Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Conto - Mãe Natal

por Jorge Soares, em 15.12.12

Mãe Natal

Imagem de aqui


Mamãe Noel

 Martha Medeiros


Sabe por que Papai Noel não existe? Porque é homem. Dá para acreditar que um homem vai se preocupar em escolher o presente de cada pessoa da família, ele que nem compra as próprias meias? Que vai carregar nas costas um saco pesadíssimo, ele que reclama até para colocar o lixo no corredor? Que toparia usar vermelho dos pés à cabeça, ele que só abandonou o marrom depois que conheceu o azul-marinho? Que andaria num trenó puxado por renas, sem ar-condicionado, direção hidráulica e air-bag? Que pagaria o mico de descer por uma chaminé para receber em troca o sorriso das criancinhas? Ele não faria isso nem pelo sorriso da Luana Piovani! Mamãe Noel, sim, existe.

Quem é a melhor amiga do Molocoton, quem sabe a diferença entre a Mulan e a Esmeralda, quem conhece o nome de todas as Chiquititas, quem merecia ser sócia-majoritária da Superfestas? Não é o bom velhinho.

Quem coloca guirlandas nas portas, velas perfumadas nos castiçais, arranjos e flores vermelhas pela casa? Quem monta a árvore de Natal, harmonizando bolas, anjos, fitas e luzinhas, e deixando tudo combinando com o sofá e os tapetes? E quem desmonta essa parafernália toda no dia 6 de janeiro?

Papai Noel ainda está de ressaca no Dia de Reis. Quem enche a geladeira de cerveja, coca-cola e champanhe? Quem providencia o peru, o arroz à grega, o sarrabulho, as castanhas, o musse de atum, as lentilhas, os guardanapinhos decorados, os cálices lavadinhos, a toalha bem passada e ainda lembra de deixar algum disco meloso à mão?

Quem lembra de dar uma lembrancinha para o zelador, o porteiro, o carteiro, o entregador de jornal, o cabeleireiro, a diarista? Quem compra o presente do amigo-secreto do escritório do Papai Noel? Deveria ser o próprio, tão magnânimo, mas ele não tem tempo para essas coisas. Anda muito requisitado como garoto-propaganda.

Enquanto Papai Noel distribui beijos e pirulitos, bem acomodado em seu trono no shopping, quem entra em todas as lojas, pesquisa todos os preços, carrega sacolas, confere listas, lembra da sogra, do sogro, dos cunhados, dos irmãos, entra no cheque especial, deixa o carro no sol e chega em casa sofrendo porque comprou os mesmos presentes do ano passado?

Por trás do protagonista desse megaevento chamado Natal existe alguém em quem todos deveriam acreditar mais.

(Dezembro de 1998).


Retirado de Releituras

publicado às 21:07

O pai natal traz presentes para os amigos

Imagem Minha do Momentos e Olhares 

 

Um destes dias o natal chegou à escolinha da D. a educadora pediu a todos os meninos para dizerem o que queriam pedir ao pai natal. Evidentemente na sociedade de consumo em que vivemos as crianças de 4 anos estão completamente esclarecidas e já sabem muito bem o que querem: carrinhos, bonecas, jogos, consolas .. de tudo um pouco.... bom, todas não, a nossa D. apesar de que já cá passou um natal, ainda não interiorizou muito bem a história do senhor de barbas brancas e  e fato vermelho. Com o barulho todo que os coleguinhas fizeram acho que ela percebeu uma parte da história, mas no fim da actividade no cartão dela a educadora tinha escrito o seguinte:

 

- O pai natal traz prendas para os meus amigos.

 

Não sei se será bom ou mau, mas está visto que cá em casa o pai natal não faz muito sucesso, o ano passado ela até teve direito a festejar o natal duas vezes, uma em casa de cada avó, e recebeu prendas das duas vezes.... mas o pai natal não entrou no jogo. Não me parece que em Cabo verde ela soubesse o que era o natal, primeiro porque era muito pequena para isso e segundo, porque onde ela estava não havia muitas condições para isso.

 

O pai natal não fez parte da minha infância, antes dos doze ou treze anos não me lembro de ter ouvido falar do senhor, era o menino Jesus que deixava as prendas junto à lareira, a minha filha tem prendas como todas as crianças, prendas escolhidas e controladas por nós, por cá não se incentiva o excesso, nem em quantidade nem em valor, eu ficava muito feliz se pelo resto da sua infância ela continuasse com esta visão muito própria do natal e do pai natal, era sinal que apesar de tudo, ainda somos capazes de passar  pelo menos uma parte da ideia do natal.

 

Jorge Soares 

publicado às 22:35


Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D