Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



vacina.jpg

 

Imagem de aqui 

 

A difteria é uma doença que estava erradicada na Espanha há mais de trinta anos graças aos programas de vacinação das crianças. 

 

Há uns dias, após a terceira vista às urgências hospitalares por parte de uma criança de seis anos sem que os diversos tratamentos tivessem qualquer efeito, um médico decidiu chamar alguém com mais experiência, um médico com idade suficiente para ter ouvido falar de doenças das que já nem se fala na formação dos médicos. Feitos os testes confirmou-se o diagnóstico, difteria.

 

A Doença é tão rara na Europa que nem na Espanha nem em nenhum país da união europeia havia os medicamentos necessários para o tratamento, tiveram que vir da Rússia.

 

Por influência de uma plataforma anti-vacinas, os pais da criança tinham-se recusado a vacinar o menino e agora este luta pela vida no hospital. Após estudos ao ambiente em que se movia a criança, concluiu-se que além desta há pelo menos outras oito entre as que este contactou, que deram positivo à presença da doença, como estavam vacinadas não desenvolveram os sintomas. 

 

Entretanto estas oito crianças foram obrigadas a ficar em casa, isto para evitar que contagiem alguma das outras que não estão vacinadas, calcula-se que entre 3 e 5 % das crianças espanholas não são vacinadas... 

 

Num destes dias na Radio Nacional de Espanha, ouvi um médico que era partidário de que tornassem todas as vacinas obrigatórios, isto porque os mitos sobre os efeitos malignos das vacinas e a moda de não vacinar as crianças, estão a contribuir  para que ressurjam doenças há muito erradicadas e que voltem a morrer pessoas por doenças que se supunha estarem controladas.

 

Entre as várias noticias que li e ouvi sobre o assunto chamou-me a atenção uma entrevista aos pais da criança doente que diziam sentir-se enganados pela plataforma anti-vacinas, a mensagem que lhes tinham passado era que não havia perigo nenhum em não vacinar o seu filho e agora o este estava ligado às máquinas no hospital...

 

Os meus filhos estão vacinados, tenho plena consciência de que há um risco associado a cada vacina, mas também tenho o conhecimento dos riscos inerentes ao facto de não as tomarem e que quanto a mim são muito superiores aos das vacinas.

 

Temos a noção de que há casos de crianças que reagem mal às vacinas e até podem terminar por morrer, é claro que é muito mais difícil de ter a noção de quantas crianças morreriam se não as tomassem. Acho que os pais desta criança espanhola ficaram agora com essa noção.

 

Jorge Soares

publicado às 22:59

A gripe A foi um fiasco.. felizmente

 

Hoje foi dia de apanhar a vacina da gripe, como todos os anos esta é oferecida a todos os empregados que a queiram tomar e como todos os anos, acho que fui o único do departamento que lá fui. À saída do almoço encontrei a médica e a enfermeira que se dirigiam ao posto médico, aproveitei a boleia e fui tratar do assunto. Como sempre que lá vou, a conversa estendeu-se por mais de uma hora, contabilizando o meu tempo e o dela, o raio da coisa saiu muito cara à empresa... mas lá fiquei a saber as últimas da vida escolar dos filhos dela e ela ficou a saber as últimas sobre adopção internacional e sobre a vida das crianças em Cabo Verde...

 

Mas não era disso que queria falar, há coisa de um ano atrás, a gripe A e o tomar ou não a vacina foram tema de conversa por aqui.. numa pesquisa rápida, contei 5 posts sobre o assunto, cada um com a sua dose de polémica. Sendo que no fim, mais de um achou que eu tenho sempre que ter a última palavra e que raramente reconheço que posso estar errado.... continuo a achar que isso não é verdade, o que acontece é que ninguém me mostra argumentos mais fortes que os meus .

 

Bom, hoje vou dar a mão à palmatória, a gripe A foi um fiasco.... felizmente para o mundo a pandemia não passou de mais uma gripe passageira e os cenários mais pessimistas não passaram disso, de cenários pessimistas que serviram para que empresas farmacêuticas ganhassem mais uns.. muitos ... milhões.

 

Quem aqui defendia que não era assim tão importante tomar a vacina tinha razão.. ainda que eu continue a achar que as vacinas são muito importantes para a saúde pública, vacina da gripe incluída, por isso é que a tomo todos os anos.

 

Não, eu não tenho sempre razão, neste caso fico feliz por não a ter tido ... e sei dar a mão à palmatória.. mesmo que seja um ano depois... agora podem todos aproveitar para me deitar à cara que tudo aquilo que não deitaram naquela altura..

 

Jorge Soares

publicado às 23:00


Ó pra mim!

foto do autor



Queres falar comigo?

Mail: jfreitas.soares@gmail.com






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D