Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A indisciplina na SIC

por Jorge Soares, em 27.04.16

baixa.jpg

 

 

Imagem do Facebook

 

Suicidou-se e está com baixa médica, será que a segurança social envia o cheque com o pagamento da baixa para a nova morada no cemitério?

 

A reportagem era sobre indisciplina na escola, aposto que quem escreveu isto era dos que passava muito tempo na rua em vez de estar nas aulas.

 

Jorge Soares

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:57

 

Terá sido há mais de dois anos que eu recebi um mail de alguém da  SIC em que me era pedida ajuda para encontrar um casal que estivesse a iniciar um processo de adopção internacional e estivesse disposto a ser seguido durante todo o processo. Tal como faço sempre, encaminhei o pedido para os candidatos à adopção que conheço, mas nunca pensei que alguém estivesse disposto a participar em algo deste tipo, a adopção é um assunto muito sério, na maioria dos casos colocam-se inclusivamente problemas legais e de privacidade da criança e dos adoptantes.

 

Tal como a maioria das pessoas que adoptaram fiquei chocado com a reportagem da SIC sobre a suposta "adopção" de uma criança em Cabo Verde.

 

Em primeiro lugar convém perceber que o que se vê na reportagem não é uma adopção, Portugal e Cabo Verde adoptaram a convenção de Haia, para haver adopção a criança tem que ser entregue a quem adopta através de um processo legal que terá sempre que envolver um tribunal. No caso apresentado a criança é entregue ao casal português directamente pelos pais, com a intermediação de um conhecido e sem qualquer intervenção das autoridades de Cabo Verde.

 

Eu não coloco em causa a honestidade de todos os intervenientes neste caso, mas sem a intermediação das autoridades portuguesas e de Cabo Verde, como é que se consegue garantir que a criança não foi entregue a troco de dinheiro? 

 

Mas há muitas mais coisas que me chocam, qual é a ideia de ir entrevistar a família biológica da criança, mostrar que há miséria em Cabo Verde? Qual é a novidade nisso? Mostrar que o que estão ali a fazer está certo? Desculpabilizar quem é capaz de passar por cima de todas a leis para conseguir aquilo que quer?

 

Como é que a senhora pode dizer que não tinha conhecimento da forma em que deveria tratar do processo? Eles eram candidatos em Portugal, não perguntaram às assistentes sociais  o que era necessário para um processo de adopção internacional? Não lhes foi explicado que o processo teria sempre que ir através da segurança social de Portugal para a de Cabo verde? 

 

Durante a reportagem falam várias vezes em justiça, então e a justiça para todas as outras pessoas que estavam à espera antes deles? Não conta? Então e a justiça e as leis que dizem como deve ser tratada  uma adopção internacional entre Portugal e Cabo Verde, não interessa?

 

Passamos a vida a dizer que os processos de adopção em Portugal são demorados, há casais em Portugal à espera há quatro e cinco anos, pelo que percebi a este casal foi-lhes proposta pela segurança social portuguesa uma criança com dois anos e meio, criança que eles não aceitaram. Entre os muitos comentários que li, alguém dizia que aquela criança de Cabo Verde tem direito a ser feliz, então e a criança portuguesa que lhes foi proposta não tem direito a ser feliz? Só eles tem direito a ser felizes?

 

Afinal qual é o propósito da adopção, arranjar bebes perfeitinhos para os casais? Mas não deveria ser arranjar famílias para as crianças que precisam?

 

Eu adoptei em Cabo Verde, pela via legal, o processo foi para Cabo Verde algures em 2008, a criança foi-nos entregue pelo tribunal em 2011, tivemos que lá voltar em 2012 para ser ouvidos pelo juiz que tinha o processo, os pais biológicos foram ouvidos umas cinco vezes, e a adopção foi decretada em 2014... é justo que um processo de adopção tenha estes passos todos? Se calhar não, mas é assim que funciona e é a forma de garantir que não se brinca com a vida das crianças.

 

Era bom que estes senhores se mentalizassem para o que se segue, depois do que eu vi e ouvi na reportagem, tenho muitas duvidas que algumas vez seja decretada esta adopção, entretanto a criança está em Portugal, o visto com que veio é válido por seis meses e dependendo da boa vontade dos funcionários do SEF, será renovável ou não cada três meses, nós desistimos das renovações quando enchemos todas as folhas do passaporte e a nossa filha passou a estar indocumentada... e o nosso processo tinha seguido todos os passos legais..

