completamente patriarcal, sendo que às mulheres é reservado um papel menor, quero crer que este tipo de pensamento e visão do mundo seja a de uma minoria, mas não deixa de ser preocupante.

 

Estamos no século XXI e notícias como esta, ou como a que há uns dias nos dava conta de manifestações na Arábia Saudita pelo direito das mulheres a conduzir os seus carros, fazem-nos pensar em como o mundo evolui a várias velocidades, enquanto no mundo que conhecemos as mulheres cada vez mais trabalham e vivem de igual para igual com os homens, há países, sociedades, religiões, que vivem uma realidade completamente diferente. Uma realidade na que não existe igualdade e está-se muito longe de que esta venha a existir.... deveria existir um limite para a estupidez humana... e uma forma qualquer de evitar estas coisas, o direito à dignidade e à igualdade deveria ser obrigatório, em qualquer lado.

 

Jorge Soares

publicado às 21:58


Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D