Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Talhar o augado.

por Jorge Soares, em 29.10.07

No outro dia a minha colega a Ana, orgulhosa e algo irritada com o seu primeiro filho que está com 9 meses e que é uma daquelas crianças que acha que a melhor maneira de chatear os pais é não gostar de comer, dizia que a mãe e a tia dela achavam que o problema da criança era que tinha o ventre caído (sic). 

 

O Ventre caído é o que lá para Trancoso utilizam para dizer que a criança está augada, que é como se diz na minha terra, lá para os lados de Palmaz, Oliveira de Azeméis. Na altura brincamos com ela e eu perguntei quando é que ela levava o filho à bruxa.

 

Não me lembro nunca de ter augado, quer dizer, quando já era adolescente, auguei algumas vezes, por algumas das minhas colegas que não me ligavam, mas isso é outra historia. Mas lembro-me de ter aí uns 7 ou 8 anos e o meu irmão ter augado, e de alguém ter ido lá a casa e talhar o augado ao rapaz.

 

Se calhar se eu perguntar à minha mãe ela diz-me como é que se faz a talha, que imagino será diferente em Trancoso e portanto não sei se será válido aos olhos da mãe da Ana, de todos modos, pesquisando um bocadinho na Net, encontrei  o Blog Santa terrinha, mais ou menos explicam a coisa.

 

Já agora, dizemos que alguém está augado quando está com ideia fixa em alguma coisa, normalmente alguma comida que viu, lhe apeteceu e não pode provar ou comer, normalmente os sintomas são falta de apetite, apatia, falta de interesse, também se traduz por estar com cara de carneiro mal morto. Para além da talha, outra possível cura é enfartar-se naquilo que se está a desejar, o problema é que muitas vezes não se sabe o que é.... ou quem é. :-)

 

Já agora o dicionário da Porto Editora diz que a palavra existe mesmo, é o verbo augar, e augado é o seu particípio passado.

 

Quanto ao miúdo da Ana, acho que é muito pequeno para augar, e o meu irmão, apesar dos seus trinta e tal anos, continua a ser esquesito com as comidas.

 

Jorge

publicado às 19:07


Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D