 

Quanto à  SIC, com esta reportagem que puxa à  lágrima fácil mas que mais que informar desinforma, deviam ter vergonha de chamar a este caso adopção, meus senhores isto não é uma adopção, o que mostraram na reportagem não tem nome, e a forma como expuseram a vida desta criança e da sua família biológica mostrando os lugares e as pessoas daquela forma, é uma enorme falta de respeito.

 

Já agora deveriam ter esclarecido que esta criança não veio para Portugal adoptada, terá vindo entregue em confiança judicial e que isto não tem nada a ver com adopção e vai passar muito tempo até que esta criança seja adoptada... se é que alguma vez o será.

 

Para quem estiver interessado a reportagem pode ser vista aqui

 

Jorge Soares

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:40

A Joana Latino e uma reportagem .... viva

por Jorge Soares, em 26.03.14

Joana Latino

 

 

Imagem de aqui

 

No que toca a noticias sou cliente da RTP, o que significa que esta reportagem (diferente??!!) me tinha passado ao lado não fosse um dos meus contactos do Facebook ter colocado no mural um dos muitos comentários sobre ela.

 

O jornalismo é uma coisa séria e deve em principio ser feito por pessoas sérias, mas sério não significa mal disposto e a Joana Latino é para além de uma excelente profissional, uma pessoa bonita e bem disposta... e isso normalmente nota-se nos seus trabalhos.

 

A reportagem é sobre David Hasselhoff e a sua vinda a Portugal a propósito de um espectáculo qualquer. Quem anda perto dos 40 recordará o David da série o Justiceiro, em que contracenava com um carro que para além de falar, sabia uns truques. Já quem anda perto dos 30 lembra-se de certeza  de uma, ou de várias,  temporadas da serie Marés vivas,  em que ele contracenava com miúdas giras em fato de banho, a série em certo modo até revolucionou a profissão de salvavidas em Portugal e nos vários paises por onde passou.

 

Está visto que a Joana se lembra bem do actor e das suas várias facetas e portanto decidiu-se por uma reportagem diferente. Diferente não quer dizer má, menos interessante ou menos informativa... pode-se gostar mais ou menos, mas não há duvida que a Joana arriscou... e o resultado final foi este:

 

 

Parece que há muita gente melindrada com a Joana e este seu trabalho... sinceramente não estou a perceber porquê. É só uma reportagem diferente e não restam dúvidas que todos ficamos a saber quem é a personagem e o que veio cá fazer.... só faltou mesmo o bikini e a boia salvavidas para o ambiente ser perfeito {#emotions_dlg.tongue}

 

Jorge Soares

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:01

Salários, João Baião vai ganhar 25000 Euros

 

Imagem de aqui 

 

 

Está a levantar celeuma que o governo se prepare para gastar meio milhão de Euros por ano em salários só para os três principais directores do novo Banco do Fomento, sendo que um deles irá ganhar mais de 13 mil Euros por mês.

 

Assim de repente, num país onde o salário médio anda à volta dos 800 Euros por mês, 13 mil Euros parece um salário exorbitante, é claro que estamos a falar de alguém que terá a enorme responsabilidade de presidir a um banco do Estado.  Podemos também perguntar para que precisa o país de um banco de fomento quando já existe algo chamado Caixa Geral de de depósitos... mas isso é outra história.

 

Pelo que percebi, as três pessoas em questão tinham cargos de relevo em bancos privados e teriam de certeza salários a condizer com a importância desses cargos, sei que muita gente acha que as pessoas deveriam ir trabalhar para o estado com espírito de missão, mas também é verdade que sempre que alguém me vem com essa ideia eu pergunto se a pessoa deixaria o seu emprego para ir para o estado ganhar menos que aquilo que ganha... ainda estou á espera do primeiro que diga que sim.

 

Para vermos como as coisas são relativas, li esta semana que O João Baião vai deixar a RTP para ir trabalhar para a SIC, onde irá ganhar qualquer coisa como 25 mil Euros por mês a apresentar programas de televisão, mais do dobro do que ganhava na RTP. Não vi ninguém escandalizado com isso, 25 mil Euros é quase o dobro do que irá ganhar o presidente do Banco... alguém quer comparar o nível de responsabilidade?

 

Dei por mim a pensar como são relativas as coisas, um entertainer ganha o dobro do presidente de um banco do estado... visto por este prisma o salário do banqueiro parece-me pouco para a sua importância... a menos que os salários se calculem com base no número de vezes que se aparece nas revistas cor de rosa....

 

É claro que a comparação não faz muito sentido, a SIC é uma empresa privada e paga o que entender... mas a RTP é uma empresa Pública e pelo que percebi o salário do Baião seria qualquer coisa acima dos 10 mil Euros... o que evidentemente à primeira vista parece um absurdo... se nos esquecermos que a SIC lhe vai pagar os tais 25 mil ...

 

Tudo na vida é relativo, mas será que queremos mesmo um banco com um presidente que ganhe o salário mínimo ou uma pequena parte do que ganharia nos bancos privados?

 

A minha visão de tudo isto é a seguinte: Tudo depende evidentemente do ponto de vista, mas parece-me que  o que está errado não é o senhor ir ganhar os 13 mil Euros, o que está mesmo muito errado é que o salário mínimo seja uma miséria e a média dos salários do resto dos portugueses sejam os tais 800 Euros por mês.

 

Jorge Soares

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:51

Em mau português - Cartuxo?

por Jorge Soares, em 04.12.13

Cartuxos

 

 

car·tu·xo 
(latim medieval Carthusiumfrade da ordem da Cartuxa)

adjetivo e substantivo masculino

1. Relativo a ou religioso da ordem da Cartuxaestabelecida por SBruno em 1084.

substantivo masculino

2. [Figurado]  Homem retirado do convívio social (sem ideia de misantropia).


Sinónimo Geral: CARTUSIANO


In Priberam

 

 

Senhores da TVI, ainda há monges em Leiria? Ou a fábrica seria de cartuchos para armas?

 

Jorge Soares

 

Update: a imagem é da TVI e não da SIC como tinha referido inicialmente, as minhas desculpas à SIC e a quem por aqui passa e obrigado ao Gonçalo que me alertou para o erro

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:43

Foi a Sónia que através do Facebook me chamou a atenção para este vídeo, é uma reportagem da SIC sobre uma visita de crianças institucionalizadas a um quartel de Bombeiros na Guarda.


Para além de que uma vez mais a SIC se esqueceu que existe uma lei que protege as crianças institucionalizadas e que portanto não deveria nunca mostrar as crianças de forma a que estas fossem identificáveis, há uma parte em que a Jornalista nos conta como por puro acaso, se reencontraram irmãos que já não se viam há mais de um ano.


Ou seja, a mesma Segurança Social que é tão renitente em separar irmãos para adopção de modo a que estes não percam o contacto entre si, e há crianças que graças a esta renitência nunca são adoptadas, permite que irmãos que estão em instituições diferentes, se calhar a poucos quilómetros umas das outras, passem anos sem se verem...


Alguém me explica qual é a lógica disto?...Será que não havendo forma de colocar todas as crianças na mesma instituição, não haverá forma de garantir o contacto regular entre elas?


Como é possível que estas coisas aconteçam e que seja necessário um caso fortuito destes para que os irmãos se reencontrem após mais de um ano sem se verem?





Já agora, quem permitiu que as crianças fossem filmadas desta forma, será que os tribunais que as encaminharam para as instituições e que são os responsáveis legais foram consultados?


Jorge Soares

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:01

Hemodiálise em Portugal

Imagem do Público 

 

“não acha abominável que se discuta se alguém que tem 70 anos tem direito à hemodiálise ou não?” 

Mas a resposta veio por parte da social-democrata Ferreira Leite. “Tem sempre direito se pagar. O que não é possível é manter-se um Sistema Nacional de Saúde como o nosso, que é bom, gratuito para toda a gente 

 

Manuela Ferreira Leite no programa Contracorrente na SIC.

 

Segundo a notícia do Público, o custo semanal do tratamento de hemodiálise é de 450 euros, qualquer coisa como 1400 Euros por mês, é o que o estado paga neste momento por cada um dos mais de 14000 mil doentes que existem no país. 

 

Não faço ideia de qual será o valor médio das reformas em Portugal, mas imagino que andará abaixo dos 500 Euros, vamos exigir a pessoas que recebem menos de 500 Euros que paguem pelo tratamento? Qual será a percentagem de doentes com mais de 70 anos que pode pagar os 1400 Euros do tratamento?

 

Por principio eu não sou contra o pagamento de taxas moderadoras por quem pode... e acho um exagero que existam mais de 5 milhões de pessoas isentas... mas isso é outro tema. Agora, uma coisa é o pagamento de taxas moderadoras, outra muito diferente é que se diga que terá direito ao tratamento quem o puder pagar...então e quem não puder?, morre?

 

Se realmente queremos enveredar por este caminho, então deveriam começar por dar-nos a hipótesse de em lugar de descontar os 11% todos os meses para a segurança social, os colocarmos de lado de modo a quando chegar a altura podermos pagar... quem me garante a mim que daqui a uns anos quando eu chegar à idade em que realmente preciso de cuidados médicos, os vou poder pagar?..e se não puder, apesar dos muitos milhares de Euros que já descontei até agora, simplesmente morro?

 

A Doutora Manuela Ferreira Leite deveria lembrar-se que a generalidade dos portugueses não tem a reforma dourada que ela tem...a maioria dos doentes que precisa de hemodiálise não tem sequer de reforma o valor do tratamento semanal...

 

Para quem acha que as afirmações foram tiradas do contexto, deixo o vídeo, que cada um tire as suas conclusões.

 


Jorge Soares

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:21

Eduardo Catroga e a política dos Pentelhos

por Jorge Soares, em 12.05.11

 Os pentelhos do Catroga

 

Via Henricartoon

 

 

 

Agora percebo porque é que passa o tempo, os debates, as discussões e não há forma de ficar mais claro o que querem estes senhores para o país... nós estamos à espera de propostas e eles discutem a politica dos pentelhos ..... estamos lixados... com F grande.

 

Jorge Soares

 

PS:Já agora, para os senhores da SIC, segundo o dicionário Priberam, escreve-se com e. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:47

Blog Action Day 2010 - A água em Portugal

por Jorge Soares, em 14.10.10

 

 

 

Lembro-me de quando fizeram o poço no quintal dos meus pais,  quem escolheu o local foi a minha mãe, andou de um lado para o outro com um galho de macieira na mão, andou, andou.. até que disse: - É aqui. E foi, e fizeram o poço ali, e aos seis metros a água apareceu.. muita água, doce e do que me lembro, fresca e deliciosa.

 

Alviães, pequeno lugar de Oliveira de Azeméis, no Distrito de Aveiro,  é um sitio com muita água, os poços tem por norma menos de 10 metros e há muitas fontes, nada que ver com os poços dos meus tios, do outro lado do rio Caima, onde era necessário escavar mais de 20 metros para se ter alguma água. Desde há muito que se diz que é ali, bem perto da casa dos meus pais, que serão feitos os furos de captação para abastecer de água toda a freguesia de Palmaz. Passou muito tempo desde que abriram o poço, muitas coisas mudaram em Alviães, mas há algo que não mudou, a única água a que tem acesso os meus pais é a daquele poço, é claro que apesar da falta de análises, há muito que sabemos que não é própria para consumo... e não se bebe... mas não há muito a fazer, porque abastecimento de água na freguesia é algo de que se houve falar mas que não há modo de se ver.

 

Não, não estamos a falar de uma freguesia do interior, estamos a falar de um concelho litoral e que até tem pretensões de vir a pertencer à área metropolitana do Porto...e de um lugar onde há muita água, muitas fontes.. o que falta?

 

No outro dia na grande reportagem da SIC, o tema era a água que se bebe em Portugal, segundo um relatório do estado, 98% da água que se consome no nosso país cumpre as normas de qualidade..a reportagem encarrega-se de mostrar como  esses números são uma enorme mentira.. e eles só controlaram a água da rede.. não faço ideia qual será a percentagem do país que não tem acesso a água de rede, agora, se a água que supostamente é controlada não cumpre os parâmetros, imagine-se o que acontece nos locais onde não há qualquer tipo de controlo. Qual será a percentagem da população deste país que só tem acesso a água imprópria para consumo? Quantas Alviães haverá em Portugal?

 

A água é um bem essencial para a existência da humanidade,  há lugares no nosso planeta onde é um bem escasso, felizmente no nosso país ainda existe em abundância, mas como podemos ver na reportagem da SIC, ainda não há a consciência do seu valor e da necessidade de um consumo pensado e responsável, faz falta educação e sobretudo consciencialização da importância de um consumo regrado, sob pena de estarmos a mal gastar um bem precioso e de não estarmos a cuidar da nossa saúde.

 

O dia 15 de Outubro é o Blog Action day de 2010, este ano dedicado à água, desde aqui faço um apelo aos responsáveis do conselho de Oliveira de Azeméis... e o Sr Hermínio Loureiro, presidente da Câmara, até é natural de Alviães, para que vejam bem o que se passa com o consumo de água na freguesia de Palmaz... e a todos nós, para que sejamos responsáveis no consumo diário da água.

 

A reportagem da SIC para quem não viu:

 

 

 

Jorge Soares

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:19

Crianças institucionalizadas

Imagem da internet

 

Cá por casa para além das noticias pouco se vê a televisão generalista portuguesa, deve ser por isso que o programa me passou ao lado, o comentário do Pedro hoje à tarde chamou a minha atenção para o assunto e lá fui ao site da SIC e pude ver o programa.

 

Fiquei chocado com tudo o que é ali mostrado, é chocante ver que há crianças que estão no centro de acolhimento há 6, 7, 12 anos, entraram para ali crianças e vão sair adultos, por muito bom que seja o lar, por muito boa intenção que pareçam ter as pessoas, a verdade é que aquelas crianças cresceram e viveram longe do carinho de uma família e como pudemos ver em mais que um dos testemunhos, isso deixa marcas.

 

Está claro que há algo de errado com tudo isto, como é possível que uma criança que entra para um centro de acolhimento com um ano, continue lá aos 10? Quantos anos são necessários para que se conclua que não vai haver volta atrás e que deve ser encontrado um projecto de vida que não passe por famílias que não aparecem?

 

No encontro nacional de adopção da semana passada Fernanda Salvaterra, responsável pelas equipas de adopção de Lisboa, dizia a propósito da integração de crianças nas famílias adoptivas, que conseguiam saber à partida se a integração ia ser mais fácil ou mais difícil de acordo com a instituição de onde elas vinham, isto porque há instituições que preparam as crianças para a adopção e outras que por um motivo ou outro não o fazem.

 

É claro que a instituição retratada na reportagem não prepara as crianças para a adopção, o caso que apresentaram ali é gritante, levar uma criança a uma esplanada e apresentar-lhe duas pessoas que supostamente irão ser os seus pais, assim,  sem preparar a criança previamente, só pode resultar em fracasso. O que a mim me pareceu é que esta instituição não tem uma equipa preparada para enfrentar estas situações, não prepara as crianças, quando falamos de crianças a boa vontade não chega, é necessário que existam equipas profissionais e preparadas para preparar as crianças para a sua vida futura, já seja o regresso à família ou a ida para a adopção.

 

Outra coisa que me chocou foi a forma como as crianças foram apresentadas na reportagem, perfeitamente identificáveis, não sei quem deu a autorização, mas duvido que o tribunal, o verdadeiro responsável como foi dito várias vezes,  tenha autorizado isto, até porque a Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo (Lei: 147/99 de 01 de Setembro, artigo 90º, número 1) diz o seguinte:

 

1 - Os órgãos de comunicação social, sempre que divulguem situações de crianças ou jovens em perigo, não podem identificar, nem transmitir elementos, sons ou imagens que permitam a sua identificação, sob pena de os seus agentes incorrerem na prática de crime de desobediência.

 

Eu sei que estas reportagens são importantes para chamar a atenção das pessoas para o que verdadeiramente se passa com as crianças, sei que esta reportagem fez mais para chamar a atenção que mil posts meus, mas era mesmo necessário mostrar as caras das crianças? 

 

Jorge Soares

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:31


Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